* FRUTINHOS (little fruits)

Frutinhos comestíveis ou somente ornamentais que, além de embelezar, atraem pássaros, deixando o jardim ainda mais bonito. 
Pimenta-aroeira ( Schinus lentiscifolius)
Anacardiaceae
Árvore pequena, com tronco de casca acinzen-
tada. Folhas compostas paripenadas, com ra-
que alada. Flores pequeninas, de cor branco-
-amarelado. Frutos drupas globosas, com 4 - 6
mm de diâmetro, lisos, rosados, avermelhados
ou esverdeados, brilhantes. Forte aroma de
pimenta-do-reino. Usado como condimento na
alimentação.
Urucum (Bixa orellana)
Bixaceae
Arvoreta originária da Amazônia. Os frutos são
cápsulas vermelhas cobertas por espinhos
pouco rijos. De suas sementes extrai-se um
pigmento vermelho usado nas indústrias ali-
mentícias e de cosméticos.
Aspargo-ornamental
(Asparagus densiflorus)
Asparagaceae
Herbácea com folhas semelhantes à agulhas. 
Os frutos são pequeninos, vermelhos e redon-
dos, de belo efeito ornamental. Não são co-
mestíveis.


Frutinho da murta-de-cheiro
(Murraya paniculata)
Rutaceae
Arvoreta bastante florífera. O fruto é pequeno, 
tipo baga, oblongo carnoso. De coloração 
vermelha e muito atrativo para pássaros.

Baga-de-sabiá (Acnistus arborescens)
Solanaceae
Árvore com 4 a 6m de altura. Folhas inteiras, 
membranáceas e pubescentes. Flores cauli-
nares, perfumadas, branco-esverdeadas. 
Fruto tipo baga, com 0,5 cm de diâmetro, 
globosos, de coloraçãoalaranjada quando 
maduros. Sabor adocicado. 

Juá-bravo (Solanum viarum)
Solanaceae
Planta nativa da América do Sul. Apresenta nu-
merosos espinhos ao longo das hastes e na fa-
ce inferior das folhas. Os frutos maduros são 
redondos e de cor amarela. Frutos verdes são 
tóxicos. A ingestão desses frutos é letal para 
equinos.

Mamona (Ricinus communis)
Euphorbiaceae
Arbusto conhecido desde a época dos antigos 
egípcios. O fruto é uma cápsula tricoca, sub-
-globosa, verde, revestida de acúleos rígidos 
ou flácidos. A semente é importante para a 
extração de óleo.

Banana-de-Sumatra (Musa sumatrana)
Musaceae
Bananeira de uso ornamental. Folhas averme-
lhadas na face inferior e com manchas irregu-
lares na superior. Os frutos são bananas
muito pequeninas e sem polpa apreciável.
 
Juá-amarelo (Solanum agrarium)
Solanaceae
Subarbusto levemente prostrado, com muitos 
acúleos. Folhas simples. Flores com corola es-
trelada amarela-esverdeada. Fruto globoso de 
cor amarela quando maduro, com cerca de 3cm. 
Espécie encontrada em  áreas quentes e secas.

Pimenta-de-galinha (Solanum americanum)
Solanaceae
Herbácea de 30 a 40 cm de altura. Nativa das 
Américas. Caule delgado. Folhas grandes, in-
teiras com margem sinuado-dentada. Flores 
pequeninas, brancas ou azuladas, dispostas 
em delicadas umbelas pedunculadas. Fruto 
globoso, com pouco mais de 5mm de diâmetro, 
roxo quase preto e brilhante quando maduro. 
Os frutos verdes são tóxicos pela presença de 
alcalóide indólico. 

Mata-cavalo (Solanum reflexum)
Solanaceae
Subarbusto aculeado. Folhas verdes 
pinatilobadas, de margem ondulada. 
Frutos globosos, amarelos quando 
maduros. Flores brancas esverdeadas.





Cereja-do-cerrado (Eugenia calycina)
Myrtaceae
Árvore brasileira de porte pequeno. Fruto de 
formato alongado, de coloração roxa quando 
maduro, baga com sabor semelhante à pitanga. 
Ocorre naturalmente no sul e sudeste do Brasil.
 

 Mangue-tatarema (Quiina florida)
Quiinaceae
Árvore de pequeno a médio porte com 4 a 8 m. 
Folhas glabras, margem levemente ondulada. 
Flores amarelas e odoríferas.Frutos típicos, elip-
soides a globoides, com superfície apresentando 
estrias longitudinais bem marcadas.


Amora-preta (Morus nigra)
Moraceae
Árvore de origem asiática. Folhas grandes, cor-
diformes e de borda serrilhada. Flores pequenas
branco-amareladas. Frutos aglomerados de co-
loração roxa quando maduros. Doces e sucu-
lentos.

Canela (Cinnamomum sp.)
Lauraceae
Árvore perene e aromática, devido aos óleos de
suas folhas e casca. Folhas grossas, coriáceas,
alternas, ovais a elipticas, cerosas, brilhantes,
de cor verde-escuro e com margem inteira.
Flores pequenas. Frutinhos tipo drupa. Perianto
cupuliforme arroxeado.



Almesca (Protium sp.)
Burseraceae
Espécie arbustiva nativa do sudeste brasileiro.
Produz resina oleosa muito aromática. Folhas
simples. Fruto vermelho, que expõe semente 
envolta em arilo branco. Semente lisa e rígida.


Carrapeta (Guarea guidonia)
Meliaceae
Árvore com 15 a 20 m de altura, bastante copa-
da. Folhagem densa. Folhas pinadas. Flores 
pequeninas, brancas e perfumadas. Frutos 
globosos, que se abrem quando maduros, ex-
pondo sementes avermelhadas contrastante 
com o interior branco do fruto. Serve de 
alimento para a fauna.

