Trindade - Resposta a Rodrigo Silva


Nosso desejo quais cristãos sempre deve ser prezar pelas verdades proferidas por Deus mediante seus servos; verdades estas que estão assentadas por Escrito nas Sagradas Escrituras. Não é função do apologista se deter em denegrir ou perseguir quaisquer pessoas que tenham uma visão própria e particular das Escrituras, até porque nossa guerra como disse Paulo em sua carta a Éfeso, no que veio a ser o capítulo 6 e verso 12, menciona que não temos como oponentes na guerra espiritual, a carne; ou seja, homens. De modo que nenhum argumento ou declaração deste artigo visa ofender ou menosprezar a qualquer pessoa, visto que respeitamos a toda sorte de pessoas independente de suas crenças, sejam elas cristãs ou não.



Neste artigo vamos tratar de dar uma resposta bíblica ao Senhor Rodrigo Silva, teólogo e arqueólogo Adventistas, o qual, no IASP, fala a uma assistência no objetivo de defender sua crença na doutrina da trindade, tentando através de seus argumentos, os quais vamos analisar, mostrar que os que creem no monoteísmo judaico cristão, estão equivocados e em erro.

Bem, convidamos você a acompanhar com as Escrituras em mãos.

Vamos as respostas ao primeiro vídeo.
Aconselhamos a escutar cada vídeo e posteriormente, ler a refutação do mesmo abaixo.




Nota importante

Desejo antes de iniciar a resposta ao Senhor Rodrigo Silva, mencionar que eu o admiro, elogio e reconheço que este homem de fato é uma pessoa que demonstra ter fé viva em Deus e realmente busca ajudar as pessoas a aprender mais sobre Deus. Assisti muitos de seus vídeos e os apreciei muito, no entanto, na questão trindade principalmente, eu discordo de sua visão e junto comigo, muitos cristãos. Por isso, neste artigo eu coloco uma visão alternativa e divergente da sua na questão sobre a doutrina sobre a Pessoa de Deus.
Assim, se este artigo vir a ser analisado pelo doutor Rodrigo Silva, quero que ele saiba que não é o objetivo do artigo atacar sua pessoa e sua posição qual cristão,e sim discutir as ideias.

Tendo isso em mente, prossigamos.



Observação breve.

Queremos desde já esclarecer que não nos deteremos em todos os detalhes não importantes mencionados pelo Senhor Rodrigo Silva, mas apenas no que diz respeito aos questionamentos sobre o verdadeiro monoteísmo.

Sem me ater a crise que parece existir entre Rodrigo Silva e Robson Ramos, vou direto as respostas que acredito serem necessários por se tratar de uma ataque a crença no monoteísmo.


Iniciando

Conforme o Senhor Rodrigo menciona, de fato os trinitários não admitem que a trindade seja composta de três deuses, pois sempre que questionados, falam que são três pessoas que são um só Deus. Mas não é preciso ser muito esperto para compreender que nesta resposta evasiva, estão ou despersonalizando o termo Deus, sugerindo uma ideia de que "Deus" é mais um termo técnico significando "associação de seres" do que uma personalidade inteligente e pessoal.  Se aceitarmos que "Deus", é um título aplicado a personalidades, então fica evidente que se três personalidades associadas recebem igualmente o título de ser "Deus", logicamente que existem três que o são, de modo que declarar que não creem na existência de três, cada pessoa sendo sendo Deus e pessoalmente distintos uns dos outros é cair na contradição e irracionalidade.

O concílio de Niceia não foi a origem da trindade, pois assim como um bebê em formação, só nasce depois de estar plenamente desenvolvido na barriga de sua mãe, assim a doutrina falsa da Trindade estava de fato em processo de formação, sendo que a fecundação já havia ocorrido um pouco antes de Niceia  sendo que alguns professos cristãos então desviados da verdade, que Paulo já havia alertado como fato a ser esperado, passaram a ficar "grávidos" e como mães prostitutas, estavam gestando sua filha, a doutrina da Trindade, entre outras coisas repugnantes.
Assim, de fato não foi em Niceia que ela veio a luz, mas deu-se apenas uma espécie de ecografia da anomalia gerada pelos apóstatas que desviavam-se da trindade, de modo que embora não nascida, revelou a gestação da heresia já em existência.

Que Constantino de fato pouco sabia da questão envolvendo a natureza de Deus sabemos, mas como o próprio Rodrigo Silva admite, segundo ele foi Constantino que "começou a mudar" e oficializou a guarda do Domingo, mesmo não tendo sido o próprio quem "mudou" mas "oficializou". Rodrigo menciona que foi devido a ação de constantino que hoje muitos Católicos e outros, guardam o Domingo, então pela mesma lógica, se foi Constantino quem oficializou as decisões de Niceia, logicamente quem foi obrigado a aderir aos dogmas ali definidos e oficializadas o faziam devido as ações de seu patrocinador ou patrono, a saber, Constantino.

Constantino não precisou de um concílio para definir a guarda do Domingo pois não existia na época entre os cristãos nenhuma disputa neste sentido, sendo plenamente compreendido por todos os convertidos ao Cristianismo, que nenhum dia era de fato superior ao outro, conforme havia deixado claro o apóstolo Paulo em Colossenses 2:16-17. A declaração de que deviam observar a guarda de um Domingo foi plenamente aceita por quase todos pois não se tratava de fato de nenhuma crença fundamental que estava em jogo, e portanto, não houve oposição a isso por parte dos cristãos. Queremos deixar claro aqui que não existe nenhum lugar nas Escrituras Gregas, o chamado Novo Testamento que defina um dia específico a ser guardado pelos Cristãos, nem de um Sábado e nem de um Domingo.

Já a doutrina da natureza e unidade de Deus estava sim sendo posta em desafio por homens desviados da verdade que acreditavam que Deus não poderia ser UMA PESSOA OU UMA PERSONALIDADE, mas sim que Deus tinha de ser uma associação de seres divinos.  Isso era algo que não podia ser aceito por boa parte dos cristãos, de modo que Constantino que queria consolidar seu império, não queria que houvesse divisões ou anarquia em seus domínios, de modo que como a questão era delicada, ele permitiu que houvesse tentativas de conciliação entre as partes.    Disso resultou em vários concílios.

Será que Tertuliano de fato cria na Trindade tal como ensina Rodrigo Silva e os Adventistas do Sétimo Dia?

Na obra Against Hermogenes (Contra Hermógenes), ele escreveu: “Não devemos supor que haja algum outro ser, exceto unicamente Deus, que seja não gerado e incriado. . . . Como pode algo, exceto o Pai, ser mais velho, e por isso deveras mais nobre, do que o Filho de Deus, o Verbo unigênito e primogênito? . . . Esse [Deus] que não precisou de um Criador para lhe dar existência, será muito mais elevado em categoria do que [o Filho] que teve um autor que o trouxe à existência.”   -The Ante-Nicene Fathers, Volume III, página 487.

“O Pai é a inteira substância, mas o Filho é uma derivação e parcela do todo, conforme Ele Próprio reconhece: „Meu Pai é maior do que eu.‟ . . . Assim, o Pai é distinto do Filho, sendo maior do que o Filho, visto que um é Aquele que o gera e outro Aquele que é gerado; também, um é Aquele que envia, e outro Aquele que é enviado; e, além disso, Aquele que cria é um, e Aquele por meio de quem a coisa é feita é outro.” The Ante-Nicene Fathers, Volume III, páginas 603-4.

Não é preciso citar mais para ver que ele não era trinitariano como o Senhor Rodrigo Silva pretende que Tertuliano tenha sido, a saber, um trinitário crente que advogava a plena igualdade entre três pessoas. Embora tanto tertuliano e outros possam ter escrito algumas coias que prepararam o terreno para que outros posteriormente definissem mais claramente o que entendiam como a união do Pai e do Filho, de modo algum antes de Niceia havia uma clara definição de uma doutrina da Trindade, diferente dos Cristãos genuínos que derivaram sua teologia do Judaísmo que nunca foi trinitário e que repudiava a Ideia de Yahuwah ser mais de uma pessoa.

Para ver mais sobre a questão não só de Tertuliano, clique aqui e baixe este arquivo em PDF.


O Dualismo do pensamento grego.

Depois da breve explanação sobre a concepção do pensamento grego acerca dos deuses, e voltando a falar sobre as Escrituras, podemos afirmar que em nada tem de associação entre a verdade das Escrituras e as concepções filosóficas dos gregos, pois temos as Escrituras.

Associar o que Ário ensinava com os pensamentos filosóficos dos gregos é cair no ridículo  pois em nenhum momento Ário fala de Jesus como um ser imperfeito e sujeito a erros ou falhas. Embora Ário igualmente não tenha tido uma compreensão exata da natureza do espírito santo, ele jamais ensinou que a matéria era má ou algo desta espécie. Chamar Ário de pagão e associado à filósofos gregos e gnósticos, é uma opinião subjetiva sem comprovação real, fruto de uma tentativa de impor um opinião pessoal com ares de erudição.
Não seria igualmente a associação de três pessoas numa mesma divindade uma crença politeísta pagã como já se promovia na adoração Egípcia?


Alguns poderiam até defender a ideia de que a tríade Egípcia se compõe de três deuses enquanto a trindade é composta de três pessoas que são um só Deus.

Mas podemos afirmar que esta declaração é descabida e sem nenhuma lógica divina.  

Nas tríades observamos três pessoas, motivo pelo qual são chamadas de Tríades, mas o que elas todas possuem em comum? A Divindade.

De modo que aqueles que dizem que a Trindade difere das Tríades na verdade apenas camufla a realidade através de uma manipulação ou jogo de palavras sem real lógica e carente de embasamento bíblico.

Aliás qualquer pessoa pode ver que os Adventistas sentem-se muito desconfortáveis quando se trata de pintar ou desenhar em suas publicações a representação da pessoa de Deus, pois sempre a fazem de um modo a transmitir uma pessoa, algo que é completamente diferente da crença real que advogam, a Trindade.

Observem:


Clique nestas duas imagens e observe na primeira como deveriam publicar a imagem de sua divindade, e ma segunda e na terceira, como de fato a publicam.

  
Montagem acima mostra como deveria constar em suas publicações.



Aqui, um trecho do vídeo "A origem do mal"
Note que observamos apenas uma pessoa no trono.



Acima mais uma representação da divindade.
Observe que existe apenas uma pessoa e não três, a não ser que os dois seres alados a direita e
a esquerda estejam ali representando o filho e o espírito santo, mas onde estaria seus tronos?




Deus é um mistério.

O Senhor Rodrigo Silva menciona que a Bíblia diz que Deus é um mistério, mas esquece-se de mencionar que mistério nas Escrituras não é algo que não pode ser conhecido, antes, significa que é algo que está além de nossa compreensão a menos que Deus nos permita saber, por exemplo.

Paulo diz em sua carta aos Coríntios 15:51

"Eis que vos digo um mistério: nem todos dormiremos, mas transformados seremos todos"   Almeida Atualizada

Observe que assim que Paulo revelou o mistério, não era mais mistério, pois Deus o havia revelado.
Veja também Colossenses 1:26

Ademais, se Deus fosse um mistério, não existiria Teologia e o Senhor Rodrigo estaria desempregado, visto que qualquer um sabe que Teologia é estudo sobre Deus e, se Deus fosse incompreensível e incognoscível  não existiria nem a percepção de sua existência. Como se vê, ele está equivocado ou não se expressou corretamente.
Que Deus não pode ser plenamente conhecido, nem Ário e nenhum grupo de cristãos jamais afirmou isso, esta declaração não passa de uma deturpação dos fatos.



Eusébio de Cesareia e Constantino

Quanto a Eusébio de Cesareia, estamos ciente de que este de fato parecia estar confuso sobre qual lado apoiar, e nos parece simples entender que igual a Judas, que num tempo pregou ao lado de Jesus sendo seu apoiador, manifestou no fim de seus dias uma atitude diferente, passando a ter interesses políticos e monetários. Eusébio certamente mostrou-se uma pessoa levada pelos ventos de doutrinas. Nada mais que isso, algo que hoje muitos se deixam levar devido ao apego a uma organização religiosa.

Ter sido Constantino se batizado, de fato foi mais uma manifestação hipócrita de sua parte. Ele tinha claramente objetivos políticos assim como Eusébio, que apesar de inicialmente defender o monoteísmo cristão, desviou-se deste e seguiu nos passos de seus associados pagãos.

A Catholic Encyclopedia observa: “Constantino favoreceu de modo igual ambas as religiões. Como sumo pontífice ele velou pela adoração pagã e protegeu seus direitos.” “Constantino nunca se tornou cristão, diz a enciclopédia Hidria, e acrescenta: “Eusébio de Cesaréia, que escreveu a biografia dele, diz que ele se tornou cristão nos últimos momentos da vida. Isso não é convincente, visto que, no dia anterior, [Constantino] fizera um sacrifício a Zeus porque também tinha o título de Sumo Pontífice.”

Até o dia da sua morte, em 337 EC, Constantino usou o título pagão de Sumo Pontífice, o chefe supremo em assuntos religiosos. Sobre seu batismo, é razoável perguntar: Foi precedido de genuíno arrependimento e conversão, como exigido nas Escrituras? (Atos 2:38, 40, 41) Foi uma imersão completa em água como símbolo da dedicação de Constantino a Deus? 

Era o legítimo caso de um apóstata cego guiando outro cego, ambos caindo numa cova.  Mateus 15:14

Eis o credo niceno original

“Cremos em um só Deus, Pai onipotente, criador de todas as coisas visíveis e invisíveis; “E em um só Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus, gerado do Pai, unigênito, isto é, da substância do Pai, Deus de Deus, luz da luz, Deus verdadeiro do Deus verdadeiro, gerado, não criado, consubstancial com o Pai, por meio de Quem todas as coisas vieram à existência, coisas no céu e coisas na terra, o Qual, por causa de nós homens e por causa da nossa salvação, desceu e se tornou encarnado, tornando-se homem, sofreu e levantou-se de novo no terceiro dia, ascendeu aos céus, e virá para julgar os vivos e os mortos; “E no Espírito Santo.”
A Short History of Christian Doctrine, de Bernhard Lohse, 1963, páginas 52-3.

Obviamente não se observa uma definição da trindade, pois como já dissemos, ela ainda estava num estágio de gestação, sendo concebida.  Mas que houve de fato uma decisão por parte Constantino a favor dos que se opunham aos Arianos, isso é evidente.

Ademais, a pergunta do Senhor Rodrigo é bastante interessante, pois ele pergunta como se pode afirmar que o concílio de Niceia trouxe a luz a Trindade se no seu credo nem se menciona a Palavra trindade.  Ora, as Escrituras também não mencionam o termo trindade, no entanto, os teólogos Adventistas entre outros crentes no pluralismo divino, mencionam que existe nela indícios de uma união tri-pessoal  Da mesma forma, observa-se nas palavras do credo, a ideia de uma união consubstancial  que será posteriormente mais definida dando finalmente a luz a falsa doutrina da trindade.
Ele menciona depois de questionado por um senhor na assistência, que nas Escrituras não aparece a Palavra milênio, mas então perguntamos ao Senhor Rodrigo Silva, o que trouxe a doutrina do milênio para a Igreja se este termo não consta nas Escrituras?
Se as Escrituras ensinam a respeito de um milênio esta palavra deveria constar nas Escrituras? 

Ora, ele mesmo disse que a palavra Milênio não consta nas Escrituras, e se a ausência de tal termo nas Escrituras não torna impossível que existam os elementos do ensino na mesma, como poderia ele argumentar que a ausência da palavra "trindade" no credo niceno, algo humano e ínfimo diante das Escrituras, não traz em si os elementos que serviriam de esteio para sua posterior formulação?
É uma pergunta ou declaração contraditória a do Senhor Rodrigo.   Aliás, a ausência da palavra trindade nas Escrituras não serve de prova de que Deus não possa ser três devido esta ausência da mesma, assim como a palavra nônuplo estar ausente não significa igualmente que Deus não possa ser nove pela ausência da mesma. 
A bíblia não é um dicionário.  O argumento é inconsistente.


Atanásio argumenta contra Ario


Rodrigo menciona que Atanásio lançou dois argumentos contra Ario, um de que somente Deus poderia salvar o ser humano. Declara que até mesmo os anjos queriam mas não puderam. Ora, que declaração supérflua, quem não sabe que somente Deus poderia salvar o ser humano? Alguém por acaso questiona isso? Nota-se desta forma a total falta de compreensão primeiro de Atanásio, e agora de Rodrigo que usa o velho argumento surrado de seu parceiro trinitário, Atanásio.

Se Jesus é um Deus, porém menor, Ario estaria defendo a adoração de dois deuses, e ainda chama isso de politeísmo   Sem noção este argumento.

Vamos aos fatos.

Primeiramente Deus Pai é o salvador por excelência, sendo Jesus o meio escolhido por Deus para salvar. Poderia ter sido qualquer criatura descendente de Adão e que pudesse viver como humano e, como humano, viver integralmente a lei de Deus e morrer sem pecados sob dura perseguição como mártir.  Não precisava ser Jesus.
Porém não existia tal humano cujo valor vital equivalia a vida perfeita perdida por Adão.  Salmo 49:7-8
Mas como Deus sempre oferece o melhor ou mais primaz, assim como pediu evidência de obras e fé de Abraão, estava disposto a oferecer em sacrifício não a si mesmo, mas a seu filho.  A lei justa de Deus exigia alma por alma, mas não haveria humanos que pudessem saldar o preço da redenção, visto que o que fora perdido por Adão era uma vida humana perfeita, a qual, por herança, nenhum de seus descendentes viria a ter, de modo que Deus teve de interferir enviando uma vida celestial que herdou a natureza humana. Vemos assim que Deus é salvador por meio ou utilizando-se de Jesus, seu filho e nosso Senhor.

"Ao único Deus, nosso Salvador, por intermédio de Jesus Cristo, nosso Senhor, seja a glória, a majestade, o poderio e a autoridade por toda a eternidade passada, e agora, e para toda a eternidade. Amém."  Judas 25

Assim, de fato não existe outro salvador além de Deus o Pai, sendo Jesus seu meio de salvar, um agente, uma ferramenta.

“Vós sois as minhas testemunhas”, é a pronunciação de Yahuwah, “sim, meu servo a quem escolhi, para que saibais e tenhais fé em mim, e para que entendais que eu sou o Mesmo. Antes de mim não foi formado nenhum Deus e depois de mim continuou a não haver nenhum. Eu é que sou Yahuwah, e além de mim não há salvador.” 
Isaías 43:10-11

Estes textos são claros em demonstrar a exclusividade da posição de Yahuwah  O Pai. Ele é o único Deus como Jesus mesmo destacou em João 17:3 e além dele, ou seja, sem sua fonte salvadora não existe salvador.
Por isso estamos dizendo que ele é Absoluto em sua posição, os demais, são apenas reflexos dele.

Observe neste pequeno vídeo ilustrativo do filme "Missão impossível" quem na sua opinião seria o Salvador de Ethan Hunt (Tom Cruise). William Brandt (Jeremy Renner) ou Jane Carter (Paula Patton)

Salvador por excelência



Conseguiu entender? Espero que sim.

Aliás, o nome Jesus vem do hebraico Josué, que significa: "Yahuwah é a salvação ou salvação de Yahuwah"

Agora, a declaração equivocada de Rodrigo de que por se chamar Jesus de "Deus" ou "deus" faz com que necessariamente estejamos advogando a adoração de duas deidades é, me desculpe a expressão; infantil.
O próprio Jesus argumentou contra seus adversários religiosos destacando que Deus chama de deuses quem ele designar por este título, sem que com isso ele esteja induzindo seus servos ao politeísmo. João 10:34

Jesus é Deus no sentido de que herda a natureza do seu Pai ou gerador, o qual, de seu amor o trouxe a existência desde (grego= apo) a eternidade. Nunca mencionamos como sendo dois deuses iguais, o que de fato configuraria politeísmo. Ademais, ainda mais politeístas se adorássemos os dois, Pai e Filho.

Observe que quem de fato advoga que existe uma pessoa que é Deus soberano, e outra pessoa que também é Deus mas que está funcionalmente submisso a este outro Deus soberano, são os trinitários, pois pregam que o Deus Pai tem Jesus, O Deus filho, que não é o Deus Pai, submisso a ele eternamente por uma questão funcional.
Ora, eles adoram os dois, aliás, adoram ainda mais outra pessoa que igualmente segundo eles, é Deus, o Espírito Santo.  Depois desta verificação verdadeira, chamar-nos de politeístas chega a ser cômico.

Note esta declaração do Senhor Rodrigo Silva.

"Se eu adoro Deus Pai, um Deus, e adoro o Deus filho, Deus menor, eu estou 
adorando dois deuses, isso é politeísmo" - Rodrigo Silva


O Senhor Rodrigo Silva com estas palavras se coloca numa posição desconcertante, observe o que as Escrituras dizem.

Perguntamos a Rodrigo Silva: "Jesus é Deus?"   "O Pai Javé, é Deus?"

"Ouvistes que eu vos disse: Vou embora e venho [de volta] a vós. Se me amásseis, alegrar-vos-íeis de que vou embora para o Pai, porque o Pai é maior do que eu."  João 14:28

Perguntamos: "Será que o Pai era maior que Jesus e agora não é mais?"
Se Jesus é Deus e o Pai é outra pessoa, também é Deus, Jesus como sendo menor que o Pai, foi menor somente naquela ocasião ou sempre será? Se sempre será, sinal que é sim menor. E tenha presente que o Senhor Rodrigo Silva assim como todos os trinitários não podem adorar somente a pessoa do Pai, mas tem de adorar também a pessoa do Filho, e além deles, a "pessoa" do espírito santo. Adoram então quantas pessoas divinas?


Bases "bíblicas" da doutrina da Trindade

Vejamos tais argumentos.

Deus fala de si mesmo no plural.

"E Deus prosseguiu, dizendo: “Façamos [o] homem à nossa imagem, segundo a nossa semelhança..."
Gênesis 1:26

Com base na forma plural encontrada nesta frase, o senhor Rodrigo acredita que Deus tenha de ser mais de uma pessoa, pois como ele diz, "Deus estava falando com alguém".
A própria frase em si que ele diz, de que Deus estava falando com alguém, já demonstra que Deus não é aqueles com os quais fala, mas que estes são outros com os quais Deus fala.

Ele menciona Isaías 40:14 para afirmar que Deus não toma conselho ou pede opinião.

"Com quem se consultou ele para que o faça compreender ou quem o ensina na vereda da justiça, ou lhe ensina conhecimento, ou lhe faz saber o próprio caminho do verdadeiro entendimento?"

Ora, este argumento é frágil, pois desconsidera que na declaração de Gênesis 1:26, nenhum conselho esta sendo solicitado a ninguém, e sim se está mencionando uma ordem expressa: "Façamos".
Esta é uma simples convocação feita por Deus a seus servos que cooperam na realização de seus propósitos.

"Também, com referência aos anjos, ele diz: “E ele faz os seus anjos espíritos e os seus servidores públicos, chama de fogo"  Hebreus 1:7

Esta palavra grega "λειτουργοὺς" (leitourgous), significa literalmente "trabalhadores ou servidores públicos", um empregado que está ocupado de uma obra ou algo a ser realizado.
Isso em si mesmo já demonstra que os anjos não foram criados ou gerados por Deus mediante Jesus para serem meros observadores passivos de demonstrações exibicionistas de Deus, mas contribuintes ativos.
Que os anjos possuem semelhança com Deus é visto na análise de Salmo 8:4-5 e Hebreus 2:7, onde Paulo mostra que os "deuses", ou semelhantes a Deus do Salmo são os anjos. 
Compare as versões Almeida Corrigida e Atualizada

Ademais, Deus pede sim conselho aos seus anjos, mas não porque carece de ideias ou porque lhe falta estratégias, e sim porque ele permite que suas criaturas expressem suas opiniões as quais Deus em sua maravilhosa forma de agir, atende quando conformasse a seu propósito.  Observe.

