..:: Subversivos ::..


 

 

 

SUBVERSIVOS – UM RETRATO DOS ANOS DE REPRESSÃO

31/03/2007 Por Sergio Chaves

 

Hoje em dia, você abre uma revista de quadrinhos e encontra repleta de seres fantásticos (bom, nem todos), super’s e mutantes de todos os tipos, cores e tamanhos. Eventos históricos, por exemplo, retratados em quadrinhos são raros – e em se tratando de quadrinhos brasileiros, bota raro nisso!

Até o lançamento da série “SUBVERSIVOS”, em outono de 1999, a ditadura militar quase nunca havia sido abordada mais diretamente nos quadrinhos – salvos exceções, e a maioria delas breves e indiretas até.

“SUBVERSIVOS” foi iniciada quando a atual editora NONA ARTE ainda não passava de um estúdio gráfico do até então jovem promissor André Diniz (responsável também por todos os roteiros da série). Retratando de uma forma clara e envolvente os anos de chumbo que os brasileiros enfrentaram durante a ditadura militar, em meados da década de 70, a série é hoje considerada por muitos leitores uma das melhores do quadrinho nacional.

A primeira edição, lançada em 1999, traz a arte do próprio Diniz, e conta a trajetória de um grupo de militantes, onde foca a vida da personagem Regina, posteriormente chamada de Cida, uma jovem adolescente que se envolve na luta armada através de seu namorado e se depara com a forte repressão que o país enfrenta. Sem embelezar a realidade, Diniz narra sob forma crua e direta as torturas desumanas que os militares realizavam com quem lutava por seus direitos.

Posteriormente, foi lançado um novo capítulo da série, desta vez com arte do desenhista Laudo.  Lançada em 2000, a segunda edição, intitulada "COMPANHEIRO GERMANO", traz os traços do desenhista LAUDO FERREIRA JÚNIOR e do arte-finalista OMAR VIÑOLE. Nesse número narra-se uma seqüência da HQ anterior, onde a personagem Regina (nesta edição chamada de Helena, por se ver obrigada a mudar de nome pelos riscos de ser reencontrada pelos milicos) envolve-se com um militante durante sua luta, o que traz preocupações à mais no meio em que se vive.

A terceira e última edição impressa até o momento, lançada em 2001, é "A FARSA", sob os traços do artista Marcos paz, traz desta vez uma trama onde mostra como as famílias de prisioneiros políticos viviam, sua dor e a constante procura por notícias de parentes – e como o governo da época lidava com quem se aprofundava muito à procura de respostas.

Além mesmo destas três edições, foram impressas alguns capítulos no INFORMAL (jornalzinho lançado pela editora há algum tempo), e recentemente um novo capítulo no nº.37 da Wizmania (que conta com o traço de Marcos Paz) – além de outros 10 capítulos on-line, sempre escritos por André Diniz, que se aprofundou muito no tema e soube repassar todo o clima necessário da época para as páginas de quadrinhos. As demais HQs reúnem os trabalhos grandes desenhistas, como FALÉX, JOSÉ AGUIAR, ANTONIO EDER, entre outros. As edições impressas continuam à venda no site da editora, inclusive um especial compilando as edições "COMPANHEIRO GERMANO" e "A FARSA”, acrescido de materiais para estudo sobre a época.

O ambiente criado por Diniz nessa série é fantástico, sua narrativa é muito envolvente. Apesar de ser uma série, cada edição/capítulo dispensa leitura prévia e todas são compreensíveis singularmente. Além de ser uma excelente história de se ler, é também uma verdadeira aula a respeito da ditadura militar, um retrato fiel da época.

Esperamos que a editora nos presenteie com futuras edições impressas o quanto antes – e tudo indica que algo está nos planos para este ano. Mas enquanto isso não é possível, os leitores podem conferir mais alguns capítulos da série no site da editora, onde também encontrarão diversos trabalhos on-line de alta-qualidade – que já garantiu muitas premiações e destaque em tão pouco tempo de vida.

           

 

VEJA TAMBÉM:

17/01/2007 >> ...E quem disse que o Brasil não possui um super-herói super?

05/01/2007 >> “RETRATO FALADO” – de LOR.

27/12/2006 >> "ESTÓRIAS GERAIS" – de Srbek e Colin.