Coralito / Cereja-de-pombo (Rivina humilis)
Phytolaccaceae
Herbácea ereta, muito ramificada, com até 70 cm 
de altura. Folhas ovadas, pontiagudas, verde-bri-
lhantes. Inflorescência em racemos, com flores 
pequeninas branco-rosadas. Frutinhos ornamen-
tais. São bagas vermelho-brilhantes, globosas, 
lisas, com 4 a 5 mm de diâmetro. Apenas 1 se-
mente por fruto.

Framboesa-do-mato (Rubus sellowii)
Rosaceae
Arbusto espinhoso, heliófilo, com cerca de 2m 
de altura. Folhas compostas, trifolioladas, sub-
coriáceas, margem serreada. Flores brancas, 
dispostas em panículas terminais. Frutos agre-
gados, vermelhos, tornando-se negros quando 
maduros. Globosos, com receptáculo frutífero 
carnoso. Sabor agradável.

Marmelinho-do-cerrado (Alibertia concolor)
Rubiaceae
Arbusto dióico. Atinge 3m de altura. Folhas de 
coloração verde-intensa,margem inteira. Inflo-
rescência tipo glomérulo, séssil. Frutos globo-
sos, casca lisa, comestíveis, doces quando 
maduros. São produzidos em abundância nos 
meses quentes. Espécie silvestre.
Camarinha-da-serra (Gaylussacia sp.)
Ericaceae
Arbusto florífero, perene, decíduo, com distribui-
ção limitada às regiões montanhosas do sudeste 
brasileiro. Frutos pequeninos, arredondados, dis-
postos em cachos. Fonte de alimento para ani-
mais, sendo também utilizado pelo ser humano.



Frutinhos da Benção-de-Deus 
(Talinum paniculatum)
Portulacaceae
Herbácea perene, de folhas suculentas dispos-
tas em roseta. Flores pequeninas cor-de-rosa, 
que surgem em grande quantidade. Os frutos 
são cápsulas septifragas, redondas, com 3mm 
de diâmetro, cuja cor varia do amarelo-vivo ao 
vermelho, escurecendo na maturação. Semen-
tes minúsculas, pretas, lisas e achatadas, com 
formato reniforme.
Pixirica (Clidemia blepharodes)
Melastomataceae
Arbusto epifítico, de até 2m de altura. Ocorre
apenas no Brasil. Folhas com tricomas simples,
margem denticulada. Flores 5-meras, cálice
persistente, pétalas brancas a rosadas. Fruto
tipo baga, vermelho quando imaturo e azulado
a arroxeado quando maduro.
290 a 340 sementes.
Baga-de-capitão (Coccocypselum lanceolatum)
Rubiaceae
Ervas perenes, prostradas. Ramos cilíndricos, 
velutinos. Folhaoval-lanceolada, velutina, ner-
vuras proeminentes. Inflorescências peduncu-
ladas em glomérulos terminais, com 10-12 flo-
res, densamente pubescentes, Flores tetrâme-
ras, azuladas. Fruto bacáceo, elipsóide ou 
obovóide, com cerca de 2 cm de comprimento, 
azul brilhante.
Pega-pega (Priva bahiensis)
Verbenaceae
Herbácea daninha nativa do Brasil. Forma den-
sas infestações. Ereta, anual, ramificada. Folhas 
rugosas, ásperas ao tato. Flor pequenina, de cor 
violácea. Frutinhos minúsculos em forma de cáp-
sulas, providos de pelos aderentes.
 
Pitanga (Eugenia uniflora)
Myrtaceae
Árvore brasileira. Porte pequeno a médio. Fo-
lhas pequenas, de cor verde-escuro. Flores
brancas. Drupa globosa e carnosa, achatada,
sulcada, de coloração vermelha brilhante
quando madura. Sabor adocicado, levemente
ácido. Frutos atrativos para pássaros e animais
silvestres.

Fruto da russélia (Russelia equisetiformis)
Plantaginaceae
Herbácea pendente, de ramos longos e filifor-
mes.Folhas lineares-lanceoladas. Flores peque-
nas, tubulares, de coloração vermelha, amarela 
ou branca. Os frutos são cápsulas pequeninas, 
que se abrem quando amadurecem.


Cambuizinho (Myrcia palustris)
Myrtaceae
Arbusto nativo do Brasil. Folhas simples, opostas, 
elípticas, glabras. Flores brancas pequenas, her-
mafroditas. Fruto baga globosa com 6 - 9 mm de 
diâmetro. Casca lisa, lustrosa, verde-amarelada 
passando ao rubro e roxo. Polpa roxa, sulcosa, 
de mau-sabor.

Azeitona-do-cerrado (Vitex polygama)
Lamiaceae
Árvore de porte médio ou pequeno, ramos com
pelos ferrugíneos. Folhas compostas, digitadas
(3 a 5 folíolos), oposta-cruzadas. Face adaxial
pubescente. Inflorescência com várias flores de
pétalas lilás ou brancas. O fruto drupáceo de
2,5 cm de comprimento por 2 cm de diâmetro,
com cálice esverdeado persistente e casca roxa-
-azulada e pulverulenta.Frutos maduros doces,
procurado por aves.
Caranxingui (Leandra lacunosa)
Melastomataceae
Arbusto de copa espalhada. Folhas simples, 
revestidas de tricomas, nervação curvinérvea. 
Inflorescência racemosa. Fruto com até 0,7cm 
de diâmetro, globoso, roxo quando maduro, 
com pelos longos, carnoso, polpa roxa amole-
cida.


Frutinho da flor-leopardo
(Belamcanda chinensis) 
Iridaceae
Herbácea rústica e florífera. Frutos tipo cápsulas, 
verdes. Quando maduros se abrem revelando 
aglomerados de sementes pretas, de belo efeito 
ornamental.

Fruta-de-jacu (Duranta erecta)
Verbenaceae
Arbusto florífero. O fruto é uma drupa globosa 
e apiculada, com polpa suculenta, de cor ama-
relo-alaranjado e muito apreciado por pássaros. 



Fruto da pereskia (Pereskia grandifolia )
Cactaceae
Cactácea arbustiva, de floração muito bonita, 
com grandes flores rosas. Fruto de forma inte-
ressante, suculento, com pequeninas folhinhas 
e sementes escuras e brilhantes. Comestível.


