..:: CENSURA ::.. 


 

ARTIGO: Censura.

08/07/2007 Por Alexandre Assumpção

 

Imagem publicada na internet, autor desconhecido.

Já ouviu falar do “Holandês Voador”? Segundo a lenda, ele é uma criatura fora de seu tempo, amaldiçoada a singrar o mundo em seu navio fantasma.

Estamos no Brasil e a censura – ou a maneira como pretendem voltar a praticá-la - é o nosso Holandês Voador.

Algumas pessoas dizem que a diferença entre um liberal e um tirano é o timing. Ou... O momento em que tudo se torna “pessoal”. O liberal criticado e colocado contra a parede de hoje é o tirano de amanhã, mesmo que a nova moda seja negar tudo.

 Em algum porão da história, nosso capitão está de volta na forma de um homem que detém o poder de decidir o que é permitido para toda a família. O mesmo não deu essa marca para as “Menininhas Super Poderosas”.

Motivo? Elas comemoram suas vitórias num Shopping, templo sagrado do capitalismo e da alienação. Segundo ele, o desenho deveria celebrar no “Palácio da Justiça”. (Como os Super-Amigos)

Isso dá medo. Imagina o poder que uma criatura dessas tem nas mãos e se pergunte: “Seria uma pessoa capaz de liberar um selo importantíssimo e caríssimo corruptível?” Terra Brasilis.

Em algum momento, vão voltar a encadernar todos os livros com a cor verde do exército em contraponto ao subversivo vermelho. (uma alusão ao comunismo)

Entenda: Nada acontece de um momento pro outro, uma vez que já vimos à volta da classificação e apesar disso ter levantado uma série de questionamentos, sabemos que dentro de casa, os pais acabam deixando os filhos assistir mais do que o permitido, então à grande movimentação tem sido da própria mídia, descontente com a perda da parca liberdade adquirida nos últimos anos.

Seria ingênuo imaginar que as empresas não têm um “padrão de qualidade”, mas com a quantidade crescente de programação duvidosa, devemos questionar até que ponto isso tem sido seguido. A qualidade questionável de programas como “Sem Controle” serve de alerta. Sem criatividade, a classe artística voltou a apelar. A liberdade tornou-se um tapa-buracos criativo.

Quando a classe artística reclama da censura, ela deveria olhar para seus pares e repensar seu jeito de trabalhar.   No momento que isso ataca o livre arbítrio e cria a imagem de um novo “bicho papão”, vira um problema de todos nós.

É a sombra do Holandês pairando sobre nossas cabeças.  Será que não está na hora de nós mandarmos este fantasma para outras terras e mostrarmos que somos capazes de fazer as coisas sem que o “Grande Irmão” decida o que devemos ou podemos fazer?

***

 

Alex Assumpção é Roteirista, e já está há mais de dez anos envolvido no meio independente, atualmente, fora seus roteiros, esta publicando textos no seu blog pessoal O Sumpa Sabe.

 

 Veja também