liturgia diária‎ > ‎

17/12/2012 - ÚLTIMOS DIAS ANTES DO NATAL - Advento

postado em 16 de dez de 2012 18:45 por Antonio Gazato Neto

1ª Leitura - Gn 49,2.8-10

O cetro não será tirado de Judá.

Leitura do Livro do Gênesis 49,2.8-10

Naqueles dias, 2Jacó chamou seus filhos e disse: “Juntai-vos e ouvi, filhos de Jacó, ouvi Israel, vosso pai! 8Judá, teus irmãos te louvarão; pesará tua mão sobre a nuca de teus inimigos, prostrar-se-ão diante de ti os filhos de teu pai. 9Judá, filhote de leão: subiste, meu filho, da pilhagem; ele se agacha e se deita como um leão, e como uma leoa; quem o despertará? 10O cetro não será tirado de Judá, nem o bastão de comando dentre seus pés, até que venha Aquele a quem pertencem, e a quem obedecerão os povos”. - Palavra do Senhor. 


Salmo - S. 71 (72), 1-2. 3-4ab. 7-8. 17 (R. Cf. 7)

R. Nos seus dias a justiça florirá e paz em abundância, para sempre.

1Dai ao Rei vossos poderes, Senhor Deus, * vossa justiça ao descendente da realeza! 2Com justiça ele governe o vosso povo, * com equidade ele julgue os vossos pobres. R. 

3Das montanhas venha a paz a todo o povo, * e desça das colinas a justiça! 4aEste Rei defenderá os que são pobres, * 4bos filhos dos humildes salvará. R. 

7Nos seus dias a justiça florirá * e grande paz, até que a lua perca o brilho! 8De mar a mar estenderá o seu domínio, * e desde o rio até os confins de toda a terra! R. 

17Seja bendito o seu nome para sempre! * E que dure como o sol sua memória! Todos os povos serão nele abençoados, * todas as gentes cantarão o seu louvor! R.

 

Evangelho - Mt 1,1-17

Genealogia de Jesus Cristo, filho de Davi.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 1,1-17

1Livro da origem de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão. 2Abraão gerou Isaac; Isaac gerou Jacó; Jacó gerou Judá e seus irmãos. 3Judá gerou Farés e Zara, cuja mãe era Tamar. Farés gerou Esrom; Esrom gerou Aram; 4Aram gerou Aminadab; Aminadab gerou Naasson; Naasson gerou Salmon; 5Salmon gerou Booz, cuja mãe era Raab. Booz gerou Obed, cuja mãe era Rute. Obed gerou Jessé. 6Jessé gerou o rei Davi. Davi gerou Salomão, daquela que tinha sido mulher de Urias. 7Salomão gerou Roboão; Roboão gerou Abias; Abias gerou Asa; 8Asa gerou Josafá; Josafá gerou Jorão. Jorão gerou Ozias; 9Ozias gerou Jotão; Jotão gerou Acaz; Acaz gerou Ezequias; 10Ezequias gerou Manassés; Manassés gerou Amon; Amon gerou Josias. 11Josias gerou Jeconias e seus irmãos, no tempo do exílio na Babilônia. 12Depois do exílio na Babilônia, Jeconias gerou Salatiel; Salatiel gerou Zorobabel;13Zorobabel gerou Abiud; Abiud gerou Eliaquim; Eliaquim gerou Azor; 14Azor gerou Sadoc; Sadoc gerou Aquim; Aquim gerou Eliud; 15Eliud gerou Eleazar; Eleazar gerou Matã; Matã gerou Jacó. 16Jacó gerou José, o esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, que é chamado o Cristo. 17Assim, as gerações desde Abraão até Davi são catorze; de Davi até o exílio na Babilônia catorze; e do exílio na Babilônia até Cristo, catorze. - Palavra da Salvação. 


Reflexão:

A vinda de Jesus ao mundo foi precedida de uma história: a história do povo de Israel, que tem o seu início com Abraão, desenvolve-se até atingir o seu apogeu com o Rei Davi, depois entra em declínio até atingir o seu ponto mais baixo com Josias e o exílio da Babilônia, para depois evoluir até chegar à plenitude dos tempos com Jesus, Deus presente e atuante na história dos homens, que vai ser a realização da promessa a Abraão que nele serão abençoadas todas as nações da terra e a salvação chega para todos os povos com a libertação do pecado e da morte e a presença do próprio Deus na vida de todos nós.

