História do Rancho de Montargil

E seus valores Etnográficos 

O Rancho Folclórico de Montargil fez a primeira apresentação em 26 de Abril de 1970,data considerada a da fundação, e integra a Federação do Folclore Português desde 19 de Outubro de 1977.É membro da Associação de Folcloristas do Alto Alentejo e está inscrito no INATEL.

A partir de Janeiro de 1975 funciona como Departamento de Etnografia e Folclore do Grupo de Promoção Sócio-Cultural de Montargil(Pessoa Colectiva de Utilidade Pública(1987) e Medalha de Prata de Mérito Municipal)
Tem a funcionar uma Escola de Folclore(Infantil e Juvenil).

Contando com a Colaboração da Câmara Municipal de Ponte de Sor e da Escola Básica Integrada de Montargil, está a leccionar 2 horas de folclore por semana.

Realiza anualmente 2 festivais---a Festa das Escolas de Folclore(último sábado de Março- este com o apoio total da Junta de Freguesia de Montargil),o Festival Nacional de Folclore de Montargil(sábado que antecede o terceiro domingo de Julho- este com a Câmara Municipal a apoiar a quase totalidade das despesas, e ainda contando com o apoio da Junta de Freguesia de Montargil, e de outras instituições.).
 

Tem participado nalguns dos principais festivais nacionais de folclore—esteve duas vezes no Festival do Algarve por indicação da F.F.P.—tendo ainda estado 4 vezes em Espanha,  2 em França ,1 na Suiça e 1 no Canadá. Esteve também uma vez em Porto Santo e Madeira e no Luxemburgo.

Já participou nos mais diversos Festivais de Folclore do Norte ao Sul do País, e esteve presente em diversos programas televisivos

Organizou dois Encontros de Cantadores de “saias”,três Encontros s/Cultura Tradicional ,uma “Ceifas”,duas “ Descamisadas”,e um “Fontes de Ruralidade—momentos lúdicos da vida rural. ”Integra a organização da Romaria do Senhor faz Almas(segundo domingo de Setembro) e realizou já  também dois “Mercados à Moda Antiga”

É departamento de Etnografia e Folclore do Grupo de Promoção Sócio-Cultural de Montargil ,que desde 1997 é reconhecido como Pessoa Colectiva de Utilidade Pública e desde 1992 Medalha de Prata de Mérito Municipal”.



 SUA REPRESENTATIVIDADE  

A freguesia de MONTARGIL situa-se numa zona de transição Alentejo/Ribatejo
(onde o Alentejo e o Ribatejo se encontram), mas o seu folclore reflecte ainda o facto de durante muitos anos, embora sazonalmente, aqui terem trabalhado pessoas vindas de outras terras, caso dos “tiradores de cortiça” do Algarve, e dos “ratinhos” vindos das Beiras em “tempo de ceifa”, É a aculturação, é o encontro de culturas, é o moldar de uma cultura muito específica.
Tendo a seus pés a Barragem e mais ao cimo a Guarita, situa-se a Vila-Sede por sua vez rodeada de vales, montes, serras e “aldeias” que muito a caracterizam.
É essencialmente uma “comunidade rural”,que quando o desenvolvimento turístico ali é irreversível , da sua identidade não quer abdicar.

E é a maneira de ser e de estar da sua gente que o RANCHO FOLCLÓRICO DE MONTARGIL tenta preservar e divulgar, como  quando  subindo ao palco feito “terreiro” o faz cantando as típicas “saias” alentejanas.

É um folclore diversificado. E o sociólogo e historiógrafo José Travassos Salvado considera mesmo que
“a junção da alma alentejana com o riquíssimo folclore da charneca ribatejana aglutina um folclore purificado duma beleza extraordinária quase única em Portugal”.

É o ALTO ALENTEJO!
É o ALENTEJO DA CHARNECA!


O QUE OS OUTROS DIZEM

O que,  no decorrer dos anos (os ) outros  pensam e dizem do RANCHO FOLCLÓRICO DE MONTARGIL

“…grupo de grande expressão”
(Augusto Gomes dos Santos—Presidente da Federação do
Folclore Português)

“O Rancho Folclórico de Montargil é o cartão de visita da terra”.
(Professor Tomaz Ribas)

“…em 1988 já era um grupo responsável e consagrado a representar com dignidade e legitimidade os costumes de antanho das gentes laboriosas de Montargil”.
(Carlos Ribeiro—Folclorista e Etnógrafo de Torres Novas)

“Vocês honraram Montargil e honraram Portugal…”
“Houve autoridades francesas que vieram no segundo dia para vos ver ,para além  naturalmente ver também  a Orquestra Ligeira do Exército…””E isso é prova de que gostaram da vossa apresentação ,da vossa dignidade ,da maneira como vocês souberam estar aqui…””…na primeira noite ,que era a “noite de gala”,o Presidente da Câmara, a autoridade máxima local ,mandou inclusivamente buscar uma medalha com que  galardoou as entidades que ele considerou mais importantes, nomeadamente a Casa Cultural e e Social Portuguesa que merece das autoridades francesas o reconhecimento pela sua acção  aqui, e que só nessa noite recebeu também a medalha que vocês levam..
(Outubro de 1988---  Em Troyes( França) ---Nunes Forte(Locutor da RTP)

