Pessoas, Percurso e Paisagem

Ilha das Caieiras, lugar de toda beleza. Na Rua Felicidade Correia dos Santos, você encontrará o percurso de murais que estão distribuídos em seis fachadas de casas, um comércio, e no muro da escola.

Entre junho e outubro de 2019, estivemos presentes para aprender sobre a região e nos conectar com a comunidade local. O resultado dessa vivência gerou 8 pinturas que totalizam 500 m2.

O trabalho aborda como a paisagem natural e a paisagem cultural presentes na região estão intimamente ligadas, resultando na maneira como as pessoas vivem, se alimentam e buscam o seu sustento.

O projeto é uma realização do Cidade Quintal em parceria com o NEP (Núcleo de Estudos e Práticas da UVV, e faz parte do programa Arte é Nossa, promovido pela Secretaria Municipal de Cultura da Prefeitura de Vitória.


Casa #1 "A menina e o siri"

"A maioria das pessoas da Ilha reconhecem nossa importância, mas nem todos da cidade reconhecem isso." Disse Adelaide, desfiadeira de siri e moradora do bairro.

Seguindo a Rua Felicidade, você encontrará à sua direita a primeira pintura do percurso, na casa da D. Celina. No desenho se observa uma jovem agachada segurando cuidadosamente um siri enquanto os dois se encaram. O trabalho da desfiadeira é uma tradição da Ilha das Caieiras e muitas famílias foram e são sustentadas com base nesta atividade. A pintura indaga a relação das gerações mais velha e mais nova com esta tradição, colocando de frente a continuação ou ressignificação desse fazer.


Casa #2 "Frutos da Ilha"

Logo em frente à casa da D. Celina, temos a casa e restaurante Frutos da Ilha.

"Eu pescava, sei nadar, sei remar… vivo disso aqui." Diz Dona Marli, casada com Seu Matoso, donos da casa e restaurante.

No mural vemos uma imagem de um barco de pesca repousando sobre a maré e ao fundo, cobrindo todo o restante da fachada, o céu tingido de amarelo pela luz do Pôr-do-Sol. A contemplação da paisagem é marca registrada da Ilha das Caieiras.


Casa #3 "O mergulho"

Caminhando 100 metros à frente, à direita chegamos ao terceiro mural na casa da D. Suely.

"Aqui a gente já nasce na maré"

Morar na Ilha das Caieiras e tão próximo à água influencia não só o trabalho e a alimentação, mas também o lazer. Um retrato disso é o mergulho na maré, muito apreciado pelos jovens nos dias de calor no deck da orla!

No mural representamos o brilho do espelho d‘água estampando toda a frente deste sobrado de dois andares. Sobre este espelho, à esquerda a imagem de um rapaz pulando na água e à direita três barcos estacionados.


Casa #4 "A senhora"

70 metros mais adiante está a casa da D. Claudete. Nela - uma casa com três pavimentos, sendo dois superiores e um subsolo - vemos o rosto de uma senhora de cabelos brancos e curtos, de expressão séria e olhar profundo que preenche praticamente toda a metade esquerda da fachada. Sua pele de tom ocre e a blusa azul contrastam com o fundo salmão que colore o restante da casa. Neste fundo também é possível observar no canto superior direito, um trecho do sol compondo a imagem.

Muitos moradores chegaram na Ilha das Caieiras ainda pequenos e construíram sua história de vida no bairro, acompanhando todo o processo de evolução que o bairro passou.


Escola # "A paisagem natural da ilha"

Seguindo por mais 60 metros, à sua direita está o muro da Escola Elza Lemos Andreatta. Com cerca de 230 metros quadrados a pintura retrata a paisagem natural presente na região da Ilha das Caieiras. O mural é dividido em quatro partes onde em cada uma se predomina uma cor. Logo no início, no trecho amarelo, vemos o desenho de um pássaro branco com o topo da cabeça preta: o Trinta-réis, uma ave bastante comum nas regiões onde há mangue e é bastante avistado nas redondezas pescando. Ao fundo a imagem do pássaro vemos o Mestre Álvaro: a famosa cadeia de montanhas que se destaca na paisagem e pode ser visto de diferentes pontos da Ilha. Na sequência, no trecho azul, vemos três peixes representados na cor cinza e branco saindo da água que está em movimento. Este peixe é a tainha, um peixe de coloração prateada que é um dos mais pescados na região. Adiante chegamos ao trecho verde, com linhas na cor marrom que formam o característico desenho das raízes aéreas do mangue que se ramificam sobre a lama. Nelas vemos a presença de caranguejos de diferentes tonalidades. Por fim, o trecho na cor rosa representa uma estudante de ensino médio de mochila nas costas e uniforme escolar. Sua posição no desenho sugere que ela está observando a paisagem.