"E ele prosseguiu, dizendo: “Portanto, ouve a palavra de YAHUWAH: Deveras vejo a Yahuwah sentado no seu trono e todo o exército dos céus em pé junto a ele, à sua direita e à sua esquerda. E Yahuwah passou a dizer: ‘Quem logrará a Acabe, para que suba e caia em Ramote-Gileade?’ E este começou a dizer uma coisa ao passo que aquele dizia outra coisa. Por fim saiu um espírito e ficou de pé perante Yahuwah, e disse: ‘Eu mesmo o lograrei.’ Então lhe disse Yahuwah: ‘Por meio de quê?’ A isto ele disse: ‘Sairei e certamente me tornarei um espírito enganoso na boca de todos os seus profetas.’ De modo que ele disse: ‘Tu o lograrás, e ainda mais, sairás vencedor. Sai e faze assim.’ E agora, eis que Yahuwah pôs um espírito enganoso na boca de todos estes profetas teus; mas o próprio Yahuwah falou de calamidade a teu respeito.”

Será realmente Deus faz tudo sozinho como o senhor Rodrigo mencionou ou sugeriu que Isaías havia dito?
Obviamente que não. Por deixarem de analisar contextualmente os textos, tais pessoas se deixam levar pela sua própria concepção errônea sobre Deus, como se ele não fosse jamais capaz de delegar ou confiar a outro, uma designação ou tarefa. Isso é anti-bíblico.
Aliás, estas palavras parecem mais com as tolas declarações de Elifaz que disse:

"Eis que não confia nem nos seus santos,
E os próprios céus não são realmente puros aos seus olhos."  Jó 15:15

Diga-se de passagem, uma mentira, pois mais tarde, o próprio Deus advertiu que Elifaz e os outros conhecidos de Elifaz não haviam falado a verdade sobre Deus.  Jó 42:7

Quando Deus trouxe a homem a existência, ele não o fez no plano espiritual, e sim no físico, e desta forma, era naturalmente necessário que Deus atuasse mediante agentes neste plano, uma vez que Deus vive fora do universo físico e desde sua realidade, transcende e atua mediante agentes executores causando a existência de todas as coisas. Quando criou a humanidade ou a natureza humana, convocou que seus servos ou trabalhadores públicos para que dessem forma física a sua criatura terrena, fazendo assim o ser humano.
Note: Fazer não significa criar.  Posso trabalhar numa montadora de carros, por exemplo, e fazer muitos carros, mas não fui eu quem os projetou ou os idealizou, criando-os, causando sua existência ou seu Ser.

Criar é diferente de fazer ou dar forma.  Criar é um processo que ocorre na mente e fazer é um processo que ocorre fora da mente.  Devemos entender que no caso de Deus, ele não cria como os humanos, pois Deus não atua mediante tentativa e erro como os seres humanos, ele sabe todas as coisas e assim, ele criar significa que a expressão de seu infinito conhecimento está sendo parcialmente revelada na causalidade de uma vontade até então não revelada.

Observe: "Mas exultai e jubilai para todo o sempre naquilo que estou criando. Pois eis que crio Jerusalém como causa para júbilo e seu povo como causa para exultação."  Isaías 65:18

Aqui Deus fala que está criando Jerusalém e criando seu povo, o que significa isso? Ora, como eu disse, significa que Deus está revelando aquilo que existe nele como conhecimento eterno mas que estava oculto de nós, sendo que agora ele traz a existência para suas criaturas, pois ele causa tais coisas.

"e para que eu fizesse os homens ver como se administra o segredo sagrado, que desde o passado indefinido tem estado escondido em Deus, que criou todas as coisas."  Efésios 3:9

O que é o segredo sagrado ou mistério que estava escondido em Deus desde a eternidade?

"o segredo sagrado que estava escondido dos passados sistemas de coisas e das gerações passadas. Mas agora tem sido manifesto aos seus santos, a quem Deus se agradou de dar a saber quais são as riquezas gloriosas deste segredo sagrado entre as nações. É Cristo em união convosco, a esperança da [sua] glória."  Colossenses 1:26-27

Isso mesmo, Jesus é o segredo que estava em Deus e que Deus manifestou ao mundo, sendo a causa de Jesus a vontade do Pai, de modo que ao causar a manifestação ou revelação de sua Palavra ou Logos, Deus transmitiu de si algo a outro, causando um deslocamento temporal dando inicio ao espaço-tempo. 
Este acontecimento foi o princípio da criação ou manifestação da vontade de Deus. É por este motivo que se diz que no princípio estava o Verbo, Logos ou A Palavra estava em ou com Deus, pois ele estava em Deus, escondido e posteriormente com Deus, ao ser manifesto como um revelação.

Deus quis que por meio de Jesus, os seres humanos pudessem ser iluminados e vindo a receber gradativamente do conhecimento de Deus, e é por isso que Jesus é o receptáculo onde tais segredos sagrados se encontram por providência de DEUS, a fim de que ele por sua vez, nos transmita.

"Para que os seus corações sejam consolados, para que sejam harmoniosamente conjuntados em amor, e visando todas as riquezas da plena certeza do [seu] entendimento, visando um conhecimento exato do segredo sagrado de Deus, a saber, Cristo. Cuidadosamente ocultos nele se acham todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento. Digo isso para que nenhum homem vos iluda com argumentos persuasivos"  Colossenses 2:2-4

Observe que é esta conclusão a que Paulo nos leva, a de que Deus achou bom que em Jesus, nos pudéssemos ter a plenitude do conhecimento de Deus, a fim de que não dirigíssemos a nossa atenção a nenhuma espécie de sabedoria humana e mundana.

"Porque [Deus] achou bom que morasse nele toda a plenitude, e, por intermédio dele, reconciliar novamente todas as [outras] coisas consigo mesmo, por fazer a paz por intermédio do sangue [que ele derramou] na estaca de tortura, quer sejam as coisas na terra, quer as coisas nos céus."  Colossenses 1:19-20

Observe que isso ocorre pela livre vontade de Deus e não por que Jesus sempre teve tal plenitude.

"Porquanto, nele, habita, corporalmente, toda a plenitude da Divindade."  Colossenses 2:9 Almeida Atualizada

Observe que Jesus não é A Divindade, mas sim que veio a ter toda a plenitude vinda Da Divindade, ou seja, Do Pai.
E porque isso? O capítulo 1 e o verso 19 do mesmo livro, mencionado acima já responde isso.
Foi do agrado ou aprovado pelo Pai que assim procedesse.

Assim notamos que não há nada nestes textos e nem em Gênesis 1:26 que sugira alguma igualdade absoluta entre os envolvidos na conversação. Mencionar o contrário sem demonstrar logicamente qual as bases da tal afirmação, é um opinião subjetiva sem força argumentativa.



“Eis que o homem se tem tornado como um de nós"


Outro texto usado na tentativa de pluralizar Deus, é usada pelo senhor Rodrigo Silva.
Ele menciona Gênesis 3:22 que consta.

"E Yahuwah Deus prosseguiu, dizendo: “Eis que o homem se tem tornado como um de nós, sabendo o que é bom e o que é mau"


Primeiramente vamos analisar o que o texto não declara.


O texto de forma nenhuma declara que Deus é dois, três ou mais, apenas diz que Deus faz a declaração, e isso basta, além disso, e ir além das Escrituras.  O texto igualmente não expressa nenhuma igualdade posicional ou hierárquica. Tentar enxergar isso é extrapolar.

Agora deixe me expor minha opinião acerca deste versículo.

Neste texto Deus só poderia estar se referindo a ele mesmo ou a Satanás, e porque digo isso?

Bem, ele diz que o homem ou os humanos, se tornaram como "um" (ehhad [numeral]) de nós, e não que eles se tornaram como "todos nós" ou "como nós", de modo que a expressão esta denotando a exclusividade que existia dentre um grupo, e que o homem usurpou ou copiou.

1° Solução:  Na minha opinião, ou Deus Yahuwah estava dizendo que o homem usurpou o direito de decidir por si mesmo de forma independente o que fazer, algo que era um dom e prerrogativa apenas do Pai e de mais ninguém, e por isso Deus estaria dizendo que o homem usurpou ou quis se tornar como Deus, "o um" dentre os demais com quem ele estava a falar.

Note que quando por exemplo, dissemos: "Um de nós terá de ir", estamos enfatizando que apenas um e não nós todos iremos, de modo que Deus dizer "como um de nós", enfatiza um em distinção dos demais.
Isso é bem fácil de compreender visto todos serem dependentes de Deus para agir, sendo O Pai o único Ser absolutamente livre e independente. De modo que o homem tinha decidido ser como Deus, livre e absolutamente independente.

2° Solução:  Deus estaria falando de Satanás, o qual, foi o único que dentre eles, os seres celestiais, rebelou-se contra Deus, causando a queda e escolha da liberdade e independência de Deus. Desta forma, antes da queda do homem, Satanás já havia desviado-se e agido de forma independente de Deus, mentindo e causando a morte do homem. Os humanos ao terem caído em transgressão, teriam se tornado como Satanás, o "um de nós", que decidiu agir de modo independente.  Desta modo, o homem teria se tornado como Satanás, ao decidir de modo independente as escolhas de sua vida.

De qualquer forma, nenhuma parte do texto expressa uma triunidade, bindade, apenas uma comunicação livre que Deus tem com as suas criaturas.

Gênesis 11:7 onde Yahuwah determina a confusão dos idiomas, é usado também para tentar fazer o texto dizer o que de fato ele não diz. Até nos parece que os anjos de Deus foram criados e trazidos existência para servir de enfeite celestial. Sinceramente, não existe base para as asserções do senho Rodrigo Silva e demais teólogos trinitários que veem uma trindade onde vemos apenas uma comunicação de Deus para com suas criaturas.

Isaías 6:8

"E comecei a ouvir a voz de Yahuwah, dizendo: “A quem enviarei e quem irá por nós?” E eu passei a dizer: “Eis-me aqui! Envia-me.” 

Outro texto onde Rodrigo Silva acredita ser a "prova" da trindade. (risos)

Ele é muito feliz quando diz que realmente não pode mencionar isso como sendo uma triplicidade, mas sim como uma pluralidade de pessoas.

Bingo! Senhor Rodrigo Silva, isso mesmo, uma pluralidade de pessoas, como todos os textos citados acima.
Aliás, uma classe de alunos é uma pluralidade de pessoas, mas imagine você que o senhor como professor convide  ou ordene seus alunos ou filhos a realizar as tarefas do dia, e lhes diga: "Façamos as tarefas".

Será que todos vocês se tornaram hierarquicamente idênticos ou possuindo igual posição?

Acho que deveria reavaliar sua visão senhor Rodrigo Silva.



A Palavra Deus (elohim) - plural


"No princípio Deus (deuses) criou os céus e a terra."  Gênesis 1:1

Aqui como todo bom trinitário, o senhor Rodrigo Silva aplica a Deus a pluralidade de pessoas por entender que este plural é numérico, e isso, por ser a palavra elohim uma palavra no plural.

O nobre senhor já peca por auto confiança, ao fazer fortes asserções desconsiderando que existem pessoas que compreendem o minimo necessário para perceber suas falhas exegéticas.

Observe:

Elohim de fato é uma palavra plural, mas se existe como ele menciona, uma pluralidade; esta pluralidade não seria uma pluralidade de "pessoas" e sim de "deuses", por jamais a palavra elohim significou "pessoas". Deste modo, ao mencionar que a palavra elohim indica uma pluralidade, ele esta dizendo que indica uma pluralidade de que? 
Sim amigos, de "Deuses".

Para eles que adoram todos estes deuses, isso só pode gerar politeísmo.

Ele mesmo confirma que em todas estas ocorrências, a construção que se segue está no singular, mas nega que seja um plural de majestade ou de potencialidade. Bem, isso opinião dele, e que valor tem a subjetividade?

Em The American Journal of Semitic Languages and Literatures, Vol. XXI, Chicago e Nova Iorque, 1905, p. 208, Aaron Ember escreveu: “Que a linguagem do A[ntigo] T[estamento] renunciou inteiramente à idéia de pluralidade em אלהים [’Elo·hím] (conforme aplicado ao Deus de Israel) evidencia-se especialmente no fato de que é quase que invariavelmente construído com um predicado verbal no singular e tem atributo adjetival singular. . . . אלהים [’Elo·hím] deve ser antes explicado como plural intensivo, denotando grandiosidade e majestade, igual a O Grande Deus. Equipara-se aos plurais אדנים [’adho·ním, “amo”] e בעלים [be‛a·lím, “dono; senhor”], empregados com referência a seres humanos.”

Norman Champlin em seu Comentário  Bíblico versículo por versículo, comenta em Gênesis 1:1:
"Elohim é o plural de  Eloah. podendo ser traduzido por ״deuses”. No plural, essa forma pode apontar para os  anjos. 
Neste caso, porem!
O plural sem dúvida é um aumentativo de  exaltação, frisando a  majestade ae Deus, e não a ideia de pluralidade de pessoas
Alguns tentam extrair desse plural um sentido trinitário. mas a maioria dos estudiosos pensa que isso é cristianizar demais o texto."

Citamos apenas como amostra de trinitários respeitados que reconhecem o plural de majestade.

Existem também expressões onde Abraão é chamado de "Senhores" por ser plural tal palavra no hebraico, a língua em que as Escrituras do antigo pacto fora escrita. Gênesis 24:15
Faraó é chamado de "Senhor(es)" do Egito em Gênesis 40:1.
Em Gênesis 42:30, fala-se de José como “senhor” (’adho·néh, o plural majestático) do Egito.

Será que estes também são evidências de que tais pessoas eram uma pluralidade de pessoas senhor Rodrigo?

Aliás, veja como grandes peritos consideram tal palavra.


James Strong em seu léxico.

0430 אֱלֹהִ֑ים  ‘elohiym 

plural de 0433; DITAT-93c; n m p 

1) (plural) 
1a) governantes, juízes 
1b) seres divinos 
1c) anjos 
1d) deuses 
2) (plural intensivo-sentido singular
2a) deus, deusa 
2b) divino 
2c) obras ou possessões especiais de Deus 
2d) o (verdadeiro) Deus 
2e) Deus

______


W. F. Vine em seu dicionário na página 95 (português) igualmente destaca que "elohim" é plural de majestade, e teríamos mais outros estudantes das Escrituras e das línguas semíticas que poderiam atestar isso, sendo estes inclusive trinitários  mas que não ousam devido a sua erudição, mencionar que "elohim" esteja deixando subentendido uma pluralidade de "pessoas" na divindade.

Bem, vamos continuando a nossa refutação.

Sobre Jesus ser salvador único, já destacamos isso acima, basta procurar pela explicação acima.


A Palavra de Deus atua exteriormente.

O senhor Rodrigo Silva fala da Palavra de Deus agindo e atuando exteriormente como Jesus.
Ora, no que isso serve base para a trindade? Em nada.
Nós reconhecemos a Jesus como sendo A Palavra de Deus, de modo que de Deus é produzida a fim de trazer a realidade a revelação sobre Deus. Jesus é a manifestação da palavra de Deus e por isso mesmo ele atua como boca de Deus, seu Porta-Voz.

Vejamos o Salmo 33:6 que o senhor Rodrigo diz estar explicito a Trindade.

"Pela palavra de Yahuwah foram feitos os próprios céus, E pelo espírito de sua boca, todo o exército deles."

Esta passagem não prova nenhum trindade. Ela fala de fato de Deus Yahuwah  O Pai, e de sua Palavra, a qual pode ser entendida como sendo Jesus sem nenhum prejuízo a visão monoteísta dos antirinitarianos, e o espírito de Deus como sendo a força que dele mesmo emana para dar poder para a realização dos feitos.

Como podemos dizer isso?  Vejamos a seguir.

Note primeiramente que fazer é diferente de criar, e isso já demonstra que a palavra apenas da forma ao que pré-exista a ela mesma, Aliás, não é assim mesmo com as nossas próprias palavras?  Não são suas palavras a manifestação de pensamentos pre-existentes? Sim elas são.

Assim, A Palavra de Deus traz e da forma ao que existe desde sempre com Deus e em Deus. 
Como se dá isso?
Ao ser a Palavra mesma resultado da força que a impulsiona a formar aquilo que vem de Deus, de modo que A Palavra forma aquilo que Deus lhe determina mediante seu espírito ou transmissão de força ativa.
Como nos seres vivos, a voz ou palavra, é resultado da força que vem de dentro de nossos pulmões.
Sem esta força ou vento (rúahh) os órgãos da fala não podem produzir som, ser expressos ou manifestos.

Assim, o espírito é a força que vem de Deus e fornece capacitação para que a Palavra tome forma e comunique algum atributo ou informação que pre-existia em Deus. Ela mesmo, A Palavra, sendo um efeito de uma causa que foi causada pelo causador não causado.

Não vejo trindade alguma nesta expressão, apenas vejo sim, Deus através de Jesus, trazendo a existência aquilo que existia na mente de Deus após receber a força ou impulso que forneceu meios para isso, a saber, o espírito de Deus.

O espírito de Deus não é uma pessoa distinta de Deus. Isso é sem nexo.

Para observar uma simples argumentação mostrando que o espírito de Deus é ele mesmo, o próprio Pai que de si emana sua força irresistível, veja neste link o sub-tópico: Monoteísmo - uma questão de lógica

Procure pelo sub titulo
"O espírito santo de Deus - Uma pessoa, e Deus, segundo os trinitários."




O anjo de Yahuwah ou anjo do Senhor

O senhor Rodrigo Silva menciona que existe um anjo, chamado nas Escrituras de O Anjo do Senhor que na verdade, segundo ele, é o próprio Deus em forma de anjo. Ele cita o caso de Abraão que ao tentar oferecer Isaque em sacrifício, é impedido pelas palavras do anjo que diz:

"E o anjo de Yahuwah passou a chamar Abraão pela segunda vez, desde os céus, e a dizer: “‘Juro deveras por mim mesmo’, é a pronunciação de Yahuwah, ‘que, pelo fato de que fizeste esta coisa e não me negaste teu filho, teu único, seguramente te abençoarei e seguramente multiplicarei o teu descendente como as estrelas dos céus e como os grãos de areia que há à beira do mar; e teu descendente tomará posse do portão dos seus inimigos. E todas as nações da terra hão de abençoar a si mesmas por meio de teu descendente, pelo fato de que escutaste a minha voz.’”  Gênesis 22:15-18  (As ênfase é minha)

Baseado nestas palavras e pela construção da frase, o senhor Rodrigo Silva entende que o anjo deste modo não pode ser outro senão o próprio Deus.

Temos de ter presente que Yahuwah Deus agia mediante anjos designados, e estes anjos estavam empossados de autoridade executiva, um destes anjos até mesmo estando nomeado pessoalmente por Yahuwah  podendo até mesmo apresentar-se com o nome de Yahuwah como uma espécie de embaixador representante. Observe:

“Eis que envio um anjo diante de ti para guardar-te pela estrada e para introduzir-te no lugar que preparei. Guarda-te por causa dele e obedece à sua voz. Não te comportes rebeldemente contra ele, pois não perdoará a vossa transgressão; porque meu nome está nele. No entanto, se obedeceres estritamente à sua voz e realmente fizeres tudo o que eu falar, então hei de ser hostil aos teus inimigos e hostilizarei os que te hostilizarem. Pois meu anjo irá adiante de ti e deveras te levará aos amorreus, e aos hititas, e aos perizeus, e aos cananeus, aos heveus e aos jebuseus, e eu certamente os eliminarei."  Êxodo 23:20-23

Qualquer pessoa que desprovida de preconceito, que lendo esta declaração detidamente, saberá que este anjo não é o próprio Deus, e sim, um anjo divinamente nomeado por Deus para atuar em seu nome como agente ativo e detendo poder executivo sem igual. Ele possui primazia ministerial. Isso sim é o que deixa-nos evidente o texto de Êxodo 23:20-23.  Então, quando este mesmo anjo atua nas mais diversas situações, ele naturalmente pode falar e agir como se fosse um canal ou instrumento da vontade de Deus, expressando a vontade de Deus como se fosse a própria boca do Pai falando, sem que com isso, tenhamos de crer que Deus é anjo.

Este mesmo anjo foi o anjo que junto de outros, forneceu a nação de Israel as leis no monte santo.


“E, ao se cumprirem quarenta anos, apareceu-lhe no ermo do Monte Sinai um anjo, na chama ardente dum espinheiro. Ora, quando Moisés viu isso, maravilhou-se do que via. Mas, ao se aproximar para investigar, veio a voz de Yahuwah: ‘Eu sou o Deus dos teus antepassados, o Deus de Abraão, e de Isaque, e de Jacó.’ Tomado de tremor, Moisés não se atreveu a investigar mais. Yahuwah disse-lhe: ‘Tira as sandálias dos teus pés, pois o lugar em que estás parado é terreno santo. Tenho certamente visto o tratamento injusto para com o meu povo que está no Egito, e tenho ouvido o seu gemido e tenho descido para livrá-los. 

E agora vem: Eu te enviarei ao Egito.’ A este Moisés, que eles repudiaram, dizendo: ‘Quem te designou governante e juiz?’, a este homem Deus enviou como governante e como libertador pela mão do anjo que lhe apareceu no espinheiro. Este homem os conduziu para fora, depois de fazer portentos e sinais no Egito, e no Mar Vermelho, e no ermo, por quarenta anos. 

“Este é o Moisés que disse aos filhos de Israel: ‘Deus vos suscitará dentre os vossos irmãos um profeta semelhante a mim.’ Este é aquele que veio a estar entre a congregação no ermo, com o anjo que falou com ele no Monte Sinai e com os nossos antepassados, e ele recebeu proclamações sagradas, vivas, para dar a vós."
Atos dos apóstolos 7:30-38 

Note que o texto menciona não que Deus lhe apareceu, e nem que seria pela mão de Deus que ele seria enviado.
O anjo aqui só pode ser Miguel, o primeiro anjo ou primogênito deles; aquele que se disse a Daniel mais tarde estar interessado em auxiliar o povo Judeu que era seu povo, príncipe deles.  Daniel 10:18-21  12:1
Este Miguel é O Arcanjo, e tem primazia entre os filhos de Deus por ser o primeiro, o maior de todos eles, por ser chamado de O Grande Príncipe.

Não existe razão sólida para super enfatizar a posição de um anjo e elevá-lo a categoria de Deus, tampouco existe base sólida para se crer na trindade baseando-se nestes argumentos que se mostram claramente equivocados.
O anjo atuar em nome de Deus possuindo credenciais divinas, tendo em si mesmo o nome de Seu Pai, não dá a ele a posição de seu Deus e Pai. Tampouco fornece a qualquer um de nós respaldo para adorá-lo como Deus.

Jesus é tal anjo no qual o nome de Yahuwah estava, e cá na terra, ele continuava a ter este nome de seu Pai em si mesmo conforme ele mesmo declara:

“Também, não estou mais no mundo, mas eles estão no mundo e eu vou para ti. Santo Pai, vigia sobre eles por causa do teu próprio nome que me deste, para que sejam um, assim como nós somos. Quando eu estava com eles, costumava vigiar sobre eles por causa do teu próprio nome que me deste; e tenho-os guardado...." 
João 17:11-12 




Quem morreu na "cruz" do Calvário


“E eu vou derramar sobre a casa de Davi e sobre os habitantes de Jerusalém o espírito de favor e de rogos, e eles certamente olharão para Aquele (Mim [AL RC) a quem traspassaram e certamente O lamentarão como no lamento por um [filho] único; e haverá lamentação amarga por ele como quando há lamentação amarga por um [filho] primogênito." Zacarias 12:10

Realmente se usar a versão Almeida Revista e corrigida, estará lá a tradução "mim".
Já se usarmos a tradução Almeida Atualizada, constará nela, "aquele".

O que diz as evidências disponíveis?

Bem, basta analisar a citação onde se menciona o cumprimento da profecia conforme consta em João 19:37.
João certamente saberia qual palavra de fato ocorria nas Escrituras hebraicas as quais ele citou.
Lá diz:

ὄψονται εἰς ὃν ἐξεκέντησαν

ὃν significando: "que, o que, o que, de que"

Se a palavra fosse "mim", deveria constar ἐμοὶ, forma prolongada μοὶ, pois esta ocorre várias vezes significando "Eu, eu, meu, meu"

Embora ambas as traduções sejam possíveis em Zacarias, baseando-se nos manuscritos disponíveis, o texto de João e seu próprio contexto em Zacarias nos ajudam a verificar que nossa exposição possui maior embasamento.

