MARCOS GRATÃO


 

 (10/03/2005) ZINE BRASIL ENTREVISTA MARCOS GRATÃO

Por Michelle Ramos.

 

 

 

Criativo e talentoso. Burlando a regra: "Todo escritor quer ser desenhista e todo desenhista quer ser escritor". Marcos Gratão, faz tudo isso e mais um pouco. O cara é desenhista, escritor, designer, animador e editor de pelo-menos três sites, sem falar que também é responsável pela edição do fanzine Vigilantes. Ufa! O cara é pau pra toda obra. Como muitos dos nossos artistas nacionais, sonha em ver seus trabalhos reconhecidos no nosso Mercado brasileiro de quadrinhos, e é claro que o Zine Brasil não podia deixar de apresentar a vocês esse grande artista.

Fale sobre você:

Eu tenho 27 anos (fiz agora, dia 14 de janeiro), sou designer, noivo da Milene, e moro em Araçatuba, SP - longe de São Paulo umas sete horas de carro!

Quando começou sua paixão por Hqs?

Dês de pequeno. Eu sempre desenhei, dês dos dois anos de idade. Meus primeiros desenhos eram Hqs curtas, que eu pedia pra minha mãe escrever as falas. Eu ditava e ela ia escrevendo dentro dos balõezinhos - aí, eu devia ter uns 4 anos. Depois que estava na escola, eu mesmo já ia fazendo as minhas histórias, tirando um sarro nos amigos da sala...
 

 O que fez você se tornar um Quadrinhista?
Eu sempre gostei de criar as minhas próprias histórias. Então, eu lia muito quando tinha uns 13 anos... Até uns 17 anos, eu era fã das revistas da Editora Abril, tenho uma coleção gigante em casa de Super-Homem, Titãs, Liga da Justiça, Homem-Aranha, Batman... Eu queria ter meus próprios heróis. A primeira história que eu fiz pra valer foi Samurai Justice, publicado no fanzine Oficina 01, de 96! O primeiro super-herói foi o Enemus, do mesmo ano,  esse saiu até resenha na Wizard!
 

Quando surgiu a idéia de criar seus personagens Os vigilantes?
Bom, eu já tinha publicado fanzines com meus super-heróis PENUMBRA e ENEMUS, que eram até populares na época, chegando a fazer um crossover bem legal com outro grupo de heróis, os EXTERMINADORES DE ALIENS, do grupo Maníacos do Nanquim. Criei esses novos heróis pra voltar pros zines. Queria voltar a fazer zines, mas com um material novo. A Penumbra era um grupo de jovens que enfrentavam demônios. Eu queria um grupo de jovens que lutassem contra coisas mais leves, menos terríveis como demônios... Também estava pensando em um grupo menor, com 4 ou 5 integrantes...

 Você se inspirou em algum personagem para criação dos seus?
Claro. Por exemplo, Freezer é uma combinação entre Robin e batman e capt. Frio... Material Girl é uma variação do Metamorfo, da DC... Weapon Man é um Cable moderno, e por aí vai.


Quais os artistas que exercem influencia em seus trabalhos?
 Alan Moore (esse é obvio, o cara influencia todo mundo), Travis Charest, Joe Madureira, Tom Grummet, Do Japão, eu sou fão de Hiroaki Samura, Yoshihiro Togashi, Akira Toryiama, Masakazu Katsura e Clamp. Eu tento fazer um material meio comics meio mangá... A narrativa das minhas histórias é bem cinematográfica, sem aqueles quadrinhos onde o personagem explica o que o leitor está vendo!

 O que os leitores devem esperar de seus personagens?
 
Os Vigilantes são super-heróis românticos (heheheheheh). Aguardem, ainda não consegui criar situações entre eles, devido às intensas crises que eles enfrentaram nas primeiras edições, mas terá muito romance na HQ. Eu também estarei explorando melhor todos os personagens, suas histórias, quem eles são, por quê eles lutam... Ah, e um novo Vigilante está pintando por aí, em breve!
 

Na quinta edição de sua revista existe a participação do personagem Topman do artista Lorde Lobo do site Areia Hostil, como se deu esse encontro?
 
Foi de uma troca de e-mails entre o Lorde Lobo e eu... Estávamos curiosos em ver como os nossos personagens seriam se desenhados pelo outro artista... Ficou tão legal que surgiu a idéia desse encontro entre eles.

 Que outros encontros poderão esperar os leitores nas próximas edições?
Por enquanto, como disse, estarei explorando melhor os personagens. Mas, claro, já estou preparando algo nesse sentido, mas nada confirmado.
 

 Como tem sido a recepção do publico com relação a seus Personagens?
 
Boa. Quem já leu gostou muito  até agora, graças a Deus, ninguém me jogou pedra!
 

 Por que você não expôs suas revistas on-line como a maioria dos artistas está fazendo ultimamente?
 
Talvez esse não seja o momento. O que estou fazendo é criando outras Hqs para a web. Serão histórias que não sairão no fanzine, para quem se


Na edição número 3 do fanzine Vigilantes, você diz manter a linha:  “exagerando nos clichês", por que esta decisão, acha que é essa a preferência dos leitores?

 Fazer um grupo de super-heróis no Brasil é meio ridículo... Não pega bem, é como se os personagens estivessem saindo de um baile de carnaval... Então, a idéia é abusar dos clichês. Já que vai soar estranho de qualquer jeito, temos que aproveitar - Vocês poderão ver no zine caras superpoderosos despregando prédios inteiros do chão com uma só mão, caras mais rápidos que balas, lutas mentais, etc...


