Gênero: Alstroemeria

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image
Nomes popularesNome científico: Alstroemeria apertiflora BakerSinônimosFamília: AlstroemeriaceaeTipo: Nativa, não endêmica do Brasil.Descrição: Erva ereta 0,5–1,5m alt.; ramos angulosos, glabros. Folhas não ressupinadas, cartáceas ou coriáceas, as do do ramo vegetativo distribuídas por todo ramo, 2,2–8 × 0,2–0,6 cm, lanceoladas, ápice longamente acuminado, base cuneada, ambas as faces glabras com nervuras proeminentes, as do ramo reprodutivo semi-amplexicaules ou não amplexicaules, distribuídas na metade distal do ramo, 2,2–8 × 0,2–0,6 cm, lanceoladas, ápice longamente acuminado, base cuneada, ambas as faces glabras com nervuras proeminentes. Cimeira umbeliforme composta, pedicelo glabro, 10–20 cm compr.; brácteas foliosas reduzidas, cartáceas, 0,2–0,5 × 0,2–0,3 cm; bractéolas semelhantes às brácteas, membranáceas, 0,4–0,7 × 0,2–0,3 cm. Flores patentes, sem odor, campanuladas, vermelhas ou alaranjadas, 1,9–3,0 cm compr. Tépalas externas sem máculas, reflexas, iguais entre si, 1,9–2,1 × 0,5 cm, elíptico-espatuladas, ápice agudo ou acuminado, base atenuada; tépalas internas internamente rubro-puncatadas, reflexas, iguais entre si, 1,8–2,3 × 0,2 cm, lanceoladas, ápice agudo ou acuminado, base atenuada, margem distal inteira. Estames exclusos, filetes glabros, ca. 2,3 cm compr. Estigma excluso, estilete glabro, 1,7–2 cm compr. Cápsula ovóide, 1–1,2 × 0,8–0,9 cm. (ASSIS, 2012)Característica: Como o nome indica, possui suas tépalas internas e externas reflexas, o que a torna facilmente identificável. O ramo vegetativo de A. apertiflora é muito semelhante ao ramo vegetativo de A. albescens, A. amabilis, A. isabelleana, A. malmeana e A. sellowiana. Todas estas espécies ocorrem em locais úmidos e apresentam o ramo vegetativo coberto por folhas estreitas, sendo muito difícil diferenciá-las neste estágio. As diferenças aparecem na fase reprodutiva através dos caracteres florais. (ASSIS, 2012).Floração / frutificaçãoDispersãoHabitat: Cerrado, Mata Atlântica.Distribuição geográfica: Centro-oeste (Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul), Sudeste (Minas Gerais, São Paulo), Sul (Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina)EtimologiaPropriedadesFitoquímicaFitoterapiaFitoeconomiaInjúriaComentáriosBibliografiaAssis, M.C. de Alstroemeriaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://reflora.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB4279>. Acesso em: 14 Nov. 2014ASSIS, M. C. Alstroemeriaceae na Região Sul do Brasil. Rodriguésia 63(4): 1117-1132. 2012. Disponível em: http://rodriguesia-seer.jbrj.gov.br/index.php/rodriguesia/article/view/ID%20484
Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image
Nomes populares: AstroméliaNome científico: Alstroemeria isabelleana Herb.SinônimosAlstroemeria butantanensis HoehneAlstroemeria campaniflora Hand.Alstroemeria isabelleana Herb. var. longifolia Seub. ex Schenk.Alstroemeria regnelliana Kraenzl.Alstroemeria viridiflora RavennaFamília: AlstroemeriaceaeTipo: Nativa, não endêmica do Brasil.Descrição: Erva ereta, com até 1,5 m de altura; ramos angulosos, papilosos a glabrescentes no terço proximal. Folhas do ramo vegetativo ressupinadas ou não, coriáceas, sésseis, distribuídas por todo o ramo, 3-16 x 0,5-1 cm, elíptico-lanceoladas, ápice acuminado ou arredondado, base atenuada, ambas as faces glabras com nervuras proeminentes, raro papilosa na face adaxial. Folhas do ramo reprodutivo ressupinadas ou não, semi-amplexicaules ou não, coriáceas, distribuídas no terço proximal do ramo, 3-16 x 0,5-1 cm; elíptico-lanceoladas, ápice acuminado ou arredondado, base atenuada, ambas as faces glabras com nervuras proeminentes, raro papilosa na face adaxial. Cimeira umbeliforme simples, pedicelo glabrescente, 1,5-4 cm compr. Brácteas foliosas ausentes ou membranáceas, 0,6-2 x 0,2-0,3 cm; bractéolas membranáceas, 0,6-3 x 0,2-0,3 cm. Flores pêndulas, inodoras, tubulosas, rosadas, alaranjadas, vermelhas, ou raro creme-esverdeadas, ápice esverdeado, 3-4,5 cm compr. Tépalas externas listadas ou sem manchas, semelhantes entre si, oblongas a espatuladas, ápice acuminado a mucronado, base atenuada; a superior ca. 3,4 x 0,5 cm. Tépalas internas rubro-listadas, iguais entre si, ca. 3,3 x 0,5 cm, espatuladas, ápice acuminado a cuspidado, base fortemente atenuada, margens distal inteira. Estames inclusos, filetes glabros, ca. 2.3 cm compr. Estigma incluso, estilete glabro, ca. 2,8 cm compr. Cápsula esferoidais, 1,5-2 x 1,5 2 cm (ASSIS, 2004, p. 7).Característica: A espécie caracteriza-se principalmente pelas flores tubulosas e pêndulas, variam de rosadas a creme-esverdeadas, sempre com ápice verde. O ramo vegetativo é muito semelhante aos ramos vegetativos de A. apertiflora Baker, A. longistyla Schenk, A. malmeana Kraenzl. e A. sellowiana Seub. ex Schenk. Todas ocorrem em brejo e apresentam o ramo vegetativo coberto por folhas linear-lanceoladas, cartáceas ou coriáceas, freqüentemente adpressas ao ramo, sendo muito difícil diferenciá-las neste estágio (ASSIS, 2004, p. 9).Floração / frutificação: Floresce de outubro a fevereiro, às vezes até junho. Frutifica em janeiro, fevereiro, maio e setembro.DispersãoHabitat: Normalmente é encontrada em locais úmidos nas Formações Campestres e Floresta Ombrófila Mista.Distribuição geográficaSudeste (Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (ASSIS, 2010).EtimologiaPropriedadesFitoquímicaFitoterapiaFitoeconomiaInjúriaComentáriosBibliografiaAssis, M.C. de 2010. Alstroemeriaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB004287).ASSIS, M. C. Alstroemeriaceae no Estado do Rio de Janeiro. Rodriguésia 55 (85): 5-15. 2004. il. Disponível em: <http://rodriguesia.jbrj.gov.br/Rodrig55_85/ASSIS.PDF>.Catálogo de plantas e fungos do Brasil, volume 1 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 875 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol1.pdf>.PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.