Relacionamentos

LIVE toda quinta-feira às 12:30 (Horário de Brasília) no YouTube e Instagram @paulaespindolapsicologa

SERÁ QUE EXISTE DR PRODUTIVA?

Uma DR (discutir a relação) é aquela em que ambos estão abertos ao diálogo, para isso será necessário ter a fala e a escuta.

Para iniciar uma DR reflita em alguns pontos:

· Focar no assunto da DR, sobre o que vão falar, determinar sobre tal fato e não ficar trazendo assuntos do passado;

· Prepare o território para esse diálogo, escolha o melhor momento, não converse quando você ou o parceiro estiverem bravos ou irritados;

· Tenha clareza dos fatos ao falar, cuidado com os fatos imaginários;

· Tenha empatia, coloque-se no lugar do seu parceiro;

· Analise bem o que o seu parceiro está falando, escute bem, respire fundo e não fique planejando suas respostas;

· Ajude seu parceiro sair mais fortalecido dessa DR.

Quando se tem uma DR, deve-se avaliar bem todos esses aspectos para que seja produtiva e ajude a melhorar a qualidade dos relacionamentos.

Paula Espíndola


CELULAR E OUTROS ASPECTOS QUE PREJUDICAM O RELACIONAMENTO

O uso abusivo da tecnologia, como uso do celular, redes sociais, prejudicam a qualidade dos relacionamentos.

Enquanto estiver com seu parceiro, esteja tanto física como emocionalmente ao seu lado. Evite ficar no celular, aproveite e curta o momento.

Outros aspectos que prejudicam o relacionamento são:

· Comportamento passivo;

· Comportamento agressivo;

· Baixa autoestima;

· Pensamentos negativos;

· Comparação externa e interna;

· Sentimento de rejeição e superioridade;

· Traumas anteriores;

· Desconfiança;

· Traição.

Preserve os momentos do casal!

Paula Espíndola

CRENÇAS LIMITANTES NO RELACIONAMENTO

Ao se relacionar, deve-se estar ciente e convicto de seus princípios e valores para que não se perca a sua essência.

Existem muitas crenças limitantes no relacionamento, que são aquelas vozes que escutamos, que querem nos convencer que não somos capazes e nem bons o suficiente, ou seja, são as interpretações negativas que criamos de nós mesmos.

Essas crenças nos impedem de tomar decisões por acreditar que algo poderá acontecer e nos limita em nossas ações. Por isso é fundamental analisar suas crenças e resolvê-las o quanto antes.

E você? Vai continuar com essas crenças limitantes?

Analise, reflita e tome decisões.

Paula Espíndola

A EMPATIA NOS RELACIONAMENTOS

A empatia é fundamental em qualquer relacionamento, que é a capacidade que a pessoa tem de colocar-se no lugar do outro, tanto racional como emocionalmente.

Quando nos colocamos no lugar do outro, temos uma visão e perspectiva diferente, não é fácil, mas é um treino diário.

Existem pessoas que têm essa dificuldade de serem empáticas e ainda que jogam a culpa em seu parceiro, ou seja, tudo que acontece de ruim é culpa do outro.

para os que convivem com pessoas assim, sugiro que não se espelhe neles, não deixe de ser empáticas, isso engrandece o nosso “eu interior”.

Paula Espíndola

AVALIE SEU RELACIONAMENTO

Um relacionamento saudável é quando existe troca, companheirismo, sintonia, cumplicidade, é uma parceria de crescimento.

Quando falo em troca, é o compartilhar os bons momentos e principalmente estar ao lado nos momentos difíceis, porque é muito fácil ficar com alguém, desfrutando da alegria e sucesso, sendo assim, é necessário saber ceder e dosar com equilíbrio.

Mas será que o seu relacionamento está bom?

É fundamental avaliá-lo como um todo, faça uma autoanálise, questione se em alguns pontos:

· Como está o relacionamento para você?

· Você está feliz e satisfeito com seu relacionamento?

· O que mais gosta nessa relação?

· O que mais tem incomoda nessa relação?

· O que falta para melhorar sua relação?

· O que você poderia fazer para melhorar seu relacionamento?

· O que você gostaria que seu parceiro fizesse para melhorar essa união?

Analisou tudo? Agora veja o que pode ser mudado e mude. Quando? Agora!

Paula Espíndola

ESTRATÉGIAS PARA MELHORAR O RELACIONAMENTO

Como melhorar meu relacionamento?

Tenho várias dicas para melhorar realmente o seu relacionamento, mas não adianta ouvir essas dicas e não colocar em prática.

