João António Ribas

(El Ferrol-1799, Porto-1869) Violoncelista

Uma Dinastia de músicos no Porto do século XIX

OS MÚSICOS

 

ARTIGOS

 

LINKS

 

Voltar à pagina principal

João António Ribas




Joao Antonio Ribas



Nasceu em El Ferrol, Galiza, a 17 de Janeiro de 1799 e veio a marcar a vida musical do Porto na primeira metade do sec. XIX. Aqui chegou igualmente com o seu pai, de quem aprendeu os primeiros passos na música; aos 8 anos já se estreava num Teatro em Hamburgo a tocar flauta. Estuda Violino com João Machado de Paiva e Violoncelo com um italiano chamado Giuseppe Fenzi. 

Em 1818 passa a ocupar o lugar de 1º violino e Chefe da Copisteria do Real Teatro de S. João por morte de João Machado de Paiva. Casa a 14/3/1820 aos 20 anos, na freguesia de Miragaia com Teresa Emília Medina, natural de Stº Ildefonso, Porto, de quem teve 7 filhos, a saber: João Victor, Eduardo, Hipólito, Teófilo, Florêncio, Carolina e Nicolau.

Dada a juventude e os tempos conturbados, envolve-se politicamente e assina a música para um texto intitulado "Hino Patriótico-Poema" de Almeida Garrett recitado a 27 de Agosto de 1820 no Teatro de S. João para comemorar a Revolução Liberal de 24 de Agosto.

Em 1823 é nomeado regente do Teatro de S. João por morte do anterior regente José Edolo.

Em 1826 compõe a musica para Canção Constitucional de Villa-Nova de Gaya que hade ser cantada por occasião do juramento da Carta Constitucional, dada por El-Rei D. Pedro IV." A letra é de Passos Manuel. Em 1828 compõe a musica para "Il Giubilo Nazionale", um texto de João Nogueira Gandra, editor liberal.

Alista-se nos "Batalhões Voluntários Constitucionais" em defesa das causas Liberais e a 3 de Julho de 1828 é obrigado a fugir para a Galiza após a “Belfastada”. Aí encontra lugar por concurso, como 1º Trompa na Catedral de S. Tiago de Compostela mas, igualmente por razões politicas, em 1830 parte para Madrid onde obtém um lugar na Orquestra do Teatro Real. Dada a sua enorme qualidade musical, a 4 de Outubro 1830 é nomeado o 1º professor de Violoncelo no “Real Conservatório de Música y Declamación de María Cristina, futuro Real Conservatório de Musica de Madrid, onde escreveu um método que se aí adoptou como texto oficial do Conservatório.

Passadas as Guerras Liberais, e por morte de seu pai em Janeiro de 1835, regressa ao Porto ao lugar de Regente/Director de Orquestra do Real Teatro de S. João, lugar que manteve até 1857.

Escreveu a musica para a  peça "A Graça de Deus", estreada no Real Teatro de S. João a 20/4/1845 com grande sucesso, e reencenada diversas vezes pelo menos até 1850.

Em 1852/53 era agente no Porto dos Pianos Boisselot & Cª  conforme se pode ler em notícia do jornal "O Nacional" de 20/1/1853:

Fabrica e Depósito de Pianos de Boisselot & Cª  em Barcelona

Mr Boisselot, de Marselha, estabelecido naquela cidade, propõe-se a enviar para a Península os pianos da sua acreditada fabrica: estão classificados em 14 classes.

Os seus diversos preços, e condições de pagamento, garantia por dois anos dos instrumentos, podem ver-se em casa do agente de Mr Boisselot nesta cidade, João António Ribas, rua da Batalha, nº 15.

Sobre João António Ribas escreveu Camilo Castelo Branco numa crónica intitulada Teatro, publicada no Jornal Nacional de 16 de Junho de 1849:

Ao Sr. Ribas pertence muito da glória dos cantores pelo excelente desempenho de toda a parte musical, quer como orquestra, quer como banda. Conhecemos o indiferentismo do Porto por certos trechos de peças concertantes — não admira — (ponto final).

Ainda assim o público instintivamente premeia as fadigas do Sr. Ribas, professor de transcendente gosto e talento, e o mais digno regente do país — aqui o escrevemos sem rebuço, nem sacrifício de convicções. O seu solo de rabeca autoriza-nos este elogio, e impomos o preceito de nos crerem àqueles que o ouviram. Foi geralmente aplaudido: o público solveu uma dívida.

Foi pessoa muito prestigiada no seu tempo, quer pelos seus pares, quer pelos seus conterrâneos. Faleceu no Porto a 15 de Agosto de 1869. Compôs alguma música para vários instrumentos em distintas combinações e orquestra.

Tocava Violino, Violoncelo, Trompa, Flauta, Oboé, Fagote, Clarinete e Clarim. Foi professor de entre outros, de Augusto Marques Pinto (1838/1888) e Francisco Pereira da Costa (Porto1847/Rj1890).






Gravação de um concerto em 2001 pela "Orquestra da Filarmonia das Beiras", em Aveiro, dirigida pelo maestro Augusto Mesquita:

"Rondó Grotesco" 1840 Manuscrito existente na Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra (ref.MM.95-6ª Parte), transcrito pelo professor Flávio Pinho.



