PARTIU O "mestre sem cerimônias" da Nova Consciência

postado em 25 de jun de 2015 09:51 por ONG Nova Consciência   [ atualizado em 22 de fev de 2017 16:23 por Encontro da Nova Consciência ]
ATUALIZADO EM 15/03/16

Vídeo do YouTube


Uma produção do Cultura Remix e da ONG Nova Consciência
https://www.youtube.com/channel/UCaUSLOm6vb1XOOGdSefUVmA
ORIGINAL: https://www.youtube.com/watch?v=mdMTFJfq-DY


Ao Mestre (Sem Cerimônia) com Carinho.

Perda é processo de despedaçamento. Falta é estado de incompletude. Luto é descoberta de não sermos inteiros. Estamos de luto. Somos falta. Perdemos Pedro Camargo. Aplica-se a ele o que disse Bertolt Brecht, o teatrólogo alemão: “Há homens que lutam um dia e são bons; há outros que lutam um ano e são melhores; há os que lutam muitos anos e são muito bons. Mas há os que lutam toda a vida e estes são imprescindíveis” – por isso necessário que Pedro Camargo continue conosco, por isso necessário que ele não nos deixe, além do que, necessário lembrar também do que nos falou John Donne, poeta inglês do século dezessete: “Nenhum homem é uma ilha isolada; cada homem é uma partícula do continente, uma parte da terra; se um torrão é arrastado para o mar, a Europa fica diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse a casa dos teus amigos ou a tua própria; a morte de qualquer homem diminui-me, porque sou parte do gênero humano. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti” – e por isso hoje eles dobram por nós, com a irreparável perda de nosso Mestre de Cerimônias Sem Cerimônia, nosso querido Pedro Camargo. E apenas porque existem pessoas que mesmo quando partem para sempre, para
sempre ficam, neste 25º. Encontro da Nova Consciência, sobre o palco, uma cadeira vazia e uma rosa branca apenas assinalam o lugar de sua presença e de nossa saudade.

De todos que fizemos, fazemos, faremos estes Encontros da Nova Consciência.



Cineasta Pedro Camargo morre aos 74 anos

Além do cinema, ele trabalhou como professor, compositor e publicitário

POR O GLOBO
24/06/2015 14:04 / ATUALIZADO 24/06/2015 18:02

Cineasta Pedro Camargo morreu aos 74 anos - Reprodução

RIO — O cineasta, publicitário, compositor, tarólogo e professor Pedro Camargo morreu na madrugada desta quarta-feira, aos 74 
anos, por complicações de cirrose hepática, doença da qual se tratava há anos. Camargo dirigiu "Estranho triângulo" (1970), "Eu transo... Ela transa" (1972) e "Amor e traição" (1979). O velório será a partir das 14h da próxima quinta-feira e a cremação às 18h, no Memorial do Carmo.

Nascido em São Paulo, em 1941, Pedro Geraldo Camargo Rocha veio para o Rio de Janeiro aos três anos. É filho único do segundo casamento da mãe, mas teve cinco irmãos de um casamento anterior. O primeiro contato com a arte veio através da música, nas aulas de piano que a mãe insistia que fizesse. Aos 7 anos, foi apresentado ao cinema por uma amiga vizinha que trouxe uma câmera de 8 milímetros, ancestral a Super 8, e um projetor dos Estados Unidos.

Na juventude, descobriu o teatro e integrou o Teatro Jovem do Rio de Janeiro, grupo semi-profissional inspirado no Teatro de Arena de São Paulo. Lá, encenou “A mais-valia vai acabar, seu Edgar”, de Oduvaldo Vianna Filho e “Aconteceu em Irkutsk”, de Alexei Arbusov.

No início dos anos 60, mudou-se para Bauru, São Paulo, onde uma das irmãs morava. Estagiou na TV Bauru onde teve contato com Walter Avancini, Antonino Seabra, David Grinberg. Compôs a trilha musical de programas da TV Continental, como a telepeça "Para viver amanhã", e dos programas "Brincando de show" e "O show é o Rio", na TV Excelsior.

Como publicitário, trabalhou na área de criação das agências OBRA (Organização Brasileira de Rádio) e McCann-Erickson, onde fez jingles para clientes Coca-Cola, Manchete e Ponto Frio. Teve a sua primeira música gravada "Sozinha de você", em 1964, em parceria com Durval Ferreira, interpretada por Tita.

Camargo também deixou sua marca na bossa nova. No ano seguinte, foi lançada a primeira gravação de "Chuva", composta com Durval Ferreira, no disco "Os gatos". Dick Farney, Elizeth Cardoso, Claudete Soares, Manfredo Fest, Baden Powell foram alguns dos nomes que regravaram a música. Tom Jobim selecionou a versão em inglês “The day it rained", feita por Ray Gilbert, para um disco americano, mas a primeira gravação estrangeira foi de Silvinha Telles para o disco “It Might As Well Be Spring”, lançado nos Estados Unidos. Lá fora, Sarah Vaughan e o Mitchell Ruff Duo, grandes nomes do jazz, fizeram suas versões da composição de Camargo.


A estreia profissional no cinema veio na década de 70, com "Estranho triângulo", sobre um triângulo amoroso em plena ditadura militar, com Carlos Mossy, José Wilker e Leila Santos. Dois anos depois, lançou "Eu transo, ela transa", filme que conseguiu driblar a censura da época apesar das insinuações sexuais. Em 1973, Camargo dirigiu "Os primeiros momentos", filme com Odete Lara e Paulo Porto, que esteve no Festival de Gramado indicado a melhor filme em 1974. No ano festival, adaptou "Chapeú de sebo", de Francisco Pereira da Silva para o cinema com "Amor e traição".

Em 1976, entrou em contato com o tarô pelo livro “Um Novo Modelo do Universo”, do filósofo russo P. D. Ouspensky. Começou a praticá-lo em 1983. Em 1991, foi editor da versão brasileira da revista espanhol "Año Zero" por um ano. Frequentou encontros da Organização Nova Consciência, em Campina Grande, Paraíba, entre outros eventos para debater a prática, como o Fórum Nacional do Tarô. É autor do livro "Iniciação ao tarô" (1992), da editora Nova Era.

Em 1986, Camargo começou a dar aulas na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Ele inicialmente substituiu o cineasta Sílvio Tendler na disciplina "Cinedocumentário". Depois, foi convidado pelo Departamento de Comunicação da universidade para assumir a cadeira "Introdução ao cinema", que lecionou até 2011.

Assista abaixo as últimas entrevistas de Pedro Camargo realizadas nos bastidores do 24° Encontro da Nova Consciência:

Vídeo do YouTube


Vídeo do YouTube



Saiba mais:
- http://www.apalavraonline.com.br/index.php?option=com_content&view=category&layout=blog&id=2&Itemid=128&id_noticia=12295
- http://oglobo.globo.com/cultura/cineasta-pedro-camargo-morre-aos-74-anos-16539827#ixzz3e5qKj9a8

ENCERRAMENTO e Homenagens a Pedro Camargo - 25° Encontro da Nova Consciência
- https://www.youtube.com/watch?v=Ca9nmLS36k8

Homenagem a Pedro Camargo: Amigos da Nova Consciência enterram suas Cinzas numa Palmeira
- https://www.youtube.com/watch?v=vdT59pRphWo

Comments