Daniel Webster Whittle

(1840-1901)


< voltar  

 

Biografia

 

Autor do hino 001, 046 e mais de 200 outros hinos.

Nascido em: 22 de Novembro de 1840, Chicopee Falls, Massachusetts.
Morreu em: 4 de Março de 1901, Northfield, Massachusetts.
Enterrado em: Northfield, Massachusetts.

Pseudônimos: El Nathan, Elias Nathan, W. W. D.

Na sua vida civil Daniel Webster Whittle era conhecido como Daniel Webster. Entretanto, em razão da sua atuação na Guerra Civil Americana, onde ocupou o posto de Major no Exército, passou a ser chamado de: Major Whittle.

Quando começou a Guerra Civil Americana, D. W. Whittle saiu de New England, onde residia e foi para o estado americano da Virginia, onde assumiu o posto de Tenente numa Companhia do Regimento de Massachussets.

Sua mãe era uma crente fervorosa e ao preparar sua mochila, colocou também um Novo Testamento. Ao se despedirem ela chorou muito e fez uma oração. Durante as batalhas Whittle viu muitas cenas tristes, participou de vários combates e num deles foi atingido. Na noite daquele mesmo dia teve seu braço direito amputado acima do cotovelo. A medida que se recuperava, sentiu vontade de ler alguma coisa. Procurando na sua mochila, encontrou o Novo Testamento que sua mãe havia colocado. Leu todos os livros, na seqüência: Mateus, Marcos, Lucas, até o Apocalipse. Cada assunto era muito interessante para ele. E para sua surpresa, percebeu que conseguia entender de uma maneira como nunca havia acontecido antes. Ao terminar de ler o livro de Apocalipse, começava a ler tudo de novo. E assim foi durante vários dias, lendo, relendo e aumentado o seu interesse, mesmo não sentindo vontade de se tornar cristão, mesmo estando convicto de que única maneira de se tornar salvo seria através de Jesus Cristo.

Apesar da sua convicção, não havia dentro de si, qualquer plano ou propósito de aceitar a Jesus como seu Salvador. Certa noite foi acordado pelo enfermeiro, que disse: “Tem um rapaz lá no fundo da enfermaria, um dos seus soldados, que está a beira da morte. Ele insistiu comigo nas últimas horas, para que eu ore por ele ou traga alguém para orar. Eu não agüento mais. Sou um pecador e não posso fazer isso. Então decidi procurar o senhor”. Então o Major Whittle respondeu que ele também não poderia orar, porque nunca tinha orado na sua vida.

Disse também que ele era tão pecador quanto o enfermeiro. “Não posso orar”, respondeu. O enfermeiro insistiu: “Como não! Eu tinha certeza que o senhor era uma pessoa de oração. Eu sempre vi o senhor lendo o Novo Testamento! Além do mais, o senhor é única pessoa nesta enfermaria que eu nunca vi amaldiçoar. E agora, o que eu devo fazer? Não existe mais ninguém a quem recorrer! Eu não posso voltar pra lá sozinho. De qualquer forma, o senhor não pode se levantar e vir comigo?”

Movido pelo apelo que lhe foi feito, o Major Whittle concordou, levantou-se da sua maca e foi com ele até o fundo da enfermaria. Lá estava um garoto de 17 anos de idade, morrendo!

No seu rosto, havia uma expressão de extrema angústia, desespero, aflição. Fitou os olhos do Major e disse: “Por favor, ore por mim! Estou morrendo. Eu fui um bom garoto. Meus pais são membros da igreja. Eu ia sempre à Escola Dominical e tentei ser um bom rapaz". "Mas depois que me tornei um soldado, aprendi a fazer coisas erradas e me tornei um pecador.

Bebi, jurei, joguei e andei em más companhias. Agora, estou morrendo e não estou preparado pra morrer. Por favor, peça para que Deus me perdoe! Ore por mim. Peça para Jesus me salvar”.

Ouvindo as súplicas daquele garoto, que tanto quanto ele havia sido ferido em batalha, o Major Whittle ouviu nitidamente dentro de sua alma Deus falando através do Seu Espírito Santo: “Você sabe o caminho da Salvação. Ajoelhe-se agora mesmo e aceite a Jesus, e ore por este rapaz”. O Major Whittle caiu de joelhos e segurou a mão do rapaz. Tropeçando nas palavras, confessou seus pecados e pediu a Deus para perdoá-lo. Ali mesmo acreditou que foi perdoado e que já era filho de Deus! Em seguida, orou fervorosamente a Deus pedindo pelo rapaz. O rapaz ficou em silêncio com sua mão agarrada à mão do Major Whittle, enquanto ele ainda rogava ao Pai. Quando o Major Whittle levantou-se o rapaz já estava morto! O seu rosto mostrava um semblante tranqüilo. Naquele exato momento o Major pensou: ”o mesmo Deus que usou aquele jovem para me conduzir à salvação, usou-me para atrair a atenção daquele rapaz para que através do sangue precioso de Cristo ele fosse salvo. Espero encontrá-lo no céu”.

Bem mais tarde ele afirmaria: “Muitos anos já se passaram desde que isso ocorreu no Hospital Richmond. E eu ainda continuo confiando e confessando o nome do Senhor Jesus Cristo e pretendo, pela graça de Deus, continuar assim, até o dia que ele me conduza ao lar celestial”.

Extraído dos registros feitos por Pickering: Twice-born men (Homens que nasceram duas vezes).

Depois da Guerra, o Major Whittle pertenceu ao Elgin Watch Company, de Chicago, Illinois. Em menos de 10 anos iniciou seu ministério evangelístico. Durante este período trabalhou com os músicos Phillip P. Bliss e James McGranahan.

Sua filha, May Moody também compôs algumas músicas para as letras de sua autoria.

Certa ocasião, falando sobre a sua decisão em dedicar sua vida inteiramente ao evangelho, ele disse: . . . "eu costumava ir aos lugares mais calmos e silenciosos e na tranqüilidade desses lugares entregava minha vida ao meu Pai Celestial para que fosse usado da maneira que Ele quisesse."