 Como esta à produção do Desenho animado dos Vigilantes?
No momento, finalizando a primeira parte. Esse desenho animado será a história que os vigilantes se encontram e se tornam um grupo. Ainda não decidi se vai ser dublado ou apenas legendado... Mas a idéia é que fosse dublado, mesmo.

 Fale um pouco de seu trabalho com animações: Como tem sido a reação dos leitores?
As animações demoram mais pra sair, porque tenho pouco tempo para fazê-las... Petz 2 sai essa semana, no site... O Silêncio das Estrelas foi um clipe que eu fiz de uma de minhas canções preferidas de Lenine... Esse vídeo foi muito apreciado por quem conseguiu assistir, apesar dos vários erros e alguns pontos fracos de animação. Já Apocalypse Girl, todo em flash, foi mais bem comentado... Talvez esse ano eu me dedique um pouco mais á programas como Flash, 3D Max e Premiere, melhorando essas produções, que são o meu xodozinho.


O que devemos esperar de Atsui*ne! Como está a produção?
 

Atsui*Ne! É o mangá nacional on-line com mais capítulos e páginas on-line já publicados... Tirei tudo do ar e estou refazendo as capas das edições antigas, assim como refazendo algumas páginas... Vou republicando os capítulos antigos bem divagar, até chegar nos capítulos inéditos, provavelmente apenas em dezembro.


Seu  site o Smallville Now, é muito bem estruturado assim como o gratao.com. Quais seus próximos projetos?
 
Smallville now é um projeto feito com colegas de serviço, é um passatempo nosso. É claro que nosso tempo para dedicar a séries de TV ou quadrinhos é pouco... Por isso, só vou ficar com esse site neste gênero. O tempo restante será dedicado ao zine e ao site www.grato.com   apenas.

Existe um grupo por traz de Marcos Gratão ou ele é um artista faz tudo? Você é o único responsável pelo seu site?

Sou. Estive procurando pessoas para trabalharem comigo ao longo desta última década, em vão. O que está pintando neste ano de 2005 são algumas parcerias com um grupo de desenhistas em um projeto que mistura 2D e 3D, e um amigo de São José do Rio Preto, que irá trabalhar comigo no fanzine, a partir da edição 07 - Mas ainda não quero dar detalhes dessas parcerias, está muito cedo.


Qual seu maior sonho?
Como quadrinhista, é claro, publicar meus trabalhos por uma grande editora, um dia.


Como você vê o Mercado brasileiro de Quadrinhos Atualmente?
 
É só Mônica! Infelizmente, não vejo nenhuma editora nacional produzindo algum material de qualidade. O material que é publicado com a frase QUADRINHO NACIONAL impressa na capa, ultimamente é tão fraco que não sai do nº. 1! - Parece de propósito!
 

Você acha que nossos artistas brasileiros que estão trabalhando no Mercado Americano têm apoiado a produção nacional?
Claro que sim. Todos eles têm sites com conteúdo em português. O problema é que NÃO EXISTE ESPAÇO aqui nem pra esses pesos pesados brasileiros publiquem seus trabalhos.
 

O que falta fazer para que o Quadrinho nacional seja mais valorizado?
Publicar, pelo menos uma revista, com um material de qualidade, com roteiros inteligentes, boa arte e preço razoável.
 

O que os artistas nacionais podem fazer para reverter esse quadro?
Talvez se a situação que eu descrevi acima se realizasse, tenho certeza que os artistas brasileiros dariam conta do recado. Imagine uma revista na banca, todo mês, com aventuras de Topman, Crânio, Velta, e por que não, Vigilantes... Ia ser bem legal.


Qual a importância da produção de fanzines para você? Qual o melhor zine que você já leu?
O fanzine é o primeiro contato do desenhista/escritor/arte-finalista/editor, com quem realmente lê seu trabalho - É muito importante esse contato, para que existam críticas em seu trabalho. Sem falar no lance da troca de fanzines, onde se fica conhecendo trabalhos de todo o Brasil.
Agora, o melhor fanzine que eu já lí... Essa é difícil... Eu gosto muito de fanzines, tenho nos meus preferidos o NEXU, do grupo Paradigma, o QI, do Edgard Guimarães é sempre uma ótima opção, e um zine antigo, o GOTAMA, que eu e o Zanini fazíamos juntos!


Qual quadrinho você curte atualmente?

Blade - A Lâmina do Imortal - tinha comprado umas edições em inglês da Devir uns anos atrás, e agora que a história chegou onde tinha parado, estou continuando a ler. Pena que o formato reduzido da revista prejudica pra caramba a arte, fora isso, nada do que está sendo publicado aqui no Brasil, infelizmente.


Qual seu artista nacional preferido?
Roger Cruz.


Surgindo a oportunidade com quais artistas gostaria de trabalhar?
Não sei... Qualquer um, menos o McFarlane.
 

Qual o seu conselho para os iniciantes que sonham com uma oportunidade de ter seu trabalho reconhecido no mercado Brasileiro?
Uma vez, em uma palestra, o Rogério Vilela (fabrica de quadrinhos) deu uns toques legais. Seria legal, os iniciantes, falarem com ele, já que meus trabalhos não foram, ainda, reconhecidos no mercado brasileiro (heheheheheh)!


Hehehe essa foi boa.Termine com uma frase preferida:
A gente tem mais é que ser feliz! - E isso é verdade. Faça quadrinhos, não pelo dinheiro ou pela fama, que no Brasil é quase impossível,... Faça pelo prazer de publicar suas histórias e ter seu trabalho visto por quem realmente gosta... Faça um trabalho que você goste, sem se importar com o que os outros vão achar. Não vá fazer o que você acha que "vai vender...” Faça um quadrinho pessoal, coloque sentimento no seu trabalho, que com certeza, vai ficar bom! Um abraço!