Gênero: Austroeupatorium

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image
Nomes populares: Cambará-de-bicho, cicuta-galegaNome científico: Austroeupatorium inulaefolium (Kunth) R.M.King & H.Rob.Sinônimos: Eupatorium inulifolium KunthFamília: AsteraceaeTipo: Nativa, não endêmica do Brasil.Descrição: Subarbusto até 2,5m alt., indumento constituído de tricomas tectores, unisseriados, multicelulares, acastanhados e/ou tricomas glandulares sésseis, acastanhados; ramos pintalgados de verde-escuro, curto-vilosos. Folhas opostas, superiores alternas, lâmina ovada a estreito-ovada, 8,0-16,0cm compr., 3,0-10,0cm larg., membranácea a cartácea, discolor, face adaxial verde-escuro, curto-estrigosa, abaxial verde-claro, esparso-vilosa, glandulosa, ápice acuminado a caudado, base atenuada a decorrente, margem serreadoglandulosa, nervação actinódroma supra-basal, tomentosa; pecíolo 2,0-3,0cm, curto-viloso, tomentoso. Capítulos com 10 flores; invólucro 3-seriado, campanulado, 3,5-5,0mm compr., 3,0-3,5mm larg., brácteas involucrais creme-esverdeadas, ovadas a oblongas, externas 1,5-2,5mm compr., 0,6-1,0mm larg., esparso-vilosas, glandulosas, ápice arredondado, margem ciliada, internas 3,5-6,0mm compr., 0,8-1,0mm larg., glabras, 1-3-nervadas, ápice agudo, margem ciliada em direção ao ápice; receptáculo plano. Corola creme, 3,0-4,0mm compr., base alargada, tubo 2,0-2,5mm compr., ca. 0,4mm larg., limbo 1,0-1,5mm compr., ca. 0,6mm larg., lacínios ca. 0,5mm; ramos do estilete 2,6-3,3mm compr. Cipselas negras, 1,0-1,7mm compr., ca. 0,4mm larg., esparso-glandulosas a glabras, costelas alvas; pápus 3,0-4,0mm, cerdas creme. (SOUZA, 2007, p.32).Característica: Austroeupatorium inulifolium é facilmente confundida com Heterocondylus alatus (Vell.) R.M. Rob., quando em estado vegetativo, principalmente pelo formato, margem e indumento das folhas. Diferenciam-se geralmente por caracteres florais, como o tipo de capitulescência e o número de flores no capítulo, que em H. alatus são sempre amplas panículas e capítulos com maior número de flores, geralmente vinte. (SOUZA, 2007, p. 33).Floração / frutificação: Encontrada florescendo nos meses de setembro, março e abril.Dispersão: AnemocóricaHabitat: Caatinga, Cerrado, Pampa e Mata Atlântica, na Floresta Ombrófila Densa e Mista, Floresta Estacional Semidecidual e Restinga.Distribuição geográfica: Nordeste (Bahia), Centro-Oeste (Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul), Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul)(ALMEIDA, 2010).(ALMEIDA, 2010).Etimologia: O nome popular cambará-de-bicho deve-se ao fato de que é muito visitada tanto por borboleta, quanto por lagartas, que dela se alimentam.PropriedadesFitoquímicaFitoterapiaFitoeconomiaInjúriaComentáriosBibliografiaALMEIDA, G. 2010. Austroeupatorium in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB026850).ALMEIDA, G. S. S. Asteraceae Dumort. Nos Campos Rupestres do Parque Estadual do Itacolomi, Minas Gerais, Brasil. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, Minas Gerais, 2008. 96p. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=102518>.BERETTA, M. E. et al. A Família Asteraceae no Parque Estadual de Itapuã, Viamão, Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 6, n. 3, p. 189-216. jul./set. 2008. Disponível em: <http://www6.ufrgs.br/seerbio/ojs/index.php/rbb/article/viewFile/991/821>.Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 1 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. - Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 875 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol1.pdf>.ESTEVES, R. L. O Gênero Eupatorium s. l. (Compositae – Eupatorieae) no Estado de São Paulo – Brasil. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas. 2001. 431p. Il. Disponível em: < http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000236350>.FERREIRA, S. C. CARVALHO-OKANO, R. M.; NAKAJIMA, J. N. A Família Asteraceae em um Fragmento Florestal, Viçosa, Minas Gerais, Brasil. Rodriguésia 60 (4): 903-942. 2009. Disponível em: <http://rodriguesia.jbrj.gov.br/rodrig60_4/021-09.pdf>.MORAES, M. D.; MONTEIRO, R. A Família Asteraceae na Planície Litorânea de Picinguaba, Ubatuba, São Paulo. Hoehnea 33(1): 41-78, 59 fig., 2006. Disponível em: <http://www.ibot.sp.gov.br/HOEHNEA/volume33/Hoehnea33n1a03.pdf>.PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.SOUZA, F. O. Asteraceae no Parque Estadual da Ilha do Cardoso, Cananéia, SP. Dissertação de Mestrado. Instituto de Botânica da Secretaria de Estado do Meio Ambiente. 2007. 159p. il. Disponível em: <http://www.biodiversidade.pgibt.ibot.sp.gov.br/teses_dissert/FatimaOSouza2007.pdf>.
Carousel imageCarousel imageCarousel image
Nomes popularesNome científico: Austroeupatorium neglectum (B.L.Rob.) R.M.King & H.Rob.SinônimosFamília: AsteraceaeTipo: Nativa, não endêmica do Brasil.DescriçãoCaracterísticaFloração / frutificaçãoDispersãoHabitat: Mata AtlânticaDistribuição geográfica: Sudeste (Espírito Santo, Minas Gerais, São Paulo), Sul (Paraná)EtimologiaPropriedadesFitoquímicaFitoterapiaFitoeconomiaInjúriaComentáriosBibliografiaAlmeida, G. Austroeupatorium in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://reflora.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB115503>. Acesso em: 26 Set. 2014