SUPER NUTRIENTES‎ > ‎

ASTRAGALUS

Nome botânico: Astragalus membranaceus

Composição química/constituintes
Astragalosídeos, Beta-sitosterol, Cholina, Cobre, d-frutose, Astramembranagenina, Isoastragalosídeos,
Ácido linoléico, Cálcio, Magnésio, Ferro, Sódio, Potássio.

Propriedades medicinais
Incrementa as atividades macrofágica e imunológica. Estimulante, fortificante e imunoestimulante.
(Hoa e outros 1981; Shimizo e outros 1991; Sun e outros 1983; Tomoda e outros 1992)

Indicações
O astragalus também é conhecido por estimular a produção natural de interferon. Devido ao seu grande
potencial terapêutico, é ideal para quaisquer tratamentos onde se necessite estimular e incrementar o
sistema imunológico.

O astragalus é usado em casos de fraqueza geral e fadiga, falta de apetite, transpiração excessiva,
anormalidades sangüíneas e em caso de perda excessiva de sangue.
É também utilizado contra gripes e resfriados, no tratamento de doenças infecciosas respiratórias,
auxiliando no aumento da resistência imunológica e também, é usado na composição de alguns tônicos
no combate à AIDS e ao câncer. Médicos e pesquisadores ocidentais descobriram, ainda que não
conclusivamente, um efeito benéfico que essa erva pode ter sobre o sistema imunológico de pacientes
com câncer já submetidos à quimioterapia e radioterapia.

Demonstrou-se que os polisacarídeos do astragalus, intensificaram os fagocitócitos do sistema
retículo-endotelial. Foi estimulada a atividade do córtex da supra-renal e da glândula pituitária,
restabelecendo a formação de células vermelhas da medula óssea.
 

Sugestão para dosagem
De 500 a 1000 mg/dia ou de acordo com a prescrição médica.

Contra-indicações
Mulheres grávidas devem consultar o médico antes de usá-lo.

Interações
Potencializa os efeitos do Aciclovir (Zue e outros 1995).
Pode ser incompatível com outros agentes imunosupressores.

Sugestão de Fórmula: Astragalus 500mg + Echinacea 400mg + Zinco 15mg - Tomar 1 a
duas cápsulas ao dia

Status internacional
Nos E.U.A é regulamentado como suplemento nutricional; ervas que podem ser consumidas com
segurança quando usadas apropriadamente (McCoffin e outros 1997).

 

Referência

China: Farmacopéia Popular da República da China 1997 (ver TCM Supplement for indications).
Japão: XI Farmacopéia Japonesa 1986 (Wagner e outros 1997). Ingredient in Kampo medicines
(Tsumura 1991). Injectable preparations are regulated under the Pharmaceutical Affairs Law.



 

Astragalus
Tradicionalmente o Astragalus é utilizado como tônico na medicinal herbal chinesa, e, atualmente
atua como um imunomodulador, especialmente sobre as doenças degenerativas e comumente
usado como adjuvante em quimioterapias relacionadas com o tratamento do câncer.
A droga vegetal feita do Astragalus é constituída pelas raízes secas das espécies Astragalus
membranaceus (Fisch.) Bunge e Astragalus mongholicus Bunge.


Astragalus é encontrado na região da China, Coréia, Mongólia e Sibéria.
Nome Científico: Astragalus mongholicus Bunge. Sinonímia: Astragalus membranaceus (Fisch.)
Bunge var. mongholicus (Bunge) Hsiao.

Nome Popular: Astragalus, em português e em inglês; Huang qi, Bei qi, Beg kei e Buck qi, na China;
Ogi, no Japão; Hwanggi, na Coréia.Família Botânica: Leguminosae (Fabaceae).
Parte Utilizada: Raiz.

A espécie Astragalus mongholicus Bunge é caracterizada por ser uma erva perene, medindo cerca
de 60-150 centímetros de altura. As folhas são pinadas, pequenas e elípticas. Apresenta inflorescência
disposta em racemo axilar. O cálice é tubular e mede 5 milímetros de comprimento. A corola é amarelada.
O fruto é uma vagem ovado-oblonga, glabra e reticulada. A semente é reniforme.