Então vamos a elas:

· Não deixe de conversar com seu parceiro, mas saiba ouvi-lo também;

· Fale do que te incomoda, sem ataques, fale de si;

· Além dos momentos individuais de cada um que é fundamental, estimule também momentos do casal, curta e valorize esses momentos;

· Não vasculhe o celular do parceiro, respeite seu espaço e privacidade;

· Quando estiver com seu parceiro, não fique no celular, aprenda a investir nesses momentos;

· Não deixe de elogiar e admirar o parceiro;

· Jamais esqueça de atos de gentileza e agradecimento;

· Esteja disposto a investir sempre na sexualidade, faça carinho, beije, abrace, tenham toques diários;

· Não espere outro dormir para ir para o quarto, isso esfria qualquer relacionamento;

· Façam acordos e combinados;

· Delegue tarefas e planejem seus compromissos;

· Conversem sobre visitas familiares de ambos;

· Use a empatia, aprenda a se colocar no lugar do outro, releve quando for possível;

· A rotina é algo inevitável, mas aprenda a renovar, surpreender seu parceiro, proponha encontros e momentos amorosos, momentos somente do casal.

Ufa! Quantos dicas! Analise bem e as coloque em prática. Quando? Agora!

Paula Espíndola

ATITUDES ILUDIDAS NO RELACIONAMENTO

Será que existe relacionamento perfeito? É fundamental deixar claro que não existe nenhum relacionamento perfeito.

Muitos casais querem passar a imagem de casal feliz, mas na verdade não estão conseguindo lidar com isso, acabam se iludindo e muitos casais acreditam nisso.

O fato de viver de aparências não é saudável para ninguém.

Essa ilusão pode ser percebida através de algumas atitudes:

· Quando acabam se protegendo, se escondendo um no outro

· Quando demonstram estar sempre em perfeita harmonia e sintonia;

· Quando são o famoso casal grude, onde tem uma dinâmica que não é boa e satisfatória, porque vivem dentro de uma “bolha” e acabam se anulando dentro dessa relação;

· Quando parece que se entendem em tudo, mas na verdade está somente cedendo;

· Quando acreditam que realmente se conhecem por completo, sabe tudo o que outro pensa e sente. Como assim? Será que você realmente se conhece?

· Quando o sexo é perfeito, querem sempre transar. Mas será que a quantidade é melhor do que a qualidade do sexo?

· Quando acreditam que tem os próprios planos, metas e sonhos. Você realmente está sendo fiel aos seus próprios desejos?

· Quando quer agradar o outro acima de tudo, passando por cima das suas próprias vontades.

Agora eu te pergunto: Quer viver assim ou deseja realmente melhorar o seu relacionamento? Seja fiel a suas escolhas.

Paula Espíndola

ALGUNS CUIDADOS NO RELACIONAMENTO

O relacionamento é uma troca, é ceder, mas também saber dosar, tem que ter um equilíbrio.

Não adianta só ceder, agradar sempre o outro, passando por cima do que realmente deseja.

Deve-se estar atento a alguns cuidados que precisam ser tomados como:

· Querer agradar somente o parceiro, esquecendo de si mesmo;

· Mudanças repentinas de humor;

· Ficar sempre na defensiva;

· Focar nos defeitos do parceiro, esquecendo das suas qualidades;

· Baixa autoestima pode prejudicar muito a qualidade do relacionamento.

Quando queremos agradar o outro em todo momento, esquecemos de agradar a nós mesmos. Pense nisso!

Paula Espíndola

SEGUNDA “LUA DE MEL” SALVA RELACIONAMENTO?

Uma segunda lua de mel salva o relacionamento? Será?

Muitas pessoas acreditam que propor uma segunda lua de mel pode salvar, melhorar a relação.

Uma segunda lua de mel pode melhorar, apimentar o relacionamento, mas para que isso aconteça tem que estarem em uma boa harmonia, pois não adianta só mudar o local para que tudo mude como um passo de mágica. Se a relação não estiver boa, não resolve nada.

O ideal seria ajustarem o que é necessário melhorar nesse relacionamento para depois partirem para uma segunda lua de mel prazerosa e inesquecível.

Paula Espíndola

O MELHOR CAMINHO DO RELACIONAMENTO

Muitas pessoas perguntam: Qual é o melhor investimento para o relacionamento?

O melhor caminho ou a melhor solução para investir no relacionamento é o diálogo, mas tenha uma conversa franca com seu parceiro:

· Treine a sua escuta, não adianta só falar e não escutar o que o parceiro tem a dizer;

· Converse com olho no olho, não desvie seu olhar, pois isso diz muito para outro;

· Expresse seus sentimentos e pensamentos;

· Cuidado com as críticas, porque o outro se blinda e não terá nenhum diálogo produtivo;

· Fale de todos assuntos importantes: a própria relação do casal, questões financeiras e a sexualidade.

Caso esteja difícil investir em seu relacionamento, proponha terapia de casal, mas se o parceiro não aceitar, faça você individualmente para entender o que pode ser melhorado em seu relacionamento.

Paula Espíndola


PONTOS IMPORTANTES PARA MELHORAR O RELACIONAMENTO

Quer melhorar ainda mais o seu relacionamento?

Existem alguns pontos importantes que devem ser muito investidos para melhorar a qualidade dos relacionamentos, que são:

· Parceria;

· Confiança;

· Empatia, aprender a se colocar no lugar do outro;

· Resiliência, aprender com o que errou para não repetir os mesmos erros;

· Admiração;

· Diálogo com verdade e transparência;

· Respeito;

· Façam acordos nessa união que devem ser respeitados e cumpridos.

