Laboratório de Gravações de Vozes Eletrônicas


                                                                                                                                                                                                                                                             

LABORATÓRIO DE GRAVAÇÕES DE VOZES ELETRÔNICAS

Um grupo que realiza pesquisas, tanto de campo como laboratoriais, procurando seguir normas e padrões para todas  as nossas pesquisas.
Trabalhamos com seriedade e comprometimento com o que fazemos, nossa equipe é multidisciplinar, temos Parapsicólogos, filósofos, Historiadores, Psicólogos, Professores de Educação física, Assistente social, Gestores e alguns outros pesquisadores que nos auxiliam principalmente em questões mais abrangentes,  junto as pesquisas e orientações.

Realizamos pesquisas de Gravações de vozes, Videcom, Transfoto, Psicomanteum e outras que forem necessárias no momento das pesquisas.
Normalmente o grupo se reúne aos sábados, via presencial ou via On Line.

            Estes experimentos tem por objetivo  tentar captar áudio ou informações dos supostos agentes Theta (supostos seres desencarnados ou supostos seres ou entidades inteligentes), tendo o trabalho de realizar este seguindo critérios e cuidados para que não haja interferências externas, nossas pesquisas não seguem caráter religioso de espécie algum, por mais que tenhamos crenças estas procuram ser deixadas de lado durante as pesquisas. 

Pesquisas feitas sob a forma de áudios gravados em fitas magnéticas, computadores e aparelhos similares.
 
Nossas pesquisas se baseiam sempre em cima de estudos e com muita seriedade, procuramos utilizar sempre várias fontes de consulta para poder crescer e evoluir em nossas pesquisas, não podemos afirmar nada o que podemos sim é dizer que algo ocorre nas gravações, não afirmamos a procedência destas como sendo de supostos falecidos, nem de seres de outras dimensões, realizamos estas para tentar quem sabe algum dia criar algum equipamento para isto, ou obter a certeza da procedência destas vozes.
 
LGVE
Caso se interesse pode nos localizar via Facebook, ou pelo nosso e-mail de contato na parte inferior da página.

Explicação do LGVE



ENTENDA UM POUCO DE COMO SURGIU A TRANSCOMUNICAÇÃO INSTRUMENTAL.

Por Allan Bispo

O termo, Transcomunicação foi criado nos anos 80, na Alemanha, pelo físico e estudioso Ernst Senkowski e significa comunicação com o mundo extrafísico. Segundo os dicionários modernos, quer dizer: comunicação com a verdade eterna ou comunicação transcendental.

Várias celebridades do mundo científico tentaram a TCI, dentre eles figuram Thomas Alva Edison, inventor da lâmpada e do fonógrafo, Gugliemo Marconi, precursor do rádio, Nikola Tesla, precursor do transformador e criador do motor de corrente contínua, e, no Brasil, o escritor Monteiro Lobato.

Oficialmente, o Brasil é pioneiro nestas pesquisas com o português naturalizado brasileiro Augusto de Oliveira Cambraia, inventor das fibras do tecido cambraia. Dentre as suas 16 patentes requeridas, está a do Telégrafo Vocativo, que deu entrada em 1909, com a finalidade de comunicação com os espíritos.

Apesar de não existirem maiores detalhes sobre o aparelho, concordamos com o raciocínio do pesquisador Clóvis Nunes: "será que ele pediria registro de patente de um aparelho que nunca funcionou?”

O Brasil também é pioneiro na publicação do primeiro livro sobre TCI. Trata-se do livro Vozes do Além pelo telefone, publicado em 1925 pela papelaria e tipografia Marquês Araújo, onde Oscar D´argonel registra oito anos de contatos consecutivos com vários espíritos.

lgve

OS PADRES PESQUISAM



Poderíamos dizer que o primeiro caso de voz paranormal gravada aconteceu no laboratório de física experimental da universidade católica de Milão, em 17 de setembro de 1952. Ali, os padres Gemelli e Ernetti realizavam experiências com cantos gregorianos para eliminar os harmônicos. Naquela época, não existiam gravadores com fitas, mas apenas com fios. Este fio se rompia com frequência, então era necessário dar um nó finíssimo para não prejudicar o som.

Naquele dia, o fio acabara de se romper mais uma vez e o padre Gemellí, chateado, exclama "oh, papai, me ajude", como tinha por hábito de dizer a muitos anos, desde a morte de seu pai. Uma vez feito o conserto, começaram a escutar o material gravado, porém, ao invés do canto gregoriano esperado, ouviram estupefatos a voz do pai: "claro que o ajudo e estou sempre com você".

Padre Gemelli quase desmaiou, mas padre Ernetti o estimulou a prosseguir e fazer uma nova tentativa, assim fala-nos o Padre Brune em sua palestra. Obtiveram, então, a mesma voz, perfeitamente reconhecível, que dizia em tom levemente irônico: "mas claro, bobão (zuccone), você não está vendo que sou eu mesmo?". Esta era a maneira afetuosa que brincava com ele quando menino.