A raiz de Astragalus pode ser descrita para ambas as espécies como cilíndrica, onde algumas cascas
superiores são relativamente espessas, medindo de 30 a 90 centímetros de comprimento e 1-3,5
centímetros de diâmetro. Externamente apresenta uma coloração amarelo pálida ou marrom pálida,
com rugas ou estrias irregulares e longitudinais. A textura é dura e tenaz, sendo quebrada com
dificuldade. A fratura é altamente fibrosa e tem aspecto de amido, a casca apresenta-se com cor
branco amarelada, o lenho é de um amarelo pálido, com estrias radiais e fissuras, sendo que
ocasionalmente a parte central de uma velha raiz tem o aspecto de madeira estragada, apresentando
coloração marrom escura. Possui sabor fracamente doce e odor fraco.



Princípios Ativos:
Saponinas Triterpênicas: astragalosídeos I-X e isoastragalosídeos I-IV;
Polissacarídeos: astragalano e astraglucano;
Flavonóides: calicosina, kumatakenina, isoliquiritigenina, isoramnetina, kempferol, ramnocitrina
e quercetina;
Aminoácidos: alanina, arginina, asparagina, ácido aspártico, GABA, ácido glutâmico, prolina e
outros;
Traços de Sais Minerais: cálcio, cromo, cobalto, ferro, magnésio, molibdênio, potássio, rubídio,
selênio, sódio, titênio, vanádio e zinco; Ácidos Nicotínico, Fólico, Linolêico, Linolênico e Palmítico.

Indicações e Ações Farmacológicas: O Astragalus é utilizado como adjuvante no tratamento de gripes e Influenza; como imunomodulador, promovendo o aumento de histamina; no tratamento da diarréia crônica; no tratamento de edemas; tratamento de sangramento anormal uterino e como um agente cardiotônico. É muito usado como complemento nos tratamentos de quimioterapia.

O Astragalus apresenta ação imunoestimulante, anticarcinogênica, antiviral, antioxidante, hepatoprotetora e suave ação hipotensora.
Assim descrevemos os efeitos proporcionados pelo Astragalus:

• Efeito Imunomodulador: “Estudos Clínicos em Humanos”.
Um número considerável de estudos têm sido feitos demonstrando a eficácia do Astragalus no tratamento de gripes e infecções do trato respiratório superior. Um efeito profilático contra a gripe comum foi reportado em um estudo epidemiológico na China envolvendo 1000 voluntários. A administração de Astragalus, dado tanto na forma oral ou como spray nasal, diminui a incidência da doença bem como encurta o duração da doença. Estudos explorando este efeito protetor, encontraram que a administração oral para pacientes durante duas semanas, acentuou a indução na produção de interferons pelos glóbulos brancos periféricos. Os níveis de IgA e IgG nas secreções nasais encontram-se aumentadas após 2 meses de tratamento (Chang e But, 1987).

Na China, o Astragalus é amplamente utilizado no tratamento do câncer, tanto como um tratamento primário quanto como um adjuvante nas terapias convencionais. Com muita freqüência é combinado com outra espécie vegetal estimulante do sistema imune. Um número considerável de estudos clínicos randomizados feitos em pacientes com câncer foram conduzidos usando a combinação de Astragalus e Ligustrum (Ligustrum lucidum) em quantidades não avaliadas.

De acordo com o artigo revisto, pacientes com câncer de mama tratados com uma combinação de Astragalus e Ligustrum como um adjuvante nos tratamentos com irradiação, mostrou uma estatística significativa de diminuição em mortes de 1 em 2 para 1 em 10 (P < 0,05). Os autores citam um estudo adicional de pacientes no estágio II e estágio III de carcinoma cervical, os quais foram tratados com as ervas adjuvantes no tratamento da irradiação, mostrou um fraco, embora não estatisticamente significante aumento da sobrevida. Em outro estudo envolvendo pacientes com câncer de pulmão “non-small-cell”, o efeito da quimioterapia convencional foi comparado ao efeito da quimioterapia em conjunto com a mesma preparação de Astragalus-Ligustrum. Os indivíduos com carcinoma escamoso de pulmão mostraram um significante aumento na sobrevida de 204 para 465 dias, e aqueles com adenocarcinoma mostraram um menor aumento na sobrevida, de 192 para 324 dias (Morazzoni e Bombardelli, 1994).
A atividade imunoestimulante do Astragalus está associada à fração polissacarídica dos extratos das raízes (Chang, H.M. 1987; Tomoda M., 1992; Zhou K.S., 1990).

