Relatos‎ > ‎

Aplainando as Serras do Faxinal e da Rocinha

Antes que o inverno rigoroso no sul do Brasil chegasse, eu e minha esposa Terezinha resolvemos fazer mais um pedal da série: Não conta prá minha mãe.

Inicialmente a ideia era visitar os parentes no sul do estado, aproveitando um compromisso social naquelas bandas, e de lá ir até Araranguá e deixar o carro na casa de amigos. De Araranguá pedalar até Caxias do Sul, encarando a temida Serra do Faxinal, que liga a cidade de Praia Grande em Santa Catarina a Cambará do Sul no Rio Grande do Sul. 

Em Caxias do Sul, iríamos visitar nossos sobrinhos e um amigo que conhecemos no “Primeiro encontro Brasil Itália de cicloturismo, em Riccione na Itália”, em 2013.
Telefonamos para a sobrinha Luciana e ela nos informou que aproveitaria o feriadão para viajar a Orleans e Jaguaruna. Nosso sobrinho Bruno informou que iria para Siderópolis e Florianópolis. Nosso colega de pedal o Pezzi, disse que iria pedalar com uma raça de ciclistas pela serra gaucha. Mesmo assim o ímpeto não arrefeceu. Só mudamos o roteiro.
 
Preparamos duas bagagens, uma maleta de roupa para o compromisso social e o alforje com as tralhas para o “compromisso by bike”. 

Mapa da cicloviagemComo feriadão atrapalha mais do que ajuda para quem é aposentado, resolvemos fazer um pedal sem medo, de chuva, de vento e de frio, pois era isso que a previsão do tempo indicava. O negócio era aproveitar a viagem ao sul do estado.  Resolvemos subir a Serra do Faxinal, e descer a Serra da Rocinha, essa liga o município de Timbé do Sul no litoral de Santa Catarina, ao de São Jose dos Ausentes no Rio Grande do Sul.

Domingo, dia 22 de maio, já havíamos visitado os parentes e liquidado os compromissos, então saímos cedo se Siderópolis e fomos até Morro Chato, no município de Turvo, onde deixamos o carro na casa do Moacir um colega dos velhos idos de engenharia na UFSC nos anos 70.

Montamos as bikes e demos a largada em Morro Chato, pelando sob chuva até a praça central de Turvo. De lá, com o céu carregado de nuvens pedalamos até Ermo, e na sequência até Jacinto Machado, sempre em piso asfaltado, pela SC 285. Em Jacinto Machado paramos para o almoço. De vez em quando algumas paradas pelo caminho, para fotos, para apanhar laranjas abundantes na beira da estrada e também para curtir a natureza. E assim seguíamos no pedal, que ia de vento em popa, às vezes de proa.
 CHEGANDO À ZONA URBANA DE PRAIA GRANDE
POUCOS QUILÔMETROS APÓS A LARGADA EM MORRO CHATO

Após o almoço e um curtíssimo descanso, continuamos na labuta, pedal pra cima, pedal pra baixo, agora por estrada pioneira, de pedrisco e pouco barro. A falta de placas indicativas nos obrigava a pedir informações do itinerário aos nativos. Logo que saímos da comunidade de Sanga da Paca, onde paramos para hidratação e fotos, novamente os céus resolveram desaguar. Poderíamos voltar e nos refugiar no salão da capela, mas resolvemos continuar pedalando mesmo com chuva. 
NA COMUNIDADE DE SANGA DA PACA
NA COMUNIDADE DE SANGA DA PACA

Quando subíamos a serrinha, que o pessoal da região chama de morro das bananeiras, as nuvens resolveram deixar os céus pra valer e o trajeto foi abaixo de chuva intensa que só estancou na comunidade de Cachoeira, já no município de Praia Grande. Nome interessante tem esse município que fica no pé da serra, não tem praia e nem é grande. 
POUCOS QUILOMETROS APÓS A LARGADA EM MORRO CHATO
CHEGANDO À ZONA URBANA DE PRAIA GRANDE

Neste dia o sol não apareceu, mas não nos intimidamos, porque nosso pedal foi programado também “sem medo de chuva”. O trecho final, da comunidade de Cachoeira até o hotel no centro de Praia Grande, foi suficiente para secar as jaquetas, imprescindível para a continuação do pedal no dia seguinte.

Nossa chegada se deu às 16:40, depois de vencidos 72 km. Ali nos hospedamos no Hotel Praia Grande, mais conhecido como Hotel da Dona Alba, que nos recepcionou com um café feito na hora, acompanhado de misto quente, bolo de milho verde, bolo de cenoura, roscas, broas e pão caseiro. Era tudo o que queríamos após um pedal naquelas condições adversas.
Vânio e Terezinha

PEQUENA AMOSTRA DO TRECHO BOM DE ESTRADA
PEQUENA AMOSTRA DO TRECHO BOM DE ESTRADA

PEQUENA AMOSTRA DA ESTRADA COMEÇANDO A PIORAR
PEQUENA AMOSTRA DA ESTRADA COMEÇANDO A PIORAR



Para ler sobre os outros dias, acesse os links abaixo!