Está esperando o que para começar?

Paula Espíndola


ESFRIAMENTO CONJUGAL

É fundamental investir muito para melhorar cada vez mais a sua relação para não chegar a esse esfriamento conjugal.

Temos que tomar muito cuidado por acreditar que toda relação esfria com o tempo, se isso aconteceu é porque não teve o investimento e dedicação necessária para essa relação.

Existem alguns aspectos importantes que se deve estar atento, que podem levar ao esfriamento do relacionamento:

· Falta de dedicação e atenção para o parceiro;

· Parar de admirar o parceiro;

· Deixar a rotina que é inevitável, tomar conta de tudo, prejudicando a relação;

· Investir mais nas amizades, deixando o parceiro de lado;

· Críticas excessivas;

· Desistir de agradar e surpreender o parceiro;

· Perda da libido sexual.

Analise esses aspectos e o que pode estar levando a esse esfriamento em seu relacionamento, identificando isso, tente reverter o quanto antes.

Paula Espíndola

INVESTIMENTO NO RELACIONAMENTO

O relacionamento requer sempre muito investimento para ficar cada vez melhor.

É fundamental analisar todo o contexto do seu relacionamento para ver os pontos importantes que devem ser melhorados e entre em ação.

Para ter uma relação saudável, será necessário, o casal se esforçar e estar motivado a alimentar essa união, regar diariamente como uma plantinha, que precisa de nutrientes para estar fortalecida e assim também ocorre com as nossas relações, tem que ter investimento diário.

Paula Espíndola



MELHORANDO O RELACIONAMENTO

O relacionamento amoroso é uma relação íntima, estabelecida entre duas pessoas envolvidas afetivamente.

Quando começamos um relacionamento, torcemos para dar certo, que seja o mais harmonioso possível.

Acredito que ninguém deseja entrar em uma relação, sabendo que está fadada ao fracasso.

Para que se possa melhorar o relacionamento cada vez mais, ambos têm que querer e estar dispostos a investir nessa união.

Tente expor seus sentimentos e sua vontade de ter esse relacionamento mais harmonioso.

Atenção! Às vezes é necessário falar para que outro perceba o que está acontecendo, porque isso pode estar claro para uma das partes e não para outra.

Comece a mudança, entre em ação, demonstre seu carinho e afeto para que outro possa se espelhar em suas atitudes.

Lembre-se que não temos o poder de mudar ninguém, mas a sua mudança com certeza refletirá no outro. Pense nisso!

Paula Espíndola

ESFRIAMENTO CONJUGAL

É fundamental investir muito para melhorar cada vez mais a sua relação para não chegar a esse esfriamento conjugal.

Temos que tomar muito cuidado por acreditar que toda relação esfria com o tempo, se isso aconteceu é porque não teve o investimento e dedicação necessária para essa relação.

Existem alguns aspectos importantes que se deve estar atento, que podem levar ao esfriamento do relacionamento:

· Falta de dedicação e atenção para o parceiro;

· Parar de admirar o parceiro;

· Deixar a rotina que é inevitável, tomar conta de tudo, prejudicando a relação;

· Investir mais nas amizades, deixando o parceiro de lado;

· Críticas excessivas;

· Desistir de agradar e surpreender o parceiro;

· Perda da libido sexual.

Analise esses aspectos e o que pode estar levando a esse esfriamento em seu relacionamento, identificando isso, tente reverter o quanto antes.

Paula Espíndola


VENCENDO A DEPENDÊNCIA AFETIVA

Será possível superar a dependência afetiva? Sim!

Aqui vão algumas dicas para vencer e superar a dependência afetiva. Então será necessário:

· O reconhecimento dessa dependência afetiva;

· Eleve sua autoestima;

· Aprenda a virar a página do passado, concentre-se mais em seu presente;

· Aproxime-se de pessoas positivas, que lhe façam bem;

· Aprenda a reconhecer seus pensamentos negativos para que consiga lidar com suas emoções;

· Pense em seu bem-estar, faça atividades prediletas e prazerosas;

· Coloque-se em primeiro lugar em todas as suas relações.

Algumas pessoas criam expectativas para ver o que é realmente importante para sua vida. Pense nisso!

Paula Espíndola

PREVINA-SE DA DEPENDÊNCIA AFETIVA

A carência afetiva pode levar o indivíduo a se tornar dependente emocionalmente.

Para que a pessoa consiga se prevenir da dependência afetiva será necessário investir em seu autoconhecimento para assim tornar-se mais forte.

Procure pessoas que te desafie para que saia desse padrão relacional de carência e dependência afetiva.

Aprenda a olhar mais para si, sem se importar tanto com os outros, reavalie sua vida e vá em busca de mudanças. Explore seu potencial e acredite mais em si próprio.

Através da psicoterapia trabalhará o desenvolvimento da sua autonomia e ir em busca do investimento na autorrealização, autoconfiança, autoestima, auto aceitação e autoimagem positiva.

