Gomes, A., Santos, J. V., Gonçalves, G., Orgambídez-Ramos, A., Giger, J.-C. e Figueiredo, L. (2017). Evidências psicométricas da versão portuguesa da Escala de Clareza do Autoconceito. Revista Portuguesa de Psicologia, 46, 3-15.

Resumo
 
O constructo de clareza do autoconceito tem mostrado forte aplicabilidade em diversas áreas da psicologia, contudo desconhecíamos a existência de uma medida adaptada à população portuguesa. A Escala de Clareza do Autoconceito de Campbell et al. (1996) tem mostrado boa consistência ao longo de vários estudos de adaptação, com tendência para uma estrutura unidimensional. Como tal, foi nosso objetivo verificar a existência de evidências psicométricas para a utilização desta escala na população portuguesa. No total, 402 participantes (M = 24.34 anos; 75.6% mulheres) responderam a um questionário com a escala e uma segunda medida de validade de critério, tendo-se feito o estudo da fiabilidade, estrutura exploratória e testado quatro modelos de estrutura através da análise confirmatória. Os resultados sugerem uma estrutura unidimensional, com fiabilidade interna, composta por apenas 9 itens dos 12 originais. O tipo de amostragem realizada não permite uma generalização dos resultados, mas fornece um ponto de partida para investigações futuras.
 
 
Abstract
 
The construct of self-concept clarity has shown strong applicability in many areas of psychology, yet we are unaware of the existence of a measure adapted to the Portuguese population. The Self-Concept Clarity Scale by Campbell et al. (1996) has shown good consistency over several adaptation studies, prone to a unidimensional structure. As such, our goal was to confirm the existence of evidence for the use of this metric scale in the Portuguese population. In total, 402 participants (M = 24.34 years; 75.6% women) answered a questionnaire with the scale and a second measure, for criterion validity. The study of reliability and exploratory structure was conducted, and four structure models were tested through confirmatory analysis. The results suggest a unidimensional structure, with a robust internal consistency, comprising only 9 of the 12 original items. The sampling method does not allow for a generalization of the data, but it provides a starting point for further research.