Foto: Nuno Barros
Projecto Arenaria
'Monitorização da Distribuição e Abundância de Aves nas Praias e Costas de Portugal'
 
O Projecto Arenaria iniciou-se em 2009/10, através de uma parceria entre a Unidade de Investigação em Eco-Etologia (UIEE/ISPA-Instituto Universitário), o Museu Nacional de História Natural e da Ciência da Universidade de Lisboa (MUHNAC/UL) e a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA), altura em que foi feito o 1.º Censo Nacional de Aves Costeiras Invernantes em Portugal (ver Historial).
 
Na primeira época de campo, a prioridade do projecto foi a obtenção de uma estimativa da distribuição e abundância das aves costeiras invernantes, através de uma cobertura da costa marítima tão ampla quanto possível. A informação recolhida nesta primeira fase constitui uma base de referência para a interpretação futura da evolução das populações de aves costeiras invernantes na costa continental portuguesa, tendo sido ainda recolhida informação relevante para os Açores e a Madeira.

Tornou-se depois essencial monitorizar estas populações ao longo do tempo. Nesse sentido, de modo a contribuir para o conhecimento das tendências das populações das aves costeiras a médio/longo prazo, durante o 5 anos seguintes, foi recolhida informação, através que um esquema de monitorização regular baseado num conjunto de quadrículas pré-seleccionadas com base nos resultados do primeiro ano de trabalho de campo.

Nesta época de campo de 2015/16, irá ser repetido o Censo Nacional de Aves Costeiras Invernantes, e alargando o espectro de acção do projecto, será realizado o 1º Censo Nacional de Pilritos-das-praias Calidris alba - a espécie que se tem revelado a mais abundante nas contagens do Projecto Arenaria.

Objectivos

 

Para a época de 2015/16 o Projecto Arenaria tem como principais objectivos:

1. Repetir o Censos Nacional de Aves Costeiras Invernantes, à semelhança do que foi feito na época 2009/10, de modo a obter dados que permitam avaliar futuramente as tendências populacionais das aves, em particular as limícolas, que utilizam a faixa não estuarina da costa portuguesa durante o Inverno.

2. Obter informação relevante para a interpretação das tendências populacionais, nomeadamente informação relativa às variações espacio-temporais na abundância das diferentes espécies e das suas preferências de habitat.

3. Realizar o 1º Censo Nacional de Pilritos-das-praias Calidris alba de modo a perceber pela primeira vez quantas aves desta espécie utilizam realmente a nossa zona costeira durante o período de invernada, e avaliar quais os habitats e áreas mais importantes para a espécie no nosso país a nível de número de efectivos.

4. Sensibilizar o público em geral para a conservação dos ecossistemas marinhos e costeiros e para a biodiversidade a eles associada.

 

Coordenação

 

A coordenação e a gestão do Projecto Arenaria serão uma vez mais asseguradas pela Equipa Coordenadora (ECO) que conta com representantes de cada um dos parceiros (ISPA-Instituto Universitário, Universidade de Lisboa e SPEA). Além desta equipa, o projecto contará ainda com organizadores regionais (OR), Organizadores Regionais de Zona Húmida (ORZH) - referente às contagens de pilritos-das-praias nas grandes zonas húmidas - e observadores de campo voluntários, essenciais para a continuação do mesmo.

 

Resultados Esperados

 

Esta fase do Projecto Arenaria – monitorização das tendências populacionais das aves costeiras invernantes – consiste na recolha de informação ao longo de vários anos, de modo a tornar possível a apresentação de resultados fiáveis sobre as tendências populacionais. O 2º Censo Nacional de Aves Costeiras Invernantes, a realizar na época de 2015/16 será um passo importante para esta aferição de tendências.


Na presente época de campo espera-se igualmente aprofundar a informação sobre a população nacional invernante de pilritos-das-praias.


Os dados recolhidos terão como propósito a conservação e investigação, nomeadamente das populações de aves costeiras, e não serão cedidos a terceiros que tenham objectivos lucrativos. A ECO pretende continuar a divulgar e a publicar os resultados deste projecto, tornando-os acessíveis ao público em geral e, em particular, a todos os envolvidos.

 

Os resultados do projecto continuarão a ser publicados sob vários formatos, nomeadamente no site do projecto, em publicações técnicas e científicas, e ainda em publicações de divulgação mais generalista, sejam elas impressas ou digitais. A informação a publicar incluirá mapas de distribuição, análises relacionando a abundância das diferentes aves com os habitats e estimativas populacionais das várias espécies, entre outros.


Pilritos-das-praias. Michael Clarke/Creative Commons
 
 
Fotos: Ricardo Martins, Teresa
Catry, Inês Catry e Pedro Geraldes.