Observe que nos versos subsequentes se diz: "E certamente O lamentarão como no lamento por um [filho] único; e haverá lamentação amarga por ele como quando há lamentação amarga por um [filho] primogênito."

Vemos no contexto que Yahuwah o Pai está falando de outra pessoa e não de si mesmo.

Ademais, mesmo que Deus O Pai estivesse falando de si em Zacarias 12:10, e depois este texto sendo cumprido em Jesus, não faria absolutamente deles a mesma pessoa e nem sendo o mesmo Deus, pois se este fosse o parâmetro usado para defender que Jesus é Deus, então nós seríamos Jesus, pois Jesus disse:

"Pois fiquei com fome, e vós me destes algo para comer; fiquei com sede, e vós me destes algo para beber. Eu era estranho, e vós me recebestes hospitaleiramente; [estava] nu, e vós me vestistes. Fiquei doente, e vós cuidastes de mim. Eu estava na prisão, e vós me visitastes.’ Então, os justos lhe responderão com as palavras: ‘Senhor, quando te vimos com fome, e te alimentamos, ou com sede, e te demos algo para beber? Quando te vimos como estranho, e te recebemos hospitaleiramente, ou nu, e te vestimos? Quando te vimos doente, ou na prisão, e te fomos visitar?’ E o rei lhes dirá, em resposta: ‘Deveras, eu vos digo: Ao ponto que o fizestes a um dos mínimos destes meus irmãos, a mim o fizestes."  Mateus 24:35-40

Assim, será que baseado neste texto, temos de reivindicar sermos o Cristo ou possuir igualdade com ele em sua posição e hierarquia? óbvio que não.  De modo que mesmo tendo traspassado Jesus, isso pode também significar que é o mesmo que tivessem feito ao Pai, sem que necessariamente vejamos nisso uma trindade.




Isaías 40:3 - Preparai o caminho de Yahuwah

"Escutai! Alguém está clamando no ermo: “Desobstruí o caminho de Yahuwah! Fazei reta a estrada principal para nosso Deus através da planície desértica."

Diz o senhor Rodrigo que por João desobstruir o caminho de Yahuwah, logo, Jesus tem de ser Yahuwah.

Quando analisados isoladamente, tais textos parecem difíceis de entender, mas mesmo assim não podem provar nenhuma trindade.
Agora, quando analisados em todo seu contexto bíblico, fica fácil a compreensão.  Vejamos.

“Eis que envio o meu mensageiro e ele terá de desobstruir o caminho diante de mim. E repentinamente virá ao Seu templo o [verdadeiro] Senhor, a quem procurais, e o mensageiro do pacto, em quem vos agradais. Eis que virá certamente”, disse Yahuwah dos exércitos."  Malaquias 3:1

Este texto de Malaquias fala deste mesmo evento e mostra que tanto O Pai como o filho vem, sendo que Deus está presente por estar representado na pessoa do Filho dele.
Quando uma pessoa esta nomeada a representar outra, isso significa que onde quer que ela ponha a sola de seu pé, é como se a própria pessoa que ela representa estivesse presente.

“Q
uem vos recebe a mim me recebe; e quem me recebe recebe aquele que me enviou.
"
Mateus 11:40 Almeida RA

O senhor Rodrigo aceita que quando um cristão vai a casa de alguém levar a verdade das Escrituras, Jesus vai junto? Se sim, então deve saber que quem de fato vai nesta casa é Jesus, não é verdade?
Sou eu ou esta pessoa que vai até a casa, o próprio Jesus?  
Bem, acho que isso é fácil de entender, não precisa nem ser teólogo para chegar a correta conclusão.

Nesse texto se fala de preparar o caminho diante de Yahuwah e, como já dito, Deus o Pai, nunca veio a Terra e sim o Filho de Deus, como Seu representante (João 17:8), de modo que preparar o caminho diante de Yahuwah significa preparar o caminho para a obra que Yahuwah intencionava realizar por meio de Seu Filho.  Atos 2:22

Podemos ver que se fala de três personagens neste texto.

1 = O mensageiro que Yahuwah envia para preparar o caminho (João Batista)
2 = Yahuwah que virá ao Seu templo
3 = O mensageiro do pacto no qual nos temos agrado. (Jesus)
O texto de modo algum prova que Yahuwah é Jesus.



Salmo 19:14 - Meu Redentor 


"As declarações de minha boca e a meditação de meu coração, Tornem-se elas agradáveis diante de ti, ó Yahuwah, minha Rocha e meu Redentor."

Novamente pediremos que leia Judas 25 onde se nos mostra que Quem salva, é O Pai, e faz isso por meio ou através de seu filho.  Até aqui nada prova a trindade.



Ezequiel 44:1-2 - Yahuwah entrou por ele


"E ele passou a levar-me de volta pelo caminho do portão do santuário, o externo que dá para o leste, e estava fechado. Yahuwah disse-me então: “Quanto a este portão, continuará fechado. Não será aberto, e nenhum mero homem entrará por ele; pois o próprio Yahuwah, o Deus de Israel, entrou por ele, e ele tem de continuar fechado."

O senhor Rodrigo menciona que Jesus é Yahuwah por ter no primeiro século passado por esta porta.

Respondendo a esta questão, tenha em mente que os trinitários dizem que Yahuwah é o nome da Trindade, e não de uma das pessoas. O Tetragrama consta nesta passagem de Ezequiel 44, e do Salmo 110:1 se percebe que Yahuwah é o Pai e que o Senhor de Davi, Jesus, não é Yahuwah, embora seja seu representante no céu e na terra e seja convidado a sentar-se a direita de Deus.

Jesus como representante executivo de Deus Pai Yahuwah  pode com toda a propriedade representar a Pessoa do Pai onde quer que esteja, sem que nós tenhamos de chegar a tais extrapolações ao chamar de Yahuwah a Pessoa do Filho.

Jesus é profeticamente chamado de Emanuel, (Mat 1:23) que significa Deus conosco, mas isso não significa que Deus veio morar na Terra, e sim que aquele que o representava estava ali como seu embaixador, representando-o.
Apocalipse 21:3 diz que Deus morará na Terra com os humanos, mas será que isso é para ser entendido literalmente em vista de 1 Reis 8:27 que declara que nem mesmo os céus podem conter Deus, quanto mais uma localização terrena poderá?  É óbvio que para os que estão livres do fanatismo e deturpação das Escrituras, isso denota uma morada no sentido de Deus dar livre acesso a suas bençãos e encher a terra de seu espírito santo após a retirada do pecado e da morte.

Quando Malaquias fala da vinda de Yahuwah e de seu mensageiro do pacto, ele menciona que ambos vem, e que antes deles, um mensageiro que entendemos ser João o batizador iria prepara-lhes o caminho.  Note que nesta passagem de Malaquias 3:1 fala da vinda de duas pessoas além de João, e sabemos que apenas uma veio fisicamente, a saber, o anjo ou mensageiro do pacto, Jesus. 

Mas falhou a profecia pela ausência de Yahuwah? 

De forma alguma, pois Yahuwah estava com Jesus a todo momento, nunca deixando seu filho, pois o nome e o poder de Yahuwah estava com ele.  João 7:17-18  7:29  8:29  17:11-12  
Assim, é tão somente natural e compreensível que baseando-se nas regras básicas da hermenêutica e exegese bíblica, se compreenda que onde Jesus entra, pisa, estaciona, levanta e segue, Yahuwah através de Seu espírito no filho igualmente se faz presente. Isso no entanto não faz do mensageiro do pacto o próprio Yahuwah ou que Yahuwah tenha passado literalmente por algum portão.

Devemos nos lembrar que Jesus como o anjo de Yahuwah  ainda deve finalizar a tarefa de levar os do povo de Deus a uma terra boa, terra que mana leite e mel, que na sua realidade, simboliza a Nova Jerusalém que descerá de Deus.
Isaías 53:10-12  Êxodo 23:20-21   Apocalipse 21:2, 9-10

Jesus é o templo de Deus no qual Yahuwah estava, e eles, nosso templo.
João 2:19-21  1 Coríntios 6:19  2 Coríntios 6:16  Efésios 2:20-22 

O texto referido pelo Senhor Rodrigo Silva não prova a trindade.



A história do menino que queria um rosto para crer

Certamente que Jesus é de fato uma representação exata da pessoa de Deus, pois é justamente isso que nos fala Paulo em sua carta aos Hebreus.

"Ele é o reflexo da [sua] glória e a representação exata do seu próprio ser"  Hebreus 1:3

Dito isso, fica evidente que Jesus pode com muita propriedade representar a Deus e estar posto como porta-voz de Yahuwah  O Pai. Mas dizer que a representação é o próprio ser que representa, não!
Dizer que o reflexo é a própria glória que é refletiva, não!  Absolutamente isso é decair no erro exegético.

Nunca vi Jesus, e tampouco vi a Deus, mas isso não me impede de crer neles e de aceita-los como verdadeiros, nem tampouco me impede de conhecê-lo com base naquilo que ele decidiu revelar de si e de seu filho Jesus.
Deuteronômio 29:29

Quanto a sua declaração de que Deus sabe o que é morrer, só posso lamentar pela infeliz declaração, pois Deus não pode morrer, pois as próprias Escrituras deixam isso claro.

 
"SENHOR, tu não és desde a eternidade? Meu Deus, meu Santo, tu não morrerás." 
Nova Versão Internacional

"Não és tu desde outrora, ó Yahuwah? Ó meu Deus, meu Santo, tu não morres."
Novo Mundo

Dizer que Deus morreu na "cruz" já é um erro em si mesmo, porque mesmo levando em consideração a trindade, quem teria morrido nela não teria sido Deus, mas teria sido apenas uma das pessoas da trindade, de modo que se isolarmos Jesus como sendo Deus que morreu na "cruz" estaremos dizendo que ele isoladamente é Deus distintamente dos demais, o que incorre em erro para os trinitários. Se apenas Jesus pode ser chamado de Deus como disse que o senhor Rodrigo, que Deus morreu na "cruz", então podemos dizer que Maria ou Míria de fato é Mãe de Deus. Θεοτόκος (Portadora ou mãe de Deus)

Deus é imortal e nunca sujeito a nada, ademais, Deus não pode abrir mão de seus atributos, pois Deus não possui atributos como se estes fossem acessórios. Deus é aquilo que observamos ele expressar, tal como amor, poder, justiça, conhecimento.
Quando os seres criados dizem que possuem um atributo, falam acertadamente pois eles receberam de alguém tal característica ou qualidade, de modo que vieram a ter, mas Deus não por vir a ter, e sim ele sempre é aquilo que é, de modo que esta história romântica de Deus abrir mão de seus atributos é falaciosa, pois abrir mão de atributos para Deus seria abrir mão de si mesmo, de sua existência. Isso é uma simples questão de lógica.


Esperamos que até aqui você tenha visto que a trindade não passa de fato de um ledo engano de teólogos confusos. Respeitamos a estes homens, mas somos obrigados a discordar e mostrar os motivos que nos leva a isso.  

Prossigamos para o próximo vídeo e sua refutação.



Vídeo 2


A Trindade no Novo Testamento - 2° Parte


"Isto significa vida eterna, que absorvam conhecimento de ti, o único Deus verdadeiro, e daquele que enviaste, Jesus Cristo."   João 17:3

O senhor Rodrigo depois de citar este texto, fala da problemática na aquisição do conhecimento de Deus, e inicia perguntando onde está Deus, onde ele se localiza.

Ora, Deus está onde ele desejar estar, sendo que para ele não existe espaço, pois ele vive fora do tempo, de modo que Deus não se move no sentido de vir a estar ou de se ausentar, pois todas estas coisas envolvem um deslocamento temporal, que é característico de coisas físicas e corporais, mas Deus não tem corpo, pois é um ser simples e não composto.

Deus não esta em todo lugar no sentido espacial, mas esta ciente de tudo que ocorre nos espaços virtuais mantidos pela sua vontade, como por exemplo, o nosso universo.  Não existe um espaço que caiba Deus, pois Deus não pode ser absorvido pela criação, de modo que o espaço tempo é uma existência contingente não essencial e a qual Deus criou, portanto Deus existe fora de tudo isso e não pode ser encerrado nela.  Isso no entanto não significa que ele não saiba do que ocorre neste meio, ele sabe.  E como sabe? Sabe pois tudo que vem a ser ou que passa de potência a ato precisa da permissão de Deus para se tornar ato, de modo que Deus sabe de tudo antes que ocorra, e quanto tempo antes?  Tempo nenhum, pois em Deus não existe tempo ou sucessão de movimentos, de modo que ele sabe desde a sua existência, ou seja, eternamente.


O senhor Rodrigo fala sobre a primeira criação de Deus, dizendo não saber o que ou quem foi.
Bem, antes de prosseguir aqui, tenho a dizer que se a primeira criação de Deus foi um anjo, então este anjo seria seu filho primogênito, sendo o primeiro gerado ou trazido a existência. Ele seria o primogênito de toda a criação e o principio da criação de Deus, não concordam?

Este anjo, por ser o primeiro dentre muitos outros, teria de ser o pioneiro deles, e obtendo primazia entre os demais, de modo que seria deles, o maior, o chefe. Ele seria o primeiro ou principal anjo, seria o arcanjo.
Ele herdaria mais da natureza de Deus por ser primogênito, sendo trazido a existência por Deus sem auxiliares, de modo que por ser filho de Deus, seria Deus, assim como filho de humano, é humano, mas este seria o único deus gerado.  Poderíamos o chamar então de deus unigênito, pois sua geração se deu exclusivamente por Deus, sem auxilio de agentes intermediários   Temos estes títulos todos aplicados a pessoa de Jesus.

Estaria este Ser preso no espaço tempo? Obviamente que sim, pois sua própria vinda a existência desencadearia o inicio de um movimento e o inicio de um espaço no qual o movimento ou tempo ocorreu. Assim, a geração de Jesus trouxe a existência o tempo e o espaço, e a partir dele, existiu um referencial pela qual se podia medir um principio, um evento, um acontecimento.

O senhor Rodrigo menciona que Deus usou uma máscara para se revelar, sendo esta máscara, a pessoa do filho, e nisso nós podemos concordar, pois o filho de fato é a representação do Pai a fim de nos revelar Deus, nisso nada encontra conflito com a nossa posição monoteísta.
Jesus atuando como um represente do Pai, pode manifestar-se onde o Pai desejar, interagindo no mundo físico, assim como um usuário do computador usa o teclado, o mouse e movimento a seta do mouse dentro do sistema operacional de um computador para fazer modificações dentro do sistema.

Jesus mesmo disse:

“Tenho estado tanto tempo convosco e ainda não vieste a conhecer-me, Filipe? Quem me tem visto, tem visto [também] o Pai. Como é que dizes: ‘Mostra-nos o Pai’?"  João 14:9

Significa isso que Jesus é o Pai como diz o Senhor Rodrigo?  Não, de forma alguma, pois nem mesmo os trinitários nutrem tal ideia.  Significa que quem deseja conhecer a Deus, deve aprender sobre Jesus, aquele que explica Deus através de suas ações. Jesus é a exegese e hermenêutica de Deus.  João 1:18

Isso é compreensível quando observamos que Jesus é usado como agente de Deus no tempo e espaço, assim como os demais anjos e até os humanos.  Nada disso implica em prova da trindade.

Quando o senhor Rodrigo declara que o espírito santo era Deus dentro das criaturas, deixa subentendido que nem Jesus e nem o Pai podem estar dentro de suas criaturas, isso não me parece lógico.



Marcos 12:35-37 - O Senhor de Davi


"No entanto, ao dar uma resposta, Jesus começou a dizer, ao ensinar no templo: “Como é que os escribas dizem que o Cristo é filho de Davi? O próprio Davi disse, pelo espírito santo: ‘Yahuwah disse ao meu Senhor: “Senta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés.”’ O próprio Davi o chama de ‘Senhor’, mas como é que ele é seu filho?”

O senhor Rodrigo inicia perguntando após ler a passagem: "Quem era o Senhor no antigo testamento?"

O erro do Senhor Rodrigo está em tentar forçar-nos a crer que a palavra Senhor é um palavra exclusivamente aplicada a Deus, o que não é verdade.

Por exemplo: A passagem de Marcos é citação de Salmo 110:1, onde existe nas traduções em português, duas ocorrências da palavra Senhor, mas não é assim que consta nos escritos originais.  Observe:

לְדָוִ֗ד מִ֫זְמֹ֥ור נְאֻ֤ם יְהוָ֨ה לַֽאדֹנִ֗י שֵׁ֥ב לִֽימִינִ֑י עַד־ אָשִׁ֥ית אֹ֝יְבֶ֗יךָ הֲדֹ֣ם לְרַגְלֶֽיךָ

A parte em vermelho diz: "Disse Yahuwah a meu senhor"

Vemos aqui então duas pessoas, as quais são mencionadas por títulos diferentes, uma delas é chamada de Yahuwah  que é o Deus de Davi, e este Deus de Davi, diz a outro que é senhor ou amo de Davi, que ele se sente-se a Sua direita até que Yahuwah ponha os inimigos do Senhor de Davi sob os pés do mesmo.   Ora, para mim isso é muito simples de entender e demonstra que o primeiro ser é chamado de Yahuwah  O Deus de Davi, o segundo, não é chamado de Deus de Davi, mas Senhor.  Nada disso apoia a trindade, e o tetragrama jamais pode ser aplicado aqui ao senhor de Davi o qual Yahuwah concede sentar-se a Sua direita.

Alguns dizem até mesmo que Yahuwah fez de Jesus Senhor ou Yahuwah, mas isso é uma declaração absurda.

"Realmente, Davi não ascendeu aos céus, mas ele mesmo diz: ‘Yahuwah disse a meu Senhor: “Senta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos como escabelo para os teus pés.”’ Portanto, que toda a casa de Israel saiba com certeza que Deus o fez tanto Senhor como Cristo, a este Jesus, a quem pregastes numa estaca.”
Atos 2:34-36

Observe que Deus fez Jesus senhor e cristo, de modo que Jesus recebeu de outro tais qualificações, e se veio a receber, é porque antes não as possuía, e se não as possuía  não poderia ser Deus, pois Deus não pode receber nada de outro, pois Deus não pode aumentar e nem diminuir suas qualidades. Deus é imutável.

Para entender que Jesus ser feito senhor não significa que ele seja Deus ou Yahuwah  e sim que foi feito amo, chefe ou rei, observe o que ocorreu com José, filho de Jacó.

Ele foi feito Senhor do Egito, sim, até mesmo sendo mencionado no plural, devido a potência e majestade de sua posição, José era "Senhores" do Egito, sendo plural majestático.

Quem o fez Senhor do Egito? Faraó.
Ele tinha poderes iguais ao de Faraó? Sim, poder executivo.
Ele tinha a mesma posição que Faraó? Não, Faraó detinha ainda supremacia.

Observe Gênesis 41:37-46

"Ora, a coisa mostrou-se boa aos olhos de Faraó e de todos os seus servos. Faraó disse, pois, aos seus servos: “Pode-se achar outro homem semelhante a este, em quem há o espírito de Deus?” 
Faraó disse depois a José: “Visto que Deus te fez saber tudo isso, não há ninguém tão discreto e sábio como tu. 
Tu estarás pessoalmente sobre a minha casa, e todo o meu povo te obedecerá implicitamente. 

Somente com respeito ao trono serei maior do que tu.” E Faraó acrescentou a José: “Vê! Eu deveras te constituo sobre toda a terra do Egito.” Com isso, Faraó tirou da sua própria mão o seu anel de sinete e o pôs na mão de José, e vestiu-o de roupas de linho fino e colocou-lhe um colar de ouro em volta do pescoço. 

Além disso, fê-lo andar no segundo carro de honra que tinha, para que clamassem adiante dele: “Avreque!”, constituindo-o assim sobre toda a terra do Egito.

E Faraó disse mais a José: “Eu sou Faraó, mas sem a tua autorização nenhum homem poderá erguer sua mão ou seu pé em toda a terra do Egito.” Depois, Faraó chamou José pelo nome de Zafenate-Panéia e deu-lhe por esposa Asenate, filha de Potífera, sacerdote de Om. 
E José começou a percorrer a terra do Egito. E José tinha trinta anos de idade quando compareceu perante Faraó, rei do Egito."

Aqui observamos que Faraó designou José como Senhor (Gn 42:30) sobre todo Egito, e que ele teria todo poder dado por Faraó para fazer o que desejasse, mas que apenas no que dizia respeito a posição de soberania ou poder, Faraó seria a exceção, pois seria maior que José hierarquicamente. Interessante é que José tinha trinta anos de idade ao se apresentar a Faraó e ser designado sobre toda o Egito, e Jesus, igualmente trinta anos ao se apresentar perante Deus em seu batismo no Jordão, e ser feito Senhor e Cristo sobre toda a casa de Deus.
Lucas 3:21-23

Na verdade tudo que ocorreu com José é uma figura, tipo ou sombra do que ocorreria com Jesus, ao ser designado Senhor da casa de Deus, designando um homem ou escravo para dar alimento no tempo apropriado aos de sua casa durante a fome que se abateria no mundo, até mesmo levando os de sua família a morar com ele, na casa de seu Senhor Faraó, onde havia um lugar reservado para eles. É grande o mistério disso tudo, e não tratarei disso neste momento, mas num artigo futuro. Mateus 24:45

No entanto, nada disso que o senhor Rodrigo Silva menciona prova a doutrina da Trindade.



Eu e o Pai somos UM


"Eu e o Pai somos um.”  João 10:30

O senhor Rodrigo toma a liberdade de mencionar que este texto esta dizendo que Jesus e o Pai são um "Deus".
Não encontramos a palavra théos no texto sagrado especifico senhor Rodrigo, poderia nos mostrar o manuscrito que o senhor se utilizou para fazer tal declaração dogmática?

וַאֲנִי וְהָאָב אֶחָד

No hebraico, esta passagem seria escrita como acima, sendo a mesma construção que enfatizava a união entre o homem e sua esposa no Éden.  A palavra hebraica ’ehhádh expressa um número, e sua enfase recai na unidade daquilo a que ela se aplica, a saber, a união de ambos.  Nada no texto ou na palavra tem como objetivo apontar uma unidade física ou de ser, pois o homem e sua esposa era dois seres, distintos e desiguais em várias coisas, inclusive de natureza, pois a humanidade de Adão era original e não derivada, a da mulher, derivada do homem, sendo que ele era hierarquicamente superior, sendo anterior a ela e sendo fonte de sua existência e natureza.

O filho de Deus igualmente, herdou do Pai a sua natureza, a qual estava em Deus antes dela ser manifestada externamente pela geração do filho, o qual, se torna "um só" com o Pai, assim como homem e mulher são "um só", sem que com isso as naturezas sejam idênticas ou que estes sejam um só Ser ou da mesma posição.

Ademais, pode-se observar que a palavra denota unidade de cooperação e união quando a observamos sendo aplicada aos cristãos como um todo.  Observe na Tradução do Novo Mundo.

"A fim de que todos sejam um, assim como tu, Pai, estás em união comigo e eu estou em união contigo, para que eles também estejam em união conosco, a fim de que o mundo acredite que me enviaste." João 17:21

Vamos ler esta passagem na Almeida Corrigida.

"Para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu, em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste."  João 17:21

לְמַעַן יִהְיוּ כֻלָּם לְאֶחָד כַּאֲשֶׁר אַתָּה אָבִי בִּי וַאֲנִי בָּ
כֵּן יִהְיוּ גַם־הֵם בָּנוּ לְבַעֲבוּר יַאֲמִין הָעוֹלָם כִּי אַתָּה שְׁלַחְתָּ

A mesma palavra grega ἕν (hen) e sua correspondente hebraica אֶחָד,(’ehhádh) constam três vezes também em João 17:22-23.     Observem:

"Eu lhes tenho transmitido a glória que me tens dado, para que sejam um¹, como nós  somos; eu neles, e tu em mim, a fim de que sejam aperfeiçoados na unidade³, para que o mundo conheça que tu me enviaste e os amaste, como também amaste a mim."

