Fotossíntese

Fotossíntese

Profa. Dra. Anita Paula Ortiz de Godoy Zenorini

Quando estudamos a luz como uma onda, aprendemos que a luz branca é composta por todos os comprimentos de onda da luz visível (com comprimentos de onda entre 400 e 700nm). Além disso, você aprende que a visualização de cores em um objeto se dá graças aos fenômenos de absorção e reflexão de luz.

É importante sabermos também que a luz visível compõe apenas uma pequena faixa do espectro eletromagnético, onde estão todas as radiações, das ondas de rádio, aos raios gama. Neste sentido, a luz visível, assim como as demais ondas eletromagnéticas, caminham todas com a mesma velocidade no vácuo, que é de 3 x 105 km/s. No entanto, quando a luz se propaga em um meio diferente, como a água, ou mesmo o ar, cada cor passa a ter uma velocidade diferente. É isso que explica a formação de um arco-íris, por exemplo.

Voltando à fotossíntese, quando você olha as plantas de uma praça iluminada com luz verde durante a noite, é provável que as plantas ali presentes estejam realizando pouca fotossíntese, uma vez que a clorofila irá refletir toda a luz que incide sobre ela e apenas outros pigmentos presentes no cloroplasto (em menor quantidade), irão absorver luz.

Para estudar a influência da luz na fotossíntese, o botânico T.W. Engelmann expôs um filamento de alga a um meio com bactérias aeróbias e iluminou o conjunto com as diversas cores da luz branca em diferentes pontos. Após algum tempo, o biólogo observou um maior acúmulo de bactérias nas regiões que eram iluminadas pelo vermelho e pelo azul e concluiu que as bactérias se acumulavam ali pois havia maior produção de oxigênio pela alga naquelas regiões, uma vez que suas células estariam realizando mais fotossíntese. Assim, Engelmann conseguiu comprovar que o espectro verde não era muito absorvido e que a clorofila absorvia melhor luzes no espectro do azul e do vermelho. Observe na imagem a seguir, os espectros de absorção de luz da clorofila A e da clorofila B, encontrada nas plantas verdes.

A imagem a seguir também ilustra, de maneira bem didática, o que aconteceria com um vegetal, quando iluminado com diferentes cores.

Pensando nisso, a equipe interdisciplinar do Física no Fusca, desenvolveu um texto explicativo e selecionou algumas questões para você entender e aplicar seus conhecimentos. Aperte o cinto e vamos viajar na fotossíntese!

fotossíntese.pdf