A CRIAÇÃO CONSUMADA


O longo elenco genealógico forjado pelo evangelista para explicitar a linhagem davídica de Jesus – filho de Davi –, esconde, em suas entrelinhas, um rico filão teológico. Uma de suas vertentes é o tema da criação levada à sua plenitude com a irrupção de Jesus na história humana. A genealogia pretende ser uma releitura do Gênesis e não o resultado de uma pesquisa minuciosa a respeito dos antepassados do Messias.

O cabeçalho da genealogia é introduzido pela expressão “livro do gênesis de Jesus Cristo”. Tudo nela gira em torno do verbo “gerar”, dar vida, trazer à existência, encaminhando-se para a geração de Jesus, como ponto para onde converge todo o dinamismo da História. Nele as gerações chegam a termo. Não se dirá “Jesus gerou ...”, por se constituir o definitivo ponto de referência de tudo quanto existe.
O evangelista também serviu-se de uma rica simbologia numérica, em voga nos círculos rabínicos da época, para alcançar seu objetivo. O número quatorze multiplicado por três corresponde a quarenta e dois, ou seja, seis vezes sete. Na aritmética teológica hebraica, o número seis indicava imperfeição, carência. Ele corresponderia aos seis dias da criação. Competia ao Messias Jesus inaugurar o sétimo dia para levar a criação à plenitude.

Na concepção de Jesus, a presença do Espírito Santo, comparável ao vento que soprava sobre as águas por ocasião do primeiro gênesis, completa o simbolismo: em Jesus tem início a criação nova e verdadeira. É a criação consumada!
Oração
Pai, que a presença de teu Filho Jesus, na História, leve à plenitude a obra de tua criação, fazendo desabrochar, em cada coração humano, o amor para o qual foi criado.

(Comentário do Evangelho feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE)

Fonte: DOM TOTAL

 

A IDENTIDADE DE JESUS

Até hoje pessoas educadas e bem instruídas, como professores de faculdade, dizem: “Jesus nunca existiu. Tudo isso é uma fantasia.” Pessoas inteligentes como cientistas e escritores dizem: “Jesus existiu, mas ele era apenas um fanático religioso.” “Jesus era um homem bom, talvez o melhor que existiu, mas essas histórias de milagres são invenções de católicos.” E assim vai. Mas, os relatos da genealogia de Jesus, fatos históricos que podem ser comprovados por fontes extra-bíblicos. Eles mostram que Deus fez sim milagres na história do nascimento do Cristo.

Jesus é o cumprimento de várias profecias à Seu respeito. Estas profecias foram lançadas centenas de anos antes de seu nascimento. Mesmo assim, ele os cumpriu integralmente. Os registros históricos da sua descendência comprovam não somente que havia realmente um homem chamado Jesus de Nazaré, mas, que este homem foi da linhagem de descendentes que cumpriu as promessas divinas a respeito do Messias, o Cristo.

Esta passagem de hoje mostra que, tendo pessoas famosas ou bem religiosas na família não é documento para Deus. Senão vejamos: Havia membros de destaque e de grande fé na linhagem de Davi. Mas, havia pessoas também que cometeram grandes erros e pecados. Davi mesmo foi uma delas. Não devemos confiar num passado religioso de ninguém. A nossa confiança tem que ser no nosso relacionamento pessoal com Deus hoje e na graça e misericórdia d’Ele para conosco.

Esta passagem mostra que, apesar dos nossos erros ou dos nossos antepassados, Deus é capaz de usar todos e em qualquer situação para realizar sua soberana vontade. Todos os erros do passado não impediram Jesus de ser Rei. Seus antepassados erraram, pecaram e cometeram atrocidades. Mas, nada disso impediu que Jesus fosse Rei, porque Deus é maior do que nosso passado. Quando nós erramos também precisamos lembrar que Deus é maior do que todos nossos erros. Se procurarmos em Jesus a resposta, Ele pode nos libertar das cadeias de todo nosso passado. Tudo passa por saber “quem somos nós?”.