Poderá notar que o próprio tradutor da versão almeida, entende que se trata de "união", ao traduzir por unidade.
Assim também verte a NVI. A versão na linguagem de hoje diz: "Para que eles sejam completamente unidos"

A própria palavra sendo neutra, descarta a possibilidade de que esteja dizendo que ele e o Pai sejam uma só pessoa, a saber, a pessoa de Deus.  Isso fica evidente, a Pessoa de Deus é só o Pai, conforme Paulo declara em sua carta aos Corintios, conforme o capítulo 8 verso 6.

"Para nós há realmente um (אֶחָד [’ehhádh] hebraico, e εἷς grego)
 só Deus, o Pai."

Ademais, se houvesse uma declaração aqui sobre a divindade trina, deveria estar junto nesta declaração, a pessoa do espírito santo, mas Jesus não o menciona, de fato, não existe trindade.



João 14:8-9


"Filipe disse-lhe: “Senhor, mostra-nos o Pai, e isso chega para nós.” Jesus disse-lhe: “Tenho estado tanto tempo convosco e ainda não vieste a conhecer-me, Filipe? Quem me tem visto, tem visto [também] o Pai. Como é que dizes: ‘Mostra-nos o Pai’?"

O senhor Rodrigo Silva após fazer a leitura do texto bíblico, declara que Jesus é O Pai.
Ora, sabemos que isso é contrário até mesmo a doutrina da Trindade que advoga que o Filho não é o Pai e nem o Pai o filho, e ambos não são o espírito Santo, mas três pessoas distintas é que cada um deles são.
Isso é o que pregam os trinitários.
Assim percebe-se que o Senhor Rodrigo Silva está um tanto quanto confuso em suas declarações, ou foi impreciso na declaração citada.


Filipenses 2:9-11

"Por esta mesma razão, também, Deus o enalteceu a uma posição superior e lhe deu bondosamente o nome que está acima de todo [outro] nome, a fim de que, no nome de Jesus, se dobre todo joelho dos no céu, e dos na terra, e dos debaixo do chão, e toda língua reconheça abertamente que Jesus Cristo é Senhor, para a glória de Deus, o Pai."

Ao tentar usar este texto para provar um atitude de adoração a Jesus, o senhor Rodrigo Silva deixa de mencionar que era costume dos povos hebreus e outros, prostrar-se diante de muitas pessoas de posição elevada em sinal de respeito e submissão.  Isso jamais deve ser usado como um argumento válido pois é desonesto atribuir a uma ação uma conotação que o contexto não admite. Jesus não foi adorado e sim reconhecido em sua posição de destaque, e corretamente se procede a nossa atitude de se submeter a sua autoridade.

No artigo "Devemos adorar Jesus", você encontra uma série de ocasiões onde servos de Deus se ajoelharam diante de homens, prostrando-se de joelhos diante deles sem que com isso estivessem adorando ou atribuindo alguma divindade as pessoas diante das quais ajoelharam-se.   Clique aqui e observe.
Certamente que o Senhor Rodrigo reconhece isso, mas omite este fato neste trecho do seu discurso pois isso não convém num discurso que tem por objetivo promover a trindade.

É verdade que um anjo em Apocalipse 22:8-9 adverte João de que ele não devia adorá-lo, mas isso não pode ser aceito como um ato de idolatria da parte de João que era Judeu e corretamente compreendia que só Deus devia ser adorado. Significa antes, que João certamente esta a dar excessiva honra a este poderoso anjo por chegar a crer que ele estava na mesma categoria de Jesus.  E isso era errado, pois a honra que se devia a Jesus estava acima da que se devia aos anjos, de modo que em outras palavras, o anjo queria dizer:

"Não atribua a mim nenhuma posição que não me cabe, minha função é igual a tua, revelar a obra de Jesus, que aliás, é o motivo das revelações, se deseja adorar alguém, adore a Deus".

A palavra grega que se usou para destacar a ação de João para com o anjo, é a mesma que se usou em várias outras passagens das Escrituras de atitudes para com Jesus e outros homens de Deus, os quais igualmente não negaram a ação da parte das pessoas, a saber, de se prostrarem diante delas em prestação de homenagem e honra devida. Como o erudito em grego bíblico Vine disse: "A adoração a Deus não é definida em nenhuma parte das Escrituras"  Página 375  2º edição - 2003

Assim devemos nos guiar pelo contexto e entendermos que em certas circunstâncias, a ação pode envolver a adoração ou não, e para saber qual a conclusão, apenas a análise contextual pode defini-la.
Portanto não se pode honestamente entender de Filipenses 2:9-11 que Jesus deva ser adorado.

Aliás, quando se faz a leitura deste texto corretamente, se observa que Jesus é feito Senhor, ou seja, ele é elevado a destra de Deus com autoridade, como se diz no Salmo 110:1. Não se diz no texto que Jesus é feito Yahuwah ou que é feito Deus, até porque isso seria absurdo. Antes, se diz que ele é colocado numa "posição superior", e isso é para a glória de Deus, que se diz ser O Pai.

É interessante notar de fato que Jesus ao refutar as palavras de Satanás que lhe ofereceu todos os reinos do mundo em troca de uma ato de adoração ou honra especial, disse:

"κύριον τὸν θεόν σου προσκυνήσεις καὶ αὐτῷ μόνῳ λατρεύσεις."
‘É a Yahuwah, teu Deus, que tens de adorar e é somente a ele que tens de prestar serviço sagrado.’” 
Mateus 4:10

Jesus destacou a adoração (προσκυνήσεις) como sendo algo que somente (μόνῳ=Sozinho, sem parceiros, únicoa ele (αὐτῷ=ele mesmo, o próprio), Deus, deveria ser direcionada.

Se Jesus estivesse querendo se incluir entre O Deus (τὸν θεόν) que as pessoas deveriam adorar, ele teria tido:

"κύριον τὸν θεόν σου προσκυνήσεις καὶ ἡμεῖς (nós) μόνῳ λατρεύσεις."

Mas Jesus usou a palavra αὐτῷ que aponta para um outro ser, que traduzido em português, é pronome oblíquo tônico "ele".

Será que se Rodrigo Silva perguntasse a Jesus: "Mestre Jesus, devemos adorar a você ou não?"
Será que Jesus daria uma resposta diferente das palavras dirigidas a Satanás?  Eu creio que não.


______

O senhor Rodrigo Silva igualmente insiste em acusar de politeísmo quem crê que Jesus é um Deus menor que o Pai, mas despercebe que Jesus mesmo disse que ele era menor que o Pai, e em sua declaração não está envolvida  nenhuma conotação temporal, como se ele fosse menor apenas quando na terra como humano.
Jesus é o mesmo ontem hoje e sempre, ou seja, ele até pode ser elevado em posição, mas deixar de ser quem ele é na sua natureza ou origem, jamais, pois isso seria despersonaliza-lo.
Existe muita evidência bíblica para provar que servos de Deus, anjos e até mesmo humanos foram chamados de deuses por Yahuwah, O Pai, por lhe representarem e terem sido designados como representantes dele.
Jesus mesmo usou este argumento quando fora questionado sobre sua afirmação de ser filho de Deus, pois ele mencionou que os seus opositores estavam sendo incoerentes com as Escrituras ao condená-lo por se dizer Filho de Deus quando o próprio Deus chamava na sua palavra humanos que o representavam de Deuses.
Veja João 10:34

Será que estes homens eram deuses falsos?
Eram os anjos deuses falsos? 

Paulo usou a Septuginta que menciona a tradução de "elohim" como sendo "anjos", e o espírito santo confirmou isso ao direcionar Paulo a usar a mesma fraseologia e sentido em Hebreus 2:7, então torno a perguntar: Eram estes anjos e humanos representantes de Deus, deuses, sim ou não?
Se a resposta sem rodeiros e malabarismo do Senhor Rodrigo Silva for "Sim", então temos de compreender que existe sim muitos que se chamam "deuses" quer no céu, quer na terra, e que estes acima mencionados, por sua vez, não constituem-se "deuses falsos", pois o próprio Deus Pai assim os designou.
Se o senhor Rodrigo Silva disser que "Não", que eles não eram "deuses", então só podemos crer que o Senhor Rodrigo não aceita aquilo que a palavra de Deus afirma sem ressalvas.

Eram Iguais ao Pai estes "deuses"? De forma alguma, pois eram designados como "deuses" por serem admitidos como filhos de Deus e recebendo dele esta posição, e não por serem eternos e possuindo igualdade hierárquica com o Pai.  É exatamente desta forma que Jesus é Deus ou deus, por herdar do Pai sua natureza divina e ter sido feito ou trazido a realidade de dentro do Pai, o qual trouxe a realidade o Ser que já existia eternamente em Deus, assim como todos nós existíamos em Deus eternamente.

Isso é politeísmo? Não podemos dizer que sim, pois se por politeísmo temos a definição da existência e crença de muitos Deuses iguais em poder e autoridade, então não pode-se dizer que sim, pois nós cristãos monoteístas não acreditamos na existência de nenhum Deus igual ao Pai Yahuwah  e sim que existem deuses por designação e herança, os quais são seus filhos.

Tampouco adoramos outro Ser que não ao Pai. De modo que politeísmo seria acreditar que Deus é O Pai, Deus é O filho e Deus é também o Espírito Santo, e adorar a cada uma destas pessoas, pois quando estivéssemos orando e adorando ao Pai, não estaríamos adorando nem ao Espírito Santo e nem ao Filho. Se mencionar que adoram a trindade, significaria que estão adorando uma associação de pessoas e não Uma Só Pessoa.  Acho que o politeísmo é realmente um grave pecado quando envolve a adoração e honra igualitária de várias pessoas divinas, nesta caso, a Trindade é flagrantemente uma adoração pluralizada.



Colossenses 2:9 - Jesus é Deus mais ou menos?

Embora já tenhamos tratado deste texto nos escritos acima, vamos destacar mais alguns detalhes.

Colossenses 2:9 não prova trindade, apenas declara que O Pai desejou que o Filho exibisse as capacidades que existem no Pai. Essas capacidades lhe foram dadas; não lhe são, portanto, naturais.   Colossenses 1:19
Receber a dádiva da plenitude da Divindade não significa ser a Divindade da qual recebeu tal dom,e  sim que Jesus foi capacitado ou como ele mesmo disse: Foi-lhe dado "todo poder no céu e na terra". Mateus 28:18

Interessante notar que Jesus transfere esta mesma plenitude aos cristãos, pois ele sendo a cabeça do corpo, concluímos que a plenitude que a cabeça exibe necessariamente deve se espalhar a todo o corpo.
Isso é o que observamos quando lemos do verso 9 ao 19.

"Pois em Cristo, como ser humano, está presente toda a natureza de Deus, e, por estarem unidos com Cristo, vocês também têm essa natureza. Ele domina todos os poderes e autoridades espirituais. Por estarem unidos com Cristo, vocês foram circuncidados não com a circuncisão que é feita no corpo, mas com a circuncisão feita por Cristo, pela qual somos libertados do poder da natureza pecadora.
Pois, quando vocês foram batizados, foram sepultados com Cristo; e no batismo também foram ressuscitados com ele por meio da fé que vocês têm no grande poder de Deus, o mesmo Deus que ressuscitou Cristo.
Antigamente vocês estavam espiritualmente mortos por causa dos seus pecados e porque eram não-judeus e não tinham a lei. Mas agora Deus os ressuscitou junto com Cristo. Deus perdoou todos os nossos pecados e anulou a conta da nossa dívida, com os seus regulamentos que nós éramos obrigados a obedecer. Ele acabou com essa conta, pregando-a na cruz.
E foi na cruz que Cristo se livrou do poder dos governos e das autoridades espirituais. Ele humilhou esses poderes publicamente, levando-os prisioneiros no seu desfile de vitória.
Portanto, que ninguém faça para vocês leis sobre o que devem comer ou beber, ou sobre os dias santos, e a Festa da Lua Nova, e o sábado.
Tudo isso é apenas uma sombra daquilo que virá; a realidade é Cristo.
Não deixem que ninguém os humilhe, afirmando que é melhor do que vocês porque diz ter visões e insiste numa falsa humildade e na adoração de anjos. Essas pessoas não têm nenhum motivo para estarem cheias de si, pois estão pensando como qualquer outra criatura humana pensa.
Elas não estão ligadas a Cristo, que é a cabeça. Cristo controla o corpo todo, o alimenta e mantém unido por meio das juntas e ligamentos, e assim o corpo cresce como Deus quer que cresça."
Nova Tradução na Linguagem de Hoje

Este é o sentido dom texto de Colossenses 2:9, e ele não prova nenhuma trindade.
Compare com Efésios 4:13.

"Até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo"

Ademais, O Pai que é o único Deus verdadeiro (João 17:3) não possui corpo para que como Jesus, ter corporalmente a plenitude da divindade, pois ele é A Divindade, sendo tudo o que é sem nada ter como posse.



João 1:18 - Ninguém jamais viu a Deus


"Ninguém jamais viu a Deus; o Deus unigênito, que está no seio do Pai, é quem o revelou." João 1:18

Quando o Senhor Rodrigo menciona que Jesus era aquele que Moisés falou e o qual muitos outros viram e com os quais falaram, era Jesus, nisso concordamos, pois de fato Jesus ou Miguel o arcanjo era de fato desde o início aquele que era porta-voz e agente principal de Deus.  Quando as Escrituras dizem que ninguém jamais viu a Deus, mas que o deus unigênito o tem explicado ou revelado, isso fica ainda mais claro, ou seja, de que Deus através de seus filho primogênito viria a se fazer conhecido.  Mas no que isso prova a Trindade é ainda uma pergunta que cabe ao senhor Rodrigo responder.

Já mencionamos que Jesus como Miguel já estava atuante nos dias de Moisés, e que ele era o anjo especialmente designado para levar os Israelitas a terra da promessa. Anjo que detinha uma nomeação impar, pois ele levava o próprio nome de seu Deus, Yahuwah.  Judas 9  Êxodo 23:20-23  Daniel 10:21  12:1


O senhor Rodrigo menciona que Deus se fez carne e veio a Terra, mas mesmo crendo na Trindade, isso não é uma declaração verdadeira, pois não foi Deus quem se fez carne, e sim Jesus, apenas uma das pessoas da suposta trindade, de modo que O Pai nunca se fez carne e nem o Espírito Santo, apenas o Filho.

As liberdades descritivas que o senhor Rodrigo demonstra que ele se sai bem como contador de eventos celestiais obviamente revelados por uma mulher que aceitam como tendo sido possuidora do dom da profecia.
Aliás, muitos chegam a citar Ellen White como se ela fosse mais um dos apóstolos, sendo infalível em suas declarações.  Com todo respeito, para mim Ellen não passava de mais uma pessoa em busca da verdade mas ainda não tendo a encontrado.

Narrando sobre os questionamentos de Satanás acerca de Jesus, o senhor Rodrigo menciona que Deus teve de postar Jesus sentando e esclarecer a Satanás e os outros anjos que Jesus era Ele mesmo, O Pai, de uma forma que eles podiam ver ou compreender. Bem, eu realmente não conheço este trecho bíblico e portanto, para mim ele não tem valor nenhum em um debate sério.  Isso é uma declaração subjetiva sem comprovação alguma.
Até me pergunto como poderiam tais anjos comprovar a veracidade das declarações de Deus sobre Jesus se não podiam nem vê-lo e nem compreendê-lo para então aceitarem tais declarações como disse o Senhor Rodrigo.

As palavras do Senhor Rodrigo me soam até anti trinitárias, observe este trecho.


Observe: "Nós não fomos feitos a imagem e semelhança do Deus grandioso, por que? Porque ninguém é como Deus"    Aqui ele traça uma distinção entre o que Jesus era e o Deus grandioso é. Observaram?
Isso em si mesmo é contradição, pois demonstra que o Deus grandioso difere do "Deus revelado".

Daí ele conclui dizendo que nós fomos feitos a imagem de Jesus, "o Deus revelado", que tem forma de Deus, sendo esta forma, a revelação de Deus.  Qualquer pessoa percebe que ele esta dizendo em outras palavras que a forma na qual Jesus existe, é uma forma diferente da do "Deus Grandioso" que ninguém se iguala.

Isso sim é mais um desserviço para apologética trinitariana.



O Espírito Santo - Quem é?

O senhor Rodrigo Silva menciona as várias interpretações que muitos fornecem sobre o que ou quem é o Espírito Santo, alguns dizendo ser ele uma força, outros dizendo ser ele Jesus, e eu acrescentaria que outros dizem ser ele os anjos de Deus.  Na verdade, o espírito santo em primeiro lugar, é chamado de espírito do Pai, de modo que já temos aí uma clara indicação do que se trata. Observem:

"...pois, quem fala não sois apenas vós, mas é o espírito de vosso Pai, que fala por meio de vós."  Mateus 10:20

Analisemos o que é o espírito do homem para entender o que é o espírito de Deus.  Será que o espírito do homem é uma entidade distinta e separada dele? Seria uma pessoa espiritual que existe dentro do nosso corpo e de substância distinta e possuindo consciência independente?  Certamente que não!

Como já destacamos em outros artigos sobre o assunto, o espírito do homem é aquilo que existe como força intelectual, força impelente, inclinação ou modo de agir.  É impessoal por se tratar de uma força motriz, mas não existe sem a pessoa que a expresse. Ele pode ser transmitido a outros através do grau de influência e motivação que causa ao ser observada.   Exemplo: Posso através de minhas palavras e ações, inspirar outros a agir de determinada maneira através do espírito que demonstro ter, e assim, eu estou enviando meu espírito a eles que por sua vez, passaram a estar sob a influência e ação do meu espírito.  O espírito é meu e de mim se irradia a outros, mas não é uma pessoa distinta de mim, mas sim eu mesmo na força intelectual que existe em mim.

Outro exemplo: (Parte extraída do Artigo - Monoteísmo - uma questão de lógica)

Na teologia especulativa e extra bíblica dos trinitários, o espírito de Deus é uma terceira pessoa nesta suposta associação comunitária chamada trindade.

Não lhes é possível entender que o espírito de Deus ou espírito do Pai é tão somente o espírito que ele mostra ter e expressar, assim como Paulo que estando em Atenas teve seu espírito irritado.  Atos 17:16
Veja também estes textos onde Paulo fala de seu espírito. 1 Coríntios 5:4 16:18
No caso de Paulo nenhum trinitário diria que uma segunda pessoa distinta estava irritada ou reanimada junto dele, pois compreendem pela sua faculdade de raciocínio lúcido e lógico que o espírito de Paulo é o próprio espírito que Paulo demonstra ter.   Mas quando a paixão cega por uma crença não teológica e sim herética e blasfema está em jogo, esta mesma capacidade de lucidez e raciocínio lógico some e deixa lugar para mais especulações filosóficas e argumentações do tipo Ad infinitum.   Traduzindo em palavras mais simples  - Argumentos do tipo "blá blá blá".

O espírito do Pai é Deus assim como o espírito de Paulo é o Paulo, sendo o possuidor do espírito o mesmo que manifesta este Seu espírito da forma como queira diante das circunstâncias que se apresentarem. Se o espírito de Deus é mencionado como falando ou sendo magoado ou irritado é tão somente porque está é a manifestação do possuidor deste espírito o qual através do mesmo, exterioriza sua disposição interna, a qual é um mistério a menos que se manifeste pela exteriorização manifestada pelo espírito que demonstra ter.  Romanos 8:11

Podemos exemplificar por comparar a vida que possuímos, a vida não é uma entidade separada de nós, mas é nossa própria manifestação consciente.

Outro exemplo: Posso falar de "minha mão", e até dizer que foi minha mão quem digitou estas palavras, mas minha mão não é outra pessoa, e sim parte de mim e sendo eu mesmo atuando e interagindo onde eu puder alcançar.

Deus usa seu espírito como uma mão, podendo ser lançada ou enviada para alcançar qualquer lugar, sendo de si mesmo, não é uma pessoa distinta do Pai, mas sua capacidade de conectar-se e estar onde desejar.

Quando envia seu espírito, envia de si mesmo ao alvo de sua atenção.  2 Coríntios 3:17-18  Êxodo 9:15
Isaías 48:12-13   66:2  Daniel 4:35  5:5-6   Amós 2:9
Yahuwah estende a sua mão, seu espírito.

O espirito de uma pessoa não é outra pessoa que coexiste junto dela, mas ela mesma na manifestação de seu eu e da força motriz que a impulsiona.

(Fim da citação do artigo)



Jesus - Filho de Deus?


O senhor Rodrigo menciona que a pobreza da língua hebraica causaria confusão na mente de seus leitores quanto a verdadeira natureza do filho de Deus.
Ele até mesmo menciona que baseado nesta limitação adjetival, eles diziam que ser filho de algo, significava ser aquilo do qual se dizia ela ser filho ou filha, exemplo:  Filho da sabedoria = Sábio, e assim por diante.

Nesta base ele defende que Jesus ser chamado de filho de Deus, ele é divino.
Bem, em que parte os monoteístas cristãos não trinitários dizem que Jesus não era divino, aliás, quando foi que algum monoteísta disse alguma vez que Jesus até mesmo não pode ser chamado de um Deus ou Deus?
1 Coríntios 8:5-6

Interessante é notar que o senhor Rodrigo não disse que por ser Jesus chamado de "filho de Deus", ele seria Deus, pois isso automaticamente faria com que aceitassem que os anjos e até mesmo humanos por serem chamados de "filhos de Deus" fossem Deus.
  
"Pois quem lá no alto se pode comparar a Yahuwah? Quem entre os filhos de Deus é semelhante a Yahuwah"
Tradução Brasileira da Sociedade Bíblica do Brasil

Aliás, como já mencionamos algumas frases acima, de fato anjos e humanos foram chamados nas Escrituras de Deuses. 




João 14:26 - O Consolador


"Mas o ajudador, o espírito santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar todas as coisas que eu vos disse."

Leiamos também João 15:26.

"Quando chegar o ajudador que eu vos enviarei do Pai, o espírito da verdade, que procede do Pai, esse dará testemunho de mim"

Agora leiamos Romanos 8:26

"De maneira semelhante, o espírito também se junta com ajuda para a nossa fraqueza; pois não sabemos o [problema de] em prol de que devemos orar assim como necessitamos, mas o próprio espírito implora por nós com gemidos não pronunciados"

Tais textos são usados pelo senhor Rodrigo Silva para alegar que o espírito santo é outra pessoa distinta do Pai e de Jesus,e que por ser enviado pelo Pai, não pode ser o Pai.

Como já mencionamos acima, o espírito do Pai não é outro senão o próprio Pai na força que emana de si mesmo e irradia-se aos seus servos, a fim de os capacitar.  

Pode o espírito de uma pessoa estar presente onde a pessoa em si não esteja? 
Bem, Paulo disse que sim, observe.

"Eu, da minha parte, embora ausente em corpo, mas presente em espírito, certamente, como se estivesse presente, já tenho julgado o homem que agiu de tal modo"  1 Coríntios 5:3

Paulo nesta passagem falava que seu espírito estava com os Coríntios no julgamento efetuado a um pecador impenitente, embora ele mesmo não estivesse fisicamente presente. Estava o espírito de Paulo entre os Corintios? Sim ou não? É claro que sim. 
Era o espírito de Paulo presente entre os Corintios uma pessoa distinta dele?
Claro que não.

Jesus diz que enviaria o espírito do Pai porque ele mesmo seria o disseminar ou distribuidor deste espírito, de modo que Jesus é o mediador ou aquele que batiza com espírito santo. Mas quem fornece o espírito santo a fim de que Jesus o utilize para batizar e distribuir aos seus servos? Ora, Jesus mesmo diz que o espirito é o Pai que enviará, e que Jesus envia após ter recebido do Pai, mas que procede ( grego: ἐκπορεύεται = de dentro é transferido, projetado, sai ) do Pai.   Notou como fica simples a compreensão?

O Pai envia de seu espírito ao Filho que por sua vez distribui aos demais como mediador, entre Deus e os homens, de modo que o espírito vem desde o Pai e, através do filho, se dispersa até os destinatários.  Este espírito está presente nos seus servos e entre seus servos mesmo o Pai existindo fora de sua criação física, assim como Paulo que ausente geograficamente de Corinto, estava presente em espírito.

