Gênero: Jacaranda

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image
Nomes popularesCaroba, caroba-do-mato.Nome científicoJacaranda micrantha Cham.Voucher681 Schwirkowski (MBM)SinônimosFamíliaBignoniaceaeTipoNativa, endêmica do Brasil.DescriçãoÁrvore com altura de 10-25 m. com tronco de 40-60 cm de diâmetro. Folhas grandes (60-70 cm de comprimento), opostas, imparibipinadas, com 4-8 pares de pinas de 20-25 cm de comprimento; folíolos em número de 4-10 pares, de 4-7 cm de comprimento. (LORENZI, 1992).CaracterísticaFloração / frutificaçãoDispersãoHabitatMata AtlânticaDistribuição geográficaSudeste (Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo), Sul (Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina). (LOHMANN, 2014).EtimologiaPropriedadesFitoquímicaFitoterapiaFitoeconomiaInjúriaComentáriosBibliografiaLohmann, L.G. Bignoniaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://reflora.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB114153>. Acesso em: 21 Dez. 2014.LORENZI, H. Árvores Brasileiras. Instituto Plantarum. Nova Odessa, SP, 1992. 368p. il. v. 1.
Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image
Nomes popularesCaroba, caroba-brava, caroba-da-mata, caroba-do-campo, caroba-miúda, caroba-roxa, carobão, carobinha, carova, jacarandá, jacarandá-brancoNome científicoJacaranda puberula Cham.Voucher58A Schwirkowski (MBM391856)SinônimosBignonia obovata (Kunth) Spreng.Jacaranda digitaliflora var. albiflora Lem.Jacaranda digitaliflora Lem.Jacaranda endotricha DC.Jacaranda gloxiniiflora Lem.Jacaranda hebephora DC.Jacaranda obovata Mart. ex A. DC.Jacaranda paulistana Silva MansoJacaranda puberula var. macrophylla Cham.Jacaranda puberula var. microphylla Cham.Jacaranda purpurea VattimoJacaranda semiserrata Cham.Jacaranda subrhombea DC.FamíliaBignoniaceaeTipoNativa, endêmica do Brasil.DescriçãoArvoreta de 3 m até árvores de ca. 10 m alt.; ramos estriados, pubescentes, com lenticelas. Folhas bipinadas, 9–15 pinas, 4–17 foliólulos porpina; raque canaliculada, 12–22,5 cm, tomentosa, pecíolos 4–7,8 cm, canaliculados, pubescentes; peciólulo 0,4–0,7 cm, canaliculado; foliólulos simétricos, 1,2–3,2 × 0,4–1,4 cm, elípticos, glabros na face adaxial e esparsamente pubescentes e com tricomas glandulares na face abaxial, ápice agudo a obtuso, base cuneada a obtusa, margem denteada. Inflorescência tirsóide terminal, eixo 9,5 cm, canaliculado, pubescente; brácteas 0,4– 0,6 × 0,1 cm; bractéolas 0,3 × 0,1 cm; pedicelo 0,2–0,3 cm. Cálice vináceo, 1,1 × 0,7 cm, cupular, tomentoso; tubo 1,9–3 cm; corola campanulada, tubo 3,9–4,9 × 1,2–1,9, tomentoso e com tricomas glandulares, lobos 3–6 × 1–3 mm; filetes 1,5–2,3 × 0,1 cm; anteras ditecas, ca. 3 mm; estaminódio 3,2 cm, glanduloso-pubescente; ovário 0,3 × 0,2 cm, glabro, estilete 2,7 cm, estigma 0,1 cm larg. Cápsula 2,8–4,9 × 1,8–3 cm, aplanado-elíptica, glabra, margem plana (PEREIRA, 2008, p. 9).CaracterísticaEsta espécie é muito próxima de J. caroba, sendo difícil a separação das duas espécies. A principal característica diferencial são as margens dos folíolos jovens, que em J. puberula são dentadas (SILVA, 2008, p. 15).Floração / frutificaçãoFloresce de agosto a outubro, junto com o aparecimento das novas folhas. A maturação dos frutos ocorre em fevereiro e março.DispersãoHabitatEspécie heliófita, higrófila, comum em capoeiras e solos pedregosos da Mata Atlântica, na Floresta Ombrófila Mista e Densa e Floresta Estacional Semidecidual.Distribuição geográficaSudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro) (LOHMANN, 2010).EtimologiaPropriedadesFitoquímicaFitoterapiaÉ utilizada na medicina popular para lavar ferimentos.FitoeconomiaPossui madeira maleável, de boa qualidade para a fabricação de móveis. É utilizada como ornamental em jardins e parques, pode ser utilizada para arborização urbana, pois possui pequeno porte, não interferindo na rede elétrica. As sementes podem ser utilizadas em artesanato. Espécie importante para plantio em reflorestamentos mistos, devido ao rápido crescimento.InjúriaComentáriosBibliografiaCatálogo de plantas e fungos do Brasil, volume 1 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 875 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol1.pdf>.CERVI, A. C. et al. Espécies Vegetais de Um Remanescente de Floresta de Araucária (Curitiba, Brasil): Estudo preliminar I. Acta Biol. Par., Curitiba, 18(1, 2, 3, 4): 73-114. 1989. Disponível em: <http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/acta/article/view/789/631>.FLORA ARBÓREA e Arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. Organizado por Marcos Sobral e João André Jarenkow. RiMa: Novo Ambiente. São Carlos, 2006. 349p. il.LOHMANN, L.G. 2010. Bignoniaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB114174).LOPES, S. B.; GONÇALVES, L. Elementos Para Aplicação Prática das Árvores Nativas do Sul do Brasil na Conservação da Biodiversidade. Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul. Rio Grande do Sul, 2006. 18p. Disponível em: <http://www.fzb.rs.gov.br/jardimbotanico/downloads/paper_tabela_aplicacao_arvores_rs.pdf>.MANUAL TÉCNICO de Arborização Urbana. Prefeitura Municipal de São Paulo – Secretaria do Verde e do Meio Ambiente. 2ª ed. 2005. 48p. Disponível em: <http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/manual_arborizacao_1253202256.pdf>.MARQUES, T. P. Subsídios à Recuperação de Formações Florestais Ripárias da Floresta Ombrófila Mista do Estado do Paraná, a Partir do Uso Espécies Fontes de Produtos Florestais Não-madeiráveis. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2007. 244p. Disponível em: <http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/1884/14027/1/disserta%C3%A7%C3%A3o%20Themis%20Piazzetta%20Marques%20PDF.pdf>.PEREIRA, H. P.; MANSANO, V. F. Estudos Taxonômicos da Tribo Tecomeae (Bignoniaceae) no Parque Nacional do Itatiaia, Brasil. Rodriguésia 59 (2): 265-289. 2008. Disponível em: <http://rodriguesia.jbrj.gov.br/rodrig59_2/001.pdf>.PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.SILVA, M. M.; QUEIROZ, L. P. A Família Bignoniaceae na Região de Catolés, Chapada Diamantina, Bahia, Brasil. Sitientibus Série Ciências Biológicas 3 (1/2); 3-21. 2003. Disponível em: <http://www.uefs.br/ppgbot/publicacoes/a_familia_bignoniaceae.pdf>.ZUCHIWSCHI, E. Florestas Nativas na Agricultura Familiar de Anchieta, Oeste de Santa Catarina: Conhecimentos, Usos e Importância; UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2008. 193p. il. Disponível em: <http://www.tede.ufsc.br/tedesimplificado/tde_arquivos/44/TDE-2008-06-17T142512Z-287/Publico/dissertacao_Elaine.pdf>.ZUCHIWSCHI, E.; FANTINI, A. C.; ALVES, A. C.; PERONI, N. Limitações ao Uso de Espécies Florestais Nativas Pode Contribuir Com a Erosão do Conhecimento Ecológico Tradicional e Local de Agricultores Familiares. Acta bot. Bras. 24(1): 270-282. 2010. Disponível em: <http://www.botanica.org.br/acta/ojs/index.php/acta/article/view/971/298>.