LIBRAS-Apresentação

LIBRAS
A intenção dessa página é compartilhar materiais já postados na internet sobre curso de LIBRAS com a finalidade
de auxiliar estudantes e professores no domínio dessa língua. Bons estudos !

O que é LIBRAS?
LIBRAS é língua brasileira de sinais. É uma língua verdadeira e completa, independente das línguas orais, com itens lexicais, morfológicos, sintáticos e semânticos.
Os surdos têm como primeira língua a língua de sinais, ou seja, sua língua natural. É Língua natural pois foi constatado, através de grandes estudos e pesquisas, que a língua de sinais é organizada no cérebro da mesma forma que a língua oral.
Quando o surdo é exposto à língua de sinais, a aprende da mesma maneira que a criança ouvinte adquire a língua oral, não através de um estudo sistematizado e sim naturalmente, derivando da necessidade de comunicação.

Aspectos Estruturais
A LIBRAS tem sua estrutura gramatical organizada a partir de alguns parâmetros que estruturam sua formação nos diferentes níveis lingüísticos. Três são seus parâmetros principais ou maiores: a Configuração da(s) mão(s) – (CM), o Movimento – (M) e o Ponto de Articulação – (PA); e outros três constituem seus parâmetros menores: Região de Contato, Orientação da(s) mão(s) e Disposição da(s) mão(s). (FERREIRA BRITO, 1990).

 
Figura extraída do site http://www.rebecanemer.com.br/

  1. configuração da mão (CM)

  2. Ponto de articulação (PA)

  3. Movimento (M)


  1. Configuração da mão (CM): é a forma que a mão assume durante a realização de um sinal. Pelas pesquisas lingüísticas, foi comprovado que na LIBRAS existem 43 configurações de mãos, sendo que o alfabeto manual utiliza apenas 26 destas para representar as letras.

  2. Ponto de Articulação (PA): é o lugar do corpo onde será realizado o sinal.

  3. Movimento (M): é o deslocamento da mão no espaço durante a realização do sinal.

  4. Alfabeto Manual: é a soletração de letras com as mãos. É muito aconselhável soletrar devagar, formando as palavras com nitidez. Entre as palavras soletradas, é melhor fazer uma pausa curta ou mover a mão direita para o lado esquerdo, como se estivesse empurrando a palavra já soletrada para o lado. Normalmente o alfabeto manual é utilizado para soletrar os nomes de pessoas, de lugares, de rótulos, etc.

  5. Variações linguísticas na LIBRAS
  6. Dialeto regional: Assim como o português sofre variações de região para região, a libras também possui variações de sinais de uma região para outra, no mesmo país. Como exemplo podemos citar o sinal verde, que é diferente no Rio de Janeiro, São Paulo e Curitiba.

  7. Mudanças históricas: com o passar do tempo, um sinal pode sofrer alterações decorrentes dos costumes da geração que utiliza. Como exemplo citamos o sinal branco que já sofreu algumas alterações com o decorrer dos anos.

    Iconocidade e Arbitrariedade
    A modalidade gestual-visual-espacial pela qual a LIBRAS é produzida e percebida pelos surdos leva, muitas vezes, as pessoas a pensarem que todos os sinais são o desenho no ar do referente que representam. É claro que, por decorrência de sua natureza lingüística, a realização de um sinal pode ser motivada pelas características do dado da realidade a que se refere, mas isso não é uma regra. A grande maioria dos sinais da LIBRAS é arbitrária, não mantendo relação de semelhança alguma com seu referente.

    Vejamos alguns exemplos entre os sinais icônicos e arbitrários:

    Sinais Icônicos
    Uma foto é icônica porque reproduz a imagem do referente, isto é, a pessoa ou coisa fotografada. Assim também são alguns sinais da LIBRAS, gesto que fazem alusão à imagem do seu à imagem do seu significado. Como por exemplo o sinal do telefone, borboleta, casa etc.

    Sinais Arbitrários
    São aqueles que não mantêm nenhuma semelhança com o dado da realidade que representam.


Para complementar o que aprendemos aqui, clique nos links abaixo :