Índices de inflação e suas diferenças

postado em 22 de dez de 2010 04:49 por Luiz Henrique Mourão Machado Machado

Nos jornais, revistas e internet estamos acostumados a ver algumas das abreviações: IGP-M, IPCA, IPC´S.  Mas outros, ainda que com pouca frequência aparecem: IPC-Fipe, IGP-10, IGP-DI, INCC, IPA... Você pode se perguntar, mas qual é o verdadeiro índice que mede a inflação? Respondemos: TODOS! Cada um dessas siglas acima segue uma metodologia para medir a variação de preço em um determinado período e de um determinado setor.

IPCA: Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – esse índice é utilizado como balizador da economia. É por ele que a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) define a meta de inflação e a partir deste o Banco Central controla a taxa de juros da economia (Selic). Esse indicador é divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) no período do dia 01 a 30 do mês de referência e contém mais de 400 itens pesquisados. Além disso, utilizando-se da mesma metodologia, o IBGE também divulga o IPCA-15, que tem por difernça o período de coleta de informações, sendo do dia 14 do mês anterior ao dia 14 do mês de referência.
Dentro da pesquisa do IPCA, o IBGE também divulga o INPC: Índice Nacional de Preços ao Consumidor, que se refere às famílias com rendimento monetário de 01 a 06 salários mínimos, sendo o chefe assalariado, e abrange nove regiões metropolitanas do país, além dos  municípios  de Goiânia e de Brasília.
 
IGP-M – Índice Geral de Preços de Mercado: um dos mais conhecidos indicadores por ser utilizado como atualizador de aluguéis. É divulgado pela FGV (Fundação Getúlio Vargas) e compreende o período do dia 21 do mês anterior ao dia 20 do mês de referência, além das duas prévias realizadas pela instituição. Ele é composto de 60% do IPA, 30% do IPC e 10% do INCC.
 
O IPA (Índice de Preços por Atacado) é composto por dezoito índices especiais. Estão organizados para medir a evolução de preços segundo o destino. A amostra de produtos do IPA é composta por 481 mercadorias. Foi selecionada de um universo de produtos regularmente comercializados a nível de atacado, levando-se em conta algumas características pré-definidas, sendo que esta composição é revisada periodicamente pela FGV.
 
Já o IPC (Índice de Preços ao Consumidor) é composto por sete grupos principais, chamados de classe de despesas dos consumidores, sendo eles: alimentação, habitação, vestuário, saúde e cuidados pessoais, educação, leitura e recreação, transporte e despesas diversas.
 
Por último, o INCC (Índice Nacional de Construção Civil), afere a evolução dos custos de construções habitacionais.
 
O IGP-10 e o IGP-DI seguem a mesma metodologia do IGP-M, com a única diferença do período da pesquisa, sendo que o IGP-DI (Disponibilidade Interna) é apurado do primeiro ao último dia de cada mês.  IGP-10 compreende o período entre o dia 11 do mês anterior e o dia 10 do mês atual. Já o IPC´S, também calculado pela FGV, é o mesmo indicador divulgado dentro dos IGP´s, porém divulgado semanalmente.
 
Ainda temos o IPC-Fipe, que como o próprio nome diz, é divulgado pela FIPE (FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESQUISAS ECONÔMICAS), que calcula a cada semana as variações de preços do município de São Paulo para a faixa de renda familiar entre 1 e 20 salários mínimos.
 
É importante destacar que se você quer saber a variação de preço de certo serviço ou setor, deve verificar a composição do índice que possua compatibilidade do que está pesquisando. Não adianta se balizar pelo IPC-Fipe se você não for de São Paulo.
 
O IBGE tem um projeto para a divulgação de outro índice, o que podemos hoje chamar de IPP (Índice de Preço ao Produtor) que irá compreender melhor a variação de preço advinda do produtor. Hoje, a FGV já faz esta pesquisa e está inclusa nos IGP´s através do IPA. Porém, não há um único índice para este tipo de pesquisa e teremos um ganho quando o IBGE disponibilizá-lo, uma vez que a economia será melhor acompanhada.
Comments