liturgia diária‎ > ‎

19/12/2012 - ÚLTIMOS DIAS ANTES DO NATAL - Advento

postado em 19 de dez de 2012 12:29 por Antonio Gazato Neto

1ª Leitura - Jz 13,2-7.24-25a

O nascimento de Sansão é anunciado por um anjo.

Leitura do Livro dos Juízes 13,2-7.24-25a

Naqueles dias, 2havia um homem de Saraá, da tribo de Dã, chamado Manué, cuja mulher era estéril. 3O anjo do Senhor apareceu à mulher e disse-lhe: “Tu és estéril e não tiveste filhos, mas conceberás e darás à luz um filho. 4Toma cuidado de não beberes vinho nem licor, de não comeres coisa alguma impura, 5pois conceberás e darás à luz um filho. Sua cabeça não será tocada por navalha, porque ele será consagrado ao Senhor desde o ventre materno, e começará a libertar Israel das mãos dos filisteus”. 6A mulher foi dizer ao marido: “Veio visitar-me um homem de Deus, cujo aspecto era terrível como o de um anjo do Senhor. Não lhe perguntei de onde vinha nem ele me revelou o seu nome. 7Ele disse-me: ‘Conceberás e darás à luz um filho. De hoje em diante, toma cuidado para não beberes vinho nem licor, e não comeres nada de impuro, pois o menino será consagrado a Deus, desde o ventre materno até o dia da sua morte’”. 24Ela deu à luz um filho e deu-lhe o nome de Sansão. O menino cresceu, e o Senhor o abençoou. 25aO espírito do Senhor começou a agir nele no Campo de Dã. - Palavra do Senhor. 

 

Salmo - Sl 70 (71), 3-4a. 5-6ab. 16-17 (R. Cf. 8a)

R. Minha boca se encha de louvor, para que eu cante vossa glória.

3Sede uma rocha protetora para mim, * um abrigo bem seguro que me salve! Porque sois a minha força e meu amparo,+ o meu refúgio, proteção e segurança!* 4aLibertai-me, ó meu Deus, das mãos do ímpio. R. 

5Porque sois, ó Senhor Deus, minha esperança, * em vós confio desde a minha juventude! 6aSois meu apoio desde antes que eu nascesse, + 6bdesde o seio maternal, o meu amparo. R. 

16Cantarei vossos portentos, ó Senhor, * lembrarei vossa justiça sem igual! 17Vós me ensinastes desde a minha juventude, * e até hoje canto as vossas maravilhas. R.

 

Evangelho - Lc1,5-25

O nascimento de João Batista é anunciado pelo anjo Gabriel.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 1,5-25

5Nos dias de Herodes, rei da Judeia, vivia um sacerdote chamado Zacarias, do grupo de Abia. Sua esposa era descendente de Aarão e chamava-se Isabel. 6Ambos eram justos diante de Deus e obedeciam fielmente a todos os mandamentos e ordens do Senhor.7Não tinham filhos, porque Isabel era estéril, e os dois já eram de idade avançada. 8Em certa ocasião, Zacarias estava exercendo as funções sacerdotais no Templo, pois era a vez do seu grupo. 9Conforme o costume dos sacerdotes, ele foi sorteado para entrar no Santuário, e fazer a oferta do incenso. 10Toda a assembleia do povo estava do lado de fora rezando, enquanto o incenso estava sendo oferecido. 11Então apareceu-lhe o anjo do Senhor, de pé, à direita do altar do incenso. 12Ao vê-lo, Zacarias ficou perturbado e o temor apoderou-se dele. 13Mas o anjo disse: “Não tenhas medo, Zacarias, porque Deus ouviu tua súplica. Tua esposa, Isabel, vai ter um filho, e tu lhe darás o nome de João. 14Tu ficarás alegre e feliz, e muita gente se alegrará com o nascimento do menino, 15porque ele vai ser grande diante do Senhor. Não beberá vinho nem bebida fermentada e, desde o ventre materno, ficará repleto do Espírito Santo. 16Ele reconduzirá muitos do povo de Israel ao Senhor seu Deus. 17E há de caminhar à frente deles, com o espírito e o poder de Elias, a fim de converter os corações dos pais aos filhos, e os rebeldes à sabedoria dos justos, preparando para o Senhor um povo bem disposto”. 18Então Zacarias perguntou ao anjo: “Como terei certeza disto? Sou velho e minha mulher é de idade avançada”. 19O anjo respondeu-lhe: “Eu sou Gabriel. Estou sempre na presença de Deus, e fui enviado para dar-te esta boa notícia. 20Eis que ficarás mudo e não poderás falar, até o dia em que essas coisas acontecerem, porque não acreditaste nas minhas palavras, que se hão de cumprir no tempo certo”. 21O povo estava esperando Zacarias, e admirava-se com a sua demora no Santuário.22Quando saiu, não podia falar-lhes. E compreenderam que ele tinha tido uma visão no Santuário. Zacarias falava por sinais e continuava mudo.  23Depois que terminou seus dias de serviço no Santuário, Zacarias voltou para casa.24Algum tempo depois, sua esposa Isabel ficou grávida, e escondeu-se durante cinco meses. 25Ela dizia: “Eis o que o Senhor fez por mim, nos dias em que ele se dignou tirar-me da humilhação pública!” - Palavra da Salvação. 