Este espírito ensina os discípulos e dá testemunho de Jesus por ser a forma do Pai agir entre seus servos, de modo que a força que desde o Pai emana até seus servos induz e conduz todas as situações a fim de cumprir os propósitos de Deus, sendo todos os servos de Deus conduzidos por este espírito.

Podemos comparar ao espírito do mundo, observem.

"Ora, não recebemos o espírito do mundo, mas o espírito que é de Deus, para que soubéssemos as coisas que nos foram dadas bondosamente por Deus."  1 Coríntios 2:12

O espírito do mundo não é uma pessoa, mas sim a força presente nas pessoas infectadas pelo pecado, já o espírito de Deus também não é uma pessoa, mas a força ou estado do Ser, santa, pura e livre de corrupção.
Ter o espírito de Deus não significa ter uma pessoa, e sim agir como Deus agiria e atuar como ele atuaria estando assim sob a influência que resulta da vontade de Deus para a vida da pessoa.

Mas como o espírito implora por nós com gemidos não pronunciados?

Este espírito que é a manifestação do Pai para com seus filhos, transmitindo-lhes auxílio e força, fornece aos cristãos gradativamente revelações vindas do Pai, O qual, através de seu espírito dado aos cristãos, transfere, por meio de uma conexão ou elo, as verdades santas gradativamente. Isso é feito através de seus agentes. O espírito é a disposição ou força ativa de Deus, a qual ele deu aos cristãos. Este espírito, por sua vez, estando nos cristãos, implora e faz uma busca em Deus a fim de que as revelações de Deus sejam transferidas por meio desta conexão entre Deus e os cristãos. Este exame visa a trazer e a levar informações entre os mesmos.

"Pois não recebestes um espírito de escravidão, causando novamente temor, mas recebestes um espírito de adoção, como filhos, espírito pelo qual clamamos: “Aba, Pai!”  Romanos 8:15

"Ora, visto que sois filhos, Deus enviou o espírito do seu Filho aos nossos corações, e ele clama: “Aba, Pai!"
Gálatas 4:6

Paulo até mesmo faz uma comparação dizendo que nenhum homem sabe o que se passa no interior de outro homem, senão o espírito do próprio homem que está nele. Pois somente o homem pode fazer uma análise introspectiva e revelar o que se passa dentro de si caso o desejar.

1 Coríntios 2:11-12, observem.

"Pois, quem dentre os homens sabe as coisas do homem, exceto o espírito de homem que está nele? Assim, também, ninguém veio a saber as coisas de Deus, exceto o espírito de Deus. Ora, não recebemos o espírito do mundo, mas o espírito que é de Deus, para que soubéssemos as coisas que nos foram dadas bondosamente por Deus"

Assim é Deus. Ele envia seu espírito, o qual se conecta aos ungidos escolhidos, que, por sua vez, podem receber a transferência de informações devido ao exame que este espírito, estando agora também neles, busca em Deus.  
Deus, por sua vez, envia revelações segundo sua vontade através deste meio.



O senhor Rodrigo silva diz que só uma pessoa geme e intercede. Bem, vamos analisar outro detalhe.


O espírito de Jesus era uma pessoa distinta dele? As Escrituras dizem o seguinte em Marcos 8:12.

"Jesus, porém, arrancou do íntimo do seu espírito um gemido e disse: Por que pede esta geração um sinal? Em verdade vos digo que a esta geração não se lhe dará sinal algum."  Almeida Atualizada

καὶ  ἀναστενάξας  τῷ  πνεύματι  αὐτοῦ  λέγει·  τί  ἡ  γενεὰ  αὕτη  ζητεῖ  σημεῖον;  ἀμὴν  λέγω,  εἰ  δοθήσεται  τῇ  γενεᾷ  ταύτῃ  σημεῖον.  Texto grego de westcott e hort

"Ele gemeu então profundamente com seu espírito e disse: “Por que busca esta geração um sinal? Deveras, eu digo: Nenhum sinal será dado a esta geração." Novo mundo

Será que o espírito de Jesus era uma pessoa? Pode-se ver que o senhor Rodrigo Silva está equivocado.


Concordar, dar testemunho são atividades que apenas uma pessoa pode realizar? Sua resposta é sim?

"Porque são três os que dão testemunho: o espírito, e a água, e o sangue, e os três estão de acordo."
1 João 5:7-8

Observemos aqui que o espírito, a água e o sangue dão testemunho, e João diz ainda que os três concordam.
São três o que? Três pessoas?  A água é uma pessoa? Não? Mas como pode ela concordar e dar testemunho?
Como pode o sangue estar de acordo e dar testemunho sem ser uma pessoa?
No texto até mesmo se usa o artigo definido nominativo no plural duas vezes com relação a os três.

Notamos assim que não é anormal que as Escrituras personifiquem algo como dando testemunho, concordando  intercedendo, sem que necessariamente tais sejam pessoas. É preciso analise contextual para chegar a uma conclusão acertada.

Já mostramos acima textos onde se diz que o espírito de Paulo estava presente num lugar onde ele fisicamente não estava. Mencionamos que o espírito de Paulo ficou irritado. Mas significa isso que este espírito era distinto de Paulo ou uma pessoa dentro dele? Claro que não. Ficar irritado e se fazer presente não são atividades que somente uma pessoa pode fazer? Mas como o espírito de Paulo fez tais coisas?
Como o espírito de Maria poderia ficar alegre sem ser uma pessoa? Lucas 1:47
Como poderiam os irmãos de Paulo reanimar, recrear, recriar, trazer refrigério ao espírito de Paulo se o espírito de Paulo não fosse uma pessoa?  Poderiam alegrar e reanimarem uma força senhor Rodrigo Silva?  
1 Coríntios 16:18  NM ARC TB ALA
Como poderia o "nosso espírito" dar testemunho junto com o espírito de Deus, se o "nosso espírito" não fosse uma pessoa?  É o nosso espírito uma pessoa?  Romanos 8:16

Vemos assim que as argumentações do senhor Rodrigo Silva não resistem a uma analise contextual das formas pelas quais tanto nosso espírito quanto o espírito de Deus são mencionados.
Não existe evidência de uma terceira pessoa, e sim do Pai que atua mediante o espírito que demonstra ser.



Mateus 3:16-17 - A trindade no batismo de Jesus


"Jesus, depois de ter sido batizado, saiu imediatamente da água; e eis que os céus se abriram e ele viu o espírito de Deus descendo sobre ele como pomba. Eis que também houve uma voz dos céus, que disse: “Este é meu Filho, o amado, a quem tenho aprovado.”

O senhor Rodrigo diz que a trindade está clara aqui, pois se menciona Deus Pai, Deus filho e Deus espírito santo no texto. Ora, só consigo ver a menção de um Deus, O pai. Depois vejo um servo de Deus que está recebendo o espírito deste mesmo Deus Pai. Espírito este que antes desta ocasião, ele não possuía, de modo que de não possuidor do espírito, Jesus passou a possuí-lo. Ele recebe algo que não era dele, mas de outro que a ele concede este espírito, de modo que até este momento, a vida de Jesus não se centralizava nos propósitos de Deus, mas ao receber o espírito de Deus, passou a ser influenciado e induzido pelo mesmo modo de agir da Divindade.

Veja como isso foi profetizado.

"E do toco de Jessé terá de sair um renovo; e das suas raízes frutificará um rebentão. E sobre ele terá de pousar o espírito de Yahuwah, o espírito de sabedoria e de compreensão, o espírito de conselho e de potência, o espírito de conhecimento e do temor de Yahuwah; e deleitar-se-á no temor de Yahuwah."  Isaías 11:1-3

"Eis meu servo a quem estou segurando! Meu escolhido, [a quem] a minha alma tem aprovado! Pus nele o meu espírito. Justiça para as nações é o que ele produzirá"  Isaías 42:1

"O espírito do Soberano Senhor Yahuwah está sobre mim, visto que Yahuwah me ungiu para anunciar boas novas aos mansos. Enviou-me para pensar os quebrantados de coração, para proclamar liberdade aos que foram levados cativos e ampla abertura [dos olhos] aos próprios presos"  Isaías 61:1

E Isaías 11:1-3 observamos quantas pessoas?

1-Jessé
2-Renovo (Jesus)
3-Yahuwah (O Pai)
4-O espírito de Yahuwah
5-O espírito de Sabedoria
6-O espírito de Compreensão
7-O espírito de Conselho
8-O espírito de Potência
9-O espírito de Conhecimento
10-O espirito de Temor

Quais dessas são pessoas? Qualquer trinitariano diria que apenas as 4 primeiras, mas porque o espírito de Yahuwah seria uma pessoa e o espírito de Sabedoria não? Afinal, o espírito de sabedoria não é o espírito de Yahuwah?
Não são todos os demais manifestações do espírito de Deus?

Só existe três pessoas no texto, Jessé, Jesus e O Pai Yahuwah  os demais, são espíritos que revestirão o Renovo, sendo características que Deus através de seu espírito concederá ao seu filho exibir.

Isaías 42:1 demonstra que o espírito que é concedido ao Servo de Yahuwah Atos 3:13) é do próprio Pai, e não uma entidade distinta e separada do Pai. Yahuwah diz: "Pus nele o meu espírito."
Yahuwah estava dizendo que algo dele, que lhe é natural e intrínseco, seria então compartilhado com um de seus servos ou escravo.

Isaías 61:1 mostra que Yahuwah ungiu ou conferiu poder a Jesus mediante a transferência de espírito de si ao seu filho.
Estar sobre Jesus, indica que desde aquele momento, Jesus passaria a estar debaixo do poder do espírito de Deus, sendo conduzido e direcionado pela força que existe em Deus e que agora impulsionaria e capacitaria Jesus, como um fluxo continuo que emanaria desde Deus em direção ao filho.

Nenhum dos textos mostra trindade, mas todos eles mencionam Yahuwah  um servo dele, e a concessão do espírito de Deus sendo fornecida a este servo a fim de o capacitar a realizar a vontade de Deus.  Em nenhum momento na história judaica se cogitou ser tais textos alguma alusão a trindade, e sim que um prometido salvador seria ungido com características divinas para reger o povo de Deus.

Exemplificando:

O espírito de Satanás não é uma outra pessoa, e sim o próprio Satanás em sua força maligna de atuação.
O espírito do Anticristo não é uma pessoa, mas sim a disposição de uma classe de pessoas contra o Cristo.
O espírito de Elias no qual veio João pregando, não era uma outra pessoa, mas a força ou disposição que motivava Elias. O espírito do mundo não é uma pessoa, mas sim a força motriz que motiva as ações mundanas.
O espírito de Deus não é uma outra pessoa, mas a força atuante de Deus para o bem que nele é natural e inerente. Este espírito não é onipresente, pois pode ser enviado e pousar sobre as pessoas; e, se é enviado, fica claro que o envio e a ação dele significa uma manifestação deste espírito para fins divinos onde quer que Deus os queira.
Gênesis 6:3   1 João 4:3   2 Reis 2:15   1 Coríntios 2:12   Salmo 104:30

Logicamente nenhuma pessoa inteligente diria que o espírito de Elias que pousou sobre Eliseu assim que Elias ascendeu numa carruagem de fogo é uma pessoa ou entidade espiritual distinta de Elias e com personalidade exclusiva. Se dissessem isso em qualquer debate teológico seriam visto como bebês espirituais dignos de pena e misericórdia.
O espírito de Elias que veio sobre Eliseu e sobre João batista é a mesma configuração de espírito que existia e era de Elias e a qual foi concedida por Deus estar também noutros servos seus.

Mas estas mesmas pessoas que evitariam este tipo declaração não se sentem envergonhados de declarar que o espirito de Deus que pousou sobre Jesus em seu batismo era uma pessoa distinta e de exclusiva personalidade.
Isso é algo tão contraditório que resta aos observadores ter um sentimento de tristeza, pois rir destas conclusões seria um tanto desamoroso, embora obviamente o riso venha mesclado com um profundo lamento pela tristeza em vista da profunda escuridão que concluímos estarem tais defensores da trindade.   Provérbios 14:13



João 14:16 - Outro Consolador

"E eu solicitarei ao Pai e ele vos dará outro ajudador para estar convosco para sempre"

Com base neste texto, o senhor Rodrigo acredita que por se mencionar "outro", tal espírito tenha de ser uma pessoa distinta do Pai e do filho.  Não entraremos no debate entre adventistas dissidentes e os demais sobre se Jesus é o espírito santo ou não, pois não é parte deste artigo fazer isso.  Vamos no entanto demonstrar que o outro consolador não é uma pessoa, e sim uma unção que capacita os servos de Deus a serem inabaláveis e bem sucedidos em todos os seus caminhos, espirito este que os guia e orienta por estar em perfeita sintonia com Deus o qual através desta conexão espiritual, realiza um continuo fluxo de força em contante atividade, fornecendo a resposta a todas as questões e conduzindo os servos de Deus em todo momento.

Observem:

"No entanto, quando esse chegar, o espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade, pois não falará de seu próprio impulso, mas falará as coisas que ouvir e vos declarará as coisas vindouras."  João 16:13

"E, quanto a vós, a unção que recebestes dele permanece em vós, e não necessitais de que alguém vos ensine; mas, como a unção da parte dele vos ensina todas as coisas, e é verdadeira e não é mentira, e assim como vos tem ensinado, permanecei em união com ele"  1 João 2:27

Pode uma unção ensinar todas as coisas aos cristãos senhor Rodrigo Silva? Mas como uma unção poderia ensinar se ela não é uma pessoa?

Note que após o batismo de Jesus, ele recebeu revelações de Deus, pois se diz que os céus se lhe abriram, e esta expressão é encontrada em Ezequiel 1:1 onde este profeta de Deus passou a receber visões ou revelações de Deus após a abertura dos céus a ele. Isso indica que Jesus passou a receber uma espécie especial de conhecimento e compreensão após seu batismo e descida do espírito de Deus sobre ele. Lembre-se que Isaías disse que o espírito de conhecimento e de compreensão pousaria sobre ele, e isso demonstra que ele ser ungido (unção) com este espirito o levou a um grau de conhecimento e compreensão que antes ele não possuía  de modo que a unção que Deus lhe conferiu ensinava e guiava Jesus.

Da mesma forma os discípulos teriam esta mesma unção (verso 20) que lhes serviria de consolador, trazendo até eles a força que necessitariam para cumprirem as suas designações, assim como Jesus foi capacitado para cumprir a dele.
Na frase espírito da verdade, em João 16:13, a palavra 'pneuma" e neutra e não faz alusão a uma personalidade, de modo que o consolador é este espírito que não implica em uma personalidade. Quando em alguns contextos o pronome masculino ocorre, é porque é antecedido por palavras que o exigem gramaticalmente, de modo que nestes casos são as regras gramaticais que a exigem, e não alguma prova de personalidade.
Veja A Sentinela 15 de Janeiro de 1975 página 37-39

Este consolador ou unção da parte de Deus estaria para sempre com estes cristãos, pois aquilo que Deus lhes daria Deus não lhes tiraria, de modo que Deus não dá seu espírito por medida ou parcialmente. João 3:34



Mateus 28:19 - Em o nome do Pai, e do Filho, e do espírito santo


"Ide, portanto, e fazei discípulos de pessoas de todas as nações, batizando-as em o nome do Pai, e do Filho, e do espírito santo"

Existe uma trindade neste texto? Sim, claro que há, mas onde nesta trindade existe prova de que existe igualdade hierárquica? Onde se diz que o filho ou o espírito sejam iguais ao Pai?

O senhor Rodrigo pretende provar que a declaração de Jesus em Mateus 28:19 afirma que os três mencionados no texto são iguais ao Pai, Yahuwah  Podemos dizer que esta declaração é um tanto falaciosa, pois nada no texto declara que são iguais em posição ao Pai. O texto declara que os batizados seriam assim imergidos para o nome ou autoridade do Pai, do Filho e do Espírito santo, e não que os três têm o mesmo nome ou posição.

João 14:26 diz que o espírito santo viria em nome de Jesus. Ora, por que não viria no nome dele mesmo visto que ambos, segundo o trinitário, têm o mesmo nome?   Em João 15:16 Jesus diz que o que pedirmos em nome dele ao Pai, o Pai nos dará.
Ele igualmente disse que faria o que pedissem em seu nome.
João 5:43 diz que Jesus veio em nome (autoridade) de seu Pai, e não no seu próprio.
Este nome ou autoridade lhe foi dada pelo Pai; é derivada, não a teve.   João 17:12
Em 1 Coríntios 1:13 também temos a expressão batizar em o nome de Paulo.

Os textos todos indicam não um nome pessoal, mas sim o que tal representa ou sua autoridade.

A união de propósitos entre O Pai e o Filho por meio do espirito santo como selo ou unção dos cristão é evidente em Atos 2:38-39, onde Deus chama as pessoas a se arrependerem e depositarem fé no sacrifício de Jesus para então receberem o espirito santo.

Algumas pessoas haviam sido batizadas no batismo de João, o qual representava uma confirmação de que estavam dispostos a se arrependerem de suas obras para com Deus, O Pai;  mas não haviam sido batizadas em nome de Jesus e com espírito santo, de modo que tinham de aceitar a Jesus como mediador e também a atuação do espírito em suas vidas, o qual seria uma evidência da atuação e aprovação de Deus em sua obra e ministério.   Atos 8:14-17
Jesus foi batizado no batismo de João devido a apresentar-se como cordeiro de Deus, como oferta a Deus, e não por necessitar de arrependimento; fato em razão do qual João de início objetou ao seu batismo.
Foi no batismo feito por João que Jesus foi feito Cristo, gerado filho e manifestado ao mundo.
Mateus 3:13-15  Hebreus 10:5-6

Os das nações gentílicas que não faziam parte do povo pactuado de Yahuwah  deviam então ser batizados em nome do Pai e do Filho e do espírito santo, aceitando O Pai como sendo seu Deus, Jesus como sendo seu amo ou Senhor e Ungido Rei, bem como se submetendo às orientações do espírito santo, o qual se manifestaria nas diversificadas formas pelas quais O Pai se faria compreender.

Assim, Jesus mesmo recebeu o prometido espirito, o santo, o qual não é uma pessoa, mas sim a unção da parte de Deus, o Espírito. Para Seu nome, por meio de Jesus e do Seu espírito, é que Yahuwah adquire estas pessoas.
Este é o sentido destes textos e nada neles indica uma trindade tal como creem os trinitários, nem três pessoas todo-poderosas.

Toda a família no céu e na terra deve seu nome ou existência ao Pai, entre estes está o próprio Filho, de modo que nome aqui se refere à autoridade superior debaixo da qual estão, ou seja, da autoridade do Pai que lhes concede este nome.  Efésios 3:14-15

Forçar a declaração de Mateus 28:19 como sendo prova da trindade é uma distorção da exegese bíblica reconhecida até mesmo por trinitários.

A Cyclopedia of Biblical, Theological, and Ecclesiastical Literature, de McClintock e Strong, embora defenda a doutrina da Trindade, reconhece o seguinte a respeito de Mateus 28:18-20: “Este texto, porém, considerado isoladamente, não provaria de modo decisivo nem a personalidade dos três sujeitos mencionados, nem sua igualdade ou divindade.” (Reimpressão de 1981, Vol. X, p. 552) Com respeito a outros textos que também mencionam os três juntos, esta Cyclopedia admite que, considerados isoladamente, são “insuficientes” para provar a Trindade.  (Compare com 1 Timóteo 5:21, onde Deus e Cristo e os anjos são mencionados juntos.)
Leia também Lucas 9:26 e Apocalipse 14:10  

Será que se de fato existisse uma terceira pessoa de uma trindade, estes não seriam textos excelentes para os mencionar? Certamente que seria.  Mas isso não acontece, ao contrário, se menciona apenas os anjos escolhidos que podemos dizer são espíritos escolhidos ou santos que são enviados à Terra para a salvação dos homens, e em nome do Pai e do Filho agem para com os escolhidos, que devem submeterem-se às suas diretrizes.
Hebreus 1:14   João 1:51   João 16:12-14   Daniel 8:16   9:20-23  Atos 5:19-21 8:26  12:7-8  Apocalipse 1:4   4:5  5:6     

Isso está de acordo com Word Pictures in the New Testament (Quadros Verbais no Novo Testamento; 1930, Vol. I, p. 245), de Robertson, diz sobre Mateus 28:19: “O uso de nome (onoma) aqui é um uso comum na Septuaginta e nos papiros para simbolizar poder ou autoridade.” Portanto, o batismo ‘em o nome do espírito santo’ subentende o reconhecimento deste espírito como tendo por fonte a Deus e como exercendo sua função segundo a vontade divina.

Mesmo que alguém diga que o uso do significado segundo a publicação citada é injustificada, pois Robertson cria na trindade, respondo:
O que Robertson cria nós sabemos, mas não está sendo destacada aqui a sua fé, e sim o significado acertado e por ele igualmente atestado, e digno de nota, em vista de sua crença comum na trindade, do termo "onoma".
Quanto à preposição "eis" que consta em Mateus 28:19, podemos destacar que ela de fato pode ser plenamente compreendida como sendo uma referência à autoridade para o qual os cristãos estavam entrando a partir do batismo.   Não prova a trindade.

Ademais, o espírito santo não somente é de Deus mas é Deus, O Pai, pois o Pai é simples e não composto, de modo que aquilo que Deus expressa, tal como amor, sabedoria, poder e espírito santo, não são apenas posses do Ser de Deus, mas ele em sua totalidade, e assim, ao fornecer espírito santo, ele fornece de si mesmo aos seus servos, assim como a vida que existe em si mesmo, ele passou a  todos os seres vivos que possuem vida, sendo esta vida, originada do Pai.

Assim, batizar em nome do espírito santo é reconhecer aquele de quem o espírito emana, cujo nome é Yahuwah  e passar assim a estar sob a unção a qual cria uma eterna e insolúvel conexão entre os mesmo, fazendo deles um só. Observe João 17:21

"A fim de que todos sejam um; e como és tu, ó Pai, em mim e eu em ti, também sejam eles em nós; para que o mundo creia que tu me enviaste."



2 Coríntios 13:13 (14 NM) - Evidência da trindade?


"A benignidade imerecida do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a participação no espírito santo sejam com todos vós."  Novo Mundo

"A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós."
Almeida Atualizada

O texto mencionado não prova trindade, e sim prova uma união comum (κοινωνίαno espírito de Deus que todos os cristãos usufruíam. Atos 2:42 menciona que esta mesma união comum existia no partir do Pão, de modo que existia uma comunhão do partir do Pão. Era o partir do Pão uma pessoa? Não, apenas era algo em comum entre eles.
Romanos 15:26 mostra uma comunhão (coleta) dos cristãos a favor dos pobres, era esta união comum, comunhão (coleta AL) uma pessoa? Observou que mencionar haver uma comunhão do ou no espírito em si mesmo não prova sua personalidade. É verdade que a palavra pode e é relacionada a comunhão entre pessoas também, mas como se observa, o oposto também é verdade, de modo que aceitar que neste caso se refira a comunhão de um terceira pessoa não passa de interpretação subjetiva, não tem validade na argumentação.

O senhor Rodrigo Silva pede que todos na assistência parem o que estão fazendo para lhe darem detida atenção.
Talvez as pessoas estivessem um tanto desinteressadas no discurso e por isso precisou que fosse chamada a atenção de sua assistência.  E para que? Para ouvir mais uma contradição paradoxal.

Observem as palavras e tentem não ficar assustados.

Eu sei, é difícil acreditar que Rodrigo Silva falou isso, pois eu mesmo o admiro bastante, mas isso é a maior contradição e paradoxo que já vi sair da boca de um teólogo.
Vai lá, escute outra vez.

Meu irmão, não se deixe enganar por palavras simuladas e engenhosas. Deus não morre, ele não pode morrer, e se não pode morrer logicamente nunca morrerá. Como pode o senhor Rodrigo Silva dizer que Deus teve de morrer, como se Deus estivesse sujeito a algo.  Deus não se sujeita a nada, pois todo ser sujeito tem potência e Deus não tem potência pois ele é Ato puro sem nenhuma potência. Que absurdo esta declaração. Deus não muda, de modo que ele não pode ser acrescido de nada e nem se subtrair dele alguma coisa. Ele é a vida e como poderia deixar de ser o que é? Deus não tem vida como se isso se fosse uma posse da qual pode abrir mão É A VIDA.