Juá vermelho (Solanum incarceratum)
Solanaceae
Subarbusto com caule, folhas, pedicelos e cálice 
do fruto com muitos acúleos.Fruto globoso, ver-
melho quando maduro. Folhas grandes e mem-
branáceas. Flores de corola branca, 5-partida. 


Sucará (Xylosma glaberrimum)
Salicaceae
Árvore. Espécie ameaçada da Mata Atlântica
brasileira. O fruto é uma pequenina baga glo-
bosa , suculenta, com cerca de 1 cm de diâme-
tro, de cor vermelho-brilhante quando maduro.


Frutinhos da cheflera pequena 
(Schefflera arboricola)
Araliaceae
Arbusto de folhas compostas, palmadas,coriáce-
as, verdes ou variegadas. Floresbranco-amarela-
das em panículas. Os ramos ficam carregados 
de frutinhos alaranjados, que atraem pássaros. 

Frutinho da fiteira (Cordyline fruticosa)
Laxmanniaceae
Arbusto com folhas macias, verdes e lanceola-
das. Numerosas florzinhas brancas, rosas ou 
lavanda reunidas em panícula. Frutos pequeni-
nos, com cerca de 0,5 cm de diâmetro, verme-
lhos, brilhantes e redondos, reunidos em cachos.

 Frutinhos de cactácea 
(Rhipsalis elliptica)
Cactaceae
Cacto epífita. Normalmente de cor verde, pode 
tornar-se arroxeado devido à forte exposição 
solar. Flores amareladas.Frutinhos globosos, 
de cor rosa-escuro.

Casuarina (Casuarina equisetifolia)
Casuarinaceae
Árvore grande, de rápido crescimento. Ramícu-
los filiformes delicados. Flores nuas com ape-
nas um estame. Os frutos são sâmaras elipsoi-
des, indeiscentes, com cerca de 2 cm de diâ-
metro. Apenas 1 semente.


Moranguinho do mato (Rubus rosaefolius)
Rosaceae
Arbusto trepador, originário do Brasil. Espinhos
pouco desenvolvidos. Flores brancas e solitárias.
Caule ramificado e cilíndrico. Folhas compostas.
Frutos pequenos, isolados, de cor vermelha.


Oiti-de-ema (Couepia grandiflora)
Chrysobalanaceae
Espécie de regiões tropicais e subtropicais. Fruto
tipo drupa, eliptico, com ápice arredondado, me-
dindo cerca de 3,5 cm. Epicarpo liso e endocar-
po fibroso. 1 semente.



Frutinho do Pau d'água ( Dracaena fragrans)
Ruscaceae
Arbusto grande, não ramificado. Folhas coriáce-
as ornamentais,  que são totalmente verdes na 
forma típica. Flores pequeninas e perfumadas. 
Fruto redondo, com diâmetro de 1 a 2 cm; de 
coloração verde , tornando-se alaranjado quan-
do maduro. Contém várias sementes.

Frutinho do gengibre-azul
(Dichorisandra thyrsiflora)
Commelinaceae
Herbácea ereta nativa do Brasil. Folhas lanceo-
ladas, brilhantes. Inflorescência terminal em tir-
so de coloração azulada.Frutinhos arredondados,
arroxeados, com sépalas e estiletes persistentes.
Semente arilada, lisa e preta.

 Amora-vermelha (Morus rubra)
Moraceae
Nativa da América do Norte. árvore que atinge 
15m de altura. folhas alternas, simples, ásperas,
 margem finamente serreada. Flores discretas, 
verde-amareladas. Fruto composto por um con-
junto de várias drupas pequeninas, vermelho 
com sabor adocicado.

Doliocarpus sp.
Dilleniaceae
Planta muito ramificada, comum no cerrado 
brasileiro. Folhas elípticas,cartáceas, peci-
oladas e com margem inteira. Frutos peque-
ninos, encerrados em cápsulas de textura 
coriácea, que se abrem quando maduras. 
Consumidos pela fauna local.




Léia-alaranjada (Leea guineensis)
Vitaceae
Arbusto ou pequena árvore, que atinge 2,5 m 
de altura. Folhagem ornamental. Folhas com-
postas, com folíolos alongados, cor verde-bri-
lhante e com margens onduladas. Inflorescên-
cia com numerosas flores avermelhadas. Fru-
tos tipo baga, pequeninos, com cerca de 1 cm, 
redondos, de coloração vermelho-alaranjado.

Jurubeba-velame (Solanum variabile)
Solanaceae
Espécie arbustiva de caule ereto, cilíndrico-an-
guloso e pouco ramificado, de coloração ferru-
gínea e revestido por pelos ásperos. Folhas 
polimorfas, verdes. Flores brancas com 5 péta-
las soldadas na base. Fruto carnoso, tipo sola-
nídeo, glabro e globoso, com 0,8 cm de diâme-
tro de coloração verde-variegada quando jovem 
e amarelada na maturação. Os frutos se des-
prendem quando maduros e liberam as semen-
tes.
frutinho de caraguatá (Bromelia sp.)
Bromeliaceae
Bromelia terrestre. Folhas dispostas em rosetas, 
verdes escuras. Flores em cimeiras (tipo de ca-
cho que termina com uma flor) com muitas brác-
teas de proteção. Frutos bagas arredondadas 
meio triangulares no comprimento, pequeninos 
e de coloração escura quando maduros.




Café-do-mato (Cordia ecalyculata) 
Boraginaceae
Arbusto ou árvore pequena com tronco revestido 
por casca escura. Folhas simples, elípticas a es-
treitamente ovaladas, cartáceas, glabras e bri-
lhantes. Flores pequenas, amarelo-esbranquiça-
das, pentâmeras, hermafroditas, reunidas em in-
florescências corimbosas axilares. Frutos peque-
ninos, globosos, do tipo drupa, de cor vermelha, 
com cálice persistente de verde. Frutos muito 
procurados pela fauna.