O mural contou com a participação de alunos do 1o, 2o e 3o ano que contribuiram para a pintura e tiveram contato com a técnica e com os processos de criação e desenvolvimento do Cidade Quintal.


Casa #5 "Foto de família"

"Aqui na ilha todo mundo é parente".

Bem em frente ao muro da escola é a casa de Jurandir, nascido, criado na Ilha e neto do Sr. Amadeu Muniz Vieira que foi dono da fábrica de cal que deu origem ao nome do bairro Ilha das Caieiras. "Todo mundo vive bem. Todo mundo é parente. Meu avô veio de Portugal e casou com minha avó que era capixaba. A casa da frente era a casa dela, a casa mais antiga da Ilha. Ele era o dono da Fábrica de Cal." disse Jurandir. Na pintura da casa de dois andares, vemos a imagem de uma família, representada por uma senhora, um adulto e uma criança. A senhora está sentada em uma cadeira, do seu lado esquerdo está a menina e do direito o homem, já de idade adulta. Os três juntos olham para frente como quem posa para uma foto. Ao fundo a representação do mangue e aos seus pés a água. Esta pintura é uma homenagem às diferentes gerações das famílias que povoaram a Ilha e até hoje permanecem no bairro.


Casa #6 "A tarrafa"

Poucos metros seguindo a rua, do lado direito vemos o comércio de Paulo César. A fachada, dividida em três faces, é toda preenchida de amarelo, que representa o céu no fim do dia. Observamos também um pássaro pousado na ponta de um barco de onde o pescador arremessa sua tarrafa na água. A pesca é uma das principais atividades do bairro, e colaborou para o desenvolvimento econômico e cultural da região.

“Nossa pesca é a melhor, está tudo aqui, só descer e pescar." Disse Ormandino, de 44 anos.


Casa #7 "No começo era mangue"

Caminhando 240 metros adiante, chegamos à última casa do percurso, a casa da Anne. No muro da frente está pintado a textura do espelho d`água, com diferentes tons de azul e amarelo que dão forma ao movimento da maré. Por trás deste muro que é baixo, vemos a fachada da casa dividida em duas partes. À direita, em azul claro, o desenho do céu, com algumas nuvens e o sol no canto superior direito. À esquerda temos todo o trecho em verde, representando o mangue. Juntos, estes três elementos: água, céu e mangue compõem a paisagem natural que surge diversas vezes entre as casas na Ilha das Caieiras.


FICHA TÉCNICA

COORDENAÇÃO GERALRenato Pontello
PESQUISA DE IMERSÃOMaria Luiza de BarrosKarolynne OliveiraNEP - UVV
COORDENADOR NEP - UVVProf. Alexandre Nicolau
CRIAÇÃORenato PontelloJuliana Lisboa
PINTURAEd Brown @edbrown74Cayo Pisa @cayo_pisaJuliana Almeida @nklpkPatrick Trugilho @patricktrug
PRODUÇÃOPaula VianaKarolynne Oliveira
VÍDEOLuanna Esteves - direção, roteiro e captação de somNatália Dornelas - imagensBruno Alves - imagens aéreasGerard Pereira - trilha sonora original e edição de somRamon Zagoto - montagem, cor e finalização
FOTOGRAFIAKristina Gonçalves


PARTICIPAÇÃO ESPECIALE AGRADECIMENTOS:

Alunos do NEP - UVVArthur Bersot Morgado MachadoBrunna Pauli Rios de SouzaClara de Souza Passos PereiraEnzo Gusmão CastroHugo Mariani FrossardJoão Luiz Angeli JrJulia Cristelo de Moraes BrahimLaís Callegari Thiébaut PereiraSandy Pinheiro CostaJafia Quaresma PintoNatielle Rangel LopesYeda F. MedeirosJuliana PegorettiIzabella RodriguesLorrani de Souza PenhaLucas de Martin Alves dos SantosLaura Maria Plaza RisoCintia PaierMaxmilliano dos Santos


PARTICIPAÇÃO ESPECIALE AGRADECIMENTOS:

EMEF ELZA LEMOS ANDREATTA:Diretora LeonaraProf. Eloiza

ALUNOS DO 1o, 2o, E 3o ANOS :


JeanJúlio CésarNatanGabriel AnjosNayraLíviaKaikePabloIzabellaLorenaEsterJuliaLorenaArlindoLíviaBrendaMatheusRichardLucasLoredanaLiviaMateusBeatrizRafaelJaineLudimilaTamiresGabrielRafael