“Permitam-me felicitar os elementos do Rancho Folclórico de Montargil pela dignidade e seriedade com que têm procurado servir”;
“A sua acção tem sido fortemente positiva ,pois que recolheu, reconstituiu, e tem divulgado  danças, cantares ,e trajos tradicionais da área em que está inserido e que publicamente tem demonstrado com muita dignidade”.
(09/95—Augusto Gomes dos Santos—Presidente da Federação do Folclore  Português)

“O Rancho Folclórico de Montargil tem sido, não só o paradigma da cultura montargilense, mas muito em especial o embaixador itinerante dessa simpática vila e sua gente, levando a todos os recantos o riquíssimo folclore da região conhecida  por charneca  ribatejana.””Mas Montargil é de alguma forma também a porta escancarada do Alentejo, recebendo como por osmose toda a alma alentejana”,E neste quadro simbiótico “Ribatejo/Alentejo”,Montargil aglutina um folclore purificado duma beleza extraordinária, direi mesmo, quase única em Portugal”.
(José Travassos Salvado—Sociólogo e Historiógrafo)

“Fico muito contente  quando os vejo actuar porque eles—os jovens do Rancho—conseguem transmitir-me o calor alegre do sentimento festivo da ruralidade a que pertencem e encarnam com toda a alegria”.
(09/95—Augusto Gomes dos Santos—Presidente da Federação do Folclore Português)

“O cuidado nos trajos, o rigor das marcações e a fieldade das recolhas tornam exemplar o trabalho que apreciamos, levando-nos a desejar que persistam  norteados pela autenticidade marcando  a diferença  relativamente à banalidade do que é feito por fazer”.
(Dr.Colaço Ribeiro—Etnógrafo de Castro Verde)

“Na beleza e na riqueza das suas danças e cantares, alicerçadas nas rigorosas recolhas dos nossos valores etnográficos o Rancho de Montargil é uma referência obrigatória do nosso património cultural”.
(04/2000—Dr.Galinha Barreto—Governador Civil de Portalegre)

“O  Rancho Folclórico de Montargil a partir de uma consciencialização, acção indispensável  ao longo dos seus 30 anos de complexos  ancestrais, conseguiu granjear enorme admiração pelo seu trabalho de preservação do património herdado ,que, de certo modo, caracterizou as gentes de Montargil”.
(04/200—Martinho Dimas—Presidente da Associação de Folcloristas do Alto Alentejo)

“Este grupo tem constituído um desafio para a salvaguarda e preservação desse corredor cultural Alentejo/Ribatejo, cujo valor e importância estão longe de ser secundários, a atestar pelo riquíssimo acervo recolhido pelos seus elementos mais responsáveis, valores do património da Charneca, reconhecidamente invulgares, expressivos ,de inquestionável  autenticidade, verdadeiras  jóias históricas que se impunha difundir”.
(04/2000—João Graça Pina—Delegado do INATEL em Portalegre)

“…tem sido nos últimos trinta anos um lídimo representante da cultura popular no melhor dos seus sentidos”.”O trabalho desenvolvido pelos seus membros  e dirigentes dignificaram o nome da terra e da nossa Região que levaram aos mais diversas lugares do país e do estrangeiro””É um projecto que a todos orgulha”.
(05/2000—Ceia da Silva—Presidente da Região de Turismo de S.Mamede)

“As mismo os enviamos fotografia  del  Festival y recorytes de prensa para que tengais un grande recuerdo de vuestro paso por esta ciudade, que há sido un gran áxito ,pois la poblacion de Daimiel gustó  mucho el folklore de Portugal e de Montargil”.

(25/09/01—José Luis Ruiz-Hermosa López-Astileros—Ass.Folk.”Virgen del as Cruces—Daimiel—Ciudad Real)


“Não desistam…não   desistam nunca...não deixem  nunca  cair esta grande
Obra”. (Outubro de 2004 -Maria José   Costa -Vice Presidente da Casa do   Alentejo no Canadá)   

“Sabíamos da expectativa em redor  da deslocação do grupo ,pois não é todos os dias que se traz até Toronto um Rancho Folclórico como o de Montargil”  (Outubro de 2004 -Fernando Cruz Gomes—jornal “Sol Português”do Canadá.

“…Seguiu-se o convidado Grupo Folclórico de Montargil , Pérola entalada entre  Ribatejo e Alentejo . Montargil é ,assim, um acabado exemplo de fusão de tradições que fazem de Portugal pequeno um mosaico de aspectos culturais  dos mais ricos do mundo.”( Outubro de 2004-Jornal “Nove Ilhas”—Correio Canadiano).

                                                                   Voltar à Página Principal