Número 25 Maio de 2006

Direcção: Arnaldo do Espírito Santo, Cristina de Sousa Pimentel, Ana Maria S. Tarrío e André Nunes Simões.

Depois de longa ausência, volta ao convívio dos seus leitores a revista CLASSICA. Preparada, desde o seu primeiro número, com os constrangimentos de uma publicação sem apoios, totalmente dependente dos cada vez mais escassos momentos livres dos membros da Direcção e da generosa contribuição dos que aceitam entregar-nos artigos para divulgarmos, nem por isso nela deixamos de emprenhar o melhor do nosso esforço. Sopram os ventos cada vez mais adversos para os Estudos Clássicos. Num círculo vicioso em que, por um lado, se retira das escolhas secundárias as Humanidades e se restringe a um único ramo em que se pode estudar Latim e Grego, ainda assim remetidos para estatuto opcional e lugar simbólico, e em que, por outro lado, se penalizam os cursos universitários que não têm um número folgado de entradas, como é o caso de Estudos Clássicos, cabe-nos, mais do que nunca, não deixar esquecer as raízes culturais que nos identificam e em que nos reconhecemos. O conjunto de estudos que aqui reunimos dão, segundo cremos, testemunho de quanto, no mundo antigo, há de actual e imprescindível para que nos conheçamos no presente. A Direcção da CLASSICA pretende — e esse é compromisso que assumimos — retomar a publicação da revista com periodicidade regular. O próximo número, já em preparação, sairá no fim de 2006. Além disso, fazemos notar que, a partir deste volume, a revista passa a contar com uma Comissão Científica que, como é norma internacional, garantirá a qualidade dos artigos publicados. Uma última palavra, de mágoa e saudade. Em Setembro de 2005 deixou-nos o nosso colega Fernando José Patrício de Lemos, arrancado prematura e subitamente ao nosso convívio. Nos últimos anos, e desde que integrava a direcção da CLASSICA, a sua dedicação foi fundamental para a vida da revista. O volume que agora editamos evoca comovidamente a sua memória. E o próximo ser-lhe-á dedicado. Seja essa a forma singela de lhe dizermos que o admirávamos e que sentimos falta do seu convívio.
 
 

Comissão Científica: José Ribeiro Ferreira (Universidade de Coimbra), João Manuel N. Torrão (Universidade de Aveiro), Cláudia Amparo Teixeira (Universidade de Évora), Manuel E. Vasquez Buján (Universidade de S. Compostela), Arnaldo do Espírito Santo (Universidade de Lisboa), Cristina de Sousa Pimentel (Universidade de Lisboa) e Ana Maria Sánchez Tarrío (Universidade de Lisboa).

Sumário:

Cidadania Clássica e Cidadania Democrática, José Ribeiro Ferreira (p. 7)

 O Exercício da Virtude na Vida Pública: O Exemplo de Aristides, Joaquim Pinheiro (p. 23)

Para uma Definição de Matrizes: Gregos, Romanos e Judeus em Confronto no Século I d.C., Nuno Simões Rodrigues (p. 35)

As Vítimas da Guerra na Eneida de Vergílio, Cristina Santos Pinheiro (p. 51)

O que é a Odisseia?, Sofia Frade (p. 73)

 Os Poemas de Estratão de Sardes, Frederico Lourenço (p. 87)

Três Nótulas de Direito Romano, Pedro Miguel Correia Marques (p. 99)

Hagiografia Medieval Hispânica: Realidade e Construção, André Simões (p. 113)

The Tradition of Captatio Benevolentiae in the Medieval Ars Dictaminis: The English Issue, Teresa Sánchez Roura (p. 135)

Valores Humanísticos em Damião de Góis, Arnaldo do Espírito Santo (p. 153)

A Propósito dos Jogos Para... Límpicos (!), Custódio Magueijo (p. 167)

«Houveram pessoas... Mas já não hão!», Custódio Magueijo (p. 173)

O Sintoma e a Síndrome, Custódio Magueijo (p. 177)