Carvãozinho-vermelho (Miconia pepericarpa) 
Melastomataceae 
Arvoretas ou árvores. Ramos jovens subcilín-
dricos, quando mais velhos cilíndricos. Folhas 
opostas, discolores, lanceoladas, com ápice 
acuminado, base arredondada e margem intei-
ra. Flores 4-meras, sésseis; pétalas brancas, 
oval-oblongas. Frutos bagas pequeninas e ar-
redondadas, reunidas em cachos, nigrescentes 
quando maduras. Sementes ca. 2 ×1,5 mm, 
ovais.



Fruto da íris-caminhante (Neomarica candida)
Iridaceae
Herbácea rizomatosa. Folhas laminares brilhan-
tes e dispostas em leque irregular. Flores visto-
sas, brancas, com manchas amarelas e arroxe-
adas. Fruto capsular, que se abre longitudinal-
mente liberando as sementes.






Bananinha (Musa ornata)
Musaceae
Planta de pequeno porte e grande valor orna-
mental. Folhas grandes, longas e largas. Inflo-
rescência com brácteas de coloração rósea. 
Frutos pequeninos, de coloração verde. Polpa 
branca, muito doce.






Pretinha de flor pequena (Solanum nodiflorum)
Solanaceae
Pequeno subarbusto nativo da Nova Zelândia.
Facilmente confundida com S. americanum e 
S. nigrum . Diferem no número de cromosso-
mos, mas são muito semelhantes externamen-
te. Flores em umbelas. Corola com 5-8 mm de 
diâmetro. Fruto globular, negros quando madu-
ros e com células pétreas evidentes.





Guabiju (Myrcianthes pungens)
Myrtaceae
Pequena árvore neotropical, nativa do Brasil,
Argentina, Paraguai e Uruguai. Ramos púbe-.
res. Folhas alternas, pecioladas, ovaladas ou
oblongas. Tem o tronco áspero com casca mar-
rom- -claro. Flores pequenas, esbranquiçadas,
abundantes e aromáticas. Frutos pequenos,
globosos, com 1 cm de diâmetro, roxo escuro
quando atingem a maturidade. Polpa doce e
comestível. Semente única e grande.

Melão-de-São-Caetano (Momordica charantia)
Cucurbitaceae
Erva trepadeira de cheiro desagradável, caule 
sulcado e fino, ramos quadrangulares, folhas 
palmatífidas, e alternas, flores amarelo-pálidas 
ou brancas. Fruto cápsula amarela, coberta de 
protuberâncias moles, abrindo-se em três vál-
vulas. Sementes cobertas de um arilo vermelho, 
podem ser tóxicas. Suas folhas clareiam a rou-
pa e tiram machas. Todo o fruto é comestível 
quando novo. Planta com propriedades medi-
cinais. 



Apuí (Ficus pertusa)
Moraceae
São árvores ou arbustos originários do México, 
que atingem um tamanho de até 30 m de altura, 
começando como epífitas mas tornam-se inde-
pendente; ramos jovens glabro, cinza a marrom-
-amarelada. Folhas elípticas ou lanceoladas, ápi-
ce acuminado, base obtusa a aguda, glabras, li-
sas, cartáceas, de coloração verde a café-claro 
quando secas. Frutas 2 por nó, globosas, glabras, 
amarelo-esverdeadas, às vezes manchadas. 
Frutos muito apreciados pela avifauna.

Goiabinha (Psidium sartorianum)
Myrtaceae
Arvoreta de 4 a 15 m de altura. A copa é arre-
dondada, com galhos abertos e tortuosos. Tron-
co cilíndrico. Ramos jovens glabros e cilíndricos
com casca castanha. Folhas simples, opostas,
cartáceas. Limbo de 3 a 5 cm de comprimento
por 1 a 1,7 cm de largura. Base arredondada e
o ápice acuminado. A flor branca, perfumada.
Os frutos são bagas arredondadas de 1 a 1,8cm
de diâmetro com casca fina de cor branco ama-
relada quando totalmente madura. Polpa esbran-
quiçada, acidulada, muito aromática, envolvendo
3 a 6 sementes angulosas e de cor creme.
Jurubeba-de-cupim (Solanum subumbellatum)
Solanaceae
Arbusto, que se desenvolve no cerrado brasilei-
ro. Ramos castanhos, cilíndricos, tomentosos.
Folhas isoladas; lâmina cartácea, elíptica a oblon-
ga, ápice agudo a acuminado, margem inteira,
glabra. Inflorescência em cimeira. Flores pedicela-
das, cálice campanulado, corola lilás. Fruto baga,
pêndulo, com 0,8-1 cm diâmetro, globoso, amare-
lo a vermelho quando maduro. Cálice não acres-
cente. Lacínias cobrindo metade do fruto. e brin-
quedos de pelúcia. Uma grande paineira pode dei-
xar um tapete branco de paina caída aos seus 
pés no final da época de frutificação.

Murici da mata (Byrsonima sericea)
Malpighiaceae
Espécie de ampla distribuição geográfica, que 
ocorre em ambientes de matas, desde a restin-
ga até matas ciliares, sendo predominante nas 
áreas mais ensolaradas e na periferia da Flores-
ta Ombrófila Densa. Embora seja uma espécie 
arbórea, floresce também precocemente, ainda 
na condição de arbustos e arboretas. Folhas 
com indumento serício presente. Fruto bacáceo, 
pequeno (0,8 cm) em cacho. Quando maduro 
torna-se macio e de coloração amarela. Procu-
rada pela fauna, pode ser também comestível 
para o homem, porém com pouca polpa.
Araçá-de-macaco (Psychotria suterella)
Rubiaceae
Arbusto com cerca de 4 m. Os frutos são
pequenos e muito decorativos. De coloração
azul quase anil. Servem de alimento para
pássaros e pequenos animais silvestres.




Fruto de bromélia (Aechmea nudicaulis)
Bromeliaceae
Herbácea epífita brasileira. Os frutos são co-
mestíveis, do tipo baga, ovoides a globosos, 
de cor laranja ou vermelho-acastanhado. 
Os pássaros pequenos adoram.
 
Árvore guarda-chuva
(Scfhefflera actinophylla)
Araliaceae
Árvore nativa da Austrália. Frutos pequenos e 
numerosos, dispostos em hastes com formato 
de armação de guarda-chuva. São vermelhos, 
bonitos e decorativos, que atraem muitos pás-
saros.
Fruto da hera (Hedera helix)
Araliaceae
Herbácea-trepadeira. Frutos globosos e peque-
ninos e escuros quando maduros. Servem de 
alimento para diversos pássaros. São tóxicos 
para humanos.

Fruta-de-sabiá (Vassobia breviflora)
Solanaceae
Arvoreta de 3m de altura, dotado de espinhos 
caulinares. Folhas membranáceas. Flores 
campanuladas roxas.Frutinho carnoso,globoso 
e alaranjado  quando maduro. Comestível. 
Possui sabor levemente amargo. 


 
Pixirica (Leandra glazioviana)
Melastomataceae
Arbusto que só ocorre no Brasil. O conjunto  
vai se tornando cada vez mais vermelho en-
quanto amadurece. Frutinhos arredondados, 
de cor roxa. Folhas inteiras de margem ser-
reada.
 

Fruto do ripsális (Rhipsalis sp.)
Cactaceae
Herbácea de caule cilíndrico. Frutinhos redon-
dos, pequenos de cor branco-perolado. Atraem 
um grande número de pássaros, que deles se 
alimentam.
 

Fruto da roseira ( Rosa sp.)
Rosaceae
Depois que as pétalas da rosa caem, pode-se 
observar um frutinho vermelho-alaranjado, que 
é seco contendo uma semente. É comestível, 
pode ser utilizado em doces ou na composição 
de bebidas.

Café catuaí amarelo (Coffea arabica)
Rubiaceae
Arbusto de folhas opostas, inteira e acuminadas. 
Flores brancas e perfumadas. Frutos com cerca 
de 1,5 cm de comprimento, geralmente com 2 
sementes. Com seus grãos torrados produz-se 
a bebida mundialmente conhecida 

Erva-moura (Solanum nigrum)
Solanaceae
Herbácea  de até 1,2 m de altura, nativa das re-
giões temperadas da Europa. Alguns botânicos 
consideram sinônimo da S. americanumporém 
não há consenso quanto a isto. Folhas ovadas  
a cordiformes, bordas onduladas ou denteadas. 
Flores branco-esverdeadas, dispostas em umbe-
las, de anteras amarelas. Fruto baga globosa, 
com 6 a 8mm, roxas-escuras ou pretas. Todas as
 partes da planta são extremamente venenosas.

Frutinho da erva-gorda (Talinum fruticosum)
Potulacaceae
Herbácea ereta, com flores pequenas cor-de-
-rosa. As folhas são brilhantes e suculentas, 
usadas como alimento pelos seres humanos. 
Os frutos são pequeninas cápsulas arredonda-
das de cor variando do amarelo ao vermelho, 
com pouco mais de 3 mm de diâmetro. 
Sementes minúsculas, pretas, lisas, achatadas 
reniformes.
Acerola-do-mato (Byrsonima Ligustrifolia)
Malpighiaceae
Arvore da Mata Atlântica. Folhas opostas, intei-
ras, eliptico-lanceoladas, margem inteira. Estí-
pulas intrapeciolares. Flores rosadas a verme-
lhas. Frutos pequeninos, arredondados, de cor 
vermelha e comestíveis, com sabor de groselha.

Fruto da caneleira (Cinnamomum chana)
Lauraceae
Arbusto ou árvore pequena, com muitas galhas. 
Folha grossa, verde-brilhante, de margem inteira 
e ápice agudo. Flores pequenas de cor branca. 
Fruto ovoide com cerca de 1cm, preto-arroxeado, 
quando maduro


 Canela-sebo (Ocotea sp.)
Lauraceae
Árvore com grande variação morfológica. Folhas
lanceoladas ou elípticas, cartáceas, ápice agudo, 
face superior brilhante e inferior opaca. Nervura 
proeminente na face abaxial. Frutos globosos, 
com cerca de 1,5 cm.

Pitomba (Talisia sp.)
Sapindaceae
Árvore de porte lenhoso. Folhas estão dispostas
alternadamente, compostas pinadas. Flores pe-
quenas e brancas, dispostas em uma longa paní-
cula. Fruta é redondo a elipsoide, com 1,5 - 4 cm
de diâmetro. A fruta possui uma casca dura, po-
rém fácil de ser aberta, uma fina polpa suculenta
e doce, além de um caroço que ocupa a maior
parte do seu conteúdo. Frutos muito procurados
por pássaros.
Arrebenta-cavalo
(Solanum aculeatissimum)
Solanaceae
Arbusto muito ramificado, com muitos acúleos.
Folhas pinatilobadas. Flores esverdeadas.
Fruto subgloboso, com cerca de 3 cm de diâ-
metro. Tóxico para equinos.
Frutinho da grifínia (Griffinia espiritensis)
Amaryllidaceae
Planta bulbosa originária da Mata Atlântica do Es-
pírito Santo. Cresce em  lugares sombreados e 
úmidos. Folhas brilhantes e flores de coloração li-
lás. Frutos pequeninos, globosos e verdes. Apenas 
1 semente por fruto



Cafezinho-do-mato (Maytenus sp.)
Celastraceae
Árvore de folhas simples, alternas,cartácea a 
subcoriácea. Ramos cilíndricos. Frutos deis-
centes, bivalvares, pequenos, piriformes ou 
suborbiculares. Epicarpo liso, vermelho-ala-
ranjados. Sementes sarcotestas expostas. 



Amorinha-verde (Rubus brasiliensis)
Rosaceae
Arbusto escandente, espinhoso, com 1 a 2m de 
altura. Folhas compostas, com 3 folíolos, mar-
gem serreada. Presença de espinhos nas ner-
vuras principais. Inflorescências paniculares, 
com flores brancas. Frutos verdes, de sabor do-
ce e agradável. Usados em geleias e atrativos 
para a fauna do local.

Jabuticaba (Myrciaria cauliflora)
Myrtaceae
Árvore brasileira de tamanho médio. Folhas opos-
tas, lanceoladas. Flores brancas e sésseis. Frutos 
cobrem tronco e galhos. Baga redonda, roxa quan-
do madura. Polpa doce, muito saborosa. 1 a 4 se-
mentes por fruto.

Camarinha (Gaylussacia brasiliensis)
Ericaceae
Espécie de porte herbáceo a subarbustivo. 
Inflorescência racemosa densa, com flores 
vermelhas, pendentes e urceoladas (forma 
de jarro ou vaso pequeno). O fruto é uma 
baga muito pequena (5 a 8 mm de diâmetro), 
globosa, de coloração negra quando madura 
e sabor doce. Pode ter até 15 sementes mi-
núsculas. 
Café verde (Coffea canephora)
Rubiaceae
Espécie de café com 2 vezes mais cafeína que 
café comum (Coffea arabica). Árvore pequena 
de até 10 m,  de raízes pouco profundas. 
Floração irregular. Frutos com 2 sementes 
ovais (grãos).




Fruto do cacto-melão (Melocactus Zehntneri)
Cactaceae
Cacto cilíndrico originário do nordeste brasi-
leiro. Apresenta costelas bem acentuadas,
com numerosos espinhos marrons. O fruto é
uma pequena baga alongada de coloração
rosa, que serve de alimento para pássaros e
lagartos.
.
.

Marmelada (Cordiera sp.)
Rubiaceae
Arbusto presente no Cerrado, frutificando de de-
zembro a janeiro e disperso por aves e mamífe-
ros. Frutinho pequenino, bacóide, com até 1,3 cm 
de diâmetro, globoso, carnoso, de polpa amoleci-
da.Os frutos em completa maturação são adoci-
cados e comestíveis


Fruta-de-corocochó ( Coccocypselum sp.)
Rubiaceae
Herbácea prostrada. Folhas lanceoladas. Inflores-
cênciapedunculada, globosa, com muitas flores 
lilases. Frutos bagas carnosas, de coloração 
azul-brilhante. Polpa azulada e esponjosa.


Uva-de-cão (Solanum dulcamara)
Solanaceae 
Planta trepadeira, herbácea, semi-lenhosa. Todas
as suas partes são tóxicas. Flores roxas, herma-
froditas, em cachos. Estames amarelos. Baga 
ovoide, vermelha, com cerca de 1cm de diâmetro, 
macia e suculenta.



Framboesa (Rubus idaeus)
Rosaceae
Arbusto perene, originário da Europa central.
Caule ereto, ramos com acúleos. Flores pe-
quenas, brancas, reunidas em inflorescência 
piramidal. Folhas compostas por 3 a 5 folíolos. 
Fruto vermelho, aromático, suculento, de sabor 
suave e adocicado, composto por um agregado 
de 75 a 80 pequeninos gomos.
Congoba (Eugenia bimarginata)
Myrtaceae
Arbusto com 1 a 2 metros de altura. Folhas sim-
ples, opostas, coriáceas, pecíolo curto, ovada, 
com 2 margens bem definidas. Inflorescência 
tipo umbela, com flores de cálice amarelado e 
pétalas brancas. Frutos tipo drupa com cerca 
de 1cm e apenas uma semente oblonga.

Tarumã (Vitex megapotamica)
Lamiaceae
Arbusto de tronco tortuoso. Folhas compostas,
opostas, digitadas. Flores roxo-azuladas. Fruto
do tipo drupa, esférico, com superfície lisa e bri-
lhante. Verde claro quando imaturo e roxo quando
maduro. Cálice persistente.




Guamirim (Myrcia multiflora)
Myrtaceae
Árvore de tronco reto e copa alongada. Folhas
pecioladas, elípticas, cartácea, com nervura
marginal a 1mm do bordo. Inflorescência em 
panícula. Fruto globoso com cerca de 4mm, ver-
des quando imaturos e vermelhos a negros quan-
do maduros. Coroados com remanescentes do 
cálice e hipanto.

Frutinho do lírio-do-zéfiro (Zephyranthes sp.)
Amaryllidaceae
Herbácea bulbífera. Folhas lineares e longas. 
Flores em forma de funil, cor-de-rosa, com pe-
dúnculo ereto acima das folhas. Fruto capsular, 
depresso-globoso, verde, 3-sulcado. Sementes 
minúsculas e negras.

Ficus (Ficus sp.)
Moraceae
Árvore perene, copa densa. Folhas pecioladas, 
coriáceas, inteiras,de margem lisa. Inflorescên-
cia em capítulos urceolados axilares. Frutos 
sicônios, arredondados, com cerca de 2 cm de 
comprimento. Utilizados como alimento por pás-
saros, símios morcegos.

Jurubeba-de-cipó (Solanum seaforthianum)
Solanaceae
Trepadeira sul-americana, ramificada, com 
frutificação e florescimento ornamentais. 
Inflorescências pendentes com numerosas 
flores azul-arroxeadas. Frutos pequeninos, 
arredondados, decorativos, de coloração 
vermelha quando maduros. Sabor agradável.
Babosa-doce (Cordia superba)
Boraginaceae
Árvore de tronco reto,copa densa e globosa. 
Folhas simples e ásperas. Flores campanu-
ladas, brancas e bonitas. Frutos arredonda-
dos, de coloração brancaPolpa transparente, 
gelatinosa, pegajosa, doce e acidulada. Usa-
dos na produção de bebidas fermentadas.
Bate-caixa (Palicourea tetraphylla)
Rubiaceae
Arbusto pequeno do cerrado Brasileiro. Folhas 
sim-ples, discolores. Inflorescência composta 
de flores de corola amarela. Frutos pequenos, 
arredondados, 2-loculares, macios e pretos 
quando maduros, dispostos em cachos.

Aroeira-pimenteira (Schinus terebinthifolius)
Anacardiaceae
Árvore de pequeno porte. Folhas compostas,
imparipenadas. Os frutos são pequenas dru-
pas, esféricas, avermelhadas. Além de servir 
como alimento para aves silvestres, podem 
ser usadas como condimento, substituindo 
pimenta-do-reino.
Canela-cheirosa (Nectandra sp.)
Lauraceae
Árvore com tronco de casca lisa. Ramos cilíndri-
cos. Folhas alternas,obovadas a elipticas, mar-
gem lisa, coriáceas. Inflorescência paniculada.
Fruto baga subglobosa, com 1,5 cm. Cúpula ba-
sal presente.

Avelã (Corylus avellana)
Betulaceae (Corylaceae)
Grande arbusto caducifólio europeu. Folhas al-
ternas, duplamente dentadas, suborbiculares a 
ovadas. Frutos globosos, indeiscentes, de casca 
resistente. Semente oleaginosa, comestível, de 
sabor adocicado e agradável.

Moranguinho-de-jardim (Potentilla indica)
Rosaceae
Planta herbácea, perene, nativa da Ásia. Folha- 
gem semelhante ao morango verdadeiro. Folhas 
trifolioladas. Flores amarelas. Frutos decorativos, 
semelhantes ao morango verdadeiro, porém sem 
sabor. Emitem estolhos, que enraízam em contato
com a terra.

Frutos da erva-mijadeira 
(Hypericum Androsaemum)
Hypericaceae
Arbusto nativo da Europa. Flores amarelas com 
pétalas e longos estames. Folhas verdes, es-
pessas, inteiras e opostas. Os frutos são bagas 
que mudam muito de coloração durante o pro-
cesso de maturação, tornando-se pretos ao final.

Fruto da erva-pombinha (Phyllanthus tenellus)
Phyllanthaceae
Herbácea medicinal brasileira, com folhas
pequeninas dispostas alternadamente em
fileiras nos ramos. Frutos diminutos, esqui-
zocarpos, globosos e coriáceos, dispostos
abaixo das folhas. Sementes cuneiformes,
de coloração castanho-clara.

Fruto gengibre-de-Kahili 
(Hedychium gardnerianum)
Zingiberaceae
Herbácea de folhas grandes e inflorescência 
ereta com flores amarelas perfumadas. Fruto 
capsular oblongo, valvulado, de cor laranja. 
Ao se abrirem, mostram sementes brilhantes, 
de coloração vermelho-escarlate. Muitas vezes 
estes frutos são confundidos com flores.
Ardísia (Ardisia crenata)
Myrsinaceae
Arbusto tropical de pequeno porte. Ramos 
espiralados. Folhas cerosas,brilhantes, com 
margens onduladas. Flores brancas,peque-
ninas. Frutinhos semelhantes a cerejas, 
dispostos em cachos, formato globoso, não 
comestíveis, de coloração vermelho-brilhante.

Marlberry (Ardisia japonica)
Myrsinaceae
Arbusto perene nativo da Ásia. Folhas ovais, cori-
áceas, verde-escuras, brilhantes, agrupadas no 
final dos ramos. Flores estreladas brancas ou ró-
seas, em cachos. Abundantes frutinhos com 5 a 
6 mm de diâmetro, redondos, não comestíveis, 
vermelhos e depois com coloração roxa-negra.

Azeitona (Olea europaea)
Oleaceae
Árvore baixa, de copa larga. Folhas opostas, 
estrei-tas e pequenas, de coloração verde-
-acinzentada. Flores brancas reunidas em 
rácimos densos. O fruto é uma drupa elip-
soide, com cerca de 2cm, verde quando ima-
turo e preto ou violeta-acastanhado quando 
maduro. Possui apenas 1 semente envolta 
em polpa macia. Desse fruto é extraído o 
azeite.

Pixirica-roxa (Leandra sp.)
Melastomataceae
Arbusto. Ramos jovens cilíndricos. Folhas cartáce-
as,lanceoladas, ápice acuminado, margem leve-
mente denticulada. Flores 5-meras, com longos 
estames. Frutos bacáceos, roxos, pequeninos 
(cerca de 8 x 6,5 mm).



Pixirica (Ossaea sp.)
Melastomataceae
Subarbusto. Folhas pecioladas, lâmina elíptica 
oval, base aguda a cuneada, ápice agudo a acu-
minado, margem ciliada. Flores muito pequenas 
com pétalas brancas, agudo-lanceoladas. Fruto 
baga, verde quando imatura e enegrecida quando 
madura. 



Copiúva (Tapirira Guianensis)
Anacardiaceae
Árvore de médio a grande porte, também conhe-
cida como pau-pombo. Tronco curto com cerca 
de 60 cm de diâmetro. Folhas compostas impari-
penadas, com folíolos muito variáveis na forma 
e tamanho. Inflorescência em panícula terminal 
e axilar. Flores amareladas e pouco vistosas. 
Fruto drupa elipsoide quase esférica, com cerca 
de 1 cm de comprimento, epicarpo violáceo quan-
do maduro, sabor adocicado, não comestível para
seres humanos, mas apreciados por aves. 
Semente sem endosperma.
Pau-incenso (Pittosporum undulatum)
Pittosporaceae
Arbusto ou pequena árvore de até 15 m, com 
ritidoma cinzento. Folhas perenes, pecioladas, 
ovado-lanceoladas, agudas, glabras, com 
5-15 x 1,5-4 cm, de margem ondulada,alternas 
ou agrupadas na terminação dos ramos. Flo-
res brancas, aromáticas, reunidas em cimeiras 
que se assemelham a umbelas. Os frutos são 
cápsulas obovoides, glabras,bivalves, de cor-
-de-laranja intenso quando maduros. Os frutos 
são resinosos, possuindo um forte odor. Semen-
tes cor-de-laranja envolvidas  por mucilagem

