Atividade recente no site

suas susgentoes

brinquedos e brincadeiras antigas



Brincadeiras antigas
 
ola amigos se vc é dos tempos que brincava livremente na rua com os amigos sente saudades das brincadeiras antigas e dos brinquedos
que vc nem se lembra mais entao de uma olhada e volte ao tempo e mate a saudade das brincadeiras antigas mais legais
desde a peteca feita de bolinha de papel ate os carrinhos de corridas , pião,etc......
 

Amarelinha, barra-manteiga e corda desenvolvem habilidades dos pequenos. E os adultos também ganham emocionalmente.
 

O que mais se vê atualmente são as crianças dentro de apartamentos na frente do videogame, do computador ou da televisão. Parece que aquelas brincadeiras antigas e divertidas da nossa infância ficaram para trás. Quem não se lembra da turma toda que se encontrava depois da escola para brincar na rua ou numa praça perto de casa? As meninas brincavam de passa-anel, amarelinha ou corda, enquanto os meninos jogavam bolinha de gude, pião ou faziam cabo de guerra. A turma toda se reunia também em outros momentos. Era a hora da queimada, do esconde-esconde, do elefante colorido e do corre-cutia.

Aos poucos, porém, essas brincadeiras deliciosas foram sendo esquecidas pela garotada. "Antigamente, os pequenos se divertiam em espaços públicos e em convivência com várias crianças. Mas com a modificação da sociedade esses espaços desapareceram e elas passaram a ficar mais com os brinquedos do que com os amiguinhos", explica a professora Maria Ângela Barbato Carneiro, coordenadora do Núcleo de Cultura, Estudos e Pesquisas do Brincar e da Educação Infantil da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). O maior problema dessa substituição é que as crianças acabam não brincando de maneira adequada, pois não há interação com outras pessoas.

Brincar faz parte do desenvolvimento infantil. Pesquisas já mostraram que crianças que brincam são mais criativas e as que se divertem em grupo têm menos problemas de ajuste social quando chegam à idade adulta. "O jogo é seu meio de comunicação e aprendizagem. Por meio dele a criança terá a oportunidade de desenvolver melhor a imagem, o seu esquema corporal e outras habilidades", explica a psicopedagoga Raquel Caruso Whitaker, do Centro de Aprendizagem e Desenvolvimento (CAD), de São Paulo. As brincadeira antigas, por exemplo, estão ligadas a costumes populares e ainda promovem a socialização, ajudam a desenvolver a coordenação motora, exploram o movimento, o equilíbrio, o respeito às regras e o lado intelectual dos baixinhos. 

 

Interação com a criança 

E não pense que só as crianças se beneficiam na hora da brincadeira. O adulto que se dispõe a entrar no meio da molecada sai ganhando também. "A mulher que resolve parar suas atividades e brincar com os filhos, sobrinhos, netos ou qualquer outra criança fortalece a relação e a confiança que há entre eles", explica a professora Maria Ângela Barbato Carneiro, da PUC/SP.

Esse tempo que ela se dedica à brincadeira também ajuda a trazer à tona emoções antigas que ficaram esquecidas lá no passado. De acordo com o pesquisador norte-americano Brian Smith, autoridade em desenvolvimento infantil do Departamento de Educação da Universidade da Pensilvânia, os adultos de hoje foram educados para renunciar às atividades infantis e para serem responsáveis quando crescessem. Para ele, ganha os pais que não esquecem de sua própria infância. Esse resgate é ideal para dar mais alegria à vida. É como se trouxesse um frescor no meio da correria diária.

Mas não vale fazer nada forçado. Quando resolver sentar com os pequenos, faça isso de coração. Você vai ver como a brincadeira vai ficar muito mais divertida!




 
 
 
veja alguns nomes de brincadeiras antigas
 
Cinco Marias: essa brincadeira constitui em, primeiramente, procurar cinco pedrinhas que tenham tamanho aproximado ou confeccionar saquinhos e recheá-los com arroz ou areia. Primeira rodada: Jogue todas as pedrinhas no chão e tire uma delas (normalmente se tira a pedrinha que está mais próxima de outra). Depois, com a mesma mão, jogue-a para o alto e pegue uma das que ficaram no chão. Faça a mesma coisa até pegar todas as pedrinhas. Segunda rodada: jogue as cinco pedrinhas no chão, depois tire uma e jogue-a para o alto, porém desta vez pega-se duas pedrinhas de uma vez, mais a que foi jogada para o alto. Repita. Terceira rodada: cinco pedrinhas no chão, tira-se uma e joga-se para o alto pegando desta vez três pedrinhas e depois a que foi jogada. Última rodada: joga-se a pedrinha para o alto e pega-se todas as que ficaram no chão.

