Tema

Neste ano de 2018 a III Semana da Física tem como temática César Lattes e o Méson Pi - 70 Anos, tendo como objetivo comemorar os 70 anos da detecção do méson pi, no alto do monte Chacaltaya na Bolívia em 1947, em participação de grande importância do físico brasileiro Cesare Mansueto Giulio Lattes (1924 - 2005) .

Essa descoberta rendeu o prêmio Nobel de Física em 1950 a Cecil Frank Powell (1903 - 1969) - "pelo desenvolvimento do método fotográfico para estudo de processos nucleares e por descobertas relacionadas com os mésons" . Embora Lattes não tenha sido laureado com o prêmio sua participação na detecção dos píons (méson-pi) foi de grande importância, pois foi dele a ideia que levou à melhoria da detecção fotográfica dessas partículas.

Além disso, Lattes foi de fundamental importância para o desenvolvimento da pesquisa científica no Brasil, até então incipiente. Ele foi o criador do Departamento de Raios Cósmicos e Cronologia do Instituto de Física "Gleb Wataghin" da UNICAMP e um dos principais cientistas envolvidos na criação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). A plataforma curricular acadêmica reconhecida no Brasil leva seu nome.

Devido à sua grande contribuição para a compreensão da estrutura da matéria e do desenvolvimento da pesquisa científica do Brasil, a III Semana da Física do IFTO presta uma singela homenagem ao trabalho desenvolvido por César Lattes.


Mas qual a importância de seu trabalho? E afinal, o que é o tal méson-pi?


Em 1935, o físico japonês Hideki Yukawa (1907 - 1981) propôs a hipótese de que as forças nucleares fortes, ou seja, as forças responsáveis pela atração entre as partículas nucleares e que mantém o núcleo coeso, era intermediada por mésons, cuja massa estava entre a dos prótons e elétrons, em uma teoria idêntica à da Eletrodinâmica Quântica, descrita inicialmente por Paul Adrien Maurice Dirac e desenvolvida por Sin-Itiro Tomonaga, Julian Schwinger e Richard Feynman, todos ganhadores do maior prêmio da Física. Por essa previsão, Yukawaka foi laureado com o prêmio Nobel de Física em 1950.

César Lattes foi um dos responsáveis pelo desenvolvimento de emulsões para revelações do rastro de píons, oriundos de raios cósmicos, detectados em grandes altitudes, o que levou inicialmente a ser considerado como a partícula prevista por Yukawa. Embora, com a descoberta de novas partículas a teoria de Yukawa tenha se tornado inviável, o trabalho com raios cósmicos é até hoje é utilizado para estudo de partículas de altas energias e seu método foi o precursor das técnicas utilizadas hoje.