Meu nome
                                    Isaias Carvalho; (in)versos, 1999

        I
        saías. Hoje não sais mais. Os músculos não te respondem.
        Nem as proteínas ou os sais.
        I
        saias não. Preciso da segunda. A terceira pessoa não me basta.
        I
        saias de renda, saias de ciganas e saias mais. Tantas saias.
        Isaías? Não se sabe.







__________________________________________________________

             Isaías Francisco de Carvalho             
__________________________________________________________
 
Clique na foto para acessar meu Currículo Lattes completo



         




Fuligem Poética

Colheita a partir da fuligem da linguagem cotidiana
A página de divulgação dos versos do poeta Isaías Carvalho

 
 





Para uma estética da defecação

                                         Isaias Carvalho, Estes (1997) 


Abaixo os cânones! 
Elejo os cães e seus dejetos 
o modelo do projeto moderno. 

Abaixo os cânones! 
Elejo o ânus e a merda 
as formas belas maiores, as musas. 

No horizonte, 
o buraco negro da criação.







Honrado pelos versos a mim dedicado pelo poeta, 
professor e romancista Gabriel Nascimento:    



Isaias Carvalho

                          Gabriel Nascimento

Defina-me
E eu te direi quem tu és.

És a santa mania de representar o mundo
imagem acústica e conceito
deste fenômeno tão confuso que é a linguagem

Defina-me, caso o signo consiga alcançar
a coisa representada
e caso não consiga
te mostrarei que a arbitrariedade
só me consegue inventar enquanto sou
anjo mau
anjo teu
teu chacal.

Defina-me
e direi quem és
a velha mania de inventar o mundo
através da linguagem. 






                                                                Ilustração: Pedro Arão







Isaias Carvalho é professor de Literaturas Anglófonas e de Língua Inglesa vinculado aos Programas de Mestrado Profissional em Letras (em Rede Nacional) e de Mestrado em Letras: Linguagens e Representações do Departamento de Letras e Artes, na Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC (Ilhéus, Bahia). Mestrado e doutorado em Teorias e Crítica da Literatura e da Cultura e Bacharelado em Letras/Inglês pela Universidade Federal da Bahia - UFBA. Coordenador de projetos de extensão, ensino e pesquisa nas áreas de Língua Inglesa, literaturas de língua inglesa e crítica cultural na UESC. Experiência nas áreas de Literatura e de Linguística Aplicada, com ênfase no ensino de língua inglesa e de literaturas anglófonas, com atuação, entre outros, nos seguintes temas: literatura pós-colonial caribenha, teorias e crítica da literatura e da cultura, poesia de Derek Walcott, ficção de João Ubaldo Ribeiro, dramaturgia de William Shakespeare, outrização produtiva, Caribe Estendido, Atlântico Negro, representações identitárias, subalternidade, alteridade, chulice na literatura, profissionalização do professor de inglês, metodologia do ensino de inglês e inglês instrumental. Ex-poeta.













Ex-poet Isaias Carvalho is a Brazilian professor of Anglophone Literatures and English language at Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC (Ilheus, Bahia, Brazil), where he is also a faculty member of PROFLETRAS – Brazilian National Professional Master's Program in Letters and of the Master's Program in Letters: Languages and Representations. He holds a PhD and a Master of Science in Cultural and Literary Theories and Criticism from Universidade Federal da Bahia - UFBA (Salvador, Bahia, Brazil). He has teaching and research experience in Literature and Applied Linguistics, working on English language teaching and methodology, teacher education, post-colonial Anglophone Caribbean and African literatures, productive othering, subaltern studies, cultural and literary criticism and theories, and cultural identity, among others.












http://lattes.cnpq.br/7439506521096432
 Clique na foto para acessar meu
Currículo Lattes completo.











Minha Religião   

                        Isaias Carvalho; (in)versos, 1999


Na minha religião, eu sou um deus.
[...]
A salvação, na minha igreja,
pode ser a eutanásia mais tarde,
como pode ser, agora, uma cerveja.

Na minha fé, o homem é o centro
de um círculo sem margens
e oco por dentro.




Neste sítio, esta lavra: palavras
                              Ilustração: Pedro Arão