Como fazer uma RESENHA ESTATÍSTICA

De que se trata uma Resenha Estatística?

É uma resenha crítica de um artigo CIENTÍFICO desde o ponto de vista estatístico.

O seguinte texto apenas pretende dar um norte para a execução da resenha crítica desde o ponto de vista da análise dos métodos estatísticos utilizados num artigo científico, mas não acaba com o tema. Também tem que ver as dicas de como escrever uma resenha crítica no site do professor e, por sobre tudo, aplicar “senso comum” e estudar bastante o tema analisado.

A resenha deverá conter 3 grandes áreas: a introdução, o desenvolvimento (dividido como o Aluno achar conveniente) e as conclusões. A seguir, uma pequena descrição do que pode conter cada uma delas.

INTRODUÇÃO

O objetivo desta parte será a de descrever o trabalho original analisado, em dois ou três parágrafos, para localizar e orientar ao leitor sobre o tema central do artigo, indicando, também, o título, autores e revista de publicação do artigo analisado (incluindo sua classificação CAPES, índice de impacto e o DOI do artigo).

DESENVOLVIMENTO

Aqui deverá ser indicado todo o resumo estatístico sobre a pesquisa de que fala o artigo analisado.

Assim, alguns pontos a ter em conta (a lista seguinte é indicativa, não limitativa e, ainda menos, completa) podem ser os seguintes:

  • Tipo de estudo;
  • População de estudo: tipo e caracterização;
  • Amostragem do estudo: como foi feita, que tipo de amostragem foi desenvolvida, etc.;
  • Número de amostras definidas: como foi definido o “n” da amostra, qual os parâmetros usados na sua definição (caso não apresente estes dados, indica-o também);
  • Variáveis do estudo: tipo e caraterísticas de cada uma das varáveis;
  • Quais os dados apresentados no artigo (apresenta todos ou apenas os descritivos resumos?);
  • Identificar se o estudo foi -estatisticamente- uni, bi ou multivariado e quais, de todas as variáveis levantadas, foram as realmente usadas no estudo e, caso existam variáveis não utilizadas, qual o motivo de ter sido levantadas (se o artigo não fala, o aluno deverá especular do porquê aquelas variáveis foram levantadas, exemplo, se levantam sexo, porém não usam essa variável, porque disso);
  • Identificar se a análise de dados é quantitativa ou qualitativa e se a pesquisa é quantitativa ou qualitativa.
  • Identificar as estatísticas descritivas utilizadas para cada variável (quais, não qual o valor! Se média, moda, variância, etc.);
  • Identificar que modelos da estatística inferencial foram utilizados (qual nível de confiança, nível de significância, poder do teste, intervalos de confiança, quais testes de hipóteses utilizados, etc.);
  • Identificar, se for o caso, que tipo de modelos de regressão for utilizado, qual o tipo de correlação definido no artigo, quais os testes para verificar e veracidade dessas regressões e correlações, etc.;
  • Se foram utilizados outros modelos estatísticos, do tipo "multivariado" detalhar qual o método e como foi desenvolvido o modelo;
  • Finalmente, no desenvolvimento: Sintetizar as conclusões (do artigo!) desde o ponto de vista estatístico: que valores representam as conclusões, o que fala sobre as estatísticas feitas no trabalho, qual o resultado dos testes de hipóteses feitos, quais os parâmetros apresentados, etc.;

CONCLUSÕES: AS SUAS CRÍTICAS AO ARTIGO

Aqui, o aluno deverá sintetizar, em dois ou três parágrafos e desde seu próprio ponto de vista, como foi o desenvolvimento estatístico do artigo, se é possível, com os dados apresentados, replicar a experiência e/ou verificar os resultados apresentados. Se os objetivos estatísticos do artigo foram alcançados; se foi de fácil leitura e entendimento a parte estatística, se estariam faltando dados ou definições de modelos para entender o que foi feito, etc. (isto depende muito de cada trabalho); se poderia ter sido feito de outra forma; se outros artigos lidos pelo Aluno tratam o tema de forma semelhante ou diferente, etc., etc., etc.

Em definitiva, o Aluno deverá ter uma postura crítica na leitura feita e, aplicando seus conhecimentos específicos, genéricos e sua própria capacidade de estudo, pesquisa, raciocino e senso comum, analisar como um avaliador analisaria o trabalho.