Paula Espíndola

COMPLEXO DE ÉDIPO

Esse termo “Complexo de Édipo” foi criado por Freud, esse conceito da Psicanálise fala dos sentimentos opostos da criança de amor e ódio aos pais.

Existem fases do desenvolvimento do indivíduo e é na fase fálica, que ocorre o Complexo de Édipo.

A criança sente-se atraída pelo sexo oposto, ou seja, a menina pelo pai e o menino pela mãe e com o decorrer do tempo, naturalmente a menina passa a se identificar mais com a mãe e o menino passa a se basear no modelo masculino, o pai.

Esse período permite a descoberta do objeto de amor e com isso a aceitação das limitações e das imposições da vida.

Então quanto mais natural for essa etapa, mais fácil de lidar com relacionamentos futuros.

Paula Espíndola

Conseguiu assistir a todas as LIVE de abril?

Vou deixar os links das 4 LIVE para que você assista quando puder.

Ah! Lembre-se de deixar seu comentário e sugestões de novos temas!

LIVE 19 - ZONA DE CONFORTO

https://www.youtube.com/watch?v=ApMqKslJDLs&t=1s

LIVE 20 - RELACIONAMENTO ABUSIVO

https://www.youtube.com/watch?v=3xmqXlE-7xc

LIVE 21 - BAIXA AUTOESTIMA

https://www.youtube.com/watch?v=yw9pvHESH5k&t=4s

LIVE 22 - MADA

https://www.youtube.com/watch?v=TLkuwPhgIYE&t=2s

#zonadeconforto #relacionamentoabusivo #baixaautoestima #MADA

O QUE O AMOR TEM A VER COM DEPENDÊNCIA AFETIVA?

O que o amor tem a ver com dependência afetiva? NADA!

O amor e a dependência afetiva não combinam em nada, porque o amor é algo bom, prazeroso, leve, gostoso, saudável e é para somar e agregar.

A dependência afetiva afeta a qualidade dos relacionamentos, subtrai, porque a pessoa só quer agradar o parceiro, esquecendo de si mesmo, colocando sempre sua vida em segundo lugar e com isso passa a ter dificuldades em tomar suas próprias decisões, necessitando sempre da aprovação do outro para direcionar o que deve ser feito, gerando um grande desequilíbrio emocional.

E agora? Ainda acha que a dependência afetiva faz parte do amor?

Paula Espíndola

DEPENDÊNCIA AFETIVA NAS RELAÇÕES ABUSIVAS

É muito comum a dependência afetiva nas relações abusivas. A pessoa perde sua identidade, não consegue se imaginar sem o parceiro, mesmo que esse relacionamento traga sofrimento.

A psicoterapia ajuda a encarar essa situação e se livrar dessa dor.

É necessário pensar mais em si mesmo, porque quando pensamos só no outro, esquecemos da nossa essência e quando isso acontece, está na hora de rever essa relação.

Está disposto a continuar nesse relacionamento que só te faz sofrer?

Até quando esperará que a situação mude?

Tome uma decisão e entre em ação!

Paula Espíndola


SAIA DESSA DEPENDÊNCIA AFETIVA

As principais características da dependência afetiva são:

· Baixa autoestima;

· Insegura;

· Ciumenta;

· Controladora;

· Falta de autoconfiança.

Para que consiga sair dessa dependência emocional deve-se:

· O primeiro passo é ter consciência dessa dependência afetiva;

· Reconhecer seu valor;

· Investir em sua autoestima;

· Avaliar a sua própria capacidade de controle de si mesmo;

· Reconhecer sua dor e necessidades emocionais;

· Estabelecer metas para vencer sua insegurança.

Caso esteja difícil a superação, vá em busca de psicoterapia.

O importante é viver bem consigo mesmo e em seu relacionamento.

Paula Espíndola

RECONHECIMENTO DA DEPENDÊNCIA AFETIVA

É fundamental reconhecer e identificar a dependência afetiva.

Ocorre quando não suporta mais viver sem a presença do outro, é um medo incontrolável da perda.

O ponto mais importante desse reconhecimento da dependência emocional é quando a pessoa transfere a responsabilidade das suas falhas para o parceiro ou quando assume todas as responsabilidades para si mesmo e isso terá como resultado o desequilíbrio dessa relação.

Aprenda a olhar para si, aceitar que falhas existirão para assim fortalecer essa união.

Jamais esqueça de se posicionar em tudo que envolva seu relacionamento.

Seja firme em suas opiniões!

Paula Espíndola

MEDOS E NECESSIDADES DO DEPENDENTE AFETIVO

Ao se tornar dependente afetivo, perde sua própria identidade, começa a se afastar da vida social e fica totalmente dependente, refém do outro.

Na dependência afetiva temos muitos medos e necessidades, que determinam o nosso grau e tipo de dependência emocional.

Os principais medos são:

· Medo de ser abandonado;

· Medo da rejeição;

· Medo da solidão.