Temerosos de uma reprovação, levaram o material para avaliação no Vaticano e tal foi´ á importância do fato que assim avaliou o Papa Pio XII:

 “- Meu caro padre, fique tranqüilo. Trata-se de um fato estritamente científico e nada tem a ver com o espiritismo. O gravador é um aparelho objetivo, que não pode ser sugestionado. Ele grava as vibrações sonoras. E esta experiência poderá, talvez, marcar o início de um novo estudo científico, que virá confirmar a fé no além".

O padre François Brune, amigo pessoal dos padres citados, confirma a veracidade deste texto que foi publicado pelo Vaticano em junho de 1990.

No dia 12 de junho de 1959, o produtor de cinema Friendrich Jürgenson e sua esposa se encontravam em sua casa de campo, em Estocolmo, Suécia, onde colecionavam canto de pássaros utilizados nos programas culturais para as rádios suecas. Nesta data, Jürgenson ocasionalmente registrou vozes e sons inexplicáveis na fita de seu gravador. Pouco tempo depois, de sons passaram a vozes em várias línguas. A princípio, ele pensava tratar-se de seres extraterrestres, porém tamanha foi a sua surpresa quando as vozes lhe revelaram ser de desencarnados.

Após quatro anos de gravações experimentais, em 1963 ele anuncia ao mundo sua descoberta, publicando também o livro Vozes do Universo e Telefone para o Além.

Suas experiências interessaram ao filósofo e psicólogo dr. Konstantin Raudive, que aperfeiçoou a sua técnica com o físico Alex Schneider.

O termo EVP (do inglês: Eletronic Voice Phenomenon) originou-se de uma iniciativa dos próprios espíritos, a fim de categorizar os fenômenos, onde o engenheiro americano, presidente e direto de pesquisa da Metascience Foundation, George W. Meek, e colaboradores técnicos, desenvolvem o Spiritcom, que é um aparelho de rádio aperfeiçoado para este fim. O aparelho basicamente grava o chiado produzido por uma rádio de FM fora da estação. Este ruído tecnicamente conhecido como ruído rosa que tem a característica de possuir, na sua forma de onda, a amplitude fixa e frequência variável. Com isto, os supostos espíritos modulam e variam a frequência para produzir os fonemas que formam as palavras.

O Brasil ganhou respeito neste campo de pesquisas graças ao trabalho de Clóvis Nunes, do engenheiro eletrônico Hernani Guimarães Andrade, do prof. Mário Amaral, Sonia Rinaldi e outros não mencionado.

 

As diferenças existentes entre o que chamamos de EVP e os contatos via rádio. Chamamos de EVP (Electronic Voice Phenomena) a simples gravação feita a partir do ruído do ambiente, sem a utilização de nenhum outro equipamento além do gravador. Como o próprio nome sugere, contatos via rádio dão-se pela utilização desse equipamento, o rádio, para gerar o ruído de fundo e o gravador para a gravação. Vejamos abaixo os equipamentos utilizados para os dois tipos de contatos por vozes:

Equipamentos para contatos por EVP:

Qualquer gravador, desde que tenha uma entrada de microfone ou um microfone embutido, tipo os minigravadores modernos que já trazem um microfone de eletreto. Se o gravador não tiver microfone embutido será necessário à utilização de um e externo. Aconselhando a utilização de um gravador que já tenha o microfone embutido, pois geralmente, ele vem com um microfone de eletreto que é o melhor microfone para experimentos em TCI. Não há segredo para a utilização desse equipamento, basta apenas seguir as instruções do manual do equipamento. Hoje em dia existem gravadores de excelente qualidade que podem facilitar depois na hora de escutar a gravação, como: Zoom H4N, H1, H2, Tascam DR05.

Utilizamos também de alguns tipo de medidores como: termômetros de infravermelho a laser para os locais de pesquisa, frequencímetros, e algumas vezes auramiters também são utilizados.
lgve
 
 
 
 
lgve




Equipamentos para contatos via rádio:

Gravador com as mesmas recomendações para contatos por EVP, conforme descrito acima. Um ou mais rádio receptores que tenham a faixa de ondas curtas (pelo menos de 49 m a 13 m), geralmente, os receptores mais antigos têm essa faixa. Para os que não conhecem os dados acima, uma forma simples de identificar esse tipo de rádio receptor é procurar por um que sintonize emissoras distantes, principalmente, as estrangeiras. Sugerimos em caso de dúvida consultar alguém especializado para indicar se o equipamento possui ou não a faixa de ondas curtas.

