Estesinversos

Pesquisar o site

    Dissertação de Mestrado - UFBA


    Apenas não esqueçam:
    façam o que eu digo,
    não façam o que eu falso.

                                                                      Isaias Carvalho, "Gênese arrependida"; (in)versos (1999)






    Universidade Federal da Bahia          Instituto de Letras - Programa de Pós-Graduação em Letras e Lingüística

     Rua Barão de Geremoabo, nº147; CEP: 40170-290, Campus Universitário - Ondina, Salvador - BA /Tel.: (71) 263-6206 / E-mail: pgletba@ufba.br

       

    ISAÍAS FRANCISCO DE CARVALHO

    Orientador:  Prof. Dr. Décio Torres Cruz





    Omeros-Walcott: Outrização Produtiva

    uma poética semi-utópica dos encontros culturais


                                                      



    Dissertação apresentada à Banca Examinadora do Programa de Pós-Graduação em Letras e Lingüística do Instituto de Letras
    da Universidade Federal da Bahia, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Letras.


     

     Salvador, 2004

     



     

     Biblioteca Central – UFBA

        

      C331           Carvalho, Isaías Francisco de.  

                              Omeros-Walcott : outrização produtiva : uma poética semi-utópica dos  

                         encontros culturais / por Isaías Francisco de Carvalho. - Salvador : I. F. de 

                         Carvalho, 2003.                                                                             

                                               158 f.

                          Orientador : Profº. Dr.º Décio Torres Cruz.

                         Dissertação (mestrado) - Universidade Federal da Bahia, Instituto de Letras,   

                         2003.

     1.        Poesia caribenha (Inglês). 2. Poesia latino-americana.  

                          3. Walcott, Derek.  I. Cruz, Décio Torres. II. Universidade Federal da Bahia.

                          Instituto de Letras. III. Título.

                                                                                                                       CDU – 821(7/8)-1

                                                                                                                       CDD – 860.01

     

     






    Resenha de Omerosde Derek Walcott


    Clique aqui para acessar mais de 300 "doses de saber" (e de ignorância) de Isaias Carvalho 






    às letras, às estradas, às estrelas.





    AGRADECIMENTOS

    Nomes e epítetos no pouco território-página. Uma lista para sempre incompleta:

     

    Décio Torres Cruz, orientador companheiro; Cláudia Mônica, companhia orientadora; Ciro Antônio e Pedro Arão, crias criativas; Maria, mãe e amante das letras, mesmo que parcas; Antônio, pai épico; Jamyson Machado, guerreiro de tempos infantes; Monclar Valverde, referência viva; Profa. Araci, letras colegiais fartas; Rita de Cássia, equilíbrio espontâneo; Valter Soares, pensador do sertão; Eyder Alex, sóbrios pensamentos etílicos; Eneida Leal Cunha, patrulhamento epistemológico produtivo; Sílvia Maria Guerra Anastácio, abertura de portas acadêmicas; Margarete Lopes, re-visões; República Federativa do Brasil, biblioteca na roça, escola e universidade públicas; Alunos de letras e línguas, aprendizagem do ensino; Acaso, esse minúsculo deus sem livro; Outros, pequenos e grandes.


     

    Pesquisa insana que alimenta as academias de letras, essa de investigar o ininvestigável: o que fica fora do nome, o gesto da escrita, a paixão que não se vê na letra impressa.

    Michel Foucault,  O que é um autor?

     


    O segredo da Busca é que não se acha

    Fernando Pessoa, Primeiro Fausto

     


    Albatroz! Albatroz! águia do oceano,

    Tu, que dormes das nuvens entre as gazas,

    Sacode as penas, Leviatã do espaço!

    Albatroz! Albatroz! dá-me estas asas...

    Castro Alves, Navio Negreiro.


     

    RESUMO

    Trata-se de uma análise do livro-poema Omeros, do poeta caribenho Derek Walcott, como exemplar de uma outrização produtiva – conceito-atitude que serve de contraponto ao processo pejorativo e hierarquizante de outrização e silenciamento do subalterno colonial. Com a postura metodológica do campo dos estudos culturais pós-coloniais problematizam-se, dentre outros aspectos, as noções de cânone e de déficit cultural, as dicotomias centro/periferia e civilizado/primitivo, especialmente no contexto caribenho, bem como o papel do inglês como língua de poder e como língua literária, em um contexto mundial. Parte da recepção crítica de Omeros no Brasil também é analisada visando a consolidar a delimitação de outrização produtiva e a tentar oferecer uma maior visibilidade a essa poética caribenha no cenário acadêmico brasileiro.

     Palavras-chave: Derek Walcott, Omeros, outrização produtiva, estudos culturais pós-coloniais, língua inglesa.

     

    ABSTRACT

    This study attempts to analyze the poem-book Omeros, by Caribbean poet Derek Walcott, as a paradigm of productive othering – an attitude-concept which serves to counter the pejorative and hierarchizing process of othering and silencing of the colonial subaltern. With the methodological posture of the field of post-colonial cultural studies, this work aims at problematizing, among others, the notions of canon and cultural deficit, the dicotomies center/periphery and civilized/primitive, especially within the Caribbean context, as well as the role of English as the ‘international’ language of power and of literature. Part of the critical reception of Omeros in Brazil is also analysed in order to consolidate the theoretical delimitation of productive othering, while seeking to offer greater visibility to this Caribbean poetics in the Brazilian academic scenery.

    Key-words: Derek Walcott, Omeros, productive othering, post-colonial cultural studies, English language.

     


    SUMÁRIO

     

    1          INTRODUÇÃO                                                                                                    

    2          OUTRIZAÇÃO PRODUTIVA: UMA SEMI-UTOPIA

    DOS ENCONTROS CULTURAIS                                                          

    2.1       Omeros-Walcott: hifenização produtiva                                                                   

    2.2       Os nós e os pós                                                                                                      

    2.2.1    Outrizações produtivas                                                                                  

    2.2.2    Cânone, influência, déficit; pastiche, paródia, digressão                                  

    2.2.3    Os ‘altos’ e os ‘baixos’ da cultura                                                                             

    2.3       Representação: o subalterno está falando?                                                                             

    2.3.1    Sob o signo do encontro; o turista como ‘ladrão de imagens’                         

    2.3.2    O narrador pós-colonial                                                                                           

     3          INTERLÚDIO: LÍNGUA E OUTRIZAÇÃO PRODUTIVA                                

     3.1       “Em Deus Confilamos”: a contra-poética da crioulização                                        

    3.2       A língua como herança colonial                                                                                

    3.3       Arauaques e Caribes: traços fantasmáticos                                                                            

     4          RESSENTIMENTO E REMORSO VERSUS

    OUTRIZAÇÃO PRODUTIVA                                                                               

     4.1       Uma poética do remorso e do resgate?                                                                      

    4.2       Uma épica menor na poética pós-colonial                                                                 

    4.3       Apologia da épica das Antilhas ou  outrização produtiva maximizada              

    4.4              Revide ou outrização inversa: la négritude e Caliban                                     

     5          CONCLUSÃO                                                                                                        

                 REFERÊNCIAS  
                 APÊNDICES                                                                                                          

     




    Caso deseje ler o texto na íntegra, favor entrar em contato com o autor. E-mail: isaiasfcarvalho@gmail.com


     




    Universidade Estadual de Santa Cruz








        poéticos                       parentéticos




     
    © 2009    isaiasfcarvalho@gmail.com
    Itabuna/Ilhéus, Bahia, Brasil

    Imagens-tema por: Wellington Mendes da Silva Filho


    Fogo

    Networking