E não confundam ser Deus A VIDA com a declaração de Jesus de ele ser a vida, pois Jesus é a vida por ser por meio dele que a vida nos foi alcançada, sendo ele o mediador, não a origem ou fonte última. Esta fonte última é Deus O Pai.  Por isso que uma análise contextual se faz necessária para não sairmos por aí pregando heresias.

Observe 1 João 1:2

"E a vida se manifestou, e nós a temos visto, e dela damos testemunho, e vo-la anunciamos, a vida eterna, a qual estava com o Pai e nos foi manifestada"

Jesus mesmo disse que sua vida fora causada pelo Pai.

"Assim como o Pai, que vive, me enviou, e igualmente eu vivo pelo (grego: dia) Pai, também quem de mim se alimenta por (grego: dia) mim viverá."  João 6:57

Esta preposição denota o canal de um ato, a saber, Deus sustenta a vida de Jesus e da mesma forma Jesus sustenta a vida dos cristãos. O que está em claro aqui é a causa e o efeito.
A causa da vida de Jesus? Deus.
A causa da vida dos cristãos? Jesus.  Assim a fonte última da vida é O Pai.

Este é também o motivo de Jesus ser o caminho e não o destino para o qual o caminho direciona.
Este é o motivo de Jesus dizer que ninguém pode chegar-se ao Pai senão por meio, através ou por causa (grego: dia) dele.  João 14:6

Observe assim que Jesus podendo morrer não era a vida tal como O Pai era, de modo que a vida de Jesus por ser derivada, não lhe eram inseparável como é NO Pai.  Jesus morreu ou deixou a vida, de modo que estava sujeito a morte e consequentemente, a mudança, passando de potencia a ato. Algo que para Deus é impossível.

Habacuque é bem claro ao mencionar:
"Não és tu desde outrora, ó Yahuwah? Ó meu Deus, meu Santo, tu não morres"
Novo Mundo

Veja também na versão NVI.
"SENHOR, tu não és desde a eternidade? Meu Deus, meu Santo, tu não morrerás"

Veja também notas explicativas na Bíblia de estudos sobre este texto.

Notou que se diz que Deus não morre e não morrerá?  Pergunto: Jesus morreu?
Sim, lógico que morreu e portanto não era e fazia parte do Deus de Habacuque.

O senhor Rodrigo Silva mencionar que Deus teve de morrer é claramente uma afronta as Escrituras Sagradas e não merece crédito, com todo respeito a sua pessoa, não se pode ser cristão e concordar com suas palavras.

O senhor Rodrigo parte da seguinte premissa falsa:

"Suponhamos que, você, para ser salvo, precise que eu fique cego, mas eu não tenho como ficar cego"
"Para que você fosse salvo, Deus precisava; morrer, mas Deus não tem como morrer"

Depois ele diz que como Deus não pode morrer, assim como ele não pode ficar cego, ele fecharia para sempre os seus olhos e assim fica por toda a eternidade.
Ainda faz as seguintes perguntas:

Eu perdi a capacidade de ver?
Me tornei fisicamente cego?
Mas eu estou enxergando?

Vejamos agora onde estão as falsas premissas e as falhas em sua argumentação.

Primeiramente ele erra ao novamente citar o paradoxo: "Tenho de ficar cego, mas não posso (impossível) ficar cego"

Se tem de ficar cego e não pode, acabou a chance de salvação dos seus. Ficar cego não é fechar os olhos.
Para que você possa ser salvo, o senhor Rodrigo não poderia apenas fechar os olhos, mas sim ficar cego, esta era a exigência legal, o que implica em uma mudança que está além de seu controle e voluntariedade. Esta é a segunda falha, pois para que pudéssemos ser salvos, Jesus tinha de morrer, e não fingir morrer ou pegar no sono no madeiro.

Terceira falha: Quem disse que Deus tinha de morrer para o ser humano ser salvo? As Escrituras mencionam que a morte se espalhou por meio de um homem, e que a vida ou resgate se daria por meio da morte de Deus
Não, pela morte de outro humano, um segundo Adão cujo valor ou exigência de Deus equilibraria a balança da justiça.   Olho por olho, dente por dente, humano por humano.  Romanos 5:19  Êxodo 21:23:25

Quarta falha: Ele menciona que para a pessoa ser salva, ele jamais poderia abrir os olhos, e assim, pela mesma lógica, Deus jamais poderia voltar a viver, entende? Ora, Jesus voltou a viver, de modo que ele, por assim dizer abriu os olhos, onde estaria então as consequências do ato?

Quinta falha: Não foi Deus (trindade) quem assumiu um corpo humano, pois mesmo tais crendo na trindade, forçosamente devem admitir que foi apenas a segunda pessoa da trindade que assim o fez, de modo que a natureza desta segundo pessoa na ilustração do senhor Rodrigo Silva difere da natureza das demais pessoas da trindade, pois estaria presa (sujeita) eternamente num corpo machucado.  
Isso é heresia da heresia. É como achar uma mentira e torná-la ainda mais mentirosa.  

Temo pelos Adventistas que acreditam nestas  pregações antibíblicas.

Sexta falha: Não era ficar preso a um corpo que está explicito na sua ilustração, e sim, ficar morto, assim como não era ficar surdo, e sim, ficar cego. Mudar as consequências sofridas sendo que a hipotética ilustração feita pelo senhor Rodrigo não menciona tais alternativas é fugir da realidade de que nem nesta ilustração herética o senhor é capaz de convencer alguém ou achar base para sua engenhosa, porém falsa argumentação em defesa da trindade.

O senhor Rodrigo até mesmo diz: "Ele não perdeu os dons dele, mas ele deixou para sempre, de usá-los, por amor a você"

Por favor, diga-me que os adventistas não aceitam isso como verdade, pois se sim, estão terrivelmente perdidos.
Lamentável.

Senhor Rodrigo, tenho um enorme respeito pelo senhor, mas isso é inadmissível.
Mude estas palavras nas suas próximas pregações. Isso é blasfêmia.

Se Jesus deixou para sempre de usar seus dons, com que poderes ou dons ele governa e governará os Novos Céus e a Nova Terra?  Apocalipse 20:6  21:3-4

Outro detalhe importante.   Deus não é e nem pode vir a ser um gênero ou espécie.
Aliás, vir a ser já implica em ser sofrer mudança, passar de potência a ato. Ora, em Deus não existe potência, pois ele não pode ser movido ou sofrer movimentos, Deus é imóvel, ou seja, não pode receber nada e nem perder nada em seu Ser.  Ele é a existência real.
Jesus veio a ser homo sapiens, de modo que se ele fosse Deus, estaria se tornando uma espécie ou gênero  a saber, o gênero humano. Gênero é uma das unidades da taxonomia, que serve para definir os grupos de organismos biológicos, com base em características comuns e dá nomes a esses grupos.

Ora, em que grupo biológico Deus está? Nenhum, pois Deus não pertence a nenhum grupo ou classificação.

Exemplo:
O cabelo de uma pessoa pode ser branco, preto, loiro, liso, encaracolado, crespo e isso constitui um acidente, pois é acidental ou uma casualidade. O cabelo continua sendo cabelo (ser= essência) independente da cor ou tipo (acidente). Mas a cor do cabelo não é o cabelo, de modo que o cabelo e a sua cor constituem dois seres, isso o torna composto.  
Se Jesus fosse o Deus que é imutável e se tornasse humano, não seria imutável, pois teria sofrido ou teria estado sujeito a mudança de natureza, essência e assumindo um gênero ou espécie. 
Passaria a ser algo que não era, mas como poderia vir-a-ser algo que não era, já que do menos não surge o mais?

Só pode se tornar humano alguém que está enquadrado numa espécie ou gênero e é passível ou sujeito a mudanças, podendo receber tais características em ato. Deus enviou o Ser (vida) do Filho ao ventre de uma mulher, o gênero humano, e ela por sua vez transmitiu ao Ser que tinha potencial para tornar-se humano, a humanidade em ato.


Prossigamos para o próximo vídeo e sua refutação.



Vídeo 3


A terceira parte deste discurso em defesa da Trindade começa com a pergunta de um adventista sobre os motivos de Jesus não saber nem o dia e a hora de sua vinda e somente o Pai saber.
Após elogiar a pergunta Rodrigo Silva relembra que na parte final do discurso número 2 ele havia dito que Jesus havia voluntariamente aberto mão do uso de seus dons, incluindo o da onisciência  motivo pelo qual Jesus então nunca mais poderá saber de todas as coisas, pois como o senhor Rodrigo mesmo finalizou no discurso anterior, para sempre Jesus deixará de usar tais dons, logo, a 2° pessoa da divindade que um dia sabia tudo, pois era onisciente segundo os trinitários, teve de esquecer algumas coisas, pois passou a não saber nem o dia e nem a hora.   Sinceramente, nunca vi tantos argumentos sem nexo em tão poucas declarações.

Também se perguntou por que o espírito santo também não sabia o dia e a hora?

Ele declara que é porque ninguém sabia que o espírito santo era uma pessoa, e portanto mencionar que o espirito santo não sabia iria fazê-los ficar confusos, como que perguntando: "O que é o espírito santo?"

Ora, que resposta evasiva, esta pergunta foi feita conforme se nos diz Atos 19:1-7

"No desenrolar dos eventos, enquanto Apolo estava em Corinto, Paulo passava pelas regiões interiores e desceu a Éfeso, e achou alguns discípulos; e ele lhes disse: “Recebestes espírito santo, quando vos tornastes crentes?” Disseram-lhe: “Ora, nunca ouvimos [falar] que há espírito santo.” E ele disse: “Então, em que fostes batizados?” Disseram: “No batismo de João.” Paulo disse: “João batizava com o batismo [em símbolo] de arrependimento, dizendo ao povo que cressem naquele que vinha após ele, isto é, em Jesus.” Ouvindo isso, foram batizados no nome do Senhor Jesus. E, quando Paulo pôs as suas mãos sobre eles, veio sobre eles o espírito santo e começaram a falar em línguas e a profetizar. Ao todo havia cerca de doze homens."

Observe que estes gentios convertidos  ao judaísmo já eram prosélitos  pois nos dias de João batista enquanto Jesus ainda nem havia iniciado seu ministério eles já haviam sido batizados por João, de modo que estavam familiarizados com os ensinos judaicos. Mas eles não sabiam desta faceta do batismo com espírito santo e do que ocorre em em 33 EC na festa judaica de Pentecostes. Sim, eles sabiam que existia espírito santo, pois qualquer leitor das Escrituras Hebraicas havia pelo menos lido o primeiro capítulo de Gênesis onde já no verso 2 se menciona o espírito de Deus.  O que eles não sabiam que havia era conforme se percebe do contexto, era um batismo neste espírito.  Logo, a alegação de Rodrigo Silva de que não conheciam os discípulos de Jesus o espirito santo chega a ser uma piada.

A resposta de Jesus é clara: "Ninguém sabe".

O senhor Rodrigo Silva ousa a contrariar a declaração de Jesus ao dar a entender que Jesus mentiu ou foi omisso ao dizer que "ninguém" exceto o Pai sabia o dia e a hora de certos eventos, pois o Espírito Santo sabia.  Ora, isso é chamar Jesus de mentiroso.  Jesus também disse que "ninguém conhecia plenamente o Pai, exceto o filho e que ninguém conhecia plenamente o filho, exceto o Pai". Será que o senhor Rodrigo Silva também irá dizer que Jesus omitiu o espírito santo nesta declaração porque seria confuso aos discípulos aceitar que o Espírito Santo é uma pessoa?  Mateus 11:27

Ora, que espécie de instrutor seria Jesus se deixasse de conduzir seus servos a verdade e aos fatos?
Se ninguém sabia que o espírito santo era uma pessoa, pelos menos Jesus saberia e seria mentira de Jesus dizer que "ninguém" fora O Pai sabia o dia e a hora se junto do Pai, outro "alguém" sabia de tal dia e hora.

Jesus até mesmo soprou sobre eles ordenando que recebessem espírito santo, ou seja, estavam recebendo autoridade especial para serem eles mesmos, os apóstolos, os transmissores do espírito que estava em Jesus.
Cinquenta dias depois deste episódio eles receberam espírito santo e se tornaram os transmissores do espírito santo a todas as pessoas.   João 20:22  Atos 8:14-21

Será que Jesus estava soprando Deus naqueles discípulos? Ora, se o espírito santo era Deus como dizem os trinitários, então não somente Jesus soprou Deus nos discípulos como os próprios apóstolos transmitiam Deus para as pessoas conforme se mostra nos texto supracitados.

Fica claro que o espírito não era nenhuma terceira pessoa distinta do Pai.

O senhor Rodrigo Silva menciona que entre as declarações que os apóstolos não podiam suportar conforme Jesus disse em João 16:12 é de que o espírito santo era uma pessoa.

Deixe-me esclarecer uma coisa muito importante caro leitor.

Deus Pai utiliza-se de seres contingentes para expressar suas ações e seus atributos, por exemplo:

Jesus é chamado de A Palavra de Deus, Braço de Deus, Sabedoria de Deus, Poder de Deus.
Veja  João 1:1  Apocalipse 19:13  Isaías 40:10 João 12:38  1 Coríntios 1:24  Provérbios 8:22-31

Isso não significa que Jesus seja Deus, nem mesmo como segunda pessoa de uma divindade trina.
Antes, significa que Deus se manifesta através de seus agentes, os quais são descritos como instrumentos de Deus tal como uma mão ou uma perna ou nosso inteiro corpo é uma ferramentas nossa para interação no mundo físico.   Explicando melhor.

Nós seres humanos não somos um corpo, nós temos um corpo onde nossa alma ou nosso ser Real é gerado e existe; e nosso corpo é um receptáculo espacial por meio do qual interagimos no mundo físico, pois nós mesmo não somos uma entidade física, tampouco somos espirituais, somos apenas imaterial. Não se deve confundir espiritual com imaterial, pois diferem um do outro. Exemplo: Esta página virtual (net) que você está lendo não é algo físico, mas tampouco é espiritual, ela é imaterial, ou seja, é uma realidade gerada, temporal. Assim somos nós seres humanos e todas as almas, sejam humanas ou animais. Nós não temos uma alma, pois somos uma alma, temos na verdade um corpo. Somos um resultado assim como a luz é um resultado. A lâmpada em si não é luz, tampouco a energia que entra em contato com a lâmpada é luz, e sim a luz é o resultado da junção energia e lâmpada (corpo), de modo que é ao entrar o corpo em contato com a energia de vida que se torna possível a geração da alma.     

Com isso, estou apenas preparando-o para compreender que nosso corpo e suas extensões as quais usamos como ferramentas são meios de nos manifestarmos no mundo.  Quando sua boca fala uma palavra, é porque antes de ela emitir a palavra, esta palavra já existia em você, sua mente, motivo pelo qual o pensamento precede as ações, as ações são apenas manifestações do pensamento pré-existente.

Bem, isso já basta para entender o que quero dizer a seguir.

Deus, através de seus agentes, manifesta-se externamente, uma vez que é impossível a nós podermos compreender a pessoa de Deus O Pai.   Jesus e os anjos são meios de Deus se manifestar para com humanos, e por isso Jesus é chamado de a palavra, braço, poder e sabedoria de Deus entre outros, assim como os anjos também são retratados como sendo a manifestação do espírito de Deus, espirito este que também está em Jesus e se manifesta por meio dele.


Vamos ver dois exemplos de como as Escrituras mostram esta realidade.

Em Atos 8:26 observamos um anjo de Yahuwah mandando Felipe seguir orientações especificas para encontrar uma pessoa em determinada região. Logo a seguir no verso 29, se diz que o espírito disse a Felipe que se aproximasse da carruagem onde estava certo homem. Então depois de cumprir a designação, o espírito de Deus o conduz para outro lugar, para Asdode, conforme o verso 40.   Podemos observar que durante todo momento quem guiava Felipe era o anjo de Yahuwah o qual guiou Felipe até a pessoa certa, deu orientações de como fazer a abordagem e depois conduziu-o para outra designação.   Mas observamos as expressões referente a este que estava a auxiliar Felipe, a saber, Anjo de Yahuwah, o espírito e o espírito de Yahuwah    

Existem outros textos que mostram que quando se diz que o espirito santo falou, ou seja, O pai, isso de dava mediante Jesus ou outros anjos.  Veja exemplo em Êxodo 3:2, 14 onde o anjo de Yahuwah aparece a Moisés e falam como se fosse o próprio Deus.  Depois, Estevão cheio de espírito santo revela que não era Deus, mas um anjo por meio do qual Deus levaria seu povo até a terra da promessa.  Atos capítulo 7:35
Neste particular, o anjo era Jesus na sua existência pré humana.

Observe que se Jesus diz que o espírito da verdade quando chegasse, pois seria enviado, não falaria de seu próprio impulso, mas que falará daquilo que receber e ouvir. Jesus até mesmo diz que o espírito recebe do que é dele, ou seja, de Jesus.  Se o espírito da verdade mencionado neste contexto fosse uma terceira pessoa, e Deus tal como O Pai, primeiramente não poderia receber nada de ninguém, visto que quem recebe ou ouvi alguma coisa de outro para poder revelar, não é onisciente, pois passou a saber o que não sabia. Como poderia Deus ficar sabendo de algo?
Deus sabe todas as coisas.    Ademais, Jesus não diz que o espírito receberá do que pé "nosso", o que teríamos de esperar que dissesse caso este espírito da verdade fosse Deus igual a ele. Jesus apenas diz que ele receberá do que é "meu". Depois, Jesus enfatiza que tudo que o Pai possui, também é do filho, e que por isso o espírito recebe daquilo que é dele.  Estes pequenos detalhes já demonstram que o espírito da verdade não pode ser Deus assim como Jesus não é O Deus.

"No entanto, quando esse chegar, o espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade, pois não falará de seu próprio impulso, mas falará as coisas que ouvir e vos declarará as coisas vindouras. Esse me glorificará, porque receberá do que é meu e vo[-lo] declarará. Todas as coisas que meu Pai tem são minhas. É por isso que eu disse que recebe do que é meu e [o] declara a vós."  João 16:13-15

Jesus até mesmo o chama de ajudador ou consolador.
As Escrituras tem exemplos de anjos atuando como ajudadores e consoladores, advogados e guiando as pessoas a toda a verdade, após receber ordem de ir e fazer as revelações de eventos futuros. Leiam os textos.
Daniel 8:15-17  9:21-22  10:10-11  10:15-21   Zacarias 3:1-2   Mateus 4:10-11  Lucas 22:42-43
Lucas 1:11-19   26-33   2:8-15  Revelação 1:1

Nestes textos acima vimos que este espírito, ou espíritos, estavam envolvidos em: 1-Serem enviados 2-Revelarem eventos futuros  3-Guiar as pessoas a verdade   4-Fortalece-las  5-Não falarem o que desejassem, mas apenas o que haviam sido incumbidos.

Observamos que este espírito vinha acompanhado de multidões de anjos junto dele, e que ninguém a não ser Gabriel e Miguel eram capazes de exercer poder restritivo sob as ações dos poderes celestiais das trevas, os poderosos demônios regentes das nações.  Aliás, estes são os dois únicos nomes de anjos mencionados nas Escrituras, sendo que recebem destaque.  Poderíamos sem sombra de dúvida dizer que Gabriel é a segunda criatura de Deus a ser trazida a existência por meio do filho primogênito. Observamos assim que Gabriel não atua sozinho, mas de seu lado temos Miguel e todos os demais do exército celestial.

Pode um espírito ser composto de vários espíritos?  É claro que sim. Vejamos.

Quando João deseja em Apocalipse 1:4 que tenhamos benignidade da parte de "Aquele que é, que era e que vem", certamente que esta é uma referência a Deus O Pai.  Mas se diz também que a benignidade vem da parte dos sete (7) espíritos que estão diante do trono.  Quem são estes? Certamente é o espírito da verdade que deveria ser enviado a Terra inteira para ministrar aos santos.  Leia Apocalipse 5:6   João 1:51   Lucas 1:19

Observe que quando Jesus estava em seu ministério terrestre, ele expulsou um espírito imundo de um homem, e este espírito imundo se chamava legião. Marcos 5:1-17
Este demônio era composto, pois este espírito imundo era uma legião de demônios conjugados, era um espírito coletivo. Observe na descrição do texto bíblico que tal possessão dava ao homem poder além do normal, sendo lhe dado poderes quase iguais aos de Sansão quando o espirito de Deus se tornava ativo nele.  Juízes 16:6-12

As Escrituras usam o número 7 para se referir a algo pleno ou cheio, completo.
Observamos que Jesus mesmo disse que quando um homem é liberto de um espírito mau, mas não muda seu estilo de vida, ele pode ser tornar vitima novamente de um espírito, resultando em sete espíritos virem a levá-lo a uma situação ainda mais decadente.  Mateus 12:43-35
Sete espíritos aqui não é uma referência a um número literal, mas ao que o sete representa, a saber, a plenitude ou grau do que se está destacando. Neste caso, Jesus estava falando que se um homem após ser liberto de uma possessão demoníaca não ser preenchido com o espírito de Deus, ele passará a ser vitima de legiões de demônios, como o homem mencionado de Marcos capítulo 5.

Interessante é que como vimos, Deus também tem sete espíritos, e estes sete (7) espíritos estão diante do trono de Deus, ou seja, a sua frente e a postos. Diz-se destes sete espíritos que são enviados a toda a Terra.
Ora, para que estes sete espíritos estariam sendo enviados a toda a terra?

Acredito que estes textos respondem a esta pergunta, leia-os.
Mateus 13:41  Hebreus 1:7  13-14

Não se deve confundir e entender no entanto que os anjos sejam o espírito santo, pois não é isso que estou declarando aqui, mas sim que, os anjos são a forma de Deus manifestar seu espírito santo, ao enviar este espírito, o espirito da verdade, o qual seria os sete espíritos de Deus que atuam na terra ministrando aos santos, guiando-as a toda a verdade após terem recebido do Pai as revelações mediante Cristo.
Assim como Jesus é a sabedoria de Deus pois foi nele, ao ser ele gerado que ela foi manifesta, sem no entanto ser literalmente Jesus a sabedoria de Deus.

O espírito de Deus pode ser assemelhado ao DNA humano, o qual transmite aos filhos características do Pai, a fim de que o filho leve a imagem do seu pai e tenha características do Pai em si mesmo. Deus transfere a seus servos e filhos o seu "DNA" por assim dizer, causando com que suas criaturas cheguem a vir-a-ser aquilo que ele desejar, passando de potência a ato. Isso é o que chamamos de o mover de Deus.
Tudo isso ocorre pelo espírito de Deus, o qual é sua natureza sendo compartilhada com suas criaturas, desta forma elas se tornam filhas de Deus.

Existem mais texto sobre este assunto, mas se todos fossem mencionados, este artigo ficaria ainda mais extenso, portanto, aos que desejam mais evidências disso, acessem este link:




Gênesis 1:1 - No princípio


"No princípio Deus criou os céus e a terra."    - Português

Hebraico quadrático - בְּרֵאשִׁ֖ית  בָּרָ֣א  אֱלֹהִ֑ים  אֵ֥ת  הַשָּׁמַ֖יִם  וְאֵ֥ת  הָאָֽרֶץ


bə·rê·šîṯ bā·rā ’ĕ·lō·hîm; ’êṯ haš·šā·ma·yim wə·’êṯ hā·’ā·reṣ      - Hebraico transliterado

בְּ      רֵאשִׁ֖ית    בָּרָ֣א     אֱלֹהִ֑ים    אֵ֥ת         הַשָּׁמַ֖יִם        וְאֵ֥ת      הָאָֽרֶץ
  a Terra         _          o Céus           _       Deus     criou   princípio    no
hā·’ā·reṣ   wə·’êṯ   haš·šā·ma·yim   ’êṯ    ’ĕ·lō·hîm   bā·rā      rê·šîṯ     


Depois de citar a passagem de Gênesis 1:1, o Senhor Rodrigo menciona os escritos de Paulo em Colossenses 1:13-18.   Esta passagem que o Senhor Rodrigo Silva usa para falar de Jesus ser o Be re’shíth (princípio) em nada contribui para promoção da Trindade. João mesmo destaca que o Logos ou A palavra, estava no princípio com O Deus.  Observe:

"No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com o Deus, e a Palavra era deus. Este estava no princípio com o Deus."  João 1:1-2

Leia também 1 João 1:1

"Aquilo Ὃ= Aquele, o qual) que era desde [o] princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos observado atentamente e as nossas mãos têm apalpado, com respeito à palavra da vida"

Jesus era o princípio por estar no principio com O Deus. Ora, princípio é o começo, a origem, de modo que se Jesus é o princípio é porque ele deve ter sido o primeiro em algo, o cabeça de algo, o melhor de algo, o chefe de algo.  Bem, no livro de Colossenses mesmo temos a resposta.

