Valor

Valor. Aquilo que uma coisa vale; preço, valia. No sentido corrente, conota a ideia de um alto nível de capacidade atingido por esforço pessoal. Nesta acepção, falamos em um homem de grande valor.

Desde a Antiguidade essa palavra foi usada para indicar a utilidade ou o preço dos bens materiais e a dignidade ou o mérito das pessoas. Contudo, esse uso não tem significado filosófico porque não deu origem a problemas filosóficos. O uso filosófico do termo só começou quando seu significado é generalizado para praticar qualquer objeto de preferência ou de escolha, o que aconteceu pela primeira vez com os estoicos, que introduziram o termo no domínio da ética e chamaram de valor os objetos de escolha moral. (1)

Com o passar do tempo, surgiu a axiologia, ou teoria dos valores. A teoria geral dos valores requer a consideração dos seguintes problemas:

a) qual a natureza dos valores;

b) quais são os valores fundamentais e como devem ser classificados?

c) como se pode determinar os valores relativos das coisas, e qual é o último critério do valor?

d) são os valores meramente subjetivos, satisfazendo meramente subjetivos, ou são objetivos, diferentes dos meros objetos de desejo, e dando ao desejo alguma lei ou norma?

e) qual a relação entre o valor e as coisas, ou entre o valor e a existência ou realidade? (2)

Segundo Nietsche, é a dificuldade que dá valor às coisas.

Adam Smith (1723-1790) distingue, em economia, o valor de uso (value in use) e valor de troca (value in exchange). O primeiro significava uma utilidade objetiva, real da coisa para satisfazer determinada necessidade; o segundo significava a apreciação social atribuída a uma coisa, em determinado momento, por determinado grupo, por um preço. (3)

Sobre os fatos, damos apenas um epíteto, pois nada podemos acrescentar ou diminuir aos atributos que a coisa tem. Aquilo continua sendo o que é. Dizer que um livro é belo ou feio, nada acrescenta ou tira do livro.

Há no valor o aspecto invariante e o aspecto variante. A prudência, como invariante, é uma virtude que faz evitar a tempo, as inconveniências ou perigos. Mas o senhor feudal era prudente quando se armava, o burguês hoje, é prudente quando se cerca de bons documentos etc. Este é o aspecto variante.


Mais sobre o valor:

1. Etimologia. Valor vem de valere, que significa ser forte, ter boa saúde.

2. Em Matemática, valor de uma função, de uma variável.

3. Em Medicina, os vários sintomas colhidos numa observação clínica.

4. Em Economia, o valor de uma mercadoria é medido pela quantidade de outras mercadorias pela qual será ou poderá ser negociada. Distinguem-se o valor de uso (utilidade objetiva de um objeto) e valor de troca (preço que o objeto obtém no mercado).

5. Em Sociologia, o valor social baseia-se nas ideias, conhecimentos... que se solidifica com o tempo.

6. Em Filosofia, recebeu o nome de axiologia, de axios, em grego, o que é precioso, digno de ser estimado.

7. Em Psicologia, tem relação com a atitude e o interesse e significa a medida quantitativa ou numérica de qualquer dado numa escala geral ou em termos de um padrão.

Ainda: os valores podem ser classificados como éticos, antiéticos, negativos, positivos etc. O termo valor é ubíquo, ou seja, está inserido em várias áreas do conhecimento. Há também os juízos de valor e juízos de realidade. Os juízos de realidade mostram o que as coisas são objetivamente; os juízos de valor, a interpretação que o sujeito faz do objeto.(4)


Valor. Um valor é sempre uma relação entre um objeto e um padrão utilizado pela consciência que avalia uma ação realizada ou a realizar. No aspecto filosófico, e pela análise de nossas atitudes práticas (não-teoréticas) e pela reflexão sobre as mesmas que conseguimos atingir a consciência do valor na sua essência. A questão sobre a natureza da moralidade, da arte e da religião conduz, por esta perspectiva, à essência dos valores éticos, estéticos e religiosos. Nota-se que o primeiro uso técnico da palavra foi em economia política (o valor de uso de um objeto: a importância do objeto para determinado sujeito, conceito distinto da utilidade, segundo Landy). Adam Smith, por seu turno, distingue entre value in use e value in exchange (valor objetivo real, como o da água / valor não em si fundado, como o do diamante). No ponto de vista econômico, o valor designa em geral um caráter das coisas segundo a qual elas se podem trocar por uma quantidade de mercadoria, tomada como unidade (valor de troca). Se a expressão filosófica dos valores, literalmente, se origina na modernidade, na verdade, na linguagem do valor já o socialismo se funda em duas teses destacadas: o valor (virtude) dá-se como tal numa experiência evidente; o valor é objeto de um juízo de verdade, possui caráter universal, sendo o bem de natureza espiritual e não sensível (L. Lavelle). O platonismo, por outro lado, pode interpretar-se como uma filosofia dos valores porque herdou do socratismo a doutrina do conceito, que não podia estender-se do mundo moral ao mundo real sem fazer deste último uma processão do valor (L. Robin). Em Aristóteles, nos epicuristas e nos estoicos bem como em Plotino, há uma ordem ascensional das coisas, por imitação do movimento da alma para o valor. A escolástica aristotélica dá grande relevo às discussões sobre o bonum e sobre a subordinação virtudes práticas à noéticas. (5)


Mais informações em: http://sbgfilosofia.blogspot.com/2008/07/valor-e-juzo-de-valor.html


(1) ABBAGNANO, N. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Mestre Jou, 1970.

(2) GRANDE ENCICLOPÉDIA PORTUGUESA E BRASILEIRA. Lisboa/Rio de Janeiro: Editorial Enciclopédia, [s.d. p.]

(3) ÁVILA, F. B. de S.J. Pequena Enciclopédia de Moral e Civismo. Rio de Janeiro: M.E.C., 1967.

(4) AGATTI, Antonio Pascoal Rodolfo. Os Valores e os Fatos: O Desafio em Ciências Humanas. São Paulo: Ibrasa, 1977. (Biblioteca Psicologia e Educação, 87)

(5) Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura

Faça Cursos 24h Online: Lista dos Cursos