Conhecimento e ética em Epicuro

Proposta: Esboçar uma compreensão sobre duas temáticas contundentes no pensamento de Epicuro: o conhecimento e a ética, evidenciando os conceitos de aísthesis, afecções, prolépsis e physiología.. Epicuro desenvolve uma teoria do conhecimento que prisma como princípio do conhecimento a sensação. É por intermédio das sensações (aísthesis) que validamos o que conhecemos. Epicuro admite que é por meio das sensações que elegemos ou rejeitamos as coisas. Para ele, as sensações têm um papel singular no processo cognitivo. Outro ponto contundente no pensamento de Epicuro é a ética. O sentido de viver feliz é o ponto central da ética no contexto helenístico. Epicuro apresenta um modo de viver que possibilita ao indivíduo realizar seu télos: a felicidade. Para que esta seja alcançada, ele apresenta uma ética baseada numa physiología, isto é, viver de acordo com a natureza (phýsis); podendo o homem aprender a viver no equilíbrio, a ter o domínio sobre si mesmo (autárkeia). A partir da phýsis as opiniões são constituídas, proporcionando ao homem agir em conformidade com a natureza. Ademais, o modelo gnosiológico epicúreo tem como ponto central um saber aplicável aos acontecimentos da vida prática, possibilitando ao physiologós uma investigação contínua e permanente da phýsis. O sentido de viver feliz é o ponto central da ética no contexto helenístico. Epicuro apresenta um modo de viver que possibilita ao indivíduo realizar seu télos: a felicidade. Além disso, será apresentada uma reflexão sobre identidade e diferenças no agir humano, tendo como contexto o “Jardim” de Epicuro.

 

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

 

17/11/09: Contexto histórico e conhecimento em Epicuro

 

18/11/09: A ética epicurista: baseada numa physiología, isto é, viver de acordo com a natureza.

 

19/11/09: o “Jardim de Epicuro” como contexto para uma reflexão sobre identidade e diferenças no agir humano.

.

                     

BIBLIOGRAFIA

 

BRUN, Jean. Épicure et épicuriens. Paris: Presses Universitaires de France, 1961.

 

CHÂTELET, François. A filosofia pagã. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1973.

 

COLLI, Giorgio. O Nascimento da Filosofia. Tradução de Federico Carotti. 3. ed. São Paulo:

UNICAMP, 1966.

 

CORNFORD, F. M. Principium Sapientiae. As origens do pensamento filosófico grego. 2. ed.

Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1981.

 

DUVERNOY, J.-F. epicurismo e sua tradição antiga. Tradução de Lucy Guimarães. Rio de Jandiro:Jorge Zahar, 1993.

 

EPICURO. Antologia de textos. In: Epicuro, Lucrécio, Sêneca e Marco Aurélio. São Paulo:

Abril, 1980. (Os Pensadores).

______. Carta sobre a felicidade [A Meneceu]. Tradução e apresentação de Álvaro Lorencini

e Enzo Del Carratore. 3. ed. São Paulo: Unesp, 2002.

 

FARRINGTON, B. A doutrina de Epicuro. Rio de Janeiro: Zahar, 1968.

 

LAÉRCIOS, D. Vidas e doutrinas dos filósofos ilustres. Tradução de Mário da Gama Kury. 2.

ed. Brasília: Universidade de Brasília, 1998.

 

LUCRÉCIO. Da Natureza. In: Epicuro, Lucrécio, Sêneca e Marco Aurélio. São Paulo: Abril,

1980. Título original: De Rerum Natura. (Os Pensadores)

 

SILVA, Markus Figueira da. Epicuro: sabedoria e jardim. Rio de Janeiro: Relume Dumará,

UFRN, 2003.

______. A compreensão de phýsis no pensamento de Epicuro. In: ìtaca, Cadernos de Pós-

Graduação, Rio de Janeiro, 1995, p. 105-117.

Comments