Como realizar uma sessão de TCI utilizando os métodos acima:

Sessão de TCI por EVP:

Antes de começarmos a descrição do método é bom salientar que esse embora seja o mais fácil é o que oferece maior dificuldade na hora de se ouvir as captações feitas, pois as vozes aparecem muito baixas. Para se realizar a sessão de TCI por esse método, coloca-se uma fita virgem (pelo menos nessa primeira sessão é importante que a fita nunca tenha sido usada, pois assim o pesquisador não terá dúvidas quanto ao que aparecer gravado depois). Iniciar a sessão de TCI fazendo uma saudação inicial procurando indicar o dia e a hora em que a mesma está se realizando. Após a saudação iniciar as perguntas deixando sempre um espaço de, pelo menos, um minuto ou menos para as resposta. Faça isso durante uns cinco minutos para começar seus experimentos. Após a sessão, voltar a fita e ouvir, prestando bastante atenção às perguntas e possíveis respostas, anotando as perguntas e as possíveis respostas ou, mesmo que não haja respostas, em frases que sejam familiares, ruídos diferentes dos que estavam no ambiente. Com relação a esses ruídos é importante tomar cuidado, pois se está trabalhando com gravador e com microfone de eletreto e esse tipo de microfone amplifica muito o ruído, ou seja, pode-se estar captando um ruído longínquo que o pesquisador não ouve normalmente, por isso a melhor forma de se ter certeza é já fazer a gravação monitorando a mesma, ou seja, usando fones durante a gravação para escutá-la ao vivo. Mas isso não é problema e nem será motivo de dúvidas porque com a prática o pesquisador saberá por si só diferenciar esses sons.

A Sessão de TCI Usando o Rádio:

O processo de gravação por esse sistema não difere do anterior, o que se acrescentam no caso são os ruídos do rádio ao som ambiente. Diferente do EVP, esse sistema proporciona mensagens muito mais nítidas embora exija do pesquisador maior prática para não confundir interferências ou emissões de emissoras de rádio com vozes “paranormais“. Existem duas formas de se utilizar o sistema. Grava-se o ruído entre estações, nesse caso as mensagens ficam ainda muito baixas ou se grava em uma ou mais emissoras que estejam transmitindo em língua estrangeira que o pesquisador não conheça ou não domine mesmo sabendo em qual língua está sendo a transmissão. Em princípio para nós de língua portuguesa aconselhamos a não utilizar algumas línguas latinas como o espanhol, o italiano, pois possuem palavras parecidas com as nossas na pronúncia. O melhor é, ou procurar algo que não se entenda nada mesmo, ou se conhecer um pouquinho da língua, mesmo sem ter domínio, escolher o russo, o árabe, chinês, japonês etc. Nesse caso liga-se o rádio a um volume com intensidade do meio para baixo e começa-se a gravar, também, de preferência, monitorando, ou seja, ouvindo o que está sendo gravado pelo “head phone” (fone de ouvido ). Pode-se usar um ou mais rádios em emissoras diferentes.

A distância do rádio para o gravador e do pesquisador para o gravador deve ficar em torno de um metro, mas podem-se experimentar distâncias maiores. Jamais ligue o rádio colado ao microfone, a não ser que o microfone não tenha um bom ganho, ou seja, capte a gravação baixinha, mas nesse caso aconselhamos a troca do equipamento por um que tenha um microfone do tipo eletreto, ou jamais ligue o rádio direto via cabo ao gravador ou computador, nossas pesquisas mostram que a melhor forma é utilizar o microfone. O melhor para se ter certeza se o microfone é adequado é monitorando e observando se o microfone do gravador capta todo som ambiente e até mesmo sons mais longínquos. Essa questão poderá ser resolvida também com a utilização de outros equipamentos como amplificadores para microfone, etc., lembrando que não será a sofisticação do equipamento que dará melhores resultados. Com relação a como fazer a sessão e ouvir, o método é o mesmo de perguntas e respostas do EVP, explicado anteriormente.

Gravação utilizando-se o computador no lugar do gravador.

O computador como elemento de multimídia tem placa de som com saídas para caixas acústicas, entrada de microfone e entrada de linha ou auxiliar. Se observarmos, o computador age como se fosse um gravador, pois, utilizando-se programas apropriados, podemos fazer gravações como fazemos usando gravador e fita cassete. É esse recurso que podemos utilizar em nossas pesquisas de TCI. Para isso precisaremos de algumas configurações e programas que a maioria dos usuários de computador já tem conhecimento.

O gravador de som original do Windows apresenta muito poucos recursos, podemos utilizar outros mais sofisticados e sem querer fazer nenhuma divulgação de produtos e empresas, pois não é essa nossa intenção, alguns mais famosos que se pode usar no lugar desse são: “Sound Forge”, “Gold Wave”, “Audacity 1.3 Beta" ou o” Cooledit”, ”Adobe”.