As principais necessidades são:

· Necessidade de ser aceito pelo outro;

· Necessidade de reconhecimento;

· Necessidade de segurança e estabilidade emocional;

· Necessidade de proteção;

· Necessidade de ser amado.

Está disposto a encarar de frente esses medos e necessidades?

Paula Espíndola

O DEPENDENTE AFETIVO

O dependente afetivo demonstra alguns traços de personalidade do indivíduo, fica com sua autonomia abalada, sendo necessário a aprovação do outro para tomar as suas próprias decisões.

Outro aspecto negativo dessa dependência afetiva é a necessidade de controlar o parceiro, deixando-o fragilizado emocionalmente.

Está difícil lidar com essa dependência? Faça psicoterapia para livrar-se dessa dependência, aprender a se amar e se sentir mais autoconfiante em seu relacionamento.

Paula Espíndola


Medos e necessidades do dependente afetivo


Qual desses grupos deseja participar? Qual mais se encaixa com sua necessidade?

Solicite a participação que terei um grande prazer em ter você em nossos grupos.

- AUTOESTIMA E PSICOLOGIA:

https://www.facebook.com/groups/insightpsique/?ref=bookmarks

- EM BUSCA DE RELACIONAMENTOS SAUDÁVEIS:

https://www.facebook.com/groups/EmBuscaDeRelacionamentosSaudaveis/

- MADA: MULHERES CARENTES E DEPENDENTES:

https://www.facebook.com/groups/MADAmulherescarentesedependentes/

- PSICOTERAPIA PARA CASAIS:

https://www.facebook.com/groups/terapiaparacasais/

- RELACIONAMENTO ABUSIVO:

https://www.facebook.com/groups/relacionamentoabusivosilenciodatolerancia/

DEPENDÊNCIA AFETIVA

A dependência afetiva é um estado de imaturidade emocional do ser humano, pois desde pequenos somos dependentes e com o tempo vamos em busca da nossa independência.

É quando nos deixamos para segundo plano e consequentemente temos prejuízos em nossa saúde emocional.

Por isso, temos que investir em nossa autoestima, nos amar, ter amor-próprio para assim amar alguém de uma maneira saudável.

A dependência afetiva pode levar a crises de ansiedade, angústia e uma grande fragilidade emocional.

Você não quer isso para si, não é mesmo?

Paula Espíndola

HÁBITOS QUE PREJUDICAM AUTOESTIMA

Existem vários hábitos que prejudicam e atrapalham autoestima de uma pessoa, que são:

· Comparação;

· Focar no passado e futuro;

· Não acreditar em si mesmo;

· Autocrítica em excesso;

· Conviver com pessoas tóxicas;

· Não se impor, esperar tudo do outro;

· Não enxergar seus pontos fortes;

· Não se achar merecedor;

· Ficar estagnado, paralisado, sem forças e vontade para entrar em ação.

Até quando você irá manter esses hábitos? A mudança depende de você.

Paula Espíndola

RESGATE DA AUTOESTIMA NA PSICOTERAPIA

A psicoterapia ajuda a pessoa a se conhecer e compreender seu funcionamento, ou seja, a desconstruir essa ideia de baixa autoestima.

Trabalhará esse resgate da autoestima através de 3 aspectos fundamentais:

· Aceitar: aquilo que não gosta em si e não tem como mudar;

· Mudar: aquilo que é possível;

· Valorizar: muito aquilo que gosta em si mesmo.

A psicoterapia trabalhará sua:

· Autoimagem positiva;

· Autoconfiança;

· Auto aceitação;

· Autorrespeito;

· Autojulgamento;

· Autoconhecimento.

Fará você lembrar que a autoestima tem que ser trabalhada desde a hora que você levanta até a hora de ir dormir.

Paula Espíndola

COMO ELEVAR MINHA AUTOESTIMA?

Quando estamos com baixa autoestima, temos que analisar alguns aspectos para que se consiga elevar essa autoestima debilitada, que são:

· Identifique suas qualidades e defeitos;

· Pense positivamente sobre você, isso é um treino diário;

· Faça atividades prediletas que lhe dê prazer;

· Aprenda a se amar e se valorizar;

· Faça atividades físicas, exercite-se;

· Acredite em seu potencial;

· Controle seus impulsos, cuidado ao agir impulsivamente;

· Evite pessoas tóxicas;

· Busque seu autoconhecimento;

· Escreva em uma folha: seus pensamentos negativos e destrutivos, analise racionalmente, sem medo de encará-los.

Está disposto a elevar sua autoestima? Entre em ação! Quando? Agora!

Paula Espíndola

AUTOESTIMA DESTRUÍDA

Destruíram minha autoestima! E agora?

Em primeiro lugar, ninguém destrói a nossa autoestima se não permitirmos, ou seja, se isto está ocorrendo, é porque em algum momento você deixou essa lacuna aberta, provavelmente está fragilizado e o outro se aproveita dessa situação.

Caso esteja sentindo-se com autoestima destruída, sugiro que reserve um tempo diário para você e converse consigo mesmo na frente do espelho, observe e analise o que fala para si, sua reação e respeite o que há de melhor em você.