• Efeito Cardiovascular:
Tem sido reportado nas literaturas efeitos cardiovasculares proporcionados pelo Astragalus. Extratos alcóolicos da droga aumentam a contratilidade e a amplitude de contração de corações isolados de sapo ou de rã (Chang, H.M.; Butt, PPH,1987). Injeção intraperitoneal da droga administrada em cachorros não produz nenhum efeito imediato sobre a freqüência cardíaca, mas em 3-4 horas após a administração a inversão das ondas T e prolongamento do intervalo S-T são notados (Chang, H.M.; Butt, PPH,1987). A administração intravenosa da droga produziu hipotensão em coelhos, cachorros e gatos (Chang, H.M.; Butt, PPH,1987). Além disso, as saponinas isoladas da droga exercem um efeito inotrópico positivo em corações isolados de ratos (Wang Q. L., 1992). As saponinas também diminuem o limiar de repouso de culturas de células do miocárdio de ratos, sugerindo que elas possam exercer um efeito inotrópico direto na modulação da bomba Na+/K+ ATPase (Wang Q. L.,1992).

• Efeito Hepatoprotetor: “Estudos Clínicos em Humanos”
Na China o Astragalus é amplamente utilizado no tratamento da hepatite crônica. De acordo com as literaturas, os elevados níveis séricos da enzima glutamato piruvato trasaminase (SGPT - serum levels of glutamate pyruvate transaminase) retornam ao normal e os sintomas associados com a doença abaixam com 1-2 meses de tratamento com uma inespescífica preparação de Astragalus (Tang e Eisenbrang, 1992). Em outro estudo, a normalização dos níveis séricos da glutamato piruvato transaminase foi observada em 80% dos pacientes com 1-2 meses de tratamento com uma indefinida preparação injetável de Astragalus (Chang, H.M.; Butt, PPH,1987).

• Efeito Antiviral: “Estudos em Animais”
Astragalus (250 mg/kg/dia por 5 dias) em combinação com Acyclovir (50 mg/kg/dia por 5 dias) foi testado contra o vírus da Herpes Simplex do tipo 1 (HSV-1). A mortalidade do HSV-1 em ratos infectados foi reduzida para 46,88% nesta terapia. Quando tratado com Astragalus ou com Acyclovir sozinhos, a redução na mortalidade foi de 34,38 e 21,88%, respectivamente. O tempo de sobrevida foi estendido para 6,16 dias com a terapia combinada, comparando com os 4,39 e 2,37 dias com o Astragalus e Acyclovir, respectivamente (Zuo e outros, 1995).

• Efeito Antioxidante: “Estudos em Animais e In vitro”
O potencial antioxidante dos componentes dos Astragalus tem sido reportado em uma série de estudos. Efeitos como a inibição da produção de radicais livres e inibição da peroxidação lipídica foram registrados (Wang e outros, 1994).


• Efeito Bactericida: Foi reportado efeitos bactericidas de grande espectro contra as bactérias Bacillus anthracis, B. subtilis, Corynebacterium diptheriae, C. pseudodiphteriae, Diplococcus pneumoniae, Shigella shigae, Staphylococcus aureus, S. citreus e S. hemolyticus. Nenhuma informação sobre a preparação usada foi reportada (Chang e But, 1987).

Toxicidade/Contra-indicações: Um extrato crú de Astragalus, preparado por refluxo de 100 g de suas raízes por 6 horas com 1000 ml de água destilada e concentrado para 100 ml por meio de evaporação, foi incluído na alimentação dos ratos numa dosagem equivalente a 75-100g/kg. Neste modelo, a toxicidade não foi reportada (Chang e But, 1987; Wagner e outros, 1997). A DL50 em ratos foi estimada em aproximadamente 40 g/kg via intraperitoneal (Chang e But, 1987).