Gravação da Sonata nº1 para flauta e viola francesa:

Sonata nº1, andante sostenuto e Rondó-allegro non troppo da sonata em sol maior para flauta e viola francesa de João António Ribas (*1799,+1869), Hamburg : Knöchel, [ca.1830], executada por Jorge Salgado Correia na Flauta e Mário Carreira na Viola Francesa, a 16 de Janeiro de 2009 no Salão Nobre da FDUP, no âmbito do Ciclo de Conferências Musicais do "Romantismo Portuense", organizado conjuntamente com a Universidade do Porto e a Juventude Musical Portuguesa do Porto.

Vídeo do YouTube


Edições recentes de partituras:

Edições previstas em C.D.:

  • Hermanos Ribas
    Editora Piccolo, Madrid
    Dos Sonatas de J.A. Ribas
    Gran Duo de J.M. del Carmen Ribas.

Outras partituras existentes:

Album de musicas nacionaes portuguezas [Música impressa ]]: constando de cantigas e tocatas usadas nos differentes districtos e comarcas das provincias da Beira Traz-os Montes e Minho... / por J. A. Ribas. - 2" ed. - Porto : C. A. Villa Nova, [ca 1860]. - Partitura (25, 3 p.) ; 36 cm. - N. 1 A chula da comarca de Penafiel. - p. 1-2. - n. de ch.: C.A.V.N. 361. - piano;. - n. 2 Bareira do conselho de Louzada. - p. 3-4. - n. de ch.: V.N. 362. - piano;. - n. 3 O trolha d'Afife: Canção de Viana do Castelo. - p. 5-6. - n. de ch.: C.A.V.N. 363. - canto e piano;. - n. 4 As Peneiras: Cantiga de Vizeu. - p. 7-8. - n. de ch.: C.A.V.N. 364. - canto e piano;. - n. 5 Mariquinhas meu amor: Cantiga d'Arouca. - p. [10]-12. - n. de ch.: 365. - canto e piano;. - n. 6 O regadinho de S. Mamede d'Infesta, arrabalde do Porto. - V.N. 366. - canto e piano;. - n. 7 A Raptada ou o caravelleiro do Mondego. - p. 15-16. - n. de ch.: C.A.V.N. 367. - canto e piano;. - n. 8 O fado atroador de Coimbra. - p. 17-18. - n. de ch.: C.A.V.N. 368. - canto e piano;. - n. 9 A chula do conselho d'Amarante. - p. 19-21. - n. de ch.: 369. - piano / canto e piano;. - n. 10 Manoel tão lindas moças: S. Martinho de Dume em Braga. - p. 22-23. - n. de ch.: C.A.V.N. 370. - piano;. - n. 11 A tricana d'aldeia: Cantiga de Villa Real. - p. 24-25. - n. de ch.: C.A.V.N. 371. - canto e piano;. - [n. 12] O fado rigorozo da Figueira da Foz com variações para piano. - p. 2-3 (sic). - n. de ch.: C.A.V.N. 372. - piano BN C.I.C. 44 A. Col. Ivo Cruz. - mau estado.

Laudamus a solo e Órgão [Música manuscrita] / por J.A. Ribas . - , [Entre 1820 e 1850]. - Partitura [6 f.]1 parte vocal1 parte instrumental ; 222x278 mm ; 220x302 mm . - A parte instrumental tem os fólios separados. BN M.M. 248//7

Domine Deus [Música manuscrita]: Solo para Contralto, e acompanhamento de Orgam / Composto por J.A. Ribas. - , [Entre 1830 e 1855]. - Partitura [8 f.]1 parte vocal [3 f.] ; 235x323 mm ; 316 mm. - Os cadernos da partitura estão soltos. BN M.M. 2027//1-2

Sinfonia Alegria [Música manuscrita ]]: Estraida da Opra Comica / Ribas. - , [Entre 1830 e 1855]. - 12 partes instrumentais ; 222x302 mm. - Ribas indicado apenas na parte de basso. BN M.M. 1905//1-12  Música para orquestra--[Música manuscrita]--Séc. 19 CDU: 78.089.6 ; 785

Sinfonia Extraida de Opra Tangerina [Música manuscrita ]] / Ribas. - , [Entre 1830 e 1855]. - 17 partes instrumentais ; 220x302 mm. - Ribas indicado apenas na parte de violino 1. - Marcas de bibliófagos.
BN M.M. 1901//1-17   Música para orquestra--[Música manuscrita]--Séc. 19 CDU: 78.089.6 ; 785

Quadrilha da Opera o Assedio de Arlem, de Verdi, publicado na "Miscellanea Musical", 6º mês, Porto, pela Lith de Villa Nova Fºs e Cª, Rua dos Pelames, 52

Marcha Russa para Violão Francês, publicado na "Miscellanea Musical", 6ª mês, Porto, pela Lith de Villa Nova Fºs e Cª, Rua dos Pelames, 52 (PDF)

Quadrilha da Opera, Norma Arranjada p.ª Piano/ por J.A.Ribas [sic] s.d. ca.1835 (?) Colecção Privada do Prof. Mario Carreira

Na Biblioteca do Real Conservatório Superior de Música de Madrid existem as seguintes obras:

-Lecciones de violoncello (S/1785) (ms.)

-Magnificat a cuatro y acompañamiento de orquesta (1/15564)

-Motete "Veni sponsa Christi" (1/15565)


-Noturno devoto a duas violas, flauta e basso (manuscrito,1817) (1/15562)


-Pieza instrumental para orquesta (manuscrito, 1/15110)


-Sinfonía a toda orquesta (ms., 1/15111)


-3ª Sinfonía, composição de Juan Antonio Rivas (ms., 1/15189)


-Deux Sonates pour la Guitare et Flûte/ [...] par J.A.Ribas à Hambourg chez Knöchel, ca.1820. (1/8942)