As nossas escolhas determinam a nossa autoestima.

Paula Espíndola

SINAIS DA BAIXA AUTOESTIMA

Os sinais da baixa autoestima são:

· Timidez;

· Sensação de culpa;

· Rejeição;

· Sensação de abandono;

· Medo e insegurança;

· Carência afetiva;

· Vergonha;

· Raiva;

· Sensação de estar sendo humilhado;

· Dependência financeira e emocional;

· Críticas e autocríticas.

E você? Identifica esses sinais? Caso sim, procure ajuda profissional, a psicoterapia.

Paula Espíndola

BAIXA AUTOESTIMA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

A autoestima é construída desde a infância e quando não é bem desenvolvida, as crianças e adolescentes passam a ter uma baixa autoestima.

Esses jovens com baixa autoestima apresentam algumas características:

· Insegurança;

· Dúvidas constantes;

· Incertezas sobre si mesmo;

· Luta pelo perfeccionismo;

· Acredita ser incapaz de realizar o que se propõe.

Observem os comportamentos e atitudes de seus filhos e caso percebam que está com baixa autoestima, leve a psicoterapia para reverter esse quadro o quanto antes para que não carregue isso para a fase adulta.

Paula Espíndola

CONSTRUÇÃO DA AUTOESTIMA

A autoestima é construída lá na infância. Começa com o olhar do outro que nos dirá quem somos.

Por isso é fundamental que os pais tomem muito cuidado com o que falam para os filhos, porque as críticas são introjetadas e as marcas negativas caminham junto até a fase adulta.

A autoestima ocorre desde criança:

· Como percebe o valor que dão a ela;

· Suas próprias experiências com sucessos e fracassos;

· Exigências que deposita em si mesmo e nos outros.

A vida transcorre com mais leveza e naturalidade quando temos uma boa autoestima.

Paula Espíndola


TENHO MEDO DE AMAR

A maioria das pessoas que têm medo de amar, estão com autoestima baixa.

Para amar alguém e nos entregarmos ao amor, temos que em primeiro lugar nos amar, ter o chamado amor-próprio, que consequentemente levará a relacionamentos saudáveis.

Você se ama? Se valoriza?

Tem medo de se amar?

O amor-próprio é um amor que nunca erramos, amar a si mesmo é sempre válido e positivo.

Para as pessoas que têm medo de amar, sugiro a psicoterapia para que aprenda a se amar, se valorizar e consequentemente não ter medo de amar os outros.

E você? O quanto se ama? Comente aqui.

Paula Espíndola

Como investir na autoestima?

AUTOESTIMA

Escuto muitas pessoas falando que não tem autoestima. Muita calma nessa hora!

Todos nós temos autoestima que é:

· A imagem que temos de nós mesmos, tanto na parte física como na emocional, ou seja, o lado externo e interno do indivíduo.

· É como eu me percebo e acima de tudo se valorizar positivamente.

· Gostar de si mesmo, ou seja, se amar, ter amor-próprio.

A autoestima é fundamental para o desenvolvimento saudável do indivíduo.

O maior problema é quando não estamos nos dando muito bem conosco, assim temos uma baixa autoestima que prejudica o bem-estar da pessoa.

Paula Espíndola

DICAS PARA SAIR DA ZONA DE CONFORTO

Será possível sair dessa zona de conforto? Sim, basta querer e se mexer.

Aqui vão algumas dicas para sair da zona de conforto, que são:

· Em primeiro lugar estas disposto a mudar;

· Avalie sua vida pessoal e profissional;

· Estabeleça suas metas e submetas;

· Entre em ação, dê o primeiro passo para essa mudança;

· Tenha coragem em si arriscar, saia dessa zona conhecida;

· Queira eliminar seus medos e receios;

· Reserve um tempo para lazer;

· Resgaste e retome atividades prediletas e prazerosas;

· Faça atividades físicas;

· Descubra seu potencial;

· Desafie em seu autoconhecimento, leia, estude mais;

· Faça psicoterapia para ajudar nessa busca pelo autoconhecimento.

Está disposto a sair dessa zona de conforto?

Coloque essas dicas em prática. Quando? Agora!

Paula Espíndola


EXERCÍCIO PARA LIVRAR-SE DA PROCRASTINAÇÃO

A zona de conforto está relacionada com a procrastinação, porque você adia seus planos e metas, deixando sempre para depois.

É o famoso: “Amanhã eu faço!”

Mas o que pode ser feito para reverter essa procrastinação?

Sugiro um exercício muito significativo:

1. Escreva suas metas para esse ano.

2. Subdivida essas metas em submetas, ou seja, destrinche essa meta em várias etapas.

3. Enumere essas pequenas metas, suas submetas.

4. Faça cada uma de uma vez, mas estabeleça um prazo para você não desistir.

Em qualquer mudança temos a sensação do desconhecido e muitos têm medo disso, dessa zona de conforto.

Comece esse exercício hoje!

