Gênero: Euterpe

Carousel imageCarousel image
Nomes populares: Palmiteiro, inçara, juçara, palmito, palmito-juçara, ripeiraNome científico: Euterpe edulis Mart.SinônimosFamília: ArecaceaeTipo: Nativa, não endêmica do Brasil.Descrição: Palmeira com caule do tipo estipe com cerca de 20m de altura. Folhas completas, pinadas; pinas linear-lanceoladas; bainha completa. Inflorescência axilar, intrafoliar, densamente coberta por pêlos muito curtos; flores dispostas em tríades (duas masculinas e uma feminina, geralmente central). Frutos drupáceos, globosos, epicarpo de cor quase preta ou negro-vinosa quando maduro.CaracterísticaFloração / frutificação: Abril e novembro.Dispersão: ZoocóricaHabitat: Cerrado e Mata Atlântica, é uma espécie característica da Floresta Ombrófila Densa, mas ocorre também na Floresta Estacional Semidecidual, Restinga e Floresta Ombrófila Mista.Distribuição geográfica: Nordeste (Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Bahia, Alagoas, Sergipe), Centro-Oeste (Goiás, Distrito Federal), Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (LEITMAN, 2010).EtimologiaPropriedadesFitoquímica: Composição por 100 g de parte comestível: Calorias, nutrimentos e mineraisCalorias 26, Proteínas 2,2(g), Lipídios 0,2(g), Glicídios 5,2(g), Fibra 0,6(g), Cálcio 86(mg), Fósforo 79(mg), Ferro 0,8(mg)Composição por 100 g de parte comestível: VitaminasVitamina B1 0,04(mg), Vitamina B2 0,09(mg), Niacina 0,7(mg), Vitamina C 17(mg)Fitoterapia: O suco do caule é usado, internamente, para combater a dor de estômago e hemorragias, externamente, é usado como antiofídico.Fitoeconomia: Com frutificação abundante, é uma das principais produtoras de alimento para a fauna, e também como um componente epifítico de bromélias e orquídeas. O palmito desta espécie é considerado como um dos melhores, sua extração, porém, é ilegal, uma vez que a espécie está incluída na lista das espécies ameaçadas de extinção. O manejo e exploração sustentável e responsável do palmiteiro pode garantir uma forma de renda alternativa para os pequenos produtores rurais, além de poder ser utilizada para sombreamento em sistemas agroflorestais. A polpa dos frutos, chamadas de polpa-de-juçara, após o devido preparo, também é comestível, sendo ocasionalmente encontrada à venda, e possui mais antocianinas que o açaí-do-pará, espécie tradicional como fonte de polpa comestível. Possui também importância como fonte de corante alimentício ou farmacêutico natural e de compostos antioxidantes. As fibras fornecidas pelas folhas podem ser usadas em ataduras rústicas.InjúriaComentários: A coleta dos frutos com cor preta, roxa ou rosada pode ser feita diretamente do chão, e os frutos maiores germinam melhor. Após limpos e secos, os frutos devem permanecer imersos em água fria por 48 horas, ou podem ser escarificados.Devido à intensa exploração para comercialização do palmito, as populações naturais desta espécie diminuíram consideravelmente nos últimos anos. Fato este que ocasionou a inclusão desta espécie pelo Ministério do Meio Ambiente na Lista da Flora Ameaçada de Extinção. Na língua guarani é conhecida com o nome de djedjy ete.BibliografiaCatálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 1 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 875 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol1.pdf>.DI STASI, L. C.; HIRUMA-LIMA, C. A. Plantas Medicinais na Amazônia e na Mata Atlântica. Editora UNESP. 2. ed. São Paulo, 2002. 592P. il. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/up000036.pdf>.DIAS, J. L. Z. A Tradição Taquara e Sua Ligação Com o Índio Kaigang. UNISINOS – Universidade do Vale do Rio dos Sinos. São Leopoldo, RS, 2004. 65p. Disponível em: <http://www.anchietano.unisinos.br/publicacoes/textos/dias2004/jefferson.htm#download>.FLORA ARBÓREA e Arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. Organizado por Marcos Sobral e João André Jarenkow. RiMa: Novo Ambiente. São Carlos, 2006. 349p. il.INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, de 23 de Setembro de 2008. Espécies da Flora Brasileira Ameaçadas de Extinção. Ministério do Meio Ambiente. 2008. 55p. Disponível em: <http://www.iap.pr.gov.br/arquivos/File/Legislacao_ambiental/Legislacao_federal/INSTRUCAO_NORMATIVA/INSTRUCAO_NORMATIVA_06_DE_23_DE_SETEMBRO_DE_2008.pdf>.JURINITZ, C. F.; BAPTISTA, L. R. M. Monocotiledôneas Terrícolas em Um Fragmento de Floresta Ombrófila Densa no Litoral Norte do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, n. 1, p. 09-17, jan./mar. 2007. Disponível em: <http://www6.ufrgs.br/seerbio/ojs/index.php/rbb/article/viewFile/885/41>.KELLER, H. A. Plantas Textiles de los Guanaríes de Misiones, Argentina. Bonplandia 18(1): 29-37. 2009. Disponível em: <http://ibone.unne.edu.ar/bonplandia/public/18_1/29_37.pdf>.KINUPP, V. F. Plantas Alimentícias Não-Convencionais da Região Metropolitana de Porto Alegre. Tese de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2007. 590p. il. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/12870>.LEITMAN, P., Henderson, A., Noblick, L. 2010. Arecaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB015712).LOPES, S. B.; GONÇALVES, L. Elementos Para Aplicação Prática das Árvores Nativas do Sul do Brasil na Conservação da Biodiversidade. Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul. Rio Grande do Sul, 2006. 18p. Disponível em: <http://www.fzb.rs.gov.br/jardimbotanico/downloads/paper_tabela_aplicacao_arvores_rs.pdf>.MAY, P. H. et al. (org.). Manual Agroflorestal Para a Mata Atlântica. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Brasília, 2008. 196 p. il. Disponível em: <http://permacoletivo.files.wordpress.com/2008/05/apostila-1_manual-agroflorestal-junho-2007.doc>.PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.REIS, A. Dispersão de Sementes de Euterpe edulis Martius – (Palmae) em uma Floresta Ombrófila Densa Montana da Encosta Atlântica em Blumenau, SC. Instituto de Biologia da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 1995. 164p. Disponível em: <http://libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000188795>.