Colossenses 1:15

"Ele é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação"

Observe que Jesus é o primogênito de toda a criação. Não se deve confundir aqui as palavras primogênito e princípio, pois são diferentes, uma expressa um começo ou início e a outra expressa algo que é o primeiro a ser produzido ou apresentado, gerado.

Princípio:         Hebraico=   רֵאשִׁ֖ית   Grego= ἀρχῇ
Primogênito:  Hebraico=   בְּכֹֽור        Grego= πρωτότοκος

Jesus também, além de ser apresentado como sendo o primogênito, é chamado de princípio, e isso já demonstra que ser ele o princípio se dá por ter sido o a primeira realização de Yahuwah Deus. Nisso encontramos eco em Provérbios 8:22, que diz:

“O próprio Yahuwah me produziu como princípio do seu caminho, a mais antiga das suas realizações de há muito. Fui empossada desde tempo indefinido, desde o começo, desde tempos mais remotos do que a terra. Quando não havia águas de profundeza, fui produzida como que com dores de parto, quando não havia mananciais fortemente carregados com água. Antes de serem assentados os próprios montes, adiante dos morros, fui produzida como que com dores de parto, quando ele ainda não havia feito a terra e os espaços abertos, nem a primeira parte das massas de pó do solo produtivo. Quando ele preparou os céus, eu estava lá; quando decretou o círculo sobre a face da água de profundeza, quando firmou as massas de nuvens acima, quando fez ficar fortes as fontes da água de profundeza, quando fixou ao mar o seu decreto, para que as próprias águas não ultrapassassem a sua ordem, quando decretou os alicerces da terra, então vim a estar ao seu lado como mestre-de-obras, e vim a ser aquele de quem ele gostava especialmente de dia a dia, regozijando-me perante ele todo o tempo, regozijando-me com o solo produtivo da sua terra, e as coisas de que eu gostava estavam com os filhos dos homens."

Alguns teólogos dizem que a palavra hebraica aqui neste texto traduzida por "produziu" deve ser traduzida por "possuiu" e não por "criou ou produziu", mas note que esta mesma palavra tem o sentido de gerar ou produzir em Gênesis 4:1 e 14:19, 22 TB  Deuteronômio 32:6

Nisso concorda o erudito W. E. Vine em seu dicionário.  Página 75 e 89.


Página 89 de Vine.


É também Strong, ao demonstrar que esta palavra pode significar "criar".



Ademais, a versão muito utilizada por Paulo, a Septuaginta, traduz a palavra por "éktisén me", que significa: "Me criou", de modo que mesmo sabendo que a sabedoria de Deus é tão eterna quanto ele, entendemos pelo contexto que a sabedoria aqui é usada como figura de um Ser que pela sua manifestação, tornou-se evidente, de modo que veio a ser produzido ou gerado.
A sabedoria de Deus é eterna, mas sua manifestação se tornou evidente ao ser expressa no princípio da criação de Deus, o qual é Jesus, conforme já ficou demonstrado pelas Escrituras. Antes de ser expressa, a sabedoria era algo existente em Deus, estava com Deus. Mas ao ser expressa, ela se evidenciou externamente, de modo que o filho de Deus que existia como A Palavra de Deus e Sabedoria de Deus, se tornou evidente pela sua manifestação, e isso ao ser produzido, gerado ou criado.

Este é o motivo de João dizer que no principio estava ou era o Verbo, e que ele estava com ou em Deus e que ele era divino.  Para entender mais sobre Jesus como criatura ou ser criado, acesse:


Jesus então se tornou o elo de ligação, por ter sido o agente e o motivo pelo qual Deus criou todas as coias.
Foi por meio de Jesus que tudo foi trazido a existência e tudo se mantêm em existência, pois ele é a conexão entre Deus e as demais criações, e por meio dele Deus age exteriormente conservando as existências ou Seres.

"Todas as coisas vieram à existência por intermédio dele (mediador, canal), e à parte  dele (sem sua agência ou mediação) nem mesmo uma só coisa (nem anjos, nem universo, nada) veio à existência."  João 1:3

Este é o motivo de Jesus possuir a plenitude da Divindade, pois Deus quis que Jesus exibisse os poderes e a excelência que existem Nele, e através de Seu filho, sustentar todas as coisas, sendo Jesus a o canal por meio do qual Deus realiza todas as coisas, e ele, Jesus, tendo sido o primogênito, princípio de todas as coisas.

Isso não prova a trindade, apenas demonstra o amor de Deus para com seu filho e a grandiosa posição que ele recebeu de seu Pai, tendo se tornado melhor que os anjos. E se ele se tornou, claro nos fica que ele recebeu atributos, posição ou dons que antes não possuía. Do menos não se tira o mais, de modo que se Jesus recebeu ou tinha potência para receber algo, é porque ele tinha de receber de alguém que possuía em ato tais atributos, e este alguém é O Pai. O Ato puro.  

Quanto ao espírito de Deus pairar sobre as águas, onde isso indica uma pessoa? Ademais, como se pode definir que se caso fosse uma pessoa, este teria de ser Deus ou igual ao PAI?  Isso é ir além das coisas escritas.
O espírito de Deus ali mencionado é a força ativa de Deus, mediante seus agentes executores, os anjos, os quais estavam preparados para através do mestre de obras Jesus, moldar a Terra para a habitação humana.

O mesmo espírito é traduzido por "vento" em Gênesis 8:1, quando se diz que Deus passou a fazer passar um espírito sobre a Terra e as águas passaram a baixar.
 
"Lembrou-se Deus de Noé e de todos os animais selváticos e de todos os animais domésticos que com ele estavam na arca; Deus fez soprar (fez passar עבר) um vento (espírito רוח rúahh) sobre a terra, e baixaram as águas."

Ora, lembremo-nos de que no princípio, antes da transformação da terra, ela estava coberta inteiramente por água, do mesmo modo que em Gênesis 8:1, após o dilúvio.
Se trata do mesmo espírito ou força ativa que agia da parte de Deus mediante seus agentes, os quais foram enviados a terra para restabelecê-la.   Salmo 103:20

Se na trindade cada pessoa é idêntica a outra, qual a base pela qual se pode determinar quem é o Pai e quem é o Filho ou o Espírito Santo?
Se todos são iguais, pela lógica todos os atributos, capacidades, funções devem ser exercidos por todos eles juntamente, sem que houvesse uma divisão funcional.

O Pai não é espírito e santo?
O espírito santo é O Pai?
O filho é O Pai?
O Pai é O Filho?

Podemos notar que jamais o Pai será o Filho, pois se fosse O Filho, seria O Filho de quem? Do Filho?
Ademais, porque não poderíamos chamar O Pai de Filho se como dizem os trinitários, Jesus é eterno tal como o Pai é, nunca tendo sido gerado pelo Pai? Por que o Pai nunca se tornou carne?

Os trinitários dizem que existem em Deus três "pessoas" com diferenças funcionais.
O Ser de Deus é indivisível, por isso que Deus não pode ser composto de três funcionários, pois se houvesse três funcionários, cada qual com diferentes funções, isso resultaria numa diversidade.
Onde reside esta diversidade? Nas pessoas ou na essência? Se for na essência, como pode haver distinção na essência de Deus? Se for nas pessoas, como pode haver diversidade num Ser que essencialmente Uno?
Ademais, Jesus falou que ele e o Pai são duas pessoas ou Seres distintos. Observe João 8:17-18.

"Também na vossa lei está escrito que o testemunho de duas pessoas (δύο ἀνθρώπων = dois homens) é verdadeiro. Eu testifico de mim mesmo, e o Pai, que me enviou, também testifica de mim."

Igualmente Paulo diz que Jesus é (ὢν=ser) a representação ou cópia exata da (ὑποστάσεως=Substância) de Deus. Hebreus 1:3

Isso é bem diferente de Ser este Deus o qual Jesus representa perfeitamente.
Se diz que Jesus é o brilho ou reflexo da glória de Deus, e isso é bem diferente de Ser Aquele de onde esta gloria é refletida.


Podemos comparar a um carimbo, que ao ser pressionado sobre o papel, transfere uma marca ou representação exata do que esta em sua base.

"Teria dúvidas de como é a forma da base do 
carimbo ao observar a imagem ou representação 
deixada por ele no papel?"


De modo que quem vê a impressão na folha, estará como que vendo o que existe na base do carimbo. Mas a marca não é a base do carimbo, apenas expressa sua realidade.
Notamos também que Jesus por ser reflexo da glória de Deus, mostra ser distinto de seu Ser, assim como a luz e o calor que vem do sol não são o Sol.




Aula de história da Igreja Adventista


O senhor Rodrigo ficar chateado com as acusações dirigidas contra as doutrinas da Igreja Adventista não é algo anormal pois qualquer pessoa que pertença a uma igreja e que observe alguém dirigindo palavras que depõe contra tal igreja e profissão de fé, ficará chateado.  Mas obviamente que se deve com humildade ir atrás da verdade acerca das declarações para verificar se trata-se de mentiras ou de fatos reais.

Obviamente que se exige no minimo respeito nas exposições, prezando pela dignidade das pessoas que professam aquela fé e esperança.

A ilustração de que ofender a esposa de alguém traz igualmente o desfavor do esposa dela é verdadeiro, mas logicamente que se alguém faz tais acusações, é porque provavelmente possui alguma prova que tal "esposa" esteja agindo de má fé para com seu marido ou familiares.  O que fazer? Continuar na busca a fim de estabelecer a verdade, reunindo provas de que tais alegações são mentiras ou finalmente admitindo que a igreja ou "esposa" realmente se desviou da verdade e de sua integridade; e então, ajudá-la a voltar ao modo correto de agir.


Primeiro comentário do senhor Rodrigo: 

"De 1846 a 1888 muitos pioneiros eram anti-trinitários"  "Os líderes realmente, a maioria parecia não aceitar bem a Trindade"

Podemos concluir que Ellen White que viveu de 1827 à 1915 pelo menos tinha noção de que tais pioneiros eram na sua maioria, como diz Rodrigo Silva, anti-trinitarianos" Aliás, pelo que o senhor Rodrigo diz, Ellen White tinha já 61 anos e ainda não estava consolidada as crenças e doutrinas da Igreja Adventista.

De fato é curioso que Charles Taze Russell que foi presbiteriano, mas que frequentou certa vez a igreja Adventista numa pregação de Jonas Wendel, e que mais tarde aliou-se a Nelson Barbour que era do segundo Adventismo, não viu nenhum conflito em associar-se a estes homens, principalmente com Barbour, o que ele faria se tal homem fosse trinitariano, pois Russell não acreditava na Trindade já neste tempo.

Segundo diz Rodrigo Silva, em 1890, Daniel T. Bourdeau faz declarações que provam que os adventistas não tinham oficialmente uma posição oficial como trinitarianos. Ele menciona que Bourdeau escreveu na Review and Herald, uma publicação Adventista em Novembro de 1890 num artigo intitulado "Nós podemos participar da plenitude do Pai e do Filho".

"Embora afirmemos ser crentes e adoradores de um único Deus, tenho chegado a pensar que entre nós existem tantos deuses quantas são as concepções da Divindade".

Temos aqui uma declaração de que a igreja Adventista não tinha então oficialmente uma posição definida sobre a natureza de Deus, se ele era trino ou uno.  Bem, conciliando esta declaração com a primeira mencionada pelo Senhor Rodrigo Silva, de que "muitos pioneiros eram anti-trinitarianos" e de que "a maioria dos líderes da igreja Adventista pareciam não aceitar a trindade", temos pelo menos uma ideia do que realmente ocorreu.

A Igreja Adventista se desviou daquela que era em sua maioria, a visão oficial dos pioneiros, permitindo que a visão dos "muitos pioneiros" que "eram anti-trinitarianos" não prevalecesse, que a opinião dos "líderes", cuja "maioria parecia não aceitar bem a trindade" fosse posta de lado.

Mas para mim de fato não importa se houve desvio ou não da um posicionamento oficial da instituição, e sim se existe base para crença na trindade, e disso temos certeza, não existe base alguma nas Escrituras como pretende o Senhor Rodrigo provar.

O senhor Rodrigo declara que Ellen White, esposa de um homem não trinitário, silencia sobre o assunto e não se posiciona, até que por fim ela faz declarações afirmativas a favor da Trindade.

Minhas perguntas como crente em Deus e em Jesus Cristo é: E daí? Por que Ellen White tem de ser aceita como alguma espécie de porta-voz de Deus? Onde consta nas Escrituras alguma profecia que fale da Senhora Ellen White?

Não vejo nenhuma, aliás, existe alguns textos que até mesmo deveriam levar alguns adventistas a avaliarem bem se devem mesmo ter na pessoa de Ellen White ou nos seus escritos, alguma fonte de infalível inspiração ou base para crenças.  Observe este texto de Apocalipse 2:20.

"Tenho, porém, contra ti o tolerares que essa mulher, Jezabel, que a si mesma se declara profetisa, não somente ensine, mas ainda seduza os meus servos a praticarem a prostituição e a comerem coisas sacrificadas aos ídolos."

Lembremo-nos de que Jezabel era uma mulher que vivia entre os do povo de Deus, e que através de sua sutileza, persuadia seu esposo Acabe a agir contra os interesses de Deus e da nação de Israel.
Os escritos sagrados que nos podem fazer sãos na fé estão na Bíblia e não há necessidade de nenhum outro registro supostamente inspirado ou como tendo vindo do céu mediante anjos. Gálatas 1:8

O senhor Rodrigo mesmo afirma que as doutrinas Adventistas independem da Senhora White, e disso podemos ver que ela é irrelevante na busca pela verdade acerca da doutrina de Deus.  O senhor Rodrigo mencionar que Ellen é inspirada da mesma forma que eram os profetas tais como Elias, Daniel e outros, chega a ser cômico, mas respeito a posição dele, muito embora discorde categoricamente.

As Escrituras nem dão respaldo ao ministério de ensino eclesiástico as mulheres. Imagine então se tornar tal como uma espécie de oráculo de uma denominação.
1 Coríntios 14:33-35  1 Timóteo 2:11-12


Vamos avaliar as palavras que supostamente foram escritas por Ellen White.


O Filho de Deus, Preexistente, Existente por Si Mesmo

"Cristo é o Filho de Deus, preexistente, existente por Si mesmo. ... Falando de Sua preexistência, Cristo conduz a mente através de séculos incontáveis. Afirma-nos que nunca houve tempo em que Ele não estivesse em íntima comunhão com o eterno Deus. Aquele cuja voz os judeus estavam então ouvindo estivera com Deus como Alguém que vivera sempre com Ele". Signs of the Times, 29 de agosto de 1900.

"Ele era igual a Deus, infinito e onipotente. ... É o Filho eterno, existente por Si mesmo." Manuscrito 101, 1897.

Em Cooperação com os Três Poderes Mais Altos

"Cumpre-nos cooperar com os três poderes mais altos no Céu - o Pai, o Filho e o Espírito Santo - e esses poderes atuarão por nosso intermédio, fazendo-nos coobreiros de Deus." Special Testimonies, Série B, nº 7, pág. 51.

"Há três pessoas vivas pertencentes à Trindade (original:trio) celeste; em nome destes três grandes poderes - o Pai, o Filho e o Espírito Santo - os que recebem a Cristo por fé viva são batizados, e esses poderes cooperarão com os súditos obedientes do Céu em seus esforços para viver a nova vida em Cristo." Special Testimonies, Série B, Nº 7, págs. 62 e 63.

Analisando o acima, verificamos que Ellen segundo se crê, pregava que Jesus tinha vida em si mesmo.
Será que isso é verdade?

"Pois, assim como o Pai tem vida em si mesmo, assim também concedeu ao Filho ter vida em si mesmo."
João 5:26

Ora, o texto bíblico é enfático em afirmar que Jesus veio a ter vida em si mesmo devido a uma concessão, e não por ser-lhe isso natural.  Ora, se lhe foi concedido ter vida em si mesmo, claro nos é que esta vida não lhe era natural, mas sim derivada, não emprestada, mas derivada sim.

Ademais, já vimos neste artigo que o próprio Jesus afirmou que ele vive por causa (devido) ao Pai, demonstrando que sua vida foi causada. O contexto estabelece que nesta declaração está explicito que Jesus possui vida em si mesmo por herdar do Pai a sua natureza divina. Esta vida em si mesmo também é algo a ser alcançado pelos cristãos.  Observe:

"Concordemente, Jesus disse-lhes: “Digo-vos em toda a verdade: A menos que comais a carne do Filho do homem e bebais o seu sangue, não tendes vida em vós mesmos."

Logicamente que ao se comer da "carne" e de se "beber" do sangue, ou seja, valer-se de seu sacrifício em fé e obediência, resulta em termos o que? Isso mesmo, vida em si mesmo.
Quem nos concede esta dádiva? Isso mesmo, Jesus Cristo.
Quem concedeu esta dádiva a Jesus? Isso mesmo, O Pai.

Ellen escreve que nunca houve tempo em o filho não estivesse com O Pai.

Observemos o que diz Miquéias 5:2
“E tu, Belém Efrata, pequena demais para chegar a estar entre os milhares de Judá, de ti me sairá aquele que há de tornar-se governante em Israel, cuja origem é desde os tempos primitivos, desde os dias do tempo indefinido."

A palavra hebraica indefinido, aqui éעולם - oh‧lám.
Esta palavra não significa eternidade e nem eterno, mas sim um período de tempo não especificado,indefinido.   
Êxodo 31:16-17 fala de sistemas e observações que com o tempo deixariam de ser observados
ou que se tornariam obsoletos.
O lexicógrafo Gesenius atribui-lhe o significado de “tempo oculto, i.e., obscuro e longo, cujo princípio  ou fim é incerto ou indefinido”. 
(A Hebrew and English Lexicon of the Old Testament [Léxico Hebraico e Inglês do Velho Testamento], traduzido para o inglês por E. Robinson, 1836, p. 746

Assim, aquele que sai de Efrata não é eterno, mas teve origem, e suas origens são remotas demais para ser computada. Desde os tempos primitivos, é um tempo indefinido, indeterminado. 
Diferente de Deus que não tem origem, mas a tudo dá origem.

A Septuaginta verte:

ἀπ' ἀρχῆς ἐξ ἡμερῶν αἰῶνος

ἀπ' (desde, origem) ἀρχῆς (principio, início) ἐξ (de dentro) ἡμερῶν (dias) αἰῶνος (indefinidos).

Jesus tem origem, foi causado e esta origem ou causa está no inicio dos dias (tempo) os quais não podem ser definidos. Este é um dos motivos porque ele não pode ter existido sempre com Deus.
Ademais, como já vimos, Jesus não é eterno pois ser eterno não significa apenas ter vida eterna.
Aos cristãos se promete vida eterna, (João 17:2) mas significa isso que os cristãos são eternos? 
De forma alguma.

Ser eterno significa antes de mais nada não estar preso ao espaço-tempo. Deus que é o único eterno, e por Deus me refiro somente ao Pai. O Pai é eterno por ser a eternidade em si. Ele não está preso ou condicionado pelo tempo que é criação sua, o qual, veio a existência na criação do filho. Jesus é o inicio do tempo por ser ele o principio do mover de Deus, sendo portanto, o primeiro vir-a-ser, passando de potência a ato. No princípio causou Deus o filho, e o filho veio-a-ser, ou seja, houve movimento. Havendo movimento, iniciou-se o tempo e o espaço.
Pois Deus que criou o Filho não é espacial e nem temporal.

Se Jesus fosse onipotente, seria impossível ele receber do Pai todo poder no céu e na terra, ademais, se ele fosse Deus, ele não poderia nem mesmo ter deixado de ser todo poderoso, pois o poder não é apenas uma posse de Deus, como uma parte de si. Deus sendo simples, não é composto. Ele é o poder.

Mas existe claramente textos que indicam que Jesus tanto recebeu poder de Deus e foi elevado a uma posição superior a qual ele não possuía, como também se sujeitará ao final dos 1000 anos a Deus. 
Mateus 28:18  1 Coríntios 15:27-28
Estar sujeito já implica em não ser Deus, pois Deus não pode estar sujeito, pois estar sujeito significa ser possível sofrer mudanças. Ora, Deus não pode mudar, portanto Deus não pode ser sujeito.

Ellen White cita a necessidade de "cooperar com os três poderes".
Qualquer estudante mediano de teologia sabe que Deus é seu poder e que por não ser composto, o poder não pode lhe ser apenas um predicado ou acessório.  Como poderia o Ser uno, ter três poderes?

Como "profetisa" supostamente inspirada, Ellen White deveria ter mencionado que "cumpre-nos cooperar com o poder mais alto no Céu - o Pai, o Filho e o Espírito Santo", visto que Deus sendo simples, jamais poderia ser três poderes, visto que não há divisão da sua natureza ou essência, mencioná-lo como três poderes é absurdo. O trinitário deveria saber que o mesmo seria o poder do Pai, do Filho e do Espírito Santo, sendo então um poder e não três.
Não preciso nem ser inspirado para saber disso. Ellen White quando disse isso não estava sob inspiração em hipótese alguma, antes, cometeu um erro gritante ao fazer tal afirmativa.

Ellen White menciona que existem três pessoas que pertencem ao trio celeste.
Pergunto: Se três pessoas pertencem ao trio celeste, significa que o trio está de posse de três pessoas?

Vamos mudar um pouco a afirmação, exemplo:

"Existem três pessoas que pertencem ao trio musical."
Não seria correto dizer que existem três pessoas que compõe ou formam o trio musical?
Sim, seria o correto a dizer. Mas isso caberia numa declaração sobre a trindade? 
Não, de forma alguma.

E por que não? Isso porque compor e formar é tornar composto. 
Ora, O Ser de Deus é composto ou simples? É simples, portanto não é um composto e nem uma formação.

Vemos assim que Ellen White carece de lógica e de inspiração.


Eu Tj7 (Josué) respeito a visão que os Adventistas tem, mas não existe motivo algum para eu crer na inspiração da Senhora White. Para mim ela não passou de uma mulher de fé, que tinha as mesmas dúvidas de muitos outros e que igualmente caiu em sérias contradições devido a um espírito especulativo. Embora existem algumas afirmações feitas de que ela tinha sérios problemas mentais que alguns dizem ser esquizofrenia, eu não posso entrar neste mérito pois não estou aqui para tratar da saúde mental de Ellen White, e sim para mostrar que estando ou não de plena posse de suas faculdades mentais e perceptivas, ela não é a minha regra de medida e nem base de minhas afirmações, e lamento pelas vidas que fazem dela a base de alguma crença bíblica.

Os verdadeiros cristãos buscam a base de sua fé nas Sagradas Escrituras.

Foto a esquerda: "James White e Ellen, sua esposa"

Uma das pronunciações de Tiago White foi:

"Mas, a fábula Pagã e Papal da natural imortalidade, fez do maior inimigo do homem, a morte, a 
porta para a felicidade eterna, e deixa a ressurreição como uma coisa de pequena significação.
É a base do espiritismo moderno.


