* CACTOS E SUCULENTAS (Cacti and succulents)

Adaptadas para viver em locais de condições severas. Raízes, talos e folhas armazenam água em quantidades maiores que em outras plantas, permitindo que possam viver em lugares com umidade escassa. Muitas delas produzem flores maravilhosas.
Cacto bola
(Ferocactus glaucensis)
Cactaceae
Pequeno cacto de forma arredondada com várias 
costelas e longos espinhos. Suas flores são ama-
relas. É originário do México.
 

Calanchoê-fantasma 
(Kalanchoe fedtschenkoi)
Crassulaceae
Suculenta com flores alaranjadas pendentes, vira-
das para baixo.Pode atingir 60 cm. Folhas carno-
sas. Originária de Madagascar.

Calanchoê ( Kalanchoe blossfeldiana)
Crassulaceae
Suculenta, ereta e muito florífera. Folhas ovala-
das, carnosas e de margens denteadas. Inflo-
rescências terminais, ramificadas, com nume-
rosas flores duráveis. Nas cores vermelha, 
rosada, branca ou laranja.


Ripsális (Rhipsalis baccifera)
Cactaceae
Cacto de vida epífita. Hastes cilíndricas penden-
tes com cerca de 5mm de diâmetro. Produz pe-
quenosfrutinhos redondos e brancos.


Flor- dragão (Huernia keniensis)
Asclepiadaceae
Suculenta de até 10 cm de comprimento, apre-
sentam 4 ou 5 faces, que formam quinas com
protuberâncias maleáveis e carnosas, seme-
lhantes a espinhos (folhas reduzidas).
Flores em forma de sino.
Aortia (Haworthia augustifolia var. liliputana)
Asphodelaceae
Planta de tamanho reduzido, formando pequeni-
nas rosetas. Folhas suculentas, estreitas, com 
margem suavemente denteada. Cada folha com 
até 10 cm de comprimento. 

Aortia-zebra (Haworthia fasciata)
Asphodelaceae
Suculenta originária da Africa do Sul. Folhagem 
agrupada em roseta. Folhas rígidas, triangulares, 
verdes com faixas brancas transversais.

Cabeça-de-frade (Melocactus bahiensis)
Cactaceae
Cacto comum na caatinga. Caule pequeno, globo-
so, angulado, coroado de pelos híspidos e acule-
ados, lembrando uma cabeça coroada. Em sua
coroa nascem flores e os frutos. Os frutos são
pequenos, de cor rosa. É muito usado como
planta ornamental.

Mandacarú (Cereus jamacaru)
Cactaceae
Grande cacto, com mais de 5m de altura, presen-
teem solos pedregosos da caatinga. Ramos irre-
gulares dispostos em angulo agudo. Caule gros- 
so com muitos espinhos (há uma variedade sem
espinhos). Flor grande e branca. Frutos verme-
lhos, grandes e comestíveis, com polpa branca.

Mini-cacto (Echinocactus sp.)
Cactaceae
Cacto pequeno, globoso, com até 8 cm de diâ-
metro. Nativo da América do Sul. Verde-escuro, 
8 costelas. Aréolas com espinhos avermelhados, 
curvos em direção ao corpo.

Calanchoê-da-abssínia (Kalanchoe delagoensis)
Crassulaceae
Herbácea suculenta, ereta, originária de Mada-
gascar. Folhas cilíndricas, cerosas, verde-azula-
das com manchas transversais arroxeado-escu-
ras. Aglomerado de mudinhas no ápice das fo-
lhas. Flores vermelho-alaranjadas.

Dedinho-de-moça 
(Sedum pachyphyllum)
Crassulaceae
Suculenta de origem mexicana. É muito popular 
por ser de fácil cultivo e bastante resistente. 
Apresenta a ponta da folha avermelhada. As 
flores são pequeninas e amarelas.