O que é que vale uma carteira de identidade? Quanto é que vale você poder provar quem você é? Pode valer uma vida. Pode valer uma vida eterna. Saber quem você é, e de onde você veio, pode ter muito a ver com para onde você vai. É o que vemos no início do Evangelho de Mateus a “carteira de identidade” de Jesus.

Pai, que a presença de teu Filho Jesus, na História, leve à plenitude a obra de tua criação, fazendo desabrochar, em cada coração humano, o amor para o qual foi criado.

Fonte: HOMILIAS DO PADRE BANTU

 

Jesus engloba toda a história de Israel

Mateus ou Matanias, como Teodoro, Deodoro, Deodato, Deusdédit, significa "presente de Deus". Antes de seguir Jesus, chamava-se Levi, filho de Alfeu (cf. Mc 2,14; Lc 5,27). Não obstante ser considerado publicano, isto é, pecador público, por ser coletor de impostos em Cafarnaum, Jesus o chamou como apóstolo (cf. Mt 9,9).

Escreveu o Evangelho entre os anos 42 e 70, em aramaico, dialeto do hebraico, destinando-o aos seus compatriotas judeu-cristãos.  Para sua obra, serviu-se do texto de Marcos. O original foi perdido depois de ter sido traduzido para o grego. Não apresenta uma narração histórica da vida de Jesus, mas doutrinal. Seu fim é demonstrar a messianidade e divindade de Jesus, filho de Davi, anunciado pelos profetas e esperado por todo Israel. Daí suas frequentes citações do Antigo versal da missão de Jesus, que veio para salvar não só os judeus, mas todos os descendentes de Adão.

v. 3-17 - É completa essa árvore genealógica?

Não. Basta considerar que entre Esrom e Naasson decorreram os 430 anos da estadia dos hebreus no Egito (cf. Ex 12,40), tempo que exige mais de 14 gerações, atribuindo-se mais ou menos 25 anos a cada geração. Mateus omite vários nomes intermediários. Também entre Salmon e Davi medeiam 350 anos, e nessa lista só constam 4 gerações. Entre Jorão e Ozias, foram omitidos os reis Ocozias, Joás e Amasias. Mateus, como fazem frequentemente os orientais, quis apresentar 14 gerações convencionais antes da escravidão de Babilônia por questão de simetria, para facilitar a memória, porque o objetivo não é dar a conhecer todos os ascendentes e sim mostrar os mais ilustres e famosos. Por exemplo, os três reis Ocozias, Joás e Amasias foram maus e, por parte de mãe, vinham da família do também ímpio Acab, amaldiçoado por Deus (cf. 1Rs 21,21; Ex 20,5). Entre Josias e Jeconias, foi omitido Joaquim, por ter sido feito rei por Necao, faraó do Egito, e não pelo povo. Também para forçar o número artificial de 14 é preciso contar duas vezes Jeconias, antes e depois de Babilônia. De Abiud a José, os nomes não constam dos livros sagrados, mas de arquivos públicos.

Catorze é múltiplo de 7, número sagrado para os hebreus, porque ligado à ordem dos planos divinos na história. Ou Mateus pode ter-se inspirado no valor simbólico da soma das consoantes do nome David no original, quando ainda não havia vogais: D = 4, V = 6, D = 4; total = 14.

v. 3.5.6 - Que dizer da presença de mulheres na ascendência de Jesus?

Nas genealogias normalmente não se consideravam as mães. Na de Jesus, contrariando o uso judaico, foram inseridas algumas, não célebres matriarcas, como Sara de Abraão, Rebeca de Isaac, Lia e Raquel de Jacó, mas quatro, quase todas mal afamadas: Tamar, cananéia engravidada por seu sogro Judá (cf. Gn 38,13-19); Raab, prostituta cananéia em Jericó (cf.Js 2,1), Rute, moabita de sã conduta, mas pagã (cf. Rt 4,13-17) e Betsabé, a que adulterou com Davi (cf. 2Sm 11,3-5). Mateus quer dar a entender que Jesus engloba toda a história de Israel, com suas glórias e seus erros, e que veio como Salvador de todos, judeus e pagãos (lição de universalismo), justos e pecadores (lição de graça), como "Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo" (Jo 1,29; cf. 2Cor 5,21). Ensina que nem mesmo a indignidade do homem consegue anular os planos de Deus em sua marcha por caminhos às vezes tortuosos e cheios de mistérios. Deus é fiel, mesmo quando o homem O nega.

v. 11-12 - Quando se deu a escravidão em Babilônia?