Paula Espíndola

Por que as pessoas permanecem na zona de conforto?

ESTÁ DISPOSTO A SAIR DA ZONA DE CONFORTO?

A zona de conforto é um local já conhecido e muitas vezes não querem mudar, porque acreditam em ter o controle daquela situação.

Então se questionam: Por que mudar? Se estou em um território conhecido? Está tão cômodo!

A pessoa fica estagnada, mesmo não estando feliz, porque é uma zona conhecida mesmo sendo ruim.

Muitas pessoas têm medo do desconhecido, então optam por ficar nessa situação.

Você está disposto a reverter isso? Ou vai ficar nessa zona de conforto? Entre em ação!

Paula Espíndola

AS CONSEQUÊNCIAS DA ZONA DE CONFORTO

Conseguiu assistir todas as LIVE de março? Vou deixar os links abaixo, lembrando que temos LIVE toda quinta-feira às 12:30 (horário de Brasília).

Compartilhe para ajudarmos mais pessoas.

LIVE 15 - RELACIONAMENTO ABUSIVO

https://www.youtube.com/watch?v=P3pwUQeflnI&t=3s

LIVE 16 - FAMÍLIAS DISFUNCIONAIS

https://www.youtube.com/watch?v=YJr_LMNjJfE

LIVE 17 - MÃES SUPERPROTETORAS E CONVÍVIO COM FILHOS DO PARCEIRO

https://www.youtube.com/watch?v=8YO9h0e8YT8&t=2s

LIVE 18 - ANSIEDADE

https://www.youtube.com/watch?v=cNwHyIuQoJw

#relacionamentoabusivo #familiadisfuncional #mãesuperprotetora#ansiedade #paulaespindolapsicologa



A zona de conforto pode trazer consequências para o indivíduo.

Essas consequências são:

· Desperdício do seu próprio talento;

· Pessoa fica estagnada naquela situação e não faz nenhum movimento para mudar isso;

· Prejuízos a saúde física e emocional;

· Traz um impacto negativo tanto no pessoal como no profissional.

Você vai continuar nessa zona de conforto mesmo vendo todas essas consequências?

Paula Espíndola


Vídeo - Os sinais da zona de conforto

PROCRASTINAÇÃO

A procrastinação é quando adiamos os nossos planos e deixamos o que pode ser feito hoje para amanhã.

Para sair dessa situação é necessário querer e estar disposto a isso.

Você vai ficar nessa zona de conforto ou irá mudar isso?

A mudança é provocativa e exige muito sacrifício, então vá em busca dessa força que está aí dentro de você.

Paula Espíndola

OS SINAIS DA ZONA DE CONFORTO PROFISSIONAL

A zona de conforto pode ocorrer em qualquer momento, inclusive no âmbito profissional.

Os sinais da zona de conforto profissional são:

· Sensação de que sua carreira está empacada;

· Insatisfação financeira;

· Arruma desculpa para tudo;

· Insatisfação com sua própria produção, ou seja, não produz com eficácia;

· Autocrítica exagerada;

· Não vê propósito no que faz.

Analise se isto está ocorrendo com você para reverter essa situação.

Paula Espíndola

OS SINAIS DA ZONA DE CONFORTO

Existem vários sinais de que a pessoa esteja em sua zona de conforto.

Esses sinais são:

· A pessoa não tem ânimo ao acordar;

· Crises de ansiedade;

· Estresse;

· Falta de paciência;

· Vive reclamando de tudo e de todos;

· Insatisfação pessoal.

Reconhece alguns desses sinais? Fique atento para reverter essa situação.

Paula Espíndola

ZONA DE CONFORTO

Zona de conforto é uma série de pensamentos, comportamentos e atitudes de uma pessoa que já está acostumada a ter, ou seja, é a repetição de comportamentos e padrões.

Essa repetição de atitudes e comportamentos podem prejudicar a pessoa em qualquer local, em casa, no trabalho e isso com o tempo pode trazer prejuízos a saúde e ao bem-estar.

E você? Está nessa zona de conforto? O que irá fazer para reverter essa situação?

Entre em ação!

Paula Espíndola

COMO LIDAR COM MÃES SUPERPROTETORAS?

Para os filhos lidarem com mães superprotetoras será necessário:

· Em primeiro lugar reconhecer que tem pais superprotetores;

· Proponha diálogo franco, mas sem estar estressado;

· Demonstre sua autoconfiança;

· Fale de seus sentimentos e como se sente sendo tratado assim;

· O fundamenta seria a Terapia Familiar para que possam entender esse mecanismo de proteção exagerada e reconhecer que o importante é deixar seus filhos crescerem dando seus próprios passos.

Coloque essas dicas em prática.

Paula Espíndola

OS SINTOMAS DO TRANSTORNO DE PERSONALIDADE DEPENDENTE (TPD)

A superproteção pode levar ao Transtorno de Personalidade Dependente (TPD).

