Formação da Lua

Um ensaio sobre as diversas hipóteses de formação de nosso satélite.


Uma compilação e ilustração das diversas teorias a respeito da formação da Lua, o histórico do problema e informações diversas sobre a questão.


Teorias de Formação da Lua

 
Devido as proporções (1/80 da massa) e comportamento no tempo (a variação da distância Terra-Lua), uma questão importante na Astrofísica tem sido o processo de formação da Lua e sua atual órbita em relação à Terra.
 

Cinco principais teorias

 
Dentre diversas teorias formuladas para a formação da Lua, pode-se concentrá-las em cinco teorizações principais, acrescida de uma sem grande volume de citações e análises:
 

1.Teoria da Fissão

 
A Lua foi uma parte da Terra e de algum modo separou-se da Terra nos primórdios da história do sistema solar. O atual leito do Oceano Pacífico é o mais popular local para a parte da Terra da qual desprendeu-se a Lua.[1]

                                                                                        Teoria da Fissão
                                   (montagem sobre www.phy229.group.shef.ac.uk e the-moon.wikispaces.com). 

Um dos primeiros pesquisadores sobre esta hipótese foi George Howard Darwin[2], filho de Charles Darwin, que ao seu tempo, já se conhecendo a taxa de afastamento da Lua da Terra (2 a 3 centímetros por ano), lançou (em 1880[3]) a hipótese de que, consequentemente, ao se recuar no tempo, mais e mais próximo a Lua orbitaria da Terra, até um ponto em que formariam uma única massa. Enfrentou o problema de que ao chegar-se a determinada distância, a velocidade de translação seria tão alta que se chegaria a um ponto crítico e que uma maior aproximação seria impossível, pela desintegração da Lua pelos fatores relacionados ao limite de Roche.[4]

                                                                                George Darwin (1845 – 1912) .

2.Teoria da Captura

 
A Lua teria se formado separadamente da Terra e posteriormente foi capturada pelo campo gravitacional da Terra.[5]

                                            Etapas principais do hipotético processo de captura da Lua pela Terra:
                                                    1) A Lua é um planeta em órbita próxima da Terra.
                                                    2) A órbita da Lua é fortemente deformada pelo campo gravitacional da Terra.
                                                    3) A Lua passa a orbitar a Terra. 

É de se observar na ilustração acima que a etapa necessária de uma órbita bastante excêntrica da Lua não foi representada.

 

3.Teoria da Condensação

 
Também chamada de teoria da Condensação Conjunta, Co-formação,Co-acreção, Formação Conjunta ou ainda Diferenciação[3]. Nesta hipótese, a Lua e a Terra condensaram-se (agregaram-se) juntas da nuvem original que formaram o Sistema Solar. É apresentada em oposição a esta hipótese a questão do momento angular conjunto Terra-Lua.[6]


                                            Etapas principais do hipotético processo de co-formação da Lua e da Terra:
                                                  1) Uma nuvem de gases e poeira orbita o sistema solar na órbita
                                                      do que mais tarde seria o sistema Terra-Lua.*
                                                  2) A nuvem inicia uma agregação em um ponto central, mais massivo,
                                                      que será a Terra e num anel que formará a Lua.
                                                  3) A agregação continua e o anel que formará a Lua começa a se agregar em 
                                                      um ponto que será a Lua.
                                                  4) A agregação encerra-se com a formação da Terra e da Lua.


*Nuvem esta já resultante de acresção dentro da nuvem ainda maior que formou o sistema solar.
 

4.Teoria da Colisão dos Planetesimais

 
A interação de planetesimais orbitantes do Sol e orbitantes da Terra (pedaços muito grandes de rochas tais como os asteróides) nos primórdios da história do Sistema Solar conduziu a sua fragmentação. A Lua condensou-se destes restos.[7]
 

5.Teoria da Origem Comum por Fragmentação

 

Um modelo de algum interesse, mas desprovido de teorização sólida, afirma que a Terra, a Lua e Marte possuem uma origem comum. Um planeta anterior, de massa que seria a soma destes três corpos, ao contrair-se, aumentando sua velocidade rotacional, teria se dividido em dois fragmentos desiguais que se distanciaram, mantendo-se unidos por uma sequência de pequenos fragmentos. Este conjunto de fragmentos agregou-se na Lua, o fragmento maior, a Terra, e o menor, a Marte. A Lua teria sido mantida na órbita da Terra.[3]

 

6.Teoria da Ejeção do Anel ou Colisão (“Big Splash”)



Esta teoria também é chamada de teoria da grande colisão ou até popularmente, como teoria Big Splash. Um planetesimal do tamanho de Marte (chamado de Theia) colidiu com a Terra, ejetando grande volume de matéria.[6][8][9][10][11][12][14][15] Um disco de material orbitante foi formado, este material eventualmente condensou-se para formar a Lua em órbita ao redor da Terra. Esta hipótese apresenta sustentação pelas modelagens computacionais para o comportamento de momento, de rotação e translação, do sistema Terra-Lua.[13]
 
Um vídeo de simulação da teoria Big Splash.
 

 

Um vídeo com trecho de documentário sobre a origem da Lua pela hipótese Big Splash:
 

 

Outro, com animação com o comportamento kepleriano do conjunto Terra-Lua após a colisão.
 
 

Conclusões pelos dados atuais

 
Uma detalhada comparação das propriedades de amostras de rochas da Terra e da Lua tem colocado restrições fortes na validade destas hipóteses. Por exemplo, se a lua veio do material que compôs uma vez uma proto-Terra, consequentemente as rochas lunares e terrestres devem ser muito mais similares na composição do que se a Lua foi formada em algum lugar distante e somente mais tarde capturada pela terra.[7]
 
Análises indicam que as abundâncias de elementos no material lunar e terrestre são suficientemente diferentes para fazer improvável que a Lua tenha se originado diretamente da terra. Geralmente, o trabalho durante os últimos 10 anos conduziu essencialmente para a eliminação das primeiras duas hipóteses e fez a terceira um tanto improvável. No presente a sexta hipótese, de que a Lua foi formada de um anel de matéria ejetada pela colisão de um objeto de grande porte com a Terra, é a hipótese mais promissora; entretanto, a questão não é completamente entendida e muitos detalhes permanecem não esclarecidos.[7]
 

ESTE ARTIGO ESTÁ EM CONSTRUÇÃO

Referências

Obs: Ao ser realizada a transferência dos artigos do Google Knol para o Anottum, houve a perda das referências deste artigo. Assim que possível, sua referenciação será recuperada e aprimorada. Contando com sua compreensão, grato. 

Comments