Divulgação Científica

No Brasil, ainda são poucos os estudos envolvendo contagem cromossômica para o grupo das samambaias, sendo inexistente trabalhos nessa área para a espécie Parablechum cordatum. Nesse contexto, o projeto “Número cromossômico de Parablechum cordatum (Desv.) Gasper & Salino em Santa Catarina, sul do Brasil” iniciado em maio de 2019, tem como objetivo contabilizar o número cromossômico de morfoespécies de Parablechnum cordatum, para assim auxiliar na delimitação do táxon. A partir de exemplares cultivados na casa de vegetação da FURB, utilizou-se de pontas de raízes jovens desses indivíduos para o preparo das lâminas que posteriormente permitissem a visualização e a contagem dos cromossomos através do uso de um microscópio. Porém, com a falta de literatura sobre a metodologia da confecção das lâminas para samambaias, necessitou-se realizar diversos testes com os reagentes utilizados no preparo do material, assim como foram necessários testes de concentração, tempo e temperatura desses reagentes, para assim estabelecer um protocolo ideal para a espécie estudada. Ajustes no espalhamento e esmagamento das células também se fizeram e ainda se fazem necessários, pois muitas lâminas apresentaram sobreposição de cromossomos, o que dificulta na certeza da contagem. Além disso, a falta de pontas de raízes jovens, um dos materiais em que há maior quantidade de células em divisão, portanto ideal para a contagem cromossômica, atrasou no processo de montagem das lâminas. Com isso, necessitam-se ainda alguns estudos e testes para se ter certeza do número cromossômico de P. cordatum, pois os desafios encontrados nessa área da ciência não foram poucos. Contudo, muitos avanços já foram feitos desde o início do projeto, mais alguns ajustes de protocolo e não faltará muito para que seja possível a determinação do número cromossômico exato dessa espécie.

Orientador: Prof. Dr. André Luís de Gasper

Acadêmica: Astrid Huber de Souza

Fotos: Lâminas de ponta de raiz de Parablechnum cordatum evidenciando núcleos em metáfase, onde é possível visualizar os cromossomos.

Carousel imageCarousel imageCarousel image

O Laboratório de Botânica do Departamento de Ciências Naturais da FURB foi criado em 1990 com a participação dos professores de Botânica Alceu Natal Longo e Lucia Sevegnani. Com o aumento da demanda de pesquisa e estudo de docentes e alunos do curso de Ciências Biológicas, bem como necessidade de local para o incipiente herbário, para as coleções didáticas e científicas, e para o acervo bibliográfico resultantes das pesquisas em campo, houve necessidade de ampliação no espaço físico.


Com a chegada dos novos professores, Karin Esemann de Quadros, Sidney Luiz Stürmer e Alexandre Uhlmann, o laboratório teve ampliação física, totalizando 129 m², equipamentos e linhas de pesquisa e extensão. Atuam hoje junto ao Laboratório os professores Dr. Sidney Stürmer, Dr. André Luís de Gasper e MSc. Roberta Andressa Pereira, que estão no laboratório desde 2002, 2014 e 2015, respectivamente, além do técnico Morilo José Rigon Junior, que está no laboratório desde 2014, uma monitora e bolsistas de projetos específicos dos professores do laboratório.


O Laboratório tem como objetivos:

  • Desenvolver pesquisas científicas nas áreas de Anatomia Vegetal, Botânica Sistemática e Taxonomia, Ecologia Vegetal e Micologia e suas interfaces com demais áreas de conhecimento;
  • Propiciar ambiente de estudo aos acadêmicos em nível de graduação e pós-graduação através de local de pesquisa de iniciação científica, mestrado e doutorado, extensão, bem como apoio didático aos acadêmicos dos cursos afins;
  • Promover apoio ao ensino de graduação e pós-graduação junto aos docentes e discentes através de sua estrutura física, equipamentos e monitorias;
  • Manter as coleções biológicas associadas (Herbário Dr. Roberto Miguel Klein e CICG - Coleção Internacional de Cultura de Glomeromycota) como referências científicas;


Fontes de financiamento: FAPESC, CNPq, INCT´s.

SÍMBOLO


A árvore símbolo do estado de Santa Catarina e também a planta símbolo do laboratório é uma imbuia: Ocotea porosa (Nees & C. Mart.) Barroso (Lauraceae); A prancha ao lado foi desenhada por Diana Marques para o 50º Congresso Nacional de Botânica ocorrido em Blumenau, SC, em 1999, nesta Universidade, como símbolo do mesmo.

Ocotea porosa por Diana Marques