127) PGRCC - PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS

127) PGR - PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS

Modelo de Plano de Gestão de Resíduos na Construção Civil


DE PREFERÊNCIA UTILIZAR O PAPEL TIMBRADO DA EMPRESA


PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS – (NOME DA EMPRESA)

Este documento toma como referência o Plano de Controle Ambiental da (CLIENTE), envolvendo as áreas destinadas ás obras de XXXXXXXXXX no TRECHO XXXXX do CLIENTE XXXX.


O Plano de Controle Ambiental do (CLIENTE) identifica as atividades do empreendimento, os impactos gerados e suas magnitudes e apresenta as medidas mitigadoras, de forma a proporcionar as empresas e profissionais responsáveis pela execução e supervisão da obra uma diretriz a ser seguidas para que os empreendimentos com o mínimo de impacto ambiental na fase de implantação e execução da obra.


A (NOME DA EMPRESA), possui um Programa de Gerenciamento de Resíduos objetivando a:


• Redução da geração de resíduos;


• Segregação dos resíduos por classe e tipo;


• Reutilização da maior quantidade possível de materiais durante a execução da obra;


• Destinação correta dos resíduos;


O programa de gerenciamento de resíduos da (EMPRESA) é embasado na RESOLUÇÃO CONAMA N° 307, DE JULHO DE 2002, que estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, são classificados da seguinte forma:


I. Classe A – São os resíduos reutilizáveis ou recicláveis como agregados, tais como:

a)De construção, demolição, reformas e reparos de pavimentação e de outras obras de infra-estrutura, inclusive solos provenientes de terraplenagem;


b) De construção, demolição, reformas e reparos de edificações: componentes cerâmicos(tijolos, blocos, telhas, placas de revestimento, etc), argamassa e concreto;


c) De processo de fabricação e/ou demolição de peças pré moldadas em concreto(blocos, tubos, meios-fios, etc.)produzidas nos canteiros de obras;


II. Classe B – São os resíduos recicláveis para outras destinações, tais como: plástico, papel, papelão, metais, vidro madeira e outros;


III. Classe C – são resíduos para os quais foram desenvolvidas tecnologias ou aplicações economicamente viáveis que permitam a sua reciclagem/recuperação, tais como produtos oriundos do gesso.


IV. Classe D – São resíduos perigosos oriundos do processo de construção, tais como: tintas, solventes, óleos e outros, ou aqueles contaminados oriundos de demolição, reformas e reparos de clínicas radiológicas, instalações industriais e outros.


Os resíduos Classe A, como solo proveniente de terraplenagem, é reservado para reutilização na recomposição do solo e cobertura vegetal. Outros resíduos gerados em detrimento da infra-estrutura da obra são reutilizados em outros canteiros, sendo que, os resíduos que não podem ser reutilizados, são coletados e destinados por empresa licenciada.


Os resíduos Classe B, tidos basicamente como resíduos de origem domiciliar, são gerados pelo escritório e alimentação dos colaboradores. A (EMPRESA) disponibiliza recipientes adequados para fazer a segregação desses resíduos como papel, plástico, marmitex, material de escritório, orgânico.

Estes resíduos são condicionados em recipientes fechados e impermeáveis que são posteriormente transportados para baia de armazenamento temporário de resíduos. Estes resíduos são destinados a coleta por sistema público ou transportados pela (EMPRESA) até o local adequado mantido pela Prefeitura local.


Os resíduos Classe C, oriundos do gesso, são transferidos para baia de armazenamento temporário, onde são recolhidos, transportados destinados por empresa devidamente licenciada.


Os resíduos Classe D, tido como perigosos, como tintas, solventes, óleos e outros, são recolhidos devidamente e encaminhados para baia de armazenamento temporário. Quando estes resíduos são gerados, devem ser recolhidos e colocados em recipiente impermeável, identificar como resíduo Classe D(Perigoso).Os resíduos classe D, perigosos, são recolhidos, transportados e destinados por empresa devidamente licenciada. As fontes geradoras deste tipo de resíduo, como por exemplo, máquinas e equipamentos, passam por inspeções diárias através de check list, a fim de evitar qualquer tipo de vazamento que possa gerar resíduo Classe D (Perigosos).


A geração de efluente sanitário em obras da (EMPRESA) é esperada, tendo em vista a quantidade de colaboradores em várias áreas de execução das frentes de serviço. Como as obras da (EMPRESA) são temporárias, a contratação de banheiros químicos tem papel importante para solucionar a geração de efluente sanitário, onde a empresa prestadora de serviços sanitários fica responsável por fazer a coleta e o transporte deste tipo de efluente. A infra-estrutura de apoio e em locais próximas a obra conta com banheiros químicos com a finalidade de mitigar os impactos ambientais causados pela disposição inadequada de esgotos domésticos. O destino final dos dejetos é feito por empresa especializada e são recolhidos duas vezes por semana. A empresa contratada obtém licença de operação para realizar a prestação de serviços e emite regularmente os manifestos de resíduos.


A (EMPRESA) acredita que este programa de gerenciamento de resíduos, implicará positivamente em sua logística e gerenciamento ambiental, minimizando custos e evitando causar qualquer dano para o meio ambiente.

Data: / / /

Assinatura do responsável:


Vínculo com a empresa :


Nome:


Cargo:


Vinculo: CONTRATADO / Funcionário - CLT