A deportação foi feita gradativamente, durante 21 anos, de 606 a 585 a. C. Durou 70 anos, terminando em 536 a. C.

v. 16 - Que significam, etimologicamente, as palavras José, Maria, Jesus e Cristo? José é um particípio presente que significa "aumentando", "crescendo" (cf. Gn 30,24). Maria, Míriam ou Mariana é "senhora" ou "exaltada". Jesus, lehoshua em hebraico, é "Deus salva" ou "salvador". Cristo (grego) e Messias (hebraico) significam "ungido", "consagrado" (cf. Ex 28,41; a Sm 10,1). Ungiam-se os reis e sacerdotes. Desde os tempos de Daniel, o nome de Messias foi atribuído ao Rei e Sacerdote por excelência, anunciado pelos profetas e esperado por todo o Israel. Ungir era consagrar para a mais importante missão.

v. 16 - Jesus é filho natural de Maria e não de José. Por que então aparece só a genealogia ascendente de José?

Nas genealogias só se consideravam os homens. Ora, Maria, que era também descendente de Davi (cf. Rm 1,3; 2Tm 2,8), não tendo irmãos homens, devia casar-se com um parente para garantir a continuidade da estirpe davídica. José, por direito judaico, tornou-se o pai legal de Jesus, a quem deu o caráter legal da descendência davídica por ser legítimo esposo de Maria. Pai legal não era só quem gerava, mas também quem adotava ou quem recebia um filho em força da lei do levirato. Assim Lucas diz: José, filho de Heli, enquanto Mateus o dá como filho de Jacó. E que Heli morreu sem filhos e Jacó casou-se com a esposa de Heli, para dar a este descendência. José é filho natural de Jacó e filho legal de Heli.

Lições de vida

A vida de Jesus começa com Sua inserção na história humana. Desde então Ele não estará longe, e sim junto de nós, solidário conosco, fazendo parte de uma raça, de uma família, de uma cultura com todas as suas implicações, um homem como nós apesar de ser totalmente diferente. Provém de Abraão, a quem fora prometida uma bênção (o próprio Jesus) que seria para todos os povos (cf. Gn 5,1-3).

Fonte: STIGMATINOS

 

Livro da origem de Jesus Cristo, filho de Davi, filhe de Abraão

Hoje, na liturgia da missa lemos a genealogia de Jesus, e vem ao pensamento uma frase que se repete nos ambientes rurais catalães: «Josés, burros e Joões, há-os em todos os lugares». Por isso para distingui-los, se usa como motivo o nome das casas. Assim, fala-se, por exemplo: José, o da casa de Filomena; José, o da casa de Soledade… dessa maneira, uma pessoa fica facilmente identificada. O problema é que se fica marcado pela boa ou má fama dos seus antepassados. É o que sucede com o «Livro da geração de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão» (Mt 1,1).

São Mateus nos disse que Jesus é verdadeiro Homem. Dito de outro modo, que Jesus —como todo o homem e como toda a mulher que chega a este mundo — não parte do zero, mas trás já atrás de si toda uma história. Isto quer dizer que a Encarnação é a sério, que quando Deus se faz homem, o faz com todas as consequências. O Filho de Deus, ao vir a este mundo, assume também um passado familiar.

Rasteando os personagens da lista, podemos ver que Jesus —pelo que refere a sua genealogia familiar—não apresenta um “processo imaculado”. Como escreveu o Cardeal Nguyen van Thuan, «neste mundo, se um povo escrever a sua história oficial, falará da sua grandeza… É um caso único, admirável e esplêndido encontrar um povo cuja história oficial não esconde os pecados dos seus antepassados». Aparecem pecados como o homicídio (Davi), a idolatria (Salomão), ou a prostituição (Rahab). E junto com isso há também momentos de graça e de fidelidade a Deus, e sobretudo as figuras de José e Maria, «da qual nasceu Jesus, chamado Cristo» (Mt 1,16).

Definitivamente, a genealogia de Jesus nos ajuda a contemplar o mistério que estamos quase a celebrar: que Deus se fez Homem, verdadeiro Homem, que «habitou entre nós» (Jo 1,14).

Fonte: EVANGELI.NET

Comments