Glossário dos Bocais de Flauta
Conheça os diversos partes, construções, dispositivos, opções e partes dos bocais da flauta transversal.



Lip Plate (Porta-Lábio): É a placa de apoia do queixo e lábio inferior para formação a embocadura. No Lip Plate (Porta-Lábio) temos várias partes importantes no qual destaco o Riser.

Lip Plate

Riser  (Chaminé da porta-lábio): É a parede do furo do bocal, também conhecido como Chaminé. O Riser conecta o Porta-lábio (Lip Plate) ao tubo do bocal e é a parte aonde nosso assopro se choca para produzir o som da flauta. Por ser uma parte importante na produção do som, mesmo que a flauta não sejam de metais nobres, muitos fabricantes oferecem como opcional Riser de prata, ouro ou platina.

Crown (Coroa):  É a parte em forma de cúpula no final da bocal da flauta. Ele está ligado à cortiça do bocal e pode ajustar sua posição. Estes conjuntos são muito importantes na projeção, entonação e qualidade do som. 

   
Crown

Afinação principal: Afinal "principal" da flauta é a posição da parede superior do bocal à 17mm do centro do furo do porta-lábio, conforme figura abaixo. Para isso, use a vareta ou haste que vem com as flautas aonde a uma marcação indicado os 17mm, no qual deve usar para afinar sua flauta. Para ajustar a altura desta parede você deve rosquear a Coroa(Crown) ou empurra-la para dentro.

Embouchure Engraving Patterns (Gravura artística no porta-lábio): São gravuras ornamentais realizadas no porta-lábios do bocal. Um opcional em quase todos  os fabricantes de flauta.  Veja um exemplo abaixo:
Embouchure Engraving Patterns or Lip Plate Engraving

Handcut Embouchure: São bocais de flautas com o corte do furo do bocal feito a mão. Outra referencia de Handcut Embouchure são bocais com chanfros nas laterais do furo do bocal, afim de facilitar a emissão de som e melhorar a resposta.

Ligas para Flauta:  Leia o artigo Materiais e ligas para Flauta

Seamed Tubing (Tubos com costura): Se refere ao tubos da flauta feito a partir de pedaços de metal onde são enrolados e costurados, permitindo que a estrutura molecular do metal permanecer intacta. Flautas com tubo com costura (Seamed Tubing) são de alto nível, para flautas profissionais mais avançadas. 

Tubing Thickness (Espessura do tubo): Se refere à espessura do tubo usado na construção de flauta. Muitas flautas feitas à mão (Handmade) são feitas com tudo de espessura fina de  0,36mm (Thin-wall - 0,014 "),  espessura média 0,41mm (medium-wall - 0,016") e espessura grossa 0,46mm (heavy-wall  - 0,018 "). Geralmente, quanto mais espesso for o tubo, mais escuro será o som da flauta.

Os Fabricantes  e Marcas de Flauta: Conheça os diversos fabricantes e marcas de Flauta acessando o artigo: As Conhecidas Marcas de Flautas e seus Flautistas.


Guia para escolher e testar um bocal

O bocal da flauta é provavelmente a parte mais "pessoal" do instrumento: um bocal que toca bem para um flautista, pode ser um inferno para outro. Por esta razão, não podem ser dadas regras rígidas e rápidas sobre o que torna o "melhor" bocal, mas algumas orientações podem ser úteis.

Há realmente quatro coisas básicas para pensar quando testar um bocal:
1. Variedade de dinâmico 
2. Articulação 
3. Cor do som 
4. Projeção

Vou tratar brevemente, ponto a ponto.

1 Variedade de dinâmica
Um bom bocal deve ser capaz de produzir uma boa variedade de dinâmico. Ele deve tocar muito alto em todos os três oitavas com boa qualidade de som. Ele também deve tocar pianíssimo em todos as três oitavas, sendo controlável e confortável quanto ao tirar o som. Sempre compare os resultados com o bocal que você possui, mas você não pode esperar  que um novo bocal possa curar suas próprias dificuldades de tocar! Não se esqueça de tentar todos os três oitavas.

2 Articulação
Compare o novo bocal com o que já possui, a facilidade de produzir bons e limpos ataques das notas. Tocar escalas simples, lentamente e bem articulada, serão um bom guia para testar a articulação do bocal. Experimente tocar forte e piano em todos as oitavas. Também tente um ataque sem língua, apenas diafragma (P). Este é um teste muito bom.

3 Cor do som 
Tente ter uma idéia da variedade de cores que o bocal pode produzir. Reproduza músicas em altura graves e simples, como "Pavane" de Fauré ou o "Aquário" do "Carnaval dos Animais", que visam um som aberto e muito oco. Suba uma oitava e veja se você consegue produzir o mesmo tipo de som. É muito importante que um bocal seja capaz de produzir uma qualidade de som semelhante em toda a variedade de cores disponíveis.
Em seguida, experimente um som muito mais difícil com muitas harmonias, e toque em diferentes oitavas ( Moyse 24 Easy Melodic Studies No. 10 - forte e trompete, é ideal).

4 Projeção
A projeção é difícil de verificar! A ajuda de um amigo é útil para conferir a projeção. Alguns bocais parecem tocar muito forte, mas não são ouvidos no fundos da sala de concertos. Outros bocais não parecem tão fortes, mas o som parece viajar melhor, ele "projeta". 
Se for possível levar o bocal para sua casa para testar por alguns dia, então use a oportunidade, se possível, teste em um salão grande. Escolha um amigo com quem você possa confiar para dar um bom conselho "musical". (Os instrumentista de cordas(violino, viola, cello…) parecem particularmente bons nisso, mas na minha experiência, não pergunte a um flautista!)
Pergunte-lhes qual bocal soa mais alto na parte de trás do salão, e também o que parece "melhor" para ele, o que ele prefere. Um músico de instrumento de cordas lhe dará uma resposta honesta, um flautista pode ter muitas idéias preconcebidas.

Se você não pode levar o bocal para casa,  a segunda opção é pedir a alguém que o escute de fora da sala em que você está tocando o bocal, com a porta fechada. Pergunte qual dos bocais ele ouvir mais alto.

Lembre-se ao experimentar os bocais, deve comprar com o que já possui. Um bocal também não pode compensar as deficiências do flautista - apenas horas de estudo cuidadoso podem corrigir seus defeitos. Mas um bocal pode dar-lhe o potencial para fazer mais coisas. A prática torna isso uma realidade.

Caçada feliz.

Autor: Ian Mclauchlan 
Este artigo foi originalmente escrito por Ian McLauchlan para a revista Flutewise.
Em inglês: https://www.justflutes.com/blog/headjoints-a-guide-to-choosing/
Tradução: Nilson Mascolo Filho