 

Reflexão:

A Bíblia nos apresenta alguns casos em que mulheres que não poderiam ter filhos ficaram grávidas. Podemos citar alguns exemplos: Sara, esposa de Abraão e mãe de Isaac; a esposa de Manué, que era estéril e deu à luz Sansão; Ana , esposa de Elcana, que era estéril e deu à luz Samuel; e Isabel, esposa de Zacarias, que deu à luz João Batista. Cada vez que uma mulher estéril fica grávida, alguma coisa importante vai acontecer. Com Isaac, a formação do povo de Israel, com Sansão, a derrota dos filisteus, que permitiu a permanência do povo de Israel na Terra Prometida, com Samuel, a formação do Reino de Israel e com João Batista, a chegada da plenitude dos tempos.

A ORAÇÃO ATENDIDA


Zacarias serviu-se da ocasião oferecida pelo serviço sacerdotal desempenhado no templo de Jerusalém para abrir seu coração a Deus, confessando-lhe a angústia de morrer sem deixar descendência. Sendo ele e sua mulher de idade avançada, com o agravante da esterilidade de Isabel, seria ingênuo imaginar que alguma novidade pudesse acontecer. Restava-lhes somente conformar-se com o opróbrio que lhes competia suportar.

O sofrimento do casal Zacarias e Isabel tinha tudo a ver com o sofrimento do justo. Ambos eram irrepreensíveis na sua conduta religiosa. Nem um só mandamento ou preceito escapava de seu empenho de fidelidade a Deus. Por que, então, se abatera sobre eles a maldição de estarem fadados a morrer sem deixar descendência?

A oração do justo, feita do mais profundo de sua dor, foi devidamente ouvida por Deus. O anjo do Senhor anuncia a Zacarias o nascimento de um filho, ao qual será dado o nome de João. Repleto do Espírito Santo, ser-lhe-ia confiada uma missão grandiosa: reconduzir os filhos de Israel para Deus, de modo a prepará-lo para acolher a salvação que Deus reservara à humanidade, por meio de seu Messias.

A superação da ignomínia dos justos – Zacarias e Isabel – foi além de suas expectativas. A misericórdia que lhes fora manifestada era um aspecto da benevolência mais ampla que o Pai reservara a toda a humanidade.

Oração
Pai, atendendo à oração de Zacarias, manifestaste tua misericórdia para com o justo sofredor. Sê também benévolo diante das nossas angústias.

(Comentário do Evangelho  feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE)

Fonte: DOM TOTAL.

 

Deus realiza o impossível na vida dos homens de fé

Por exercer as funções sacerdotais, Deus olhou misericordiosamente para as orações de Zacarias e cumpriu a promessa aos homens justos e tementes a Ele. Esse casal, Zacarias e Isabel, vivia uma vida que, para Deus, era correta, pois obedeciam, fielmente, todas as leis e mandamentos do Senhor.

Por meio do anjo Gabriel, extraordinariamente, Deus anuncia o nascimento de João Batista, pois Isabel era já de idade avançada. Tocou-lhe exercer o seu ministério enquanto oferecia o sacrifício divino pelos pecados do povo e também dos seus.

Dentro desta dinâmica, Deus resolve atender, dentre outros, os pedidos do próprio Zacarias. Conceder-lhe um filho que, por providência divina, nasce de uma mulher da estirpe de Aarão, cujo nome é Isabel. Pela razão aludida acima, Deus realiza o impossível na vida dos homens de fé e, se aparece alguma dúvida apesar da fidelidade, Ele manifesta o seu poder sobrenatural.

O povo, rezando do lado de fora, esperava que Zacarias saísse depois do incenso. Enquanto isso, o anjo de Deus se aproxima e conversa com Zacarias. E o conteúdo da conversa é: “Não tenha medo, Zacarias, pois Deus ouviu a sua oração! A sua esposa vai ter um filho, e você porá nele o nome de João”.