De acordo com DSM-IV (Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais) os sintomas desse transtorno são:

1. Dificuldade em tomar decisões cotidianas sem aconselhamento e reasseguramento dos outros.

2. Necessidade de que as outras pessoas assumam a responsabilidade pela maior parte das áreas importantes de sua vida.

3. Dificuldade em expressar discordância.

4. Dificuldade em iniciar projetos ou fazer coisas por conta própria.

5. Chega a extremos para obter dados e suporte.

6. Ficar desconfortável e desamparado quando sozinho.

7. Procurar urgentemente outra fonte de apoio quando um relacionamento importante termina.

8. Preocupação irrealista sobre o medo de deixar de receber cuidados de alguém.

Caso perceba esses sintomas procure ajuda profissional.

Paula Espíndola

Os sinais das mães superprotetoras

LIVE Mães superprotetoras e convívio com filhos do parceiro (LIVE toda quinta-feira 12:30 horário de Brasília)

CARACTERÍSTICAS DO TRANSTORNO DE PERSONALIDADE DEPENDENTE (TPD)

Os filhos superprotegidos podem desenvolver um Transtorno de Personalidade dependente (TPD), que é um padrão de comportamento submisso e pegajoso, relacionado a uma necessidade excessiva de ser cuidado.

As características desse transtorno são:

· Baixa autoestima;

· Insegurança;

· Autoimagem distorcida;

· Tendência a se sentirem feios;

· Pessimismo;

· Medo de separação.

Esse transtorno se manifesta na adolescência ou no início da fase adulta.

Paula Espíndola

FILHOS SUPERPROTEGIDOS

Os filhos acabam sofrendo com os pais superprotetores, porque são educados em um ambiente que carece de autonomia e liberdade para cometer os seus próprios erros.

Esses filhos se sentem:

· Incapazes de fazer algo sozinho;

· Tornam-se inseguros e medrosos;

· Apresenta baixa autoestima;

· Apresenta uma autoimagem distorcida da realidade;

· Não acreditam em seu potencial.

Os pais devem estar atentos ao sofrimento que podem causar em seus filhos. Fiquem atentos!

Paula Espíndola

OS SINAIS DA SUPERPROTEÇÃO

A mãe superprotetora nem sempre percebe que age assim, ou seja, que tendem a serem protetoras excessivamente.

Os sinais dessa superproteção são:

· Quer ajudar os filhos, mesmo quando não são solicitados;

· Tenta prevenir os possíveis erros;

· Elogia muito;

· Cria baixas expectativas nos filhos, porque não dá tempo para que entrem em ação;

· Não delega responsabilidades;

· Oferece recompensas materiais;

· Contato frequente na escola;

· Controla suas amizades;

· É totalmente invasiva;

· Repete esses comportamentos constantemente.

Se reconheceu nesses sinais? Reverte essa situação.

Paula Espíndola

MÃES SUPERPROTETORAS

Os pais ou mães superprotetoras querem ajudar e proteger tanto os filhos que acabam prejudicando o seu desenvolvimento.

É um amor com possessividade e esse sentimento de posse pode ser destruidor na construção da autonomia do indivíduo.

Na maioria das vezes, essas mães superprotetoras não percebem esse controle e proteção excessiva.

Essa superproteção tem origem na base familiar que essa mãe teve desde a sua infância.

Por isso é fundamental que essa mãe superprotetora faça psicoterapia para entender todo esse processo e se libertar desse controle e proteção excessiva.

Paula Espíndola

Bem vindo aos relacionamentos! Esse site tem como objetivo ajudar as pessoas a terem relacionamentos saudáveis. Sou psicóloga e psicopedagoga com experiências em relacionamentos. Faço atendimentos online e presencial, caso tenha interesse envie uma mensagem por e-mail paulaespindolapsicologa@gmail.com ou por WhatsApp 11983132371. Estou à disposição para maiores informações.

CONSEQUÊNCIAS DE UMA FAMÍLIA DISFUNCIONAL

Crescer em uma família disfuncional pode deixar sequelas e feridas na vida adulta.

As consequências podem ser:

· Filhos rebeldes;

· Sentimento de culpa desses filhos;

· Sentimento de não pertencimento ou merecimento;

· Tendência ao isolamento social;

· Amadurecimento precoce dos filhos;

· Hierarquia de poder invertida, adota o papel dos pais;

· Aprende a manipular os outros.

As relações entre os familiares dessas famílias problemáticas são sempre desequilibradas.

Paula Espíndola

Assista esse vídeo: Por que devo procurar uma psicóloga? Canal YouTube Paula Espíndola Psicóloga

LIDANDO COM FAMÍLIAS DISFUNCIONAIS

Lidar com famílias disfuncionais traz muitos conflitos e para isso será necessário:

· Concentrar-se mais em você, em seu lado positivo;

· Mantenha seu controle emocional;

· Não procure agradar sua família;

· Filtre o que for necessário;

· Tenha resiliência, aprenda com seus erros para não os repetir;

· Faça psicoterapia para se fortalecer.

O ideal seria a terapia familiar, mas é difícil uma família disfuncional estar disposta a isso.

Paula Espíndola