Teddy Matias

Estatísticas deste site e procedência dos usuários

V11 (vacina undécupla) – VENCOMAX-11.

IMPORTANTE:

1 – antes de vacinar ou revacinar os seus cães e/ou gatos, leia o artigo "Vacinar: com quais e quando?" (clique aqui), de autoria da Profa. Dra. Mary Marcondes Feitosa, e converse sobre tal assunto com o(s) veterinário(s) de sua confiança;

2 – "Para que o animal produza anticorpos e fique protegido, é necessário que esteja em boas condições de saúde e nutrição durante e após a vacinação. Não vacinar animais estressados, doentes, parasitados ou que apresentem carências nutricionais, pois sua capacidade de desenvolver resposta adequada fica prejudicada." (fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento).


 

Diferença entre a V10 (Duramune® Max-5Cvk/4L) e a V11 (VENCOMAX-11 e Imuno-Vet): a V11 combate a Leptospira copenhageni, não combatida pela V10.

 

Informações sobre a vacina décupla (V10) Duramune® Max-5Cvk/4L: clicar aqui.

 

Informações sobre a vacina undécupla (V11) Imuno-Vet: clicar aqui.

 



Informações sobre a vacina VENCOMAX-11.
Fonte: Laboratórios Vencofarma do Brasil Ltda. – 
clique aqui.


 

VENCOMAX-11

Vacina contra Cinomose, Parvovirose, Coronavirose, Parainfluenza, Hepatite, Adenovirose e Leptospirose canina.


INDICAÇÕES

Destina-se a profilaxia da cinomose, parvovirose, coronavirose, parainfluenza, hepatite, adenovirose e leptospirose canina.


APRESENTAÇÕES

Frasco ampola de vidro contendo liofilizado correspondendo a 1 dose, acompanhado do frasco ampola de vidro contendo 1 ml de bacterina e suspensão inativada de vírus da Coronavirose canina como diluente, acondicionados em caixa com 10 frascos ampolas de liofilizado e respectivos diluente.


COMPOSIÇÃO DO PRODUTO

Suspensão de vírus modificados da Cinomose cepa "Rockborn", "Parvovírus Cornell 916", da Parainfluenza e "Adenovírus canino Tipo 2" na forma liofilizada e de uma suspensão inativada pela ação da betapropilactona de vírus da Coronavirose canina e uma solução de bacterinas de L. icterohaemorrhagiae, L. canicola, L. grippotyphosa, L. copenhageni e L. pomona inativadas pelo formol e calor que serve de diluente à parcela liofilizada.


DOSES E MODO DE USAR

A dose é de 1 ml por animal, via intramuscular ou subcutânea, independente de raça e peso.

A vacina pode ser utilizada a partir de 45 dias de idade, recomenda-se uma 2ª, 3ª e 4ª dose, com espaço de 21 dias entre elas.

Revacinar anualmente com 1 dose, para se ter uma melhor resposta imune.

Ressuspender a vacina somente no momento do uso e, uma vez reconstituída, aplicar imediatamente em local previamente desinfetado. Não usar em nenhuma hipótese outro tipo de diluente, a não ser o que acompanha este produto. Aspirar ao conteúdo e injetar no animal. Após a reconstituição, usar rapidamente. Esta vacina é preventiva e não curativa.

A vacinação não protege contra infecções já existentes, pois é necessário um prazo de 21-30 dias, após a administração para a formação da imunidade completa. Todas as precauções devem ser tomadas para prevenir a contaminação da vacina.

A vacinação deve ser feita somente em cães sadios. Animais adultos não vacinados anteriormente, devem ser vacinados com 3 doses com 21 dias de intervalo entre elas. A imunidade se efetivará 21 dias após a última revacinação.


CUIDADOS E PRECAUÇÕES

A resposta adequada à vacinação é diretamente ligada à competência imunológica de cada animal.

A vacinação deve ser precedida de minucioso exame clínico realizado por Médico Veterinário.

Vacinar somente animais sadios.


O produto deve ser conservado à temperatura de 2 ºC a 8 ºC até o momento do uso. Não congelar.

Utilizar agulhas e seringas estéreis.

Agitar vigorosamente o frasco antes da aplicação.

Não vacinar animais doentes, debilitados, convalescentes, com deficiências nutricionais, submetidos a "stress", ou com uma alta carga parasitária, pois esses fatores comprometem o estabelecimento de uma imunidade sólida e duradoura.

O uso de qualquer produto biológico pode produzir reações anafiláticas. Neste caso administrar o sulfato de epinefrina ou de atropina.


As fêmeas em época de acasalamento devem ser vacinadas dias antes da cobertura, para que haja transferência de anticorpos para os filhotes, via colostro. Sabe-se, no entanto, que apesar de fundamental importância nos primeiros dias de vida do filhote, a presença ainda de anticorpos maternos após os 45 dias de idade em alguns animais, interfere de maneira importante no desenvolvimento da imunidade ativa do filhote, adquirida com vacinações, principalmente em relação à parvovirose canina. Por isso, é de suma importância, que o animal receba, conforme esquema indicado, todas as doses de vacina recomendadas.

Não vacinar fêmeas prenhes.

Não utilizar vacinas que tenham a data de validade vencida.

Os frascos vazios devem ser incinerados após o uso.

No caso de quebras de frascos, desinfetar o local imediatamente com produto químico e depositar os detritos em local apropriado.

Utilizar somente o diluente fornecido pelo próprio fabricante desta vacina, visto que todas as provas de Controle de Qualidade foram realizadas com diluente próprio.

O uso concomitante, ou em dias que antecedem e sucedem à vacinação, com substâncias antimicrobianas ou antiinflamatórias poderá interferir no desenvolvimento e manutenção da resposta sólida e duradoura.

Não armazenar a vacina após ter sido aberta.


OBSERVAÇÃO

De acordo com as condições epidemiológicas e a critério do Médico Veterinário, outros esquemas de vacinação poderão ser adotados.


ATENÇÃO

Manter este ou qualquer outro medicamento fora do alcance de crianças e animais domésticos. Venda sob prescrição e aplicação sob orientação de médico veterinário.