‎‏‎‎‎‎‎‎‏‏‏‏‏‎‎‎‎‎‏‎‎‏‎‎‎‏‏‏‏‏‏‎‏‎‏‎‏‎‎‏‎‎‏‏‎‏‎‎‎‎‎‏‏‏‏‎‏‎‎‏‏‎‏‏‎‎‎‏‏‎‏‏‏‏‎‎‏‎‏‎‏‏‏‎‏‏‎‏‎‏‎‎‏‎‎Navegação‎‏‎‎‏‎

Ramirodotcom - os meus conteúdos digitais

‎‏‎‎‎‎‎‎‏‏‏‏‏‎‎‎‎‎‏‎‎‏‎‎‎‏‏‏‏‏‏‎‏‎‏‎‏‎‎‏‎‎‏‏‎‏‎‎‎‎‎‏‏‏‏‎‏‎‎‏‏‎‏‏‎‎‎‏‏‎‏‏‏‏‎‎‏‎‏‎‏‏‏‎‏‏‎‏‎‏‎‎‏‎‎Navegação‎‏‎‎‏‎

‎‏‎‎‎‎‎‎‏‏‏‏‏‎‎‎‎‎‏‎‎‏‎‎‎‏‏‏‏‏‏‎‏‎‏‎‏‎‎‏‎‎‏‏‎‏‎‎‎‎‎‏‏‏‏‎‏‎‎‏‏‎‏‏‎‎‎‏‏‎‏‏‏‏‎‎‏‎‏‎‏‏‏‎‏‏‎‏‎‏‎‎‏‎‎Navegação‎‏‎‎‏‎

    0hoje é

    Actividade recente do site

    1734dias desde

    Apontamentos sobre Organização e Gestão Curricular

    1. A taxonomia de B. Bloom

    Benjamim Bloom criou uma célebre taxonomia do domínio cognitivo que prevê o agrupamento das operações cognitivas e tarefas de aprendizagem em 6 níveis hierárquicos: aquisição de conhecimentos básicos, compreensão, aplicação, síntese e avaliação.
    • A aquisição de conhecimentos básicos representa o nível mais baixo em termos de complexidade cognitiva. Incorpora tarefas relacionadas com a aquisição de informações: dados, factos, teorias e datas. Apela à memorização, essa função tão importante e tão esquecida pelas pedagogias construtivistas.
    • A compreensão representa o segundo nível e pressupõe o domínio do primeiro. Tem que ver com a tradução, a interpretação e a extrapolação das informações adquiridas. Exige que o aluno estabeleça relações entre os elementos, compreenda o significado das coisas, reformule com palavras próprias e tire consequências das informações.
    • A aplicação exige tarefas de mobilização das informações adquiridas em ordem a resolver um problema que não seja trivial nem repetido. O nível da aplicação tem semelhanças com as competências de aprendizagem. Tarefas de aplicação conduzem ao desenvolvimento de competências. Mas em Bloom não há lugar para competências desgarradas dos conteúdos.
    • A análise exige a decomposição do todo nas suas partes e a capacidade para recombinar os elementos em ordem à reconstituição do todo.
    • A síntese pressupõe a capacidade para criar e construir conhecimento com base na recolha e tratamento da informação. Uma composição original, um quadro ou um relatório de uma experiência científica são exemplos de tarefas de síntese.
    Por último, a avaliação. Pressupõe a emissão de juízos de valor fundamentados em obediência a critérios de coerência interna e externa.

    2. Definir objectivos
    • Use verbos que designam acção em termos de comportamentos observáveis
    • Opte por linguagem simples, clara e sem equívocos
    • Descreva o comportamento do aluno e não o do professor
    • Descreva o produto e não o processo
    • Cada objectivo deve incluir apenas um resultado do aluno
    • Use pelo menos uma medida para cada objectivo
    • Verifique se o objectivo é realista e alcançável
    Leia, por favor, o anexo "regras para definir objectivos".
    Os anexos contêm textos, em inglês, com regras sobre definição de objectivos. Aconselho a leitura.

    3. A teoria de Mager dos objectivos comportamentais
    Robert Mager publicou, em 1962, um importante livro: Preparing Objectives for Programmed Instruction.

    • Um objectivo de aprendizagem deve ser dividido numa série de objectivos comportamentais específicos e tarefas mais pequenas. Um objectivo de aprendizagem deve ter 3 componentes:
    • Comportamento: o comportamento deve ser observável e mensurável
    • Condição: as condições sob as quais o comportamento deve ser formulado
    • Standard: o nível de performance desejado deve ser formulado, incluindo uma série de respostas vistas como correctas.