Castelo de fadas (Cereus tetragonus)
Cactaceae
Espécie nativa do Brasil. Forma miniatura. Culti- 
var de cacto colunar com cerca de 8cm de altura, 
espinhos curtos ao longo das costelas. Forma 
pequenas e numerosas ramificações lembrando 
torres de um castelo, daí seu nome popular.
Pata-de-urso (Cotyledon tomentosa)
Crassulaceae
Suculenta nativa da África. Folhas verdes, reco-
bertas de lanugem, com pequenas formações
proeminentes nas pontas, dando-lhes a aparên-
cia de pequenas patas de urso, daí seu nome
popular. Flores semelhantes a sinos, de cor
laranja.
Avelós (Euphorbia tirucalli)
Euphorbiaceae
Arbusto grande, semilenhoso e lactescente.
Ramos verdes, suculentos, cilíndricos e sem
folhas. Flores pequenas e raras, que passam
despercebidas.

Rosa-de-pedra (Echeveria elegans)
Crassulaceae
Suculenta de folhas carnosas verde-azuladas, 
dispostas como  uma rosa. Suas flores são 
pequeninas, de cor amarelo-alaranjado.



Cacto-pendente ( Kalanchoe mangini)
Crassulaceae
Herbácea suculenta, perene, florífera, ramificada. 
Originária de Madagascar. Folhas opostas, lisas, 
espessas, com margens crenadas. Inflorescência 
terminal em panículas ralas de hastes avermelha-
das. Flores tubulosas, pendentes, avermelhadas 
na base e amareladas no ápice.

Rosário (Senecio rowleyanus)
Asteraceae
Planta suculenta nativa do sudoeste africano. 
Folhas esféricas semelhantes a ervilhas, com 
estreita faixa transparente. Ramos pendentes. 
Flores pequenas, brancas com estames púrpuras.

Cacto-macarrão (Lepismium lumbricoides)
Cactaceae
Planta epífita, pendente, reconhecida pelo aspec-
to característico dos artículos, semelhantes a
fios. Artículos cilíndricos. Flores campanuladas,
laterais, abundantes, cor branca a amarelada.
Fruto baga, elipsoide, com cerca 0,4 cm de diâ-
metro, vermelho. Sementes elípticas, pretas.

Palmatória (Opuntia palmadora)
Cactaceae
Cacto muito comum na região da caatinga. É co-
nhecida na região por Palmatória por lembrar a
forma de palmatórias utilizadas nos tempos anti-
gos para castigar as crianças. Pode medir até
dois metros de altura, dependendo do solo e do
tipo de superfície em que esteja apoiada. Suas
folhas são ligeiramente arredondadas com espi-
nhos distribuídos por toda sua extensão. A
reprodução se dá através das folhas que, em
contato com o solo iniciam um novo ciclo.
Pos-sui pequenas flores e produz alguns frutos
não comestíveis
Cacto rebutia (Rebutia sp.)
Cactaceae
O gênero Rebutia é um dos mais populares no
cultivo. Diversas espécies são produzidos em
larga escala e comercialmente encontrado em
centros de jardinagem em todo o mundo. As
plantas deste gênero são pequenas, globosas.
As hastes são normalmente tuberculadas em
costelas mal definidas. Tem crescimento vigo-
roso e florescem muito facilmente com muitas
de flores grandes e vistosas, fortemente colori-
das e em forma de funil. Na natureza, estas
plantas são encontrados nas colinas e mon-
tanhas da Argentina e da Bolívia.
Cabeça de velho (Cephalocereus senilis)
Cactaceae
Nativo do México. Espécie colunar que pode
crescer até 15 m de altura. Não ramificado.
É caracterizado por longos pelos de colora-
ção branca-prateada. Flores vermelhas.





Cacto-de-árvore (Rhipsalis pachyptera )
Cactaceae
Cacto epífito nativo do Brasil. Caule muito ramifi-
cado. Largamente elípticos a circulares, espes-
sos e achatados, verde-escuros ou avermelha-
dos. Flores pequenas, de coloração amarelo-
-claro, aparecem em grupos de até três flores 
ao lado dos brotos. Frutos esféricos, vermelhos.


Facheiro (Pilosocereus catingicola)
Cactaceae
Espécie endêmica do Brasil, onde ocorre em lo-
cais elevados do nordeste brasileiro. São plantas 
geralmente xerofíticas, áfilas, com caule e ramos 
suculentos e fotossintetizantes, espinhosos, flo-
res relativamente curtas, tubo floral glabro e liso, 
e frutos depresso-globosos.

Cacto zig-zag (Selenicereus Anthonyanus)
Cactaceae
Cacto epífito originário do México. Ramos acha-
tados e profundamente lobados, sem espinhos,
com altura que pode ir até 1,0 m. O formato de
seus ramos deu origem ao seu nome popular.
Possui uma estrutura fragmentada e fina e isso
serve para que as folhas se desenvolvam quan-
do perdidas. Flores noturnas, grandes, cerca
de 15 cm de comprimento, com pétalas na cor
branca a creme. As raízes são lançadas dos
ramos, adventícias, e graças a isso elas podem
perfeitamente se fixarem nas árvores, até
mesmo em pontos mais alto.
Cacto (Arthrocereus melanurus)
Cactaceae
Espécie endêmica do Brasil, ocorrendo principal-
mente com hábito arenícola ou rupícola em cam-
pos rupestres. Ambiente caracterizado pela 
natureza rochosa dos substratos, associada à 
baixa profundidade do solo e à permanência de 
água no sistema. Arbusto ramificado. 
Cladódios costelados. Frutos globosos.

Aloé-candelabro (Aloe arborescens)
Asphodelaceae
Uma das cerca de duzentas variedades da planta 
Aloe. Herbácea suculenta, originária da Africa do 
Sul. Porte arbustivo, podendo atingir 3m de altura.
Tronco curto. folhas dispostas em roseta, carno-
sas, longas, afinando em direção à ponta, cor 
verde-azulada, cerosa. Espinhos cartilaginosos 
nas margens. Inflorescências eretas, longas, 
com flores vermelhas. Planta suculenta muito 
versátil e popular, com aplicações medicinais, 
cosméticas e paisagísticas.

Rainha da noite (Hylocereus undatus)
Cactaceae
Nativo das florestas tropicais úmidas da América
central. Epífita ou rupícola. Muito ramificado e 
ascendente. Caule triangular, verde, ondulado, 
com 1 a 6 espinhos curtos e rígidos. Bordas 
crenadas. Forma raízes aéreas. Flores noturnas, 
brancas, grandes, vistosas, solitárias, perfuma-
das e com numerosos estames e segmentos 
externos verde-amarelados.

Dedinhos-verdes (Pachyphytum sp.)
Crassulaceae
Pequeno gênero de plantas encontradas no 
México e intimamente relacionado com os 
gêneros Sedum e Echeveria. Plantas perenes, 
suculentas. Folhas espessas, arredondadas,
lisas,dispostas em roseta. Novas plantas são 
facilmente propagadas a partir das folhas ou de 
estacas. O nome do gênero significa "planta 
maciça"


Rabo-de-rato (Rhipsalis teres)
Cactaceae
Nativa do Brasil. Plantas epifítas, rupícolas ou ter-
rícolas, semi-eretas ou pendentes. Ramos cilín-
dricos, verde-escuros a verde-claros, suculentos 
articulados. Flores laterais e subapicais, uma 
por aréola, brancas. Frutos globosos, brancos a 
rosados. É cultivada como ornamental e fixada 
em árvores de jardins, em vasos ou jardineiras 
suspensas, a meia-sombra. Espécie muito 
variável, podendo ser diferenciada pela forma 
dos artículos e tonalidade da cor da flor.

Pinheiro-miniatura (Crassula tetragona)
Crassulaceae
Planta suculenta, perene, originária da África do 
Sul. Caule lenhoso, alongado e ereto. Folhas 
carnudas, opostas e cruzadas, estreitas, alon-
gadas, glabras e podem apresentar uma colora-
ção verde-clara, verde-escura ou azulada. Flores 
brancas ou amarelas reunidas em inflorescências 
paniculares. O nome se deve à filotaxia das suas 
folhas (tetragonia = quatro + ângulos).

Ferocactus emoryi
Cactaceae
Cacto de barril solitário, ereto, globular quando 
jovem e um cilindro robusto quando mais velho. 
Tuberculado quando jovem depois formando cos-
telas. Apresenta de 6 a 10 espinhos rígidos e 
robustos por aréola, sendo o central curvado. 
Aréolas ovais, com lã. Flores vermelhas. 
Frutos oblongos.

Cereus armado (Armatocereus sp.)
Cactaceae  
Grupo de cactos tipo árvore, originário da Amé-
rica do Sul. Tem como principal característica a 
segmentação das hastes. Número de costelas 
de 3 a 16. Espinhos duros, muitas vezes supe-
riores a 10 cm. Flores brancas. Frutos espinho-
sos. Cultivado como planta ornamental.


Calandiva ( Kalanchoe x blossfeldiana )
Crassulaceae
Híbrido do Kalanchoe blossfeldiana, muito cul-
tivada em diversas regiões do mundo. Porte 
pequeno, cerca de 25 centímetro de altura. 
Planta resistente, mas de aparência bem deli-
cada. Folhagem bem grossa, verde, com as 
bordas onduladas. Flores dobradas, muito 
bonitas.
Flor-de-outubro 
(Rhipsalidopsis gaertneri)
Cactaceae
Cactácea sem espinhos. Tem flores rosas ou ver-
melhas, muito vistosas e delicadas em forma de 
estrela, queflorescem entre setembro e outubro.  
Cladódios achatados, segmentados e de bordas 
denteadas.
Cacto cardo-da-praia
 (Cereus fernambucensis)
Cactaceae.
Ampla distribuição pela região costeira do Brasil. 
Pode atingir até 3 metros de altura. Tem 4 coste-
las e grandes espinhos. Suas flores são brancas.

 
Cacto-rosa (Pereskia grandiflora)
Cactaceae
Arbusto ou árvore. Possui espinhos grandes e 
verdes. Flores vistosas de cor rosada, que sur-
gem nas pontas dos ramos. Fruto bonito com 
pequenas folhinhas.Folhas grossas, carnudas, 
elípticas a oblongo-lanceoladas. Único gênero 
de cactácea que possui folhas como as das 
outras plantas.
Rabo-de-burro (Sedum morganianum)
Crassulaceae
Suculenta pendente, originária do México. Folha-
gem decorativa com folhas carnosas, espessas, 
ovalado-alongadas e encurvadas.Inflorescência  
eventual, com flores cor-de-rosa em forma de 
estrela.
Cacto-de-natal (Schlumbergera sp.)
Cactaceae
Suculenta originária do Brasil.
Espécie pendente, com flores de várias
tonalidades.


Cacto-epífita (Rhipsalis elliptica)
Cactaceae
Cacto epífita. Articulações planas, largas e es-
pessas. Normalmente de cor verde, podendo 
tornarem-se arroxeados devido à forte exposição 
solar. Flores amareladas.Frutinhos globosos, 
de cor rosa-escuro.
Cacto-palma (Opuntia brasiliensis)
Cactaceae
Porte arbóreo. Ramos cilíndricos. Segmentos 
planos, ovais e espinhosos. Fruto esférico com 
espinhos curtos. Flores amarelas de 4 - 5 cm .

Palma-brava (Opuntia littoralis)
Cactaceae
Cacto originário do México. Ereto, perene, sucu-
lento e espinhento. Hastes segmentadas ou arti-
culadas. Segmentos ovalados, planos, achatados 
e espessos. Flores solitárias, com muitos esta-
mes, amarelas, formadas na borda superior do 
artículo.

Micranthocereus sp.
Cactaceae
Cacto delgado, colunar, originário do Brasil. 
Nervurado, com várias costelas rasas. Espinhos 
densos e flexíveis. Comum a presença de lã. 
Flores pequenas, tubulares, que surgem de um 
cefálio lateral.


Mini-cacto (Mammillaria sp.)
Cactaceae
Cacto globoso e pequenino. Espinhos reunidos
em tufos com alguns milímetros de comprimento, 
bran-cos na base e levemente dourados nas pon-
tas. Flor pequenina.

Urumbeta (Nopaea cochenillifera)
Cactaceae
Arbusto suculento, ereto, de grande porte.
Tronco curto e cilíndrico. Palmas articuladas,
ovaladas e revestidas por pequenos espinhos.
Flores vermelhas, produzidas durante todo o
ano.

Flor-de-maio (Schlumbergera truncata)
Cactaceae
Epífita pendente,com caule achatado. Um dos 
cactos maispopulares do país. Suas flores são 
delicadas e grandes, podendo ser rosas, verme-
lhas, brancas ou laranjase concentrando-se 
nas extremidades dos ramos.

(Pilosocereus vilaboensis)
Cactaceae
Cresce na região rupestre do cerrado. 
Seu fruto é comestível e sua flor é de 
cor creme. pode atingir 2 metros de altura.
 

Planta-madrepérola
(Graptopetalum paraguayense)
Crassulaceae
Suculenta em roseta, com cor variando do branco
ao cinza, com tonalidades azul ou verde. Caule
geralmente ereto, com até 10 cm.


Palma-de-espinho (Opuntia monacantha)
Cactaceae
Arbusto fanerofítico, que se desenvolve na vegeta-
ção de restinga. Ramificado, de artículos oblon-
gos. Espinhos grandes e duros. Flores grandes,
amarelas. Fruto elipsoide comestível.

Xique-xique (Pilosocereus sp.)
Cactaceae
Cacto colunar. Planta perene, grande, robusta, 
ereta, verde-escura. Espinho agudos. Presença 
de pelos brancos. Flores grandes, isoladas, de 
cor clara, perfumadas e noturnas. Frutos apreci-
ados por pássaros. 

Calanchoê  (Kalanchoe wendi)
Crassulaceae
Híbrida. Planta perene, ligeiramente pendente, 
com cerca de 30 cmde comprimento. Folhas 
simples, ovais e suculentas. Flores rosa-arroxe-
adas em forma de urnas, com 3 cm de compri-
mento e ponta de coloração amarelo-pálido. 
Flores com 4 lobos.

Cacto-cérebro (Mammillaria elongata 'Cristata')
Cactaceaea
Originário do México. Cacto verde encoberto por 
espinhos de coloração amarelo-dourado. 
Aglomerado de hastes oval-alongadas, lembran-
do um cérebro humano.

 
Cereus monstruoso
(Cereus peruvianus 'monstrosus')
Cactaceae
Cacto de forma irregular com nervuras verde-
acinzentadas. Crescem até 15 metros de altura.
Grandes flores brancas, que se abrem à noite.
Frutos laranjas comestíveis.


Estrelinha-branca (Sedum pallidum)
Crassulaceae
Planta perene, de hábito rasteiro, atingindo 10 cm
de altura. Folhas lineares, verde-azuladas com um
toque rosado no sol. Numerosasflores brancas,
estreladas, com 5 pétalas. Nativa da Turquia.








Kalanchoe Kiwi (kalanchoe sp.)
Crassulaceae
Herbácea suculenta, perene e ereta.
Folhas verde-azuladas, planas e com
aparência cerosa. Margens denteadas
rosadas. Cresce a pleno sol. Aprecia
temperaturas amenas.







Pilosocereus glaucochrous
Cactaceae 
Endêmico da Bahia. Rupícola, terrícola. Belo 
cacto colunar de coloração azul-esverdeado a 
verde-acinzentado, com delgada ramificação. No 
estado selvagem cresce de 3 a 5 metros de altura. 
5 a 10 costelas. As aréolas felpudas e espinhas 
douradas minúsculas fazem um belo contraste 
com o azul do céu. Flores noturnas com 4 – 5,2 
cm, tubulares, brancas com matizes rosa e 
bronze. Frutos esférico. 
Ferocactus sp.
Cactaceae
Cacto verde, globular na juventude, crescendo na 
altura com a idade. Pode alcançar até 30 cm. 
Possui pronunciadas costelas longitudinais, com 
espinhos fortes e curvados. 6 ou 7 espinhas radi-
ais e uma central.