Não há referências nas literaturas consultadas a respeito das contra-indicações.
Dosagem e Modo de Usar:
• Pó: 9-30 gramas ao dia (Farmacopéia da República Popular da China);
• Decocção: 0,5-1 litro diários (acima de 120 gramas da raiz inteira/litro de água);
• Alimentação: 30 g/3,5 l de sopa (ferver com os outros ingredientes da sopa).
Referências Bibliográficas:
• AHP - American Herbal Pharmacopoeia, Astragalus Root, Agosto de 1999;
• WHO Monographs on Selected Medicinal Plants, volume 1, Geneva, 1999.



 

Benefícios do extrato do Astrágalo

Anemia aplástica
Estudo clínico sobre o efeito da injeção astrágalo e sua ação imuno-regulação no tratamento da anemia aplástica crônica.
Chin Med J Integr. 2007. TCM Hospital de Langfang City, Centro Terapêutico Hemopathic Chinesa de TCM, Hebei, China.

60 (sessenta) doentes com anemia aplástica foram divididos aleatoriamente em dois grupos de igual modo, ambos foram tratados com o estanozolol, três vezes por dia, 2 mg de cada vez através da ingestão oral, mas astagalus foi adicionalmente dado aos pacientes no grupo tratado uma vez por dia, por via endovenosa a pingar. Todos foram tratados por 15 dias como um curso terapêutico e toda a medicação durou mais de 4 meses totalmente, com follow-up adotado. Injecção do astrágalo poderia promover a recuperação da função hematopoiética, que pode ser por meio de melhorar os subconjuntos de linfócitos T e de reduzir a libertação de fatores reguladores negativos, tais como o TNF-alfa e IL-2 para aliviar a inibição em função hematopoiética.

Ação anti-inflamatória
Int J Mol Med. 2013.
Astragalus polissacarídeo induz efeitos anti-inflamatórios dependentes da atividade da AMPK em células tratadas com palmitato RAW264.7. Escola Básica de Ciências Médicas da Universidade de Wuhan, Wuhan, China.

De açúcar no sangue
Efeito hipoglicemiante de polissacarídeo enriquecido extrato de membranaceus Astragalus na dieta de insulina induzidos camundongos C57BL/6J resistentes e seu mecanismo potencial.
Phytomedicine. 2009. Departamento de Fisiopatologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Wuhan, Hubei Provincial Laboratório de Alergia e Doenças relacionadas ao sistema imunológico, Wuhan, na China.
Astragalus polissacarídeo exerce atividades de sensibilização à insulina e hipoglicemiante em ratos diabéticos tipo 2. O presente estudo foi desenhado para confirmar o efeito hipoglicemiante de polissacárido do astrágalo e para investigar a sua possível mecanismo subjacente à melhoria da resistência à insulina in vivo e in vitro. Encontramos polissacarídeo Astragalus poderia aliviar a resistência à insulina induzida por glicose alta. A hiperglicemia, hypolipemia e status hiperinsulinemia foram controlados com a terapia polissacarídeo Astragalus. Ação da insulina no fígado de ratos resistentes à insulina foi restaurada de forma significativa com a administração de polissacárido do astrágalo. O efeito e a hipolipidemia efeitos anti-obesidade de polissacarídeo Astragalus foram, provavelmente, em parte devido à diminuição da resistência à leptina em camundongos, o que positivamente par com a normalização dos níveis de insulina no plasma.

As células do cérebro
Chin Med J.
Efeito protetor do extrato de astrágalo contra intermitente induzida por hipóxia neurônios do hipocampo impairment em ratos.
Faculdade de Ciências Farmacêuticas e Tecnologia, Tianjin University, Tianjin 300072, China, Tianjin Instituto de Geriatria, Tianjin University Medical Hospital Geral, Tianjin, China.

Câncer e uso de drogas quimioterápicas
Membranaceus astrágalo tem sido utilizada para aliviar os efeitos colaterais de medicamentos anti-neoplásicos.

