SmartAndroid

Imagine um eco-sistema em que TVs, tablets, celulares, eletrodomésticos ou qualquer artefato (torneira, fechadura, janela) sejam representados por dispositivos Android e interconectados por comunicação wifi, sem uso da rede celular.

Aplicativos Android podem ser usados para acessar e manipular remotamente e interagir com qualquer dispositivo via um celular ou tablet, por exemplo:




  • Abrindo uma janela ou ligando o sistema de som para tocar uma música de seu celular;


  • Selecionando uma mídia (foto ou vídeo) de uma câmera ou diretório e mostrá-la na televisão do cômodo onde estiver;


  • Participando de jogos multiplayer e outras atividades conjuntas.
 

Com base em informações coletadas do ambiente, podem-se definir regras de contexto para tomar decisões simples - como fechar uma torneira esquecida aberta - ou sofisticadas - como acionar uma ambulância caso um morador tenha sua situação de saúde identificada como crítica, através da monitoração de seus dados fisiológicos. Para isto, se requer a utilização de conhecimento médico e inteligência computacional de forma a evitar a geração de alarmes falsos ou omissão em caso de alarme real.

O ponto legal é que as regras de contexto podem ser definidas em alto nivel, de maneira amigável, usando um editor, e ligadas aos agentes Android automaticamente. Tudo isso usando os conceitos originais do Android - ou seja, para efeito de prototipagem você pode emular dispositivos sofisticados usando celulares baratos. Temos também processadores BeagleBone, que servem para desenvolver protótipos incluindo dispositivos de hardware.

Está sendo desenvolvido no Laboratório Tempo do IC-UFF um framework para concretizar esse tipo de sistema, permitindo que qualquer dispositivo Android possa ser integrado em aplicações. Os dispositivos Android podem usar invocação remota ou eventos (publish-subscribe) para comunicação e interação. Temos também um suporte a regras de contexto que permite tomar decisões e disparar ações interagindo com o ambiente. O framework inclui uma interface gráfica que permite visualizar os dispositivos, guiar suas atividades e observar suas reações, como num jogo, facilitando a simulação e teste das aplicações. As interpretações de contexto também podem ser definidas em alto nível pelos usuários finais das aplicações.

As ideias básicas vêm de Mark Weiser (Computação Ubíqua) e de Dey & Abowd (Computação Sensível ao Contexto), mas não conhecemos nenhuma proposta atual que integre todas essas caracteristicas. Diversas questões relevantes de Ciência de Computação estão sendo enfocadas no projeto. Aplicativos Android também estão sendo desenvolvidos para uso no ambiente. Pessoas interessados em participação podem contatar smartandroidic.uff.br.