Manutenção e Cuidados com a Flauta Transversal
por Raul Costa d'Avila
 
 
Saber cuidar da flauta é um dever de todo bom flautista. Como nós, o instrumento também necessita de cuidados e carinho pois só assim nos dará aquele retorno que como músicos necessitamos. Imagine-se numa situação em que você, precisando do instrumento, não poderá usá-lo porque perdeu um parafuso, soltou uma mola ou as sapatilhas estão grudentas. Realmente não precisamos ser um técnico especializado mas precisamos sim de um mínimo de conhecimentos para que situações como as do exemplo acima possam ser solucionadas rapidamente, caso venham ocorrer.

Com este texto pretendo ajudar aqueles que não tiveram a oportunidade de saber um pouco sobre estes cuidados como também complementar o conhecimento daqueles que já conhecem. Muitos destes ensinamentos me foram ensinados por meu pai, outros pela experiência do dia-a-dia e outros ainda em métodos e livros especializados.

Cuidados gerais e básicos

Sempre guarde o estojo com a flauta num lugar fora do alcance de crianças que não saibam como manuseá-la ou de pessoas curiosas.

NUNCA deixe a flauta montada em cima de uma cadeira ou cama. São locais perigosos pois, sem querer, podemos assentar. Utilize uma mesa ou uma superfície plana, de preferência mais no centro, onde não tem perigo de cair.

Mantenha sua flauta longe de fontes de calor (estufas, aquecedores) e também de fontes frias (mármore, pedras). Tanto o calor quanto o frio poderão alterar as sapatilhas, prejudicando seu perfeito funcionamento.

NUNCA deixe a flauta dentro de porta-malas ou fechada dentro do carro. Além do calor que toma indiretamente do sol, corre o risco de ser roubada !

Ao terminar seus estudos diários enxugue a flauta por dentro com um pano bem absorvente(fralda) e que não solte fiapos, enrolado numa vareta de madeira ou metal, eliminando qualquer umidade que possa estragar as sapatilhas.

Após enxugar a flauta por dentro é aconselhável utilizar uma flanela para limpá-la por fora, tirando assim as marcas da transpiração que oxidam o metal. No mecanismo, limpe as chaves uma a uma para que o seu funcionamento não seja prejudicado. Nunca use o mesmo pano para enxugar por dentro e por fora.

Quando der um intervalo em seu estudo, deixe a flauta sobre uma superfície com as chaves paralelas à superfície (chaves para cima). Isto evita que a saliva escorra encharcando as sapatilhas.

Periodicamente utilize um pincel de seda bem macio para limpar todo o mecanismo da flauta. Isto pode ser feito com ela montada e evita que a poeira vá acumulando nos eixos e mecanismos, além de mantê-la com uma excelente aparência.

Cuidados ao montar e desmontar a flauta

Ao montar ou desmontar sua flauta, escolha sempre uma superfície plana e bem larga para colocar estojo sem perigo de cair. Se for numa mesa, coloque-o mais para o centro.

Evite montá-la ou desmontá-la apoiando o estojo nas pernas.

Afaste-se de qualquer objeto que possa bater na flauta durante a montagem.

Procure segurar sempre nas partes em que não tem mecanismos. Eles são muito frágeis e quando segurados ou apertados indevidamente podem trazer problemas.

Seqüência para montagem da flauta: primeiro segure com firmeza, com mão direita, o corpo da flauta pela parte onde vem escrito a marca. Depois, com a mão esquerda, pegue o bocal e o encaixe girando-o, bem devagar, de modo que entre com facilidade. Após isto pegue o pé, com a mão esquerda, e o encaixe com um leve giro na base do corpo da flauta. Ajuste-o com muito cuidado, pois o encaixe final do corpo é muito curto e fino.

Quanto ao alinhamento da flauta tomamos como referência as chaves do corpo. O bocal alinha-se o seu orifício com a chave do dó sustenido e o pé alinha-se de modo que seu eixo coincida com o meio das chaves do corpo.

Certifique-se de que a flauta está bem acondicionada dentro do estojo. Muitas vezes ela pode ficar sacudindo dentro do estojo o que acaba afetando seu mecanismo e também arranhado-a. Solucione isto usando uma pequena flanela para ajustar a folga.

Cuidados com as sapatilhas

As sapatilhas são responsáveis pela integridade do som da flauta. Qualquer problema nelas como folgas, sujeira, pequenos cortes, ressecamento, umidade excessiva, entre outros, causa conseqüências imediatas na resposta sonora da flauta. Muito embora sejam frágeis, quando bem cuidadas tem bastante durabilidade.

Sempre que começar seu estudo escove os dentes. A saliva pode conter resquícios de alimentos (doces, café, biscoitos, entre outros) que em contato com as sapatilhas ficam aderidos a elas. Com o passar do tempo isto causa um pequeno ruído quando em contato com a chaminé.(orifícios do tubo da flauta)

Para solucionar o problema apresentado acima, utilize o papel de seda (para fazer cigarros). Coloque-o entre a chave e a chaminé e pressione a chave algumas vezes até que a sujeira seja eliminada. EM CASOS MUITO CRÍTICOS aconselha-se passar um mínimo de talco na seda, com a ponta do dedo, espalhando-o muito bem e depois coloque novamente entre a chave e a chaminé, pressionando algumas vezes, como já foi explicado. Cuidado para não deixar a parte que tem cola na seda encostar nas sapatilhas.

NUNCA aperte as chaves de sua flauta com força. Isto é anti-natural e desgasta as sapatilhas. Uma flauta bem sapatilhada nunca necessita de força para perfeito fechamento das chaves !
Evite utilizar objetos com ponta para mexer ou limpar as sapatilhas. Isto, com certeza, pode cortá-la.

Tanto o excesso de calor como de frio podem afetar as sapatilhas. Portanto mantenha sua flauta longe destas fontes!

O bocal da flauta

É a parte de aspecto mais simples pois vê-se somente a embocadura (porta-lábio) com sua abertura oval, soldada ao bocal, de perfil arredondado, para permitir ao flautista apoiá-lo com firmeza sobre o queixo.

O bocal está fechado à esquerda por uma rolha. Feita por uma cortiça é furada ao meio por onde passa uma um pino rosqueado. Na extremidade direita do pino é soldado uma placa metálica e na extremidade esquerda temos um arremate em forma de um chapeuzinho.
Apesar da simplicidade exterior, o bocal é um elemento muito frágil e muito importante da flauta. Todos os detalhes de sua construção (local da rolha, vedação, ângulo de solda do porta-lábio, formato do orifício, conicidade) determinam a qualidade e a precisão do som do instrumento.

Cuidados com o bocal

Nunca mexa no seu porta lábio, pois qualquer alteração afeta no resultado da sonoridade da flauta. O que se pode fazer é, periodicamente, limpar sua borda interna com um cotonete.

O bocal tem uma rolha de regulagem que é para dar o equilíbrio na afinação. Esta rolha nunca deve estar ressecada, pois a flauta perde na sonoridade, e precisa manter sua regulagem com a medida que está na ponta de sua vareta para limpar a flauta. Portanto coloque a vareta dentro do bocal e verifique se no meio do orifício do bocal encontra-se a marca da vareta. Caso esteja, tudo bem; caso não esteja, solte um pouco o chapeuzinho do bocal e faça a regulagem. (Revista de Música e Artes - http://www.pianoclass.com/)


Voltar a página Artigos

Ċ
Nilson Mascolo Filho,
12 de nov de 2009 09:56