“Aqui nos devemos mencionar a Trindade que acaba com a personalidade de Deus, e de seu 
Filho Jesus Cristo, e o batismo por aspersão que em vez de sepultar em Cristo no batismo, em 
significado da sua morte. 
Mas nós saímos destas fábulas para encontrar outra, que é sagrada 
para quase todos os cristãos, católicos e protestantes. É o (5.) a mudança do sábado do quarto mandamento, do sétimo para o primeiro dia da semana. O festival pagão do domingo ......."     Thiago White in Advent Review, December 11, 1855

Por ocasião desta publicação de Advent Review, eles já estavam casados já por 10 anos e certamente houve muitas conversas edificantes entre marido e esposa.

O Senhor Rodrigo utiliza-se de certas declarações de terceiros para dar sustentabilidade as afirmações de que Ellen White defendia a doutrina da Trindade. Não estar preso a nenhuma declaração extra-bíblica, tal como as da Senhor White, nos torna livres para ir apenas as Escrituras em busca das respostas.  De modo que nem entro na consideração se Ellen Defende ou não a trindade, pois como já disse, ela não é nenhuma profetisa ao meu ver e não é base para sustentar minhas crenças.



Orar ao Espírito Santo?


O Senhor Rodrigo defende que Ellen não havia dito que não se devia orar ao Espírito Santo.
Sem me ater na questão de se Ellen mandou ou não orar ao Espírito Santo, vamos responder a questão baseando-se apenas nas Escrituras Sagradas, a única regra de fé do cristão.

Existe alguma referência nas Escrituras a se orar ao espírito santo? Não! Nenhuma.
Existe alguma referência nas Escrituras a se orar a Jesus Cristo? Não! Nenhuma.

Qualquer contexto usado para tentar defender a oração a Jesus, não passa de demonstrações claras de ocasiões onde certos servos de Deus estavam se comunicando com Jesus sem nenhuma conotação ou alusão a oração.
Oração é algo que em todos os contextos bíblicos mostra-se ser algo direcionado apenas ao Deus o Pai.

Jesus e os seus discípulos mesmo ensinaram neste sentido, ou seja, de que só há um Deus ao qual devemos orar, sendo ele o Pai. Observem alguns exemplos.

"Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto particular, e, fechando a tua porta, ora a teu Pai que está em secreto; então o teu Pai, que olha em secreto, te pagará de volta." Mateus 6:6

“Portanto, tendes de orar do seguinte modo: Nosso Pai nos céus, santificado seja o teu nome" Mateus 6:9

"Ele lhes disse então: “Sempre que orardes, dizei: ‘Pai, santificado seja o teu nome. Venha o teu reino." Lucas 11:2

"Portanto, se vós, embora iníquos, sabeis dar boas dádivas a vossos filhos, quanto mais o vosso Pai, que está nos céus, dará boas coisas aos que lhe pedirem!"  Mateus 7:11

“Eu te louvo publicamente, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e dos intelectuais, e as revelaste aos pequeninos."   Mateus 11:25

"Além disso, não chameis a ninguém na terra de vosso pai, pois um só é o vosso Pai, o Celestial." Mateus 23:9

“O rei dirá então aos à sua direita: ‘Vinde, vós os que tendes sido abençoados por meu Pai, herdai o reino preparado para vós desde a fundação do mundo"  Mateus 25:34

"E, indo um pouco mais adiante, prostrou-se com o rosto [em terra], orando e dizendo: “Pai meu, se for possível, deixa que este copo se afaste de mim. Contudo, não como eu quero, mas como tu queres.” Mateus 26:39

"Deveras, qual é o pai entre vós que, se o seu filho lhe pedir um peixe, lhe entregará uma serpente em vez de um peixe? Ou, se lhe pedir um ovo, lhe entregará um escorpião? Portanto, se vós, embora iníquos, sabeis dar boas dádivas a vossos filhos, quanto mais o Pai, no céu, dará espírito santo aos que lhe pedirem!” Lucas 11:11-13

"Não obstante, vem a hora, e agora é, quando os verdadeiros adoradores adorarão o Pai com espírito e verdade, pois, deveras, o Pai está procurando a tais para o adorarem."  João 4:23

"Prosseguiu assim a dizer: “É por isso que eu vos tenho dito: Ninguém pode vir a mim, a menos que isso lhe seja concedido pelo Pai.”  João 6:65

"Portanto, retiraram a pedra. Jesus levantou então os olhos para o céu e disse: “Pai, eu te agradeço que me ouviste."  João 11:41

“Se me amardes, observareis os meus mandamentos; 16 e eu solicitarei ao Pai e ele vos dará outro ajudador para estar convosco para sempre," João 14:15-16   

(João 17, todo capítulo é uma oração de Jesus) 

"Pois não recebestes um espírito de escravidão, causando novamente temor, mas recebestes um espírito de adoção, como filhos, espírito pelo qual clamamos: “Aba, Pai!”  Romanos 8:15

"Para que, de comum acordo, com uma só boca, glorifiqueis o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo."
Romanos 15:6

"Para nós há realmente um só Deus, o Pai, de quem procedem todas as coisas, e nós para ele; e há um só Senhor, Jesus Cristo, por intermédio de quem são todas as coisas, e nós por intermédio dele." 1 Coríntios 8:6

"O Deus e Pai do Senhor Jesus, sim, Aquele que há de ser louvado para sempre, sabe que não estou mentindo."
2 Coríntios 11:31

"Ora, visto que sois filhos, Deus enviou o espírito do seu Filho aos nossos corações, e ele clama: “Aba, Pai!"
Gálatas 4:6

"Não cesso de dar graças por vós. Continuo a mencionar-vos nas minhas orações, para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê um espírito de sabedoria e de revelação no conhecimento exato dele."
Efésios 1:16-17

"Porque, por intermédio dele, nós, ambos os povos, temos a aproximação ao Pai, por um só espírito."
Efésios 2:18

"Por causa disso dobro os joelhos diante do Pai, a quem toda família no céu e na terra deve o seu nome"
Efésios 3:14-15

"Um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por intermédio de todos, e em todos."  Efésios 4:6

"Agradecemos a Deus, o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, sempre que oramos por vós"  Colossenses 1:3

"Agradecendo ao Pai, que vos tornou idôneos para a vossa participação na herança dos santos na luz."
Colossenses 1:12

"E, o que for que fizerdes em palavra ou em obra, fazei tudo no nome do Senhor Jesus, agradecendo a Deus, o Pai, por intermédio dele."   Colossenses 3:17

"Sempre agradecemos a Deus, ao fazermos menção de todos vós nas nossas orações, pois nos lembramos incessantemente da vossa obra fiel, e do [vosso] labor amoroso, e da [vossa] perseverança devido à [vossa] esperança no nosso Senhor Jesus Cristo, perante nosso Deus e Pai."  1 Tessalonicenses 1:2-3

"Com ela bendizemos a Yahuwah, sim, [o] Pai, e ainda assim amaldiçoamos com ela a homens que vieram a existir “na semelhança de Deus”.Tiago 3:9

"Ademais, se invocais o Pai que julga imparcialmente segundo a obra de cada um, comportai-vos com temor durante o tempo da vossa residência como forasteiros"  1 Pedro 1:17



As únicas duas ocorrências que poderiam ser mencionadas como supostas orações a Jesus são João 14:14 e Atos 7:59 que diz:

"Se me pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei."

"E atiravam pedras em Estêvão, enquanto ele fazia apelo e dizia: “Senhor Jesus, recebe meu espírito.”

A primeira passagem contem a palavra grega (με=me) em alguns manuscritos, noutros não, de modo que embora existam evidências de sua ocorrência em manuscritos bem antigos, não se pode comprovar se de fato ele constava nos originais.  Quando levamos em conta o contexto, e isso é muito importante na exegese bíblica, chegamos a conclusão de que este verso não pode estar em conflito com João 15:16 e 16:23 e todos os demais textos citados acima.  Logicamente que pedir a Jesus pode simplesmente envolver pedir a Deus O Pai, compreendendo que Jesus reconheceria ser algo que mediante o Pai estava sendo solicitado a ele. Outro fator que pesa, é que o verso 13 não especifica a quem se pede, mas por ser um pedido "em nome de", significa uma solicitação valendo-se da autoridade do nome que esta sendo empregado, ou sejam, o de Jesus. Assim, se o pedido é "em nome de Jesus", é provável que esteja sendo feito a outra pessoa, e não a mesma pessoa cujo nome ou autoridade está envolvido ou sendo invocada.
O contexto e a lógica apontam neste sentido.

A segunda ocorrência não é uma oração, pois a palavra grega "epikaleo" ali empregada não necessariamente implica numa oração e sim numa chamada ou solicitação, quer a Deus quer a humanos.
Observe que Paulo quando em apuros invocou (ἐπικαλοῦμαιpara César.  Atos 25:11-12  21,25  26:32  28:19
Nenhum cristão com mente sã acreditaria que Paulo estava a orar a César, não é verdade?

A raiz da palavra grega epikaleo difere da proseuchomai, sendo esta última definitivamente a palavra de maior ocorrência e significando oração dirigida a Deus.

Tendo estes fatos em mente, podemos prosseguir na segurança de que não devemos orar nem a Jesus e nem ao espírito santo como Ser distinto do Pai, mas sim ao Pai "em nome" de Jesus, ou seja, solicitando a Deus que ele considere nossa solicitação como sendo validada por causa dos méritos que Cristo adquiriu por nós perante Ele.



Fofocas dos dissidentes segundo Senhor Rodrigo

Depois de o Senhor Rodrigo mencionar os erros da escrita hebraica do questionador Adventistas, ele menciona que não ficaria tão chateado se eles se apegassem apenas a discussão das ideias e doutrinas e não se perdessem naquilo que o senhor Rodrigo chama de "fofocas", a saber, a vida pessoal de indivíduos que não representam a totalidade da organização religiosa.

Bem, nisso o senhor Rodrigo tem razão.

No entanto, se o próprio senhor Rodrigo acessou tal site e isso "até dizer chega", seria incoerente solicitar que os demais adventistas não possam fazer a mesma análise investigativa.

O endereço é: Adventistas.com

Ademais, para quem desejar, poderá baixar todo site para uso offline aqui.

(Neste arquivo, uma pasta contendo todo site está disponível, mas apenas um ícone está visível a fim de não causar confusão na hora de abrir a página inicial)


Sair da Igreja por estar insatisfeito com as doutrinas e criar outra igreja como sugeriu o senhor Rodrigo seria o mesmo que Jesus sair do judaísmo e criar outra forma de adoração distinta do judaísmo. Como poderia isso?
Jesus não fez reservas quanto a criticar a atitude dos líderes da forma de adoração da qual participava e fazia parte como membro, antes, ele mostrou que embora eles fossem filhos ou descendentes de Abraão, tinham deixado que o fermento corruptível das tradições humanas invalidassem as verdades fundamentais da lei.
Mateus 15:3-6  16:5-12   23:1-39   Marcos 7:9,13  8:14-21

O que Jesus fez? Mostrou que a verdade deixada por Deus originalmente não era aquele cheia de acessórios produzidos por homens posteriores, e sim, que as verdades originais tinham de sobressair dentre as mentiras religiosas dos líderes judaicos.  Jesus reuniu um grupo dentre o povo de Deus, os quais foram sábios o suficientes para se desligarem daquela liderança apóstata.   Mateus 21:42-43



O nome Adventistas do Sétimo Dia.

O senhor Rodrigo fala do significando do nome Adventista do Sétimo Dia.
Ele diz que significa:

Adventista: Ele (Jesus) está por vir
Sétimo Dia: Por isso eu serei fiel.

Embora os elementos possam estar subentendidos na explicação do Senhor Rodrigo, o nome Adventistas do Sétimo Dia pode ser mais bem explicado.

O nome adventistas do Sétimo Dia significa "Expectadores de um descanso sabático."
Podemos dizer que está baseado em Hebreus 4:9 que diz:

"Assim, 
ainda resta um descanso sabático para o povo de Deus"   
NVI

Este texto em Hebreus fala das tentativas de se levar o povo de Deus a um lugar de descanso, todas estas tentativas como sendo obras humanas de tentar justificar-se perante Deus, de modo que nunca foram atingidas estas expectativas e alvos, pois estavam alicerçadas em sombras efêmeras. Mas que este objetivo e alvo já é ainda será atingido mas plenamente por ocasião da manifestação de Nosso Senhor Jesus Cristo na sua presença e no seu reinado milenar, o qual será um descanso sabático para os do povo de Deus. Quando todas as figuras da Lei tiverem plenamente cumpridas as suas prefigurações. Colossenses 2:16-17  Hebreus 8:5  10:1
Nós entraremos nele pela fé.  Estamos esperando o advento (vinda) do sétimo dia (milênio reinante do Cristo), o nosso lugar de descanso.



Não o recebais em sua casa e nem o cumprimenteis


"Acautelai-vos para que não percais as coisas que produzimos por trabalho, mas para que obtenhais uma plena recompensa. Todo aquele que se adianta e não permanece no ensino do Cristo não tem Deus. Quem permanece neste ensino é quem tem tanto o Pai como o Filho. Se alguém se chegar a vós e não trouxer este ensino, nunca o recebais nos vossos lares, nem o cumprimenteis. Pois, quem o cumprimenta é partícipe das suas obras iníquas."   2 João 8-11

O texto usado pelo Senhor Rodrigo fala de evitar aqueles que negam certas verdades bíblicas, e quem são estes?

O contexto nos mostra que se trata daqueles que negam que Jesus nasceu qual humano na terra. Ora, não são os trinitários que pregam que Jesus era 100% homem e 100% Deus quando na Terra?
Isso é ir contra a declaração de João, pois joão diz que Anticristo é o que nega Jesus tendo vindo na carne, ou seja, que ele veio como humano.  Alguns trinitários até mesmo dizem que Jesus é uma encarnação, ou seja, que ele encarnou e veio a terra. Isso é mentira. Jesus nasceu como um simples humano, igual a Adão antes de pecar.
Era o equivalente a Adão, perfeito e 100% humano sem nenhum percentual divino.

Após sua unção em 33 EC, ele foi feito um Cristo (ungido) e após sua morte, foi glorificado e então sim, passou a receber divindade, se tornando até mesmo melhor que os anjos, recebendo uma posição superior.
Mas cá na terra, ele nasceu como humano, sem ser Deus-homem.   Negar que Jesus tenha vindo como humano ou que o Messias não tenha existido ou que se trata de uma Era impessoal, é estar associado e ser Anticristo.

É a estes homens que se deve evitar e negar-se a dar apoio e acolhida.
Agora, quanto aos que afirmam a humanidade de nosso senhor Jesus Cristo e sua posterior recompensa ao ser ressuscitado como Espírito Vivificante e imortal, recebendo divindade, estes não se enquadram na descrição de João mencionada pelo Senhor Rodrigo Silva.

Aliás, os trinitários é que se aproximam do perfil como mencionado acima.

Se você não sabe o que é pecar contra o espírito santo, vou explicar.

Pecar contra o espírito santo é pecar contra o próprio Deus Yahuwah  O Pai, negando aceitar todas as suas tentativas de levar o pecador ao arrependimento, e atribuir aquilo claramente são Suas obras como sendo obras de Satanás, e então se opor ferrenhamente contra. Podemos chamar isso de pecar contra o amor que Deus demonstra para com a pessoa. É uma atitude inflexível de desprezar tudo o que é sagrado e que dê evidência do criador.

Observe o que Eli, sumo sacerdote de Israel disse em 1 Samuel 2:25 para seus filhos acerca daqueles que pecam contra Deus O Pai.

"Se um homem pecar contra um homem, Deus arbitrará por ele; mas se o homem pecar contra Yahuwah, quem é que vai orar por ele?” Mas eles não queriam escutar a voz de seu pai, porque Yahuwah se agradava agora de entregá-los à morte."

Observe aqui que Deus O Pai, por ter sido difamado, sentia agrado em destruir o blasfemador.
Compare com as palavras de Jesus.

"Deveras, eu vos digo que todas as coisas serão perdoadas aos filhos dos homens, não importa que pecados e blasfêmias cometam blasfemamente. ........Por exemplo, quem falar uma palavra contra o Filho do homem, ser-lhe-á perdoado.....No entanto, quem blasfemar contra o espírito santo, nunca terá perdão, mas é culpado de pecado eterno."  Junção de Mateus 12:32 Marcos 3:28-29

Jesus disse que se alguém pecasse contra ele, ou seja, contra Jesus, poderia ter perdão. Jesus não disse nada acerca de pecar contra O Pai, mas levando-se em conta as palavras de Eli mencionadas em 1 Samuel 2:25 e também o fato de que o espírito de Deus é o espírito do Pai, e em Deus nada existe separado de sua essência, logo, ele sendo O Espírito, (2 Cor 3:17) de modo que pecar contra o espírito é pecar contra o Pai.
Assim, pecar contra o espírito é pecar contra aquele de quem emana tal espírito ou santidade, O Pai.



Prossigamos para o próximo vídeo.



Vídeo 4


Ao Senhor Rodrigo Silva

Desejamos sinceramente que o Senhor Rodrigo possa receber de Deus misericórdia e entrar em seu descanso, pois isso é meu desejo para ele e sua família. No entanto, isso é Deus quem decidirá.
Não concordamos em várias crenças, noutras sim, mas a trindade realmente é uma das mais perigosas doutrinas que uma pessoa pode nutrir e ensinar, pois vai direto contra a Soberania do Pai.




Palavras finais

“Jerusalém, Jerusalém, matadora dos profetas e apedrejadora dos que lhe são enviados — quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, assim como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo de suas asas! Mas vós não o quisestes. Eis que a vossa casa vos fica abandonada. Pois eu vos digo: De modo algum me vereis doravante, até que digais: ‘Bendito aquele que vem em nome de Yahuwah!’” Mateus 23:37-39

"E quando chegou perto, contemplou a cidade e chorou sobre ela, dizendo: “Se tu, sim tu, tivesses discernido neste dia as coisas que têm que ver com a paz — mas agora foram escondidas de teus olhos." Lucas 19?41-42 

As palavras deste vídeo iniciam com o alerta acerca do perigo da religiosidade mecanicista, artificial.
Sem sombra de dúvida estas palavras devem de fato serem levados em consideração por todos os que se dizem cristãos. Este é um dos motivos da necessidade de estarmos constantemente fazendo uma auto-análise e investigando se estamos na fé. 2 Coríntios 13:5
Nunca deixarmos que a letargia ou a inércia nos tome por completo.

Quanto as publicações da casa publicador em Battle Creek exibir propagandas antibíblicas, certamente é algo lamentável. Não sei tudo a respeito do assunto, mas certamente não creio que todos os Adventistas apoiavam tais atitudes e crenças.

Quanto aos incêndios ocorridos logo após as divergências com Ellen White e o Dr. Kellogs e seus parceiros, sem desejar levantar acusações, isso certamente cheira a ações criminosas bem engendradas, mas Deus, a seu tempo, revelará todas as coisas.  Não raro se observa que mensagens proclamadas no mundo como sendo de supostos profetas encontram em mentes instáveis, a força e a mão de obra necessária para suas realizações.
Como eu disse, Deus trará da escuridão a luz todas estas coisas a seu tempo.

O senhor Rodrigo através de suas palavras, alerta os da Igreja Adventista do Sétimo Dia a não acessarem nenhum site que contenha material critico contra a Igreja, até mesmo sugerindo que isso possa atrair a ira de Deus e condenação do indivíduo.  Naturalmente que nenhum cristão seja ele de que denominação religiosa for, desejará se posicionar contra a igreja de Jesus Cristo. Isso é óbvio.
No entanto, é justamente por desejar manter a Igreja de Nosso Senhor Jesus limpa de ensinos falsos que existem pessoas que denunciam aquilo que acreditam serem desvios claros da palavra de Deus.

Muitas vezes isso ocorre por falta de liberdade de discutir livremente com a liderança da organização religiosa que não raro, impede a livre comunicação e discussão das ideias divergentes as quais visam uma mútua consideração.
A igreja em si não é uma instituição empresarial, mas sim um povo ou grupo chamado ao serviço e a escutar a Deus, de modo que não é um CNPJ que determina a Igreja de Jesus Cristo, mas sim o grupo que lhe dá ouvidos e busca fazer sua vontade.  O senhor Rodrigo diz que existe um remanescente que não se submeterá as astúcias de Satanás e que sairá como Igreja triunfante. Como podem provar que este remanescente não é justamente muitos destes que desejam rejeitar as falsas doutrinas como a Trindade e apegar-se ao verdadeiro monoteísmo bíblico?

As advertências do Senhor Rodrigo serve para ambos os lados.
De modo que se a doutrina da Trindade não é bíblica, é temos fortes provas disso; todos aqueles que estão a aceitar passivamente esta crença sem questionamentos, estão aceitando a operação do erro que desencaminha os servos de Deus.  2 Tessalonicenses 2:11-12  Romanos 1:25
Promover e disseminar esta doutrina na qual se ensina Deus como sendo três pessoas associadas numa essência, é ir além das palavras de Paulo que colocam apenas o Pai como sendo Deus.  1 Coríntios 8:6
É ir contra as palavras de Jesus que disse que O Pai é o único Deus verdadeiro.  João 17:3

Você como cristão deve rejeitar estas mentiras acerca de Deus e que difamam o seu filho Jesus Cristo como sendo um usurpador aos olhos de outros grupos religiosos tais como o Judaísmo e outros. Isso não é assim. Jesus nunca foi trinitário e jamais ensinou tal heresia. Como todo Judeu, era monoteísta e adorava apenas a um Deus, O Pai.
João 4:22-24    20:17  Filipenses 2:5-7


Mas para onde eu devo ir? - Qual o caminho?


Esta é uma das muitas perguntas que aqueles que observam os graves desvios religiosos se fazem ao notarem que não mais podem defender e serem cúmplices de uma mentira religiosa. Muitas pessoas estão tão aficionadas a instituições que despercebem que não somos seguidores de uma instituição, mas sim de Cristo.
Lembre-se que Jesus não saiu do Judaísmo para formar outra Igreja, antes, ele se associava com aqueles que dentre seu povo, desejavam apegar-se somente as verdades deixadas por Deus, sem nenhum fermento adicional.

Hoje em dia temos muitas pessoas que estão observando que a trindade e outras falsas doutrinas tais como imortalidade da alma, inferno de fogo e outras mais, não são ensinos bíblicos. Muitas coisas ainda nos levarão a um entendimento mais profundo, mas a medida que formos aumentando em conhecimento, não devemos nos esconder e omitir tais verdades por medo, antes, devemos deixar brilhar a nosso luz.

Jesus deixou claro já em seus dias de que a verdadeira adoração seria em espírito e em verdade, e que ela não dependeria de localização geográfica e nem de um templo físico, algo material.
João 4:21, 23

Ele também nos mostrou que nossos irmãos são aqueles que fazem a vontade do Pai, dele.
Mateus 12:47-50

Ele mostrou que a Igreja pode ser formada até mesmo de duas pessoas, desde que estejam reunidas em seu nome.  Mateus 18:19-20

Não devemos temer nada. Temos apenas de nos apegar a Jesus até o final e no único Deus verdadeiro que é Seu Pai, e isso, até o fim. Jamais negar nossa fé em Deus ou deixar de viver uma vida limpa e sadia em Deus.

Se você não souber o caminho que deve seguir, escute a voz:

"Tomé disse-lhe: “Senhor, não sabemos para onde vais. Como sabemos o caminho?” Jesus disse-lhe: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim."  João 14:5-6

Siga as pisadas de Jesus. Observe como ele agiu e como era corajoso ao denunciar os desvios da liderança que havia se corrompido. Mas note que ele fazia isso por amor e com amor, visando o benefício dos que desejavam servir a Deus. Ele era zeloso de obras e humilde.
Siga os passos de Jesus num estilo de vida cristão sem necessidade de ritualismo, pois Deus quer misericórdia e não sacrifícios.  Não se esqueça.  Se você for corajoso e amar a Deus sobre todas as coisas, então jamais deixará que ninguém coloque nada entre você e ele, antes, você se apegará a Deus assim como Jesus Cristo igualmente fez.   

Espero que este artigo possa ter-lhe trazido alguma luz e ajuda espiritual.



Tj7 - Josué.




Visitas



Para mais artigos sobre a Trindade, acessem os links abaixo:




Veja também:

Um chamado aos Adventistas


Leia também



Comments