Com o computador eu aconselharia a ter um cuidado especial, pois o mesmo gera por si próprio certos ruídos, e na hora da gravação terão de ser observados.

lgve

                    
 
 

Vídeo do YouTube

Vídeo do YouTube

 

 


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Algumas recomendações:

- Como em toda pesquisa ou em qualquer outro trabalho faça-o com seriedade, mas sem medo, pois nada poderá te prejudicar a não ser você mesmo e seus propósitos.

- Não desanime, tenha persistência e paciência, procure ter certa regularidade nas pesquisas, pois é importante para nós mesmos.

- Esteja muito atento às primeiras captações, vão ocorrer fenômenos auditivos, isso em algumas pessoas que, de repente, poderão fazer com que, pelo menos na primeira semana em que se começar a ouvir as captações, a pessoa passe a ouvir essas mensagens até mesmo fora dos momentos de gravação. Isso não ocorre com todo mundo, mas como aconteceu com a gente, fica aqui um alerta para que os menos preparados não se desesperem e busquem ter um controle da situação e busquem ter contato com um outro colega de TCI ou Parapsicólogos sérios  treinados par isto para orientação, ninguém progride sozinho. O fato acima,, não acontece com todo mundo e pode ser passageiro; dura apenas de uns dois dias a uma semana e depois desaparece e você passa a receber as mensagens normalmente e somente depois de gravar e ao ouvir as gravações.

- Muito cuidado com a Pareidolia durante o momento das depuração do material.

- Não faça Gravações por motivos irrisórios ou para proveito próprio no sentido material. Use as gravações de vozes como instrumento de crescimento interior seu e dos que te cercam.

- Ao invés de fazer sessões de TCI pelas pessoas, ensine-as a fazer a própria sessão só assim às pessoas terão oportunidade, não de crer, mas de terem certeza do que vivenciam.

- Anote tudo que você fizer, transcreva as mensagens indicando em que arquivo está, pasta ou fita, pois devido a serem vozes ruidosas, nem sempre você as encontrará novamente se não tiver todo um controle, uma organização.

- Não seja apenas um teórico da TCI, mas pratique sempre e a partir dessa prática, sim colabore na elaboração de uma teoria que possa ajudar a levar as gravações de vozes eletrônicas a avançar.
 
- Sempre que posível tente criar uma rotina para estas.

 

Por “Phyllis Delduque e Paulo Roberto Cabral”


Revista digital:

 







                      
 



 

                    
 

Resumo de Pesquisa de Campo data 01 e 02/12/12.

Pesquisa realizada com sucesso junto ao clube de campo da sociedade Morguenau, realizamos duas pesquisas.

  Pesquisa realizada por volta das 19horas no campo, local de mata nativa com várias trilhas, realizamos esta pesquisa em local de bifurcação de 3 trilhas, segue croqui.


 

Esta pesquisa se deu em carácter de aproveitar o tempo que estava bastante carregado, com raios e trovões, aproveitamos antes que esta chuva caísse e não tivéssemos como chegar ao local que já havia sido previamente avaliado.  Outro motivo que não estava no planejamento foi uma festa de casamento próximo e ficamos com medo do barulho atrapalhar as pesquisas, por isso antecipamos esta estava prevista para as 22horas. Não foi utilizado som de fundo por isto na gravação é possível ouvir som de pássaros.

2º Pesquisa, realizada por volta das 00h45min na base, pois estava chovendo e ao fundo existia o som da festa, usamos como som de fundo (chiado Branco) o som de água corrente improvisando na torneira da cozinha o som, segue foto:

 PS: Durante esta pesquisa foi necessário o teste  improviso para do som de fundo com  água corrente conforme a foto, por sinal deu um som bem 

interessante, estes pequenos detalhes ão importantes pra as pesquisas, pois o pesquisador precisa no momento tomar decisões que podem mudar o rumo da pesquisa como um todo. 









Subpáginas (1): Visão Espírita.
Ċ
junior carlos,
28 de jan de 2011 10:25
ĉ
junior carlos,
4 de jul de 2012 13:37
ĉ
junior carlos,
4 de jul de 2012 13:37
ĉ
junior carlos,
4 de jul de 2012 13:37
ċ
IDENTIFICAÇÃOPELAVOZ-TCI.htm
(43k)
junior carlos,
28 de jan de 2011 10:28
Ċ
junior carlos,
28 de jan de 2011 10:21
ċ
Passouotempo.htm
(42k)
junior carlos,
28 de jan de 2011 10:27
Ċ
junior carlos,
29 de jan de 2011 04:44
ć
junior carlos,
4 de jul de 2012 13:38
ċ
recomendaçõesTCI.htm
(41k)
junior carlos,
28 de jan de 2011 10:27
Ċ
junior carlos,
1 de abr de 2011 09:13
Ċ
junior carlos,
28 de jan de 2011 10:20
Comments