Fadiga
Membranaceus do astrágalo flavonóides (AMF) melhorar a síndrome da fadiga crônica

J Ethnopharmacol. 2009, Instituto Nacional de Pesquisa da Medicina Chinesa, Taipei, Taiwan, ROC.
A alteração da função imunológica pode ser associada com a síndrome da fadiga crônica (CFS) e este estudo revela o efeito imunorregulador de astrágalo membranaceus flavonóides. Os ratos foram induzidos pela restrição a ingestão de alimentos mais natação forçada, durante 6 semanas. Um baço atrofiado associado a um baço / body relação peso diminuiu significativamente e uma reduzida proliferação de células do baço foi encontrado nesses ratos, quando comparados com os controles gaiola. Astragalus membranaceus flavonóides dadas oralmente durante 20, 50 e 100mg/kg de peso corporal, uma vez por dia durante 6 semanas consecutivas recuperado a proliferação celular reduzida. Um interruptor de regulação imune do tipo Th1, dominado foi observada nestes ratos como os esplenócitos cultivados produziu mais a interleucina-2 (IL-2), mas menos de IL-4 quando comparada com os controles. A suplementação com membranaceus do astrágalo flavonóides combatido a produção de citocinas aberrante e ratos que receberam Astragalus flavonóides membranaceus exibiram capacidade de resistência maior a nadar quando comparados com aqueles sem a erva. As alterações da função imunológica pode ser associado com SFC e os efeitos tónicos de flavonóides membranaceus Astragalus contra FC pode ser atribuível a equilibrar o nível anormal de citocinas por isoflavonas.

A insuficiência cardíaca
Astrágalo tem um efeito protetor sobre o tecido cardíaco e pode ser útil na insuficiência cardíaca congestiva.

Estudo sobre o efeito da injecção do astrágalo no tratamento da insuficiência cardíaca congestiva.
Zhou ZL, Hospital Yu P. Terceiro do Povo, Hangzhou.
Para observar a eficácia clínica e efeitos colaterais da injeção astrágalo no tratamento da insuficiência cardíaca congestiva (ICC). Oitenta e três pacientes com ICC com função cardíaca de grau II-IV avaliada pela classificação da New York Heart Association foram divididos aleatoriamente em dois grupos. Os 42 pacientes do grupo tratado foram tratados com o astrágalo 40 ml (equivalente a 80 g de droga bruta), adicionando uma solução de glucose em 500 ml de 5% para administração intravenosa gotejando, uma vez por dia e os 41 pacientes do grupo de controlo foram tratados por injecção Nitrolingual . O curso terapêutico em ambos os grupos foi de 2 semanas e os pacientes foram acompanhados por 1-6 meses. A taxa de melhoria da função cardíaca e clínica da taxa efectiva total no grupo tratado astrágalo um mês após o tratamento foram de 26% e 78%, e depois de 6 meses, foram de 34% e 81%, respectivamente, os quais foram superiores aos do grupo de controlo de forma significativa. Os níveis de fração de ejeção ventricular esquerda, fração de encurtamento do ventrículo esquerdo eixo curto, volume sistólico, débito cardíaco e do índice cardíaco foram todos melhorou em ambos os grupos, mas é melhor a melhora foi mostrado no grupo astrágalo. Seguimento estudo mostraram que a incidência de eventos cardíacos foi menor no grupo do astrágalo do que no grupo de controlo. Astrágalo pode ser visto como um dos auxiliares de drogas importantes para o tratamento de CHF, especialmente em casos graves.

Sistema imunitário
Astrágalo melhora certas partes do sistema imunitário, e pode ter alguma atividade anti-HIV. Não está claro se o astrágalo teria atividade anti-HIV quando ingerida como um suplemento.

Doença renal
Astrágalo pode ser útil na nefropatia diabética. Esta erva também pode agir como um diurético.

Efeitos protetores do astrágalo saponina I na fase inicial da nefropatia diabética em ratos.
J Pharmacol Sci. 2004.
A nefropatia diabética (ND) tornou-se a principal causa de falha fase final, mas nenhum tratamento renoprotetor tem sido muito disponível para uso no DN. Astrágalo saponina I, extraiu-se a partir de um componente do astrágalo Membranaceus, foi estudado em DN experimentais induzidas pela administração de estreptozotocina em ratos do sexo masculino. Os ratos DN iniciais foram tratados com 3 doses de astrágalo durante 8 semanas para analisar a sua eficácia com parâmetros diferentes. Em comparação com os ratos tratados com o veículo DN, a hipertrofia renal, a intensidade do estresse oxidativo e do nível de glicose no sangue de ratos DN foram amenizados por astrágalo. Além disso, o nível de microalbuminúria, avançou produtos finais glicosilada ou no soro ou no córtex renal e a actividade da aldose-redutase foram significativamente reduzidos. Os resultados sugerem que o astrágalo tem efeitos terapêuticos sobre vários alvos farmacológicos no progresso da DN e é uma droga potencial para a prevenção do DN fase inicial.