Neste filho se vê, antecipadamente, o anúncio do nascimento do Messias, o Emanuel. Ele será mandado por Deus como mensageiro e será forte e poderoso como o profeta Elias. Ele fará com que pais e filhos façam as pazes e que os desobedientes voltem a andar no caminho certo. Ele, João Batista, preparará o povo de Israel para a vinda do Senhor.

Para Lucas, as aparições de anjos são o sinal de que caíram as antigas barreiras entre o céu e a terra, ou, pelo menos, estão por cair, como neste caso. A iniciativa parte de Deus, porque tudo o que é grande vem d’Ele.

Zacarias, ante a impossibilidade humana, expressa a pouca fé nas coisas altas e profundas. Ainda não sentiu que para Deus nada é impossível e que Seu poder começa onde a fraqueza humana mostra os limites de suas possibilidades. Como resultado do seu comportamento, ele fica mudo até que a profecia se cumpra, porque para Deus nada é impossível. Tanto tempo, muita demora e, como agravante, aparece mudo. O povo reage desesperadamente. Como se comunicar com ele? O que será isso? Que milagre terá acontecido? Por inspiração divina, chegam à conclusão de que Zacarias teria tido uma visão. Deus lhe teria falado.

Caríssimos irmãos, assim como a primavera traz belas e perfumadas flores, o Advento nos traz vida. Somos chamados com todo o rigor à conversão, à mudança de nossa vida. É preciso que mudemos, de verdade, o nosso modo de agir e penetremos mais firmemente no caminho do Reino. Se João Batista nos chama à conversão, Jesus, por sua vez, chama-nos e convida a tomar parte no Reino. Se quisermos, verdadeiramente, encontrar Deus, temos de nos converter profundamente.

Acolhamos a voz do anjo que nos anuncia a chegada do Deus menino. Tenhamos uma fé firme e forte, que supere a de Zacarias, pois ele foi norteado somente pela esperança profética. Quanto a nós, sabemos e temos provas concretas da presença de Deus no mundo.

Padre Bantu Mendonça

Fonte: CANÇÃO NOVA – HOMILIA DIÁRIA

 

Zacarias e Isabel: Deus quer precisar dos idosos

O Evangelho de hoje narra os acontecimentos que antecederam o nascimento de João Batista. São Lucas nos dá a oportunidade de conhecer os pais de João. E é sobre esse casal que nós vamos falar hoje e tentar aprender um pouco, partindo da sua história.

Primeiro ponto importante: era um casal idoso, e ainda por cima, ela era estéril. Na palestina daquela época era costume se ter muitos filhos. Isso era um sinal de fertilidade e era considerada uma bênção de Deus. Quando um casal não tinha filhos, era como se Deus não tivesse abençoado o casal. E isso era motivo de vergonha e humilhação, principalmente para a mulher. Veja só: Deus poderia ter escolhido um casal jovem para ser a família de João Batista, mas preferiu um casal de idosos. E esse não foi o primeiro casal de idosos que Deus confiou tão grande missão... o Antigo Testamento está cheio de casos assim. Daí podemos tirar a primeira lição de hoje: para servir a Deus, idade não é desculpa! Zacarias ainda tentou se esquivar dizendo: "Mas como isso pode acontecer? Eu sou um velho, e minha mulher também..." Do mesmo jeito que muitos velhos de hoje preferem ficar no seu cantinho, com a boca aberta, cheia de dentes (ou não), olhando o tempo passar, e esperando a morte chegar... E quando eu digo "velho", não estou me referindo aos que têm idade avançada não, mas principalmente àqueles que acham que já passou o seu tempo, que já deu o que tinha que dar...

O segundo ponto que acho importante frisar hoje é a superação de João Batista frente aos problemas que ele teve que superar desde antes do seu nascimento. Vá enumerando aí... Ser criado por pais idosos... a mãe que foi se esconder nas montanhas quando engravidou... a provável morte dos pais ainda durante a sua infância ou adolescência (já que eram idosos)... ter que aprender a se virar sozinho (por isso foi morar no deserto, e aprendeu a comer gafanhotos, mel do campo, e se vestir com a pele de animais)... João Batista tinha tudo pra ser um coitadinho, mas aprendeu a superar as dificuldades desde pequeno. Provavelmente, pelos pais serem idosos, ele passou a ajudá-los nos afazeres da casa desde que aprendeu a andar... Isso, para uma criança, poderia ser traumatizante, mas João não se deixou abater por nada. Como já dizia Padre Léo, "João Batista foi um trator de esteira: veio aplainar o terreno pra Jesus!"

