Diversidade Genética

Instituições Responsáveis:

Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Coordenadores:

Maurício Sedrez dos Reis (UFSC) e Adelar Mantovani (UDESC)

Objetivo

Avaliar a diversidade genética de populações de espécies ameaçadas de extinção e/ou de relevância econômica e/ou social.

Diversidade genética é a base para o desenvolvimento e adaptação de qualquer espécie às variações bióticas e ambientais que podem ocorrer ao longo do tempo. Assim, o seu estudo ajuda a diagnosticar a capacidade de sobrevivência das espécies no decorrer do tempo. Desta maneira, um dos objetivos do IFFSC foi avaliar a diversidade genética de populações de espécies ameaçadas de extinção ou de relevância econômica e social. Foram selecionadas 13 espécies para esse estudo: butiá-da- praia, butiá-da- serra, cabreúva, canela-preta, canela-sassafrás, cedro, grápia, imbuia, olandi, palmiteiro, pinheiro-bravo, pinheiro-brasileiro e xaxim.

Numa primeira etapa, de 2007 até 2011, o foco principal de estudo foram populações de indivíduos reprodutivos das espécies citadas. Posteriormente, com a continuidade do IFFSC, o foco passou para os indivíduos regenerantes das mesmas espécies, que foram amostrados nos mesmos fragmentos em que os adultos já haviam sido estudados. Essa mudança de foco possibilitou o entendimento da dinâmica da diversidade genética ao longo do tempo, em outras palavras, quanto (muito, pouco, sem alteração) da diversidade genética passa de geração para geração. Além do estudo dos indivíduos regenerantes, na segunda etapa do IFFSC, foram examinadas as relações entre a paisagem e a diversidade genética, para entender a possível influência do uso do solo atual nos índices de diversidade genética das espécies.

A metodologia de coleta e de análise da diversidade foi a mesma para reprodutivos e regenerantes. Em cada fragmento selecionado eram coletadas amostras foliares de 50 indivíduos, espaçados entre si por 50 m. Posteriormente, em laboratório, as amostras eram analisadas com marcadores isoenzimáticos para conhecer a diversidade genética. Um marcador isoenzimático nada mais é do que uma marca, associada ao DNA da planta, que permite diferenciar um indivíduo do outro.

Espécies avaliadas geneticamente

*com número de populações de indivíduos reprodutivos e regenerantes analisados

Locais de coleta das populações de indivíduos de butiá-da-praia (Butia catarinensis), olandi (Calophyllum brasiliense), palmiteiro (Euterpe edulis), canela-preta (Ocotea catharinensis) e canela-sassafrás (Ocotea odorifera).

Locais de coleta das populações de indivíduos reprodutivos de pinheiro-brasileiro (Araucaria angustifolia), butiá-da-serra (Butia eriospatha), xaxim-bugio (Dicksonia sellowiana), imbuia (Ocotea porosa), pinheiro-bravo (Podocarpus lambertii).

Locais de coleta das populações de indivíduos reprodutivos de grápia (Apuleia leiocarpa), cedro (Cedrela fissilis) e cabreúva (Myrocarpus frondosus).