Ananás de cerca (Ananas fritzmuelleri Camargo)
Bromeliaceae
Espécie selvagem de abacaxi. Endêmica do 
Brasil e possui ampla distribuição em Estados 
da região sudeste e sul do país. Ocorre em 
locais abertos de floresta ombrófila densa e 
restingas associadas à Mata Atlântica. Na fase 
de inflorescência, esta espécie não apresenta 
coma apical, podendo ser reconhecida na an-
tese pelas brácteas florais cobrindo as flores 
e pelas pétalas eretas. Presença de espinhos 
retrorsos na porção inferior da lâmina foliar e 
pela coloração das brácteas florais, que são 
rosa-claras a esverdeadas. Frutos comestíveis.
Jurubebarana (Solanum caavurana )
Solanaceae
Arbusto ou árvore pequena com cerca de 5 m de 
altura, amplamente distribuída no Brasil. É popu-
larmente conhecido como 'laranjinha do mato', 
'jurubebarana' ou 'jurubeba-branca ", sendo utili-
zada na medicina popular para tratar a anemia, 
distúrbios hepáticos e digestivos. Fruto baga sub-
globosa, 2 cm diâmetro, cálice frutífero não acres-
cente, inerme, epicarpo verde-amarelado, lúcido, 
glabro. Pedicelo frutífero levemente deflexo, gla-
bro. Sementes numerosas, reniformes, aladas, 
beges.
Pião (Lafoensia pacari)
Lytraceae
Árvore decídua, de pequeno a médio porte, origi-
nária do Brasil.Tronco ramificado com casca acin-
zentada. Folhas simples, glabras, coriáceas,
oblongas, com nervuras bem definidas e podem 
ser sésseis ou pecioladas. Inflorescências, em ra-
cemos terminais, com flores vistosas, grandes. 
Pétalas brancas e franjadas, longos estames. 
Cálice verde, com margens pregueadas. Os frutos 
são cápsulas lenhosas, bronzeadas, com 4-8 cm 
de comprimento ápice arredondado terminando 
em cone, com muitas semente membranáceas.
Cipreste da Califórnia (Cupressus macrocarpa)
Cupressaceae
Árvore de copa com ramos eretos, aberta, pirami-
dal quando jovem, ficando achatada com a idade. 
Folhas 1-2 mm de largura, opostas, decussadas, 
semelhante a escamas, de vértice agudo e com 
margens mais claras. As folhas, quando se esfre-
gam, exalam um cheiro a limão. Inflorescências 
representadas por estróbilos. Estróbilos masculi-
nos de 5 mm, amarelos, inseridos na parte inferior 
dos ramos. Frutos representados pelo Cone 
(estróbilo feminino) com 2,5 a 4cm, globoso a elip-
soide, castanho-brilhante quando maduro, com 
814 escamas curtas. Cada escama com 8-20 
sementes, achatadas.
Cereja-do-cerrado (Eugenia punicifolia)
Myrtaceae
Arbusto ou arvoreta de 1-4 m, de folhas muito va-
riáveis no formato (de oblongo a lanceoladas) e  
 na cor (verde-claras a verde-escuras). Floração 
exuberante, sendo excepcional planta melífera, 
além de ótima ornamental. Frutos ovalados, de 
2-3 cm de comprimento, de cor vermelho-escar-
late e polpa escassa, sempre coroados por pe-
quenas pétalas persistentes. Sabor adocicado, 
com um pouco de adstringência.

Cipreste (Cupressus sp.)
Cupressaceae
Planta lenhosa de porte arbóreo e monóica (ór-
gãos masculinos e femininos na mesma planta).
Folhas pequenas, escamiformes, opostas. Estró-
bilos bem desenvolvidos e conhecidos como co-
nes. Estróbilos são estruturas modificadas para
órgãos reprodutores. Estróbilos masculinos pe-
quenos, terminais ou laterais, de coração ama-
rela. Estróbilos femininos terminais em ramos
curtos, pequenos, globulares, com escamas 
ovulíferas, verdes quando são jovens e castanhos 
maduros. Os cones podem abrir assim que atin-
ge a maturidade, liberando as sementes.

Bromélia (Vriesea sp.)
Bromeliaceae
Herbácea de pequeno a médio porte, Folhas 
em roseta. Folhas simples fibrosa, borda le-
vemente denteada. Inflorescência racemosa, 
terminal acima da folhagem, despontando no 
centro da planta, ramificada, constituída por 
espigas paniculadas, bem vistosas. Flores 
amarelas, zigomorfas, tubulosas. Frutos do 
tipo baga de coloração escura.


 
Hibanto (Hybanthus sp.)
Violaceae
Considerada como planta que se desenvolve em
ambientes sob distúrbio. Folhas membranáceas,
pecioladas, margem serreada, ápice agudo. Flo-
res em forma de pá, pecioladas e de coloração
violeta. Fruto cápsula globosa, que se abre ainda
verde liberando sementes escuras.



.


Amargoseira (Melia azedarach)
Meliaceae
Árvore caducifólia, de 15 – 20 m de altura. Copa 
aberta. Folhas alternas, longo-pecioladas, bipina-
das. Flores pequenas, aromáticas, de cor lilás-
-azulada ou rósea, dispostas em longas panículas 
axilares. Frutos pequenos, ovoide-arredondados, 
do tipo drupa, amarelados quando maduros. Os 
frutos são tóxicos, sendo que a quantidade de 
6 a 8 frutos são suficientes para provocar morte 
em crianças.




Murici do campo (Byrsonima crassifolia)
Malpighiaceae
Planta de 2 a 6 m de altura, com tronco tortuoso, 
formando moitas, muitas vezes com ramos to-
cando o solo ou crescendo quase horizontalmen-
te, casca espessa. Folhas opostas, simples, cori-
áceas, curtamente pecioladas. As inflorescências 
apresentam-se em rácimos terminais alongados. 
Flores hermafroditas, pentâmeras e amarelas. O 
fruto é uma drupa pequena, trilocular, arredonda-
da ou alongada, tendo em média 1,5 a 2 cm de 
diâmetro; exocarpo delgado de cor amarela no 
fruto maduro; mesocarpo (parte comestível) pas-
toso, amarelo, medindo 5 mm de espessura, de 
cheiro e sabor muito característicos.