As bacterias “comedoras” de nylon - 1

As bacterias “comedoras” de nylon, o criacionismo e o design inteligente



De Nylon-eating bacteria and creationism com revisão e acréscimos.



A descoberta das bactérias que se alimentam de nylon tem sido usada por críticos do criacionismo e do design inteligente, tanto em artigos impressos como em sites, para desafiar afirmações criacionistas. Estas bactérias podem produzir novas enzimas que permitem que elas se alimentam de subprodutos da fabricação do nylon, que não existiam na natureza antes da invenção do nylon em 1930.[1] Os críticos do criacionismo têm argumentado que isso contradiz alegações criacionistas que nenhuma informação nova pode ser adicionada a um genoma por mutação, e que as proteínas são muito complexas para evoluir através de um processo de mutação e seleção natural. Os criacionistas postaram respostas a esses desafios em seus próprios sites, que têm, por sua vez gerado mais respostas de seus críticos.


Com nossos agradecimentos, a esquema da ação de da modificação da carboxiesterase à nylonase, editado de www.answersingenesis.org. Mudança conformacional da carboxiesterase. A estearase (à esquerda) pode hidrolisar ésteres de carboxi, mas a especificidade de confirmação do local catalítico da enzima não permite a hidrólise de outros polímeros, tais como o nylon. Mutações pontuais no gene das enzimas pode causar uma alteração conformacional do sítio catalítico da enzima de modo que a especificidade é reduzida (à direita). Esta especificidade reduzida permite agora que a enzima hidrolisa uma variedade mais ampla de oligômeros, incluindo o polímero linear, o nylon-6.



Críticos do criacionismo


A questão foi levantada pela primeira vez pela críticos do criacionismo, como o Centro Nacional para a Educação em Ciência dos EUA (National Center for Science Education) e pela instituição Novo-mexicanos pela Ciência e Razão (NMSR, New Mexicans for Science and Reason) que afirmou que tal pesquisa refuta reivindicações feitas por criacionistas e defensores do design inteligente.[2][3] As alegações eram de que mutações aleatórias e seleção natural não podiam adicionar novas informações a um genoma e que as chances de uma nova proteína útil, tal como uma enzima, surgindo através de um processo de mutação aleatória seriam proibitivamente baixas.[4][5]


O físico Dave Thomas, o presidente da NMSR, afirmou que as mutações genéticas duplicação e mutações por troca (frame-shift) são poderosas fontes de mutação aleatória.

[Nota 1]

[6] Em particular, em resposta aos comentários por criacionistas tais como Don Batten, a NMSR tem afirmado que foram estas mutações que deram origem à nylonase, mesmo que os genes fossem parte de um plasmídeo como sugerido por Batten.[7]



Criacionistas


Criacionistas tais como o ”ministério” Answers in Genesis e Creation Ministries International tem citado análises postadas por Don Batten que cita pesquisas científicas que apresentaram que os genes envolvidos eram num plasmídeo, e indicou que o fenômeno é uma evidência de que os plasmídeos em bactérias são uma característica concebida que destina-se a permitir que a bactéria se adapte facilmente a novas fontes de alimentos ou lide com substâncias químicas tóxicas. Batten declarou:


It seems clear that plasmids are designed features of bacteria that enable adaptation to new food sources or the degradation of toxins. The details of just how they do this remains to be elucidated. The results so far clearly suggest that these adaptations did not come about by chance mutations, but by some designed mechanism.[8]


Tradução: Parece claro que os plasmídeos são características concebidas de bactérias que permitem a adaptação a novas fontes de alimentos ou a degradação de toxinas. Os detalhes de como exatamente como elas fazem isso continua a ser elucidado. Os resultados até agora sugerem claramente que essas adaptações não se dão por mutações aleatórias, mas por algum mecanismo projetado.


Uma postagem no TalkOrigins Archive por Ian Musgrave afirma que bactérias carregam muitos genes em plasmídeos, especialmente aqueles envolvidos na manipulação de xenobióticos ou funções metabólicas. Ele afirma que em Pseudomonas a maioria dos genes de degradação são xenobióticos em plasmídeos. Por isso, é inteiramente possível que uma enzima de manuseamento de xenobióticos surgisse de mutações dos genes de manipulação xenobióticos. O fato de que esses genes estão em plasmídeos não invalida o fato de que eles existem, e existem apenas em duas linhagens de bactérias. Musgrave também criticou Batten por ara causar desentendimentos sobre as conclusões de alguns dos autores da literatura científica sobre bactérias “comedoras” de nylon.[9]



Design Inteligente

A MSNBC publicou um editorial do escritor de ciência Ker Than que apresenta que a evolução das enzimas, conhecidas como nylonases, produzidas por bactérias que se alimentam de nylon foi um argumento convincente contra a alegação feita pelos proponentes do design inteligente que a complexidade especificada necessário um designer inteligente, uma vez que a função da nylonase era tanto especificada e complexa.[10] O proponente do design inteligente William Dembski postou uma resposta na qual questiona se as mudanças genéticas que produziram a nylonase eram complexas o suficiente para serem consideradas complexidade especificada.[11] Ken Miller disse que os defensores do design inteligente afirmam que não pode ver ou projeto ou evolução ocorrendo e que o design inteligente e, portanto, a evolução, ficam apenas nas questões de fé ou visão de mundo. No entanto, Miller disse que a evolução da enzima nylonase, a qual cientistas foram capazes de repetir no laboratório com uma outra estirpe de bactérias, é um de um número de processos que mostram que a evolução pode ser observada quando ela ocorre.[12]



Notas

1. De “Expressão dos genes - Mutação - Mutações pontuais” - home.dbio.uevora.pt:

Nas mutações frameshift, houve a inserção ou a deleção de pares de nucleótidos (em número não múltiplo de 3), fazendo com que no mRNA respectivo o ribossoma passe a identificar codões desfasadamente a partir desse ponto (a 3' da mutação, portanto), produzindo uma cadeia polipeptídica que não só tem uma série de mutações missense como tem um número de aminoácidos diferente (geralmente menor) do que o normal. Por exemplo, se a terceira adenina na sequência de codões AAG-AUU-UCC-UCA-AUG-GAA-U fosse removida, o péptido correspondente seria ...KFPQWN... em vez do ...KISSME... normal.


Referências


1. Kinoshita, S., Kageyama, S., Iba, K., Yamada, Y. and Okada, H. Utilization of a cyclic dimer and linear oligomers of ε-aminocapronoic acid by Achromobacter guttatus K172, Agric. Biol. Chem. 116, 547-551 (1981), FEBS 1981


2. New Proteins Without God's Help – William M. Thwaites


3. Evolution and Information: The Nylon Bug - New Mexicans for Science and Reason


4. Claim CB101_2 - The TalkOrigins Archive


5 (CB102) - The TalkOrigins Archive


6. Dave Thomas's New Mexicans for Science and Reason article about nylon eating bacteria


7. UPDATE: Answers In Genesis Dismisses the Nylon Bug as simply due to "Plasmids."  - New Mexicans for Science and Reason


8. Don Batten; "The adaptation of bacteria to feeding on nylon waste"; Creation Ministries International


9. Musgrave, Ian Nylonase Enzymes, TalkOrigins Archive Post of the Month, April 2004.


10. Why scientists dismiss 'intelligent design', Ker Than, MSNBC, Sept. 23, 2005.


11. Why Scientists Should NOT Dismiss Intelligent Design by William Dembski


12. Miller, Kenneth R. Only a Theory: Evolution and the Battle for America's Soul (2008) pp. 80-82.

Comments