A mensagem de hoje é de incentivo, de ânimo! Não se deixar abater pelas dificuldades, e enfrentar os obstáculos! ÂNIMO!!!

Jailson Ferreira

Fonte: REFLEXÕES BÍBLICAS – LITURGIA DIÁRIA

 

A nossa capacidade vem de Deus.

Uma amiga minha diz que Deus usa dos anjos para nos nortear, mas nossa vida diária e os fatos que já nos aconteceram nela, principalmente nas relações sociais que temos e tivemos, fazem a gente duvidar constantemente. É o tal do pé atrás!

Deus quer algo de mim e de você! Tenha certeza disso!

Assim como o anúncio do nascimento de Jesus foi uma surpresa para Maria e José, o de João Batista também foi. Zacarias já tinha seus anos avançados, tinha o respeito da comunidade, seus preceitos e suas crenças. Não é surpresa alguém com tamanha experiência não acreditar no que dizia aquele anjo. Temos convívios com pessoas e elas metem. É normal do ser humano duvidar.

Benjamin Franklin dizia que “a tragédia da vida é que nos tornamos velhos cedo demais e sábios tarde demais.”. Se fossemos sábios, ou aceitássemos a sabedoria mais cedo não ficaríamos mudos aos olhos do mundo como Zacarias ficou. Padre Jonas diz em uma música que “tarde te encontrei” como reconhecimento que deveria ter começado mais cedo seu trabalho com a plena vitalidade da juventude.

(…) e meu coração alegrou-se nela. Meus pés andaram por caminho reto: desde a minha juventude tenho procurado encontrá-la.(Eclesiástico 51,20)

Como citei acima, em virtude de nossas relações sociais criamos “pés atrás” quanto a muitas coisas, sendo assim podemos dizer que somos, de certa forma, produto do meio que estamos ou fomos inseridos. Esse meio tem muita influencia inclusive sobre como enfrentamos os problemas mais corriqueiros como os mais difíceis.

O povo esperava a muito tempo pela vinda do messias tão prometido e a opressão imposta pelos conquistadores ao longo dos anos, nesse caso os romanos, facilitava uma cultura de descrença coletiva. Esse dia então chega com o anúncio da vinda daquele que aplainaria os caminhos do messias.

Um sacerdote ancião, inserido num povo amedrontado, oprimido e de fé fragilizada recebe a noticia que sua esposa estéril daria a luz a um filho. Muitos porém podem questionar a falta de fé de Zacarias, mas e a nossa fé como anda? Coisas e fatos bem mais simples deixam ou deixaram de acontecer, pois não passam ou passaram pela nossa razão.

Quantos anjos Deus pôs em nossas vidas e também, por medo ou descrença, duvidamos?

A mulher que era estéril que dá a luz é um fato extraordinário provocado pela mão de Deus, aí poderíamos nos perguntar: Deus fez isso para provar seu poder, provando assim para o descrente Zacarias que podia fazê-lo? Não! Alguma vez já se perguntou da fé de Isabel?

Zacarias era sim um homem bom e honesto, mas como qualquer pessoa vacilou por um instante. Recordo José, que precisou ser alertado em sonho que tudo aquilo que Maria dizia era verdade. O mundo nos ensina a sermos descrentes e a forma que nos relacionamos neste mundo nos faz credenciam como capazes ou não.

Se não temos sucesso profissional e financeiro temos mania de dizer que não somos tão bons como aqueles que têm. Se minhas decisões me levaram a ter dívidas impagáveis ou que impeçam meu crescimento, não são frutos da minha suposta falta de inteligência, mas talvez da minha capacidade de não crer que poderia fazer.

Por mais que o meio que nos cerca nos ofereça motivos para desacreditar, preciso vencer o mau prognóstico, às vezes até oriundo dos nossos familiares, é continuar acreditando, pois nossa capacidade vem de Deus.

“(…) É por Cristo que temos tal confiança perante Deus. Por nós mesmos, não somos capazes de pôr a nosso crédito qualquer coisa como vinda de nós; A NOSSA CAPACIDADE VEM DE DEUS…“. (II Coríntios 3, 4-5)

Se entendermos e acreditarmos que tudo é possível e nossa capacidade vai além de nossa fé, faremos o impossível.

Por fim reflita:

“Devemos navegar algumas vezes a favor do vento e outras contra ele – mas temos de navegar sempre, e não nos deixar levar pelo vento, nem jogar a âncora”. Oliver W. Holmes

Fonte: DEUS É MAIOR

Comments