QUEM SOMOS

 

                                       Os SOCORRISTAS UNIDOS SEM FRONTEIRAS

 – Associação de Protecção Civilsão uma organização não governamental portuguesa, com estatuto jurídico de associação de direito privado, apartidária e sem fins lucrativos. Criada nos termos dos Art.ºs 1 e 46 da Lei 27/2006 (Lei de Bases da Proteção Civil), a SUSF- APC tem por missão na qualidade de Instituição com fins de socorro, auxiliar e complementar os serviços disponibilizados pelos agentes de proteção civil, inserindo-se assim no âmbito do SIOPS - Sistema Integrado de Operações de Proteção e Socorro.


Os SUSF- APC assumem-se como uma organização humanitária, predisposta a participar na proteção e socorro em estados de emergência / catátrofe, sempre que existam apelos nesse sentido.

Somos uma força humana de voluntariado proveniente dos diversos ramos da nossa sociedade civil, enfermeiros, médicos, socorristas ...
 
A Emergência Pré-Hospitalar, o Resgate, e as Radiocomunicações de Emergência, são três áreas de proteção civil a que a SUSF se dedica.
 
 
Como nasceu a SUSF?

SUSF-Socorristas Unidos Sem Fronteiras - Associação de Protecção Civil , foi legalmente constituída nos termos da Lei de Bases de Protecção Civil  a 28 de Maio de 2008, por um grupo de pessoas com larga experiência em diversas áreas técnicas da protecção e socorro. Tendo sido constituída no âmbito do programa "associação na hora".

 

Qual o objecto estatutário?

Artigo 2.º Fim

A associação tem por fim agrupar e organizar a participação solidária dos seus associados, sem fins lucrativos, em acções de voluntariado que constituam uma reserva de apoio aos sistemas de protecção civil em caso de grave acidente, calamidade ou catástrofe, colocadas ao serviço dos indivíduos, das famílias, das comunidades, e das organizações; promover actividades associativas de Protecção e Socorro de Pessoas e Bens; colaborar com as organizações publicas ou privadas, nacionais ou internacionais, na protecção e socorro de pessoas e bens, nomeadamente no âmbito da matérias relacionadas com a formação, prevenção, emergência pré-hospitalar, busca e salvamento e outras; promover actividades de radioamadorismo e de comunicações de emergência de interesse público.

 

 

Quem somos?

Um grupo maioritariamente constituído por enfermeiros ligados à emergência pré-hospitalar, técnicos de socorro, médicos, e outros técnicos de protecção e socorro.

 

 A Nossa História

Foi em Maio de 2005, que um grupo de dissidentes do voluntariado do então Serviço Nacional de Protecção Civil, sentindo a necessidade cada vez mais premente, de criar alternativas de resposta à emergência, uma vez que o governo abandonara o mais promissor projecto de protecção civil alguma vez desenvolvido no nosso país, e sabendo nós por experiência adquirida ao longo de várias décadas a proteger e socorrer voluntariamente, que da rápida e correcta actuação depende o sucesso de qualquer missão, bem como do facto de não se pode esperar que os Agentes de Protecção Civil estejam em toda a parte e a todo o momento, decidiu, precisamente após a intervenção num grave acidente, constituir uma associação de Protecção Civil, baseada no conceito americano das equipas comunitárias de resposta à emergência (CERT-Community Emergency Response Team) dotada de recursos técnicos e humanos para auxiliar aqueles que vitimas de acidente, são ainda vitimas da incapacidade de resposta do sistema estatal, constituímos então a RESCUE-Associação Portuguesa de Voluntários de Protecção Civil, que em 29 de Maio de 2008, que pela divisão das componentes: ficção cientifica e e capacidade técnico operacional, origina a Socorristas Unidos Sem Fronteiras – Associação de Protecção Civil (tal como hoje a conhecemos) , tendo esta em 12 de Janeiro de 2009 originado um novo pequeno grupo de dissidentes  que viria a constituir uma nova associação totalmente inócua no mundo da protecção e socorro, denominada "Safety". Porém a SUSF-APC  prosseguiu a sua missão , com o propósito de ser mais interventiva e efectiva no primeiro socorro a pessoas e bens.
Claro que tivemos que enfrentar dificuldades de ordem diversa, burocrática, financeira, e até mesmo elitista, devido ao facto de algumas pessoas das estruturas estatais crerem ainda que vivemos numa ditadura de convicções, e não num estado de direito “democrático” com uma constituição republicana,  mas felizmente, todos os obstáculos foram vencidos, pese embora não termos tido qualquer apoio oficial.
No inicio deste movimento que já remonta a 1990, éramos olhados com desprezo e desdém, actualmente, certamente pela competência e capacidade denotada na intervenção, somos felizmente mais respeitados pelas diversas  estruturas governamentais, facto que nos incentiva e nos obriga a ser cada vez mais profícuos.
Estamos conscientes de que há ainda um longo caminho a percorrer, mas continuaremos a lutar, honrando a imagem dos nossos antepassados, ironicamente recordados como nobres e imortais conquistadores, capazes de vencer obstáculos para alcançar os seus ideais, os de uma pátria mais segura, e de um mundo melhor para todos nós, para todos vós.
Estamos prontos, somos voluntários, “ somos pessoas que socorrem pessoas”.