Extrato aquoso de Astragali Radix induz natriurese humano através da melhoria da resposta renal ao peptídeo natriurético atrial.
J Ethnopharmacol. 2008.
O efeito diurético de raiz de astragálos em humanos foi descrito em livros antigos, mas o mecanismo não tenha sido identificado. Para avaliar seu efeito diurético / efeito natriurético, realizamos um estudo duplo-cego, randomizado, cruzado, em 12 homens saudáveis. Eles foram randomizados para receber placebo ou uma dose única oral de 0.3g/kg peso corporal do extrato aquoso de raiz de astrágalo. Comparado com placebo, o tratamento da raiz do astrágalo marcadamente aumento da excreção urinária de sódio, excreção fracional de sódio e excreção urinária de cloreto durante o primeiro 4h. Sem alterações significativas destes parâmetros foram observados durante 12h ou 24h. Mostramos aqui que a raiz de astrágalo induz uma natriurese marcado em homens saudáveis, o que é atribuído às respostas renais aprimorado para endógena peptídeo natriurético tipo A-. O Astragaloside IV na raiz astrágalo não é o componente ativo para natriurese.

Pele e melanina
Os efeitos inibitórios do calycosin isolado a partir da raiz do astrágalo Membranaceus sobre a biossíntese de melanina.
Biol Pharm Touro. 2009; Instituto Coreano de Pesquisa de Biociências e Biotecnologia, Daejeon, Coréia.
A tirosinase é uma enzima chave para a biossíntese de melanina, hiperpigmentação e perturbações estão associadas com a acumulação anormal de pigmentos de melanina, o que pode ser reduzido por tratamento com agentes de despigmentação. Um extrato metanol de Astragalus membranaceus mostrou atividade inibitória contra tirosinase de cogumelo. O composto activo foi purificado a partir do extracto de metanol de astrágalo Membranaceus e, depois de vários métodos cromatográficos, foi identificado como calycosin. Os resultados mostraram que calycosin exibiram actividade inibidora da tirosinase. Calycosin mostraram uma zona de inibição da biossíntese de melanina em uma placa de Streptomyces bikiniensis, que é vulgarmente usado como um organismo indicador de cultura. Além disso, calycosin reduziu drasticamente a síntese de melanina A-Melan células sem qualquer toxicidade aparente e redução da expressão de enzima melanogénica, tirosinase. Estes resultados sugerem que calycosin pode ser um agente de clareamento da pele eficaz, que regula a expressão de enzimas melanogênicos.

Efeitos colaterais suplemento Astragalus raiz e segurança
Nenhum efeito colateral importante foram relatados em seres humanos a partir de 2013.



 

Pesquisa revela que certas formas de Astragalus contêm moléculas que reverter o envelhecimento

O Prêmio Nobel 2009 em Fisiologia da Medicina foi atribuído conjuntamente a Elizabeth H. Blackburn, Carol W. Greider e Jack W. Szostak por suas descobertas na divisão celular e em como os cromossomos podem ser copiados sem degradação. A chave foi encontrada na manutenção
de telômeros saudáveis, as extremidades de proteção dos cromossomos, ao reacender o crescimento da telomerase, a enzima que as constitui.
Certas moléculas de astrágalo foram encontrados para contribuir para o crescimento dos telômeros, revertendo o processo de envelhecimento.

Quando as células se dividem para reparar, renovar e manter o corpo, as moléculas de DNA que contêm o código genético do corpo são copiados, a fim de reproduzir uma nova célula, idênticos. Os telômeros nas extremidades dos cromossomas funcionam como capas protetoras para proteger sequências delicadas das células da degradação à medida que são copiados. As enzimas da telomerase continuar a formar novos telómeros,
a fim de facilitar este processo constante de rejuvenescimento, mantendo esses fins protetores.


Como esse processo não funcionar da melhor maneira, o corpo envelhece com o tempo. Geneticist Leonard Hayflick descobriu em 1965 que a maioria das células se dividem apenas um certo número de vezes antes de morrerem, que ilustra a existência de um relógio biológico que
limita o tipo de divisão celular e instiga a desaceleração gradual da replicação celular.


A revista Nature publicou um artigo em 1990, que explicou ainda o processo através de uma compreensão do telômero celular. Embora agindo
para proteger as extremidades dos filamentos de DNA, dos telômeros encurtam-se ligeiramente cada vez que uma célula se divide.
Cedo na
vida de uma pessoa, as enzimas da telomerase trabalham para repor os telômeros decrescentes, mas mais tarde na vida das enzimas da telomerase deixará de ser produzido dentro dos genes e os telômeros diminuir gradualmente, levando eventualmente à morte.


Graças a tortuosa investigação em telômeros, médicos e cientistas interessados ​​em terapias anti-envelhecimento tem sido capaz de fazer incursões significativas na descoberta de terapias viáveis ​​para saltar-iniciar o gene que produz enzimas da telomerase.

O astrágalo raiz contém cycloastragenols e astragalosides, duas poderosas moléculas que têm sido implicados na ativação de produção da enzima telomerase. A investigação sugere que grandes doses de estas moléculas têm o potencial para evitar não só a depleção dos telômeros, mas, na verdade, para reconstruir o telômero que já tenha sido perdido.

Enquanto uma forma patenteada de extrato altamente concentrado chamado "TA-65" está disponível através de um regime de propriedade,
outros extratos e fórmulas de derivativos estão chegando ao mercado de suplementos que contêm níveis potentes destas moléculas isoladas também.
Certas variedades específicas de raiz de astragálos naturalmente contêm altos níveis destas moléculas potentes e os extratos
podem ser comprados em pó a granel ou em cápsulas.


Altas doses do extrato de astrágalo que é rica em astragalosides dizem ter o mesmo efeito que o TA-65 no rejuvenescimento crescimento dos telômeros e aumentando a quantidade de pares de bases dos telômeros. Em outras palavras, o extrato é capaz de voltar o relógio idade. Jim Green, um cientista de Wichita, tem experimentado com várias formas de astrágalo astragaloside ricos e tem visto resultados surpreendentes anti-envelhecimento que ele documentou em seu site.

Aprofundamento da investigação sobre este assunto incrível é certo para revelar mais com o tempo. Entretanto, certas medidas podem ser tomadas para reverter os efeitos do envelhecimento.
Um passo sugerido por Al Sears, MD é fazer é certificar-se que os níveis de homocisteína não estão muito altos.
Altos níveis de homocisteína aumentam o risco de desenvolver a doença de Alzheimer, de Parkinson, impotência, e doença cardíaca. Ele sugere que a suplementação com vitaminas do complexo B (temos no Brasil o suplemento Shot-B), a fim de manter os níveis de homocisteína em cheque, bem como Trimetilglicina (em inglês - trimethylglycine - TMG).
Astragaloside do astrágalo também é um candidato digno, barato e comprovadamente eficaz para reverter os efeitos do envelhecimento.

TMG (Trimetilglicina)
Importante co-fator na metilação , um processo que ocorre em todas as células de mamíferos para sintetizar e doar grupos metilo (CH3) para outros processos no corpo. Estes processos incluem a síntese de neurotransmissores , tais como dopamina , serotonina . A metilação é também necessário para a biossíntese de melatonina e o transporte de elétrons da cadeia constituinte de coenzima Q10 .

O passo importante no ciclo de metilação é remetilação de homocisteína, que pode ocorrer através de qualquer uma de duas vias. A principal via envolve a enzima metionina sintase , que requer a vitamina B 12, tal como um co-factor, e depende também indiretamente sobre folato e várias outras vitaminas B. O caminho secundário envolve betaína-homocisteína metiltransferase e requer TMG como cofator. A betaína é, portanto, envolvido na síntese de muitas moléculas biologicamente importantes, e podem ser ainda mais importante em situações em que a principal via para a regeneração da metionina a partir da homocisteína tem sido comprometida por polimorfismos genéticos.




Comments