Dicliptera squarrosa

Nomes popularesJunta-de-cobra-vermelhaNome científicoDicliptera squarrosa NeesSinônimosDicliptera imminuta RizziniDicliptera sericea NeesFamíliaAcanthaceaeTipoNativa, não endêmica do BrasilDescriçãoErva, raramente subarbusto, ereto ou ascendente, caule hexagonal estriado, podendo ser levemente sulcado, quando jovem indumento estrigoso a híspido, tricomas articulados, quando adulto, constricto acima dos nós, glabro ou com indumento estrigoso a híspido nos nós e estrias. Folhas ovaladas a lanceoladas, 0,5-13 X 0,2-7 cm, pecíolos 0,1-4 cm compr. canículados, jovens com indumento estrigoso a híspido, adultos glabros ou com indumento no sulco semelhante aos jovens; base cuneada, ápice cuneado a agudo; face adaxial quando jovem indumento estrigoso a híspido, quando adulto glabro ou híspido somente nas nervuras, nervuras evidentes, cistólitos presentes, coloração verde-escura a marrom, face abaxial quando jovem indumento estrigoso a híspido, quando adulto indumento estrigoso a híspido restrito nas nervuras e bordos, nervuras evidentes, com cistólitos, coloração verde-escura, cartáceas, bordos inteiros a levemente ondulados. Inflorescência em cimeira, brácteas (2)lanceoladas, 2-14 X 0,5-4 mm, base atenuada, ápice agudo a acuminado, indumento hirsuto, esverdeadas; bractéolas (4) lanceoladas, 1-7 X 0,5-2 mm, base atenuada, ápice acuminado, indumento hirsuto, hialinas; sépalas (5)lanceoladas, 2-6 X 0,5-1 mm conatadas na base, livres no ápice, ápice acuminado, indumento híspido, hialinas, corola bilabiada, 7-33 mm compr., lábio superior bilobado, inferior trilobado, com indumento hirsuto, vermelha a alaranjada, tubo 3-8 mm compr., fauce 2-15 mm compr., lobo 1-8 mm compr.; estames (2) epipétalos, filetes 5-30 mm compr., indumento estrigoso; anteras, dorsifixas, elípticas 1-3 mm compr., ovário ovalado, glabro, 1-2,5 mm compr.; estilete 5-30 mm compr.; estigma lobado ou bilobado muito pequeno. (MARCHIORETTO, 2015).CaracterísticaUma característica básica que separa este gênero dos demais da família é a presença de somente dois estames epipétalos. De acordo com Wassahausen & Wood (2004). Dicliptera é um gênero dos mais difíceis de distinguir taxonomicamente. Esses autores consideraram que Dicliptera squarrosa apresenta muitas variações morfológicas e por esta razão apresentaram a descrição da respectiva espécie com seis formas diferentes levando em consideração a ocorrência em diferentes regiões geográficas. (MARCHIORETTO, 2015)Floração / frutificaçãoDispersãoHabitatDistribuição geográficaOcorrências confirmadas: Centro-Oeste (Distrito Federal, Mato Grosso do Sul); Sudeste (Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo); Sul (Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina)Domínios Fitogeográficos: Cerrado, Mata AtlânticaTipo de Vegetação: Floresta Estacional Semidecidual (ACANTHACEAE, 2019).EtimologiaPropriedadesFitoquímicaFitoterapiaFitoeconomiaEventualmente utilizada como planta ornamental no Brasil, sendo mais usada para este fim na Europa.InjúriaComentáriosBibliografiaACANTHACEAE in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB4122>. Acesso em: 16 Out. 2019MARCHIORETTO, M.S.; SILVA, V.R.S.P.; PARODE, M.F. A família Acanthaceae Juss. no Rio Grande do Sul. PESQUISAS, BOTÂNICA Nº 68:7-82 São Leopoldo: Instituto Anchietano de Pesquisas, 2015.