Dama da noite (Epiphyllum Oxipetalum) 
Cactaceae 
Cactácea de grande porte, originária do Sri Lanka. 
Ramos achatados e suculentos. Suas grandes 
flores (20 a 25cm) se abrem ao anoitecer e caem 
no dia seguinte. Seu perfume maravilhoso e vigo-
roso toma conta do jardim. Pétalas e sépalas 
fortes, robustas e muito exuberantes.

Flor-de-seda (Schlumbergera truncata)
Cactaceae
Exemplar com flor branca. Herbácea epífita,
nativa do Brasil. Caule formado por artículos
suculentos, achatados pendentes e sem
espinhos. Flores concentradas na extremi-
dade dos artículos.







Arthrocereus sp.
Cactaceae
Gênero endêmico do Brasil. Cacto relativamente 
pequeno, com crescimento rápido e com flores 
muito bonitas. Costelas baixas. 
Espinhos dourados eriçados.




Bola-dourada (Notocactus leninghausii)
Cactaceae
Cacto de origem sul americana e comumente 
cultivado como ornamental. Espécie apreciada 
devido aos longos, delgados, sedosos e inofensi-
vos espinhos cor de ouro. Tronco globular, que 
gradualmente se torna cilíndrico com a idade. 
Ramifica desde a base. As flores são amarelas, 
com cerca de 5 cm de diâmetro e aparecem na 
parte superior das plantas, porém não 
florescem antes de atingirem 20 cm de altura. 
Crescimento lento.

Cacto brasileirinho (Cereus hildemannianus)
Cactaceae 
Nativo do Brasil. Cacto de grande porte, podendo 
atingir mais de 8 metros de altura. Forma colunar. 
4 a 6 costelas. Cor verde com pontas amarelas, 
dando um efeito paisagístico espetacular. Forma 
grande massa de longos caules articulados cilín-
dricos, com sulcos longitudinais. Flores grandes 
vistosas que abrem à noite e que atraem pe-
quenos insetos polinizadores.

Mãe-de-milhares (Bryophyllum daigremontianum)
Crassulaceae
Suculenta nativa de Madagascar. Caule ereto. 
Folhas carnudas, lanceoladas, com coloração 
verde-acinzentada na parte superior e com man-
chas arroxeadas na parte inferior. As margens 
das folhas possuem pequenas esporas bulbíferas, 
de onde surgem os brotos de novas plantas. 
Inflorescência terminal com pequenas flores 
campanuladas, rosas. Planta venenosa, que pode
ser fatal se ingerida por animais de pequeno porte.

Portulacária (Portulacaria afra)
Portulacacea
Pequeno arbusto originário da África do Sul. 
Similar em aparência à "planta de jade" 
(Crassula ovata), mas com folhas menores e 
mais arredondadas. Caule segmentado (com 
nós), suculento e de cor marrom. Folhas pe-
quenas, opostas, obovadas, carnosas , de 
cor verde-clara, brilhantes e muito decorativas, 
semelhantes a pequenas moedas. Flores pe-
quenas, esverdeadas, eventuais, sem impor-
tância ornamental.

Calânque marrom (Kalanchoe orgyalis)
Crassulaceae
Suculenta originária de Madagascar. Arbusto ereto, 
ramificado, de crescimento lento, que pode atingir 
cerca de 2m de altura. Folhas espatuladas,ovala-
das a lanceoladas, duras, face superior feltrada
com pelos finos, verde-acinzentada ou cor de ca-
nela. Margem inteira, pecíolo sulcado. Inflorescên-
cia terminal em forma de corimbo. Flores amarelas
carnosas. Também chamada de Colher-de-cobre.

Aeonium (Aeonium sp.)
Crassulaceae
Espécie híbrida. Planta suculenta. Caule 
ramificado. Folhas verdes, grossas e com 
margem ciliada, formando rosetas carnudas. 
Flores pequenas e aglomeradas, que brotam 
do centro das rosetas.  



Rosa de pedra (Echeveria pulidonis)
Crassulaceae
Suculenta compacta, pequena, com cerca de 
10 a 15 cm. Nativa do México. Folhas simples, 
opostas, alongadas e verdes, contornadas por 
uma linha avermelhada nas bordas. Flores tu-
bulares, de coloração amarela. É uma planta 
perene.