- Roda: em roda, cantem canções antigas e façam os gestos e representações das mesmas. Lembramos de algumas músicas como atirei o pau no gato, ciranda-cirandinha, a linda rosa juvenil, a galinha do vizinho, a canoa virou, eu entrei na roda, cachorrinho está latindo, o meu chapéu tem três pontas, pai Francisco, pirulito que bate bate, samba lelê, se esta rua fosse minha, serra serra serrador, etc.

- Escravos de Jó: dois participantes cantam a música “escravos de jó, jogavam caxangá, tira, põe, deixa ficar, guerreiros com guerreiros fazem zigue, zigue zá”. Cada um com uma pedrinha na mão vai trocando-as e fazendo o que diz a música.

- Amarelinha: risca-se a amarelinha no chão, de 1 a 10, fazendo no último número um arco para representar o céu. Pula-se com um pé só, dentro de cada quadrado.

- Pião: um pião de madeira enrolado num barbante. Puxa-se a ponta do barbante e este sai rodopiando. A grande diversão é observar o pião rodando.

- Passar anel: os participantes ficam com as mãos juntas e um deles com um anel escondido. A pessoa que está com o anel vai passando suas mãos dentro das mãos dos outros participantes até escolher um deles e deixar o anel cair em suas mãos, sem que os outros percebam. Depois escolhe uma pessoa e pergunta-se “fulano, com quem está o anel?” e a pessoa escolhida deve acertar.

- Pula corda: duas pessoas batem a corda e outra pula. Durante a execução da brincadeira os batedores vão cantando “um dia um homem bateu na minha porta e disse assim: senhora, senhora põe a mão no chão; senhora, senhora pule de um pé só; senhora, senhora dê uma rodadinha e vá pro meio da rua”. Ao final, o pulador deve sair da corda sem errar.
 
veja algumas fotos de brinquedos e brincadeiras antigas
 
 
 
 
 
 
.
 
 
 
 
 
 
 

CAÇA AOS NÚMEROS


Objetivos: Raciocínio Matemático, Agilidade, Observação, Espírito de Equipe

Faixa Etária Sugerida: A partir de 7 anos

Material: Cartões de 01 à 50 (vários)


Dividir as crianças em equipes e, ao sinal do educador, elas irão procurar os cartões antecipadamente escondidos,

Ganha o grupo que somar mais pontos com cartões encontrados.
 
 
 
 
 
 
 

ARCA DE NOÉ


Objetivos: Agilidade, Atenção, Prontidão

Faixa Etária Sugerida: A partir de 4 anos

Material: Giz


Uma criança ficará num retângulo desenhado no solo (a Arca de Noé); as demais em volta, sentadas, dizendo:

Na Arca de Noé

Todos cabem, todos cabem,

Na Arca de Noé,

Todos cabem e eu também.


Na frase "e eu também", o educador dirá o nome de um animal, por exemplo: "papagaio", e todas as crianças sairão correndo, imitando-o e emitando seu som onomatopético, enquanto Noé, saindo da Arca, tentará pegar uma criança; a que for pega passará a ser o novo Noé e a brincadeira recomeçará.
 
 
 
 
 
 
 

Boliche Maluco


Objetivos: Coordenação Motora Fina, Coorenação Viso-Motora, Percepção tátil e visual.

Faixa Etária Sugerida: A partir de 3 anos

Material: Sucatas, Bolas de borracha ou de tênis.


Os educandos com a ajuda do educador fazem montes de sucatas, recebem uma bola cada um e de um local determinado tentam acertar e derrubar a pilha de sucatas rolando a bola.


 
 
 
 
 
 
 

Argolas


Objetivos: Percepção Visual, Coordenação, Agilidade

Faixa Etária Sugerida: A partir de 6 anos

Material: Argolas


A brincadeira começa com as crianças andando ao redor de argolas de várias cores ao ritmo de uma música. Quando a música parar, as crianças tentam pegar o maior número de argolas. Ganha quem conseguir pegar mais.

Pegar somente uma cor indicada pelo educador, colocar as argolas em um local determinado, fazer a atividade por equipes
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Batata Quente


Objetivos: Agilidade, Percepção auditiva, Ritmo

Faixa Etária Sugerida: A partir de 5 anos

Material: Uma bola de borracha ou de meia


Educandos sentados em círculo. Um deles fica de fora do círculo e de costas para os colegas, dizendo a frase: "Batata quente, quente, quente...queimou!!"

Enquanto isso, os que estão no círculo, passarão a bola de mão em mão, quando ouvirem a palavra QUEIMOU quem estiver com a bola sairá, depois de pagar uma prenda.

 

Passa Anel
Objetivos: Coordenação, Viso-Motora, Interação
Faixa Etária Sugerida: A partir de 8 anos
Material: Anéis e palitos de churrasco
Duas filas, alternando meninas com meninos. Cada jogador com um palito na boca. O educador entrega um anel para o 1º jogador de cada fila e, quando der uma sinal, esse educando procura passar o anel para o próximo da fila sem usar as mãos, unicamente com a boca e com palito.
A equipe que acabar primeiro vence
Comments