Notícias‎ > ‎

Uma pessoa medrosa, que se sente inferior em todos os aspectos e acha que não vai conseguir se sobressair e ser feliz por completa, é melancólica, mal resolvida no lado amoroso. Que medidas deve tomar para sair dessa situação?

postado em 30 de mai de 2011 19:14 por Marco Stradolini   [ 30 de mai de 2011 19:22 atualizado‎(s)‎ ]

Por Taruska Keila,

Inicialmente proponho uma reflexão sobre "essa pessoa" que deve estar se sentindo num beco sem saída.Imaginemos que "essa pessoa" está vivendo assim como nós, numa "sociedade líquido-moderna". Mas o que isto quer dizer? O sociológo polonês Zymunt Bauman desenvolve o conceito para a sociedade contemporânea no qual a velocidade, e não a duração, é o que importa. Seus membros ficam então submetidos às condições de uma transformação num tempo mais curto que o necessário, impedindo assim a consolidação das formas de agir, hábitos e rotinas que não se mantêm no mesmo curso durante muito tempo. É como se consumíssemos sempre frutas verdes, e nunca chegássemos a saborear as frutas maduras que são mais suculentas e agradáveis ao paladar.

Esta forma de vida "líquido moderna" causa um prejuízo enorme para as realizações individuais que não conseguem se solidificar porque num piscar de olhos, às vezes, as capacidades tornam-se incapacidades. É como se a cada dia as pessoas tivessem que se despir de suas vivências e atributos para não correr o risco de perder a data de validade. A ordem é, modernizar-se a cada raiar do sol. Por estas e por outras razões, aprender com as "experiências" e conseqüentemente com os "outros" que nos cercam, tornou-se obsoleto e pouco recomendável. Mas isto é sem dúvida um pontinho de luz para as angústias que nos acarretam uma enorme dor.

Voltando agora à "pessoa" que você fala: medrosa, que se sente inferior em todos os aspectos e que acha que não vai conseguir se sobressair. Em primeiro lugar seria se dar conta de que essa sociedade amedronta sim! Rever suas capacidades que em muito podem ser uma surpresa, solidificar sua identidade e é isto que faz a diferença, sobressair-se seria um efeito posterior. "Sentir-se inferior" nesta sociedade é o mais comum. Os modelos idealizados de feminilidade e de masculinidade são inatingíveis, ao menos na Grécia antiga seus deuses e deusas se misturavam com os mortais. Hoje em dia nossos ídolos são efêmeros e ficam cada vez mais longe da realidade.

"Ser feliz por completo", sinto dizerlhe que isto não existe, mas isto é muito positivo nos seres humanos, portanto, nós, seres de linguagem, precisamos de coisas que nos "faltem". É só a partir daí que nossos desejos nascem. "Melancólica". Atenção, precisa-se tomar cuidado, isto pode lhe paralisar, deixando-a numa atitude contemplativa do outro, como: "eu nunca vou conseguir ser como aquele (a)" esquecendo-se de colocar o holofote em si. As pessoas são como diamantes brutos, só adquirem brilho e valor depois de passarem por processo de lapidação. "Não é bem resolvida no lado amoroso." Bem, que atire a primeira pedra quem se sente resolvido amorosamente ou quem já pensou que nunca iria achar um companheiro. Acredito que ninguém vai correr este risco.

Na realidade, relacionamentos são muito mais dor de cabeça do que remédio, mas com certeza todos querem essa dor com maior ou menor intensidade. Em todo o amor, seja qual for, há pelo menos dois seres, cada um sendo uma incógnita para o Outro. Muitas vezes, o grande perigo é que as pessoas vêem os relacionamentos como garantia de segurança, de solução dos problemas e esquecem que o amor é como uma hipoteca baseada num futuro incerto e inescrutável. "Que medidas tomar para sair dessa situação?" Espero que algumas idéias explicadas aqui possam ter ajudado "essa pessoa" a refletir o quanto a sociedade que vivemos é provocadora de angústias. Se elas já estão instauradas não temos como fugir. Portanto, que se tornem instrumento de lapidação deste ser único que é "você". Esta caminhada sozinha por vezes é muito triste e sofrida e a ajuda de um terapeuta que ainda esteja pautado nas "experiências" em muito pode aliviar. Boa Sorte!

FONTE: Psique Vida e Saúde

Comments