    De acordo com Mager são de evitar verbos como conhecer, compreender ou aprender por serem demasiado gerais e não descreverem a acção pretendida.  Ao invés, Mager propõe o uso de verbos activos: listar, identificar, formular, descrever, definir, comparar e  resolver.

    4. Dois anexos: um sobre elaboração de um teste sumativo; outro sobre instrumentos de avaliação. Para ceder aos dois anexos, cliquem em cima das 5 imagens por esta ordem: 01; 02; 03; 04; 05.

    5. Regras para definir objectivos de aprendizagem
    5.1. Os objectivos devem ser claros e facilmente compreensíveis.
    Têm de ser explícitos. Devem conter um verbo activo que descreva uma acção concreta. O objectivo deve ter apenas um significado.
    Exempos:
    O aluno deve ser capaz de identificar as parte do coração.
    Dada um determinada lista, o aluno deve ser capaz de identificar as palavras mal escritas.
    O aluno deve ser capaz de identificar os elementos químicos de uma mistura preparada pelo professor.
    Todos estes objectivos estão formulados de forma explícita e exigem comportamentos observáveis. cada frase contém apenas um objectivo. Não há ambiguidade na formulação. Não estão contaminados pela generalidade.

    5.2. Os objectivos devem ser observáveis
    A avaliação dos resultados depende da observação das acções. O verbo tem de descrever uma acção observável.
    Exemplos de verbos que não se devem usar nos objectivos:
    conhecer
    compreender
    acreditar
    pensar
    familiarizar
    gostar
    Exemplos de verbos que se devem usar nos objectivos:
    identificar
    listar
    elencar
    escolher
    localizar
    isolar
    dividir
    separar
    inferir
    O verbo e o seu objecto devem ser claramente definidos. Devem promover acções observáveis ou produtos observáveis. As acções descritas são do aluno e não do professor.

    Exercício: sobre definição de objectivos:
    Seleccionar objectivos úteis
    Saber o que faz com que um objectivo seja útil
    Só o primeiro está correctamente formulado
    Resolver problemas de matemática que exijam a aplicação do conteúdo raiz quadrada
    Compreender como se resolve uma raiz quadrada
    Só o primeiro está correctamente formulado.
    Reconhecer fotos de animais em páginas de jornais
    Associar os nomes dos animais às respectivas fotos
    Só o segundo está bem formulado
    Pontuar correctamente um parágrafo
    Listar as regras de pontuação
    Estão os dois bem definidos

    6. Explicitando os níveis
    6.1. Nível 1: Conhecimentos básicos
    Reconhecer ou recordar informação
    Relembrar o que foi ensinado
    Relembrar factos, datas, definições e observações
    Exemplos: Qual é a capital de Marrocos?
    Palavras mais usadas neste nível:
    definir
    relembrar
    reconhecer
    recordar
    identificar

    6.2. Nível 2: Compreensão
    O aluno vai para além da recordação da informação
    Reformula as informações
    Descreve usando palavras suas
    Faz comparações
    Extrapola
    Interpreta
    Traduz
    O aluno interpreta, traduz e reformula.
    Exemplos: Descreve com palavras tuas o último parágrafo do texto
    Palavras mais usadas neste nível:
    compara
    reformula
    explica
    contrasta

    6.3. Aplicação
    Requer que o aluno aplique uma regra ou um procedimento a um problema.
    Exemplo:
    De acordo com a nossa definição de socialismo, quais das seguintes nações podem ser consideradas socialistas?
    Palavras que definem as perguntas de aplicação:
    aplicar, classificar
    escolher
    usar
    resolver

    6.4. Análise (Fonte: Planificação e Avaliação do Ensino e Aprendizagem, Universidade Aberta)
    Exige que o aluno se envolva em 3 formas de processos cognitivos:
    Identificar os motivos, razões e causas de  uma ocorrência específica
    Analisar a informação disponível em ordem a alcançar uma conclusão, inferência ou generalização
    Analisar uma conclusão ou generalização
    A operação de análise envolve a divisão de um todo em ordem a melhor entender as relações entre as partes que o constituem

    Exemplos:

    Depois de ler este texto, como caracterizaria a ideologia do autor?

    Que informação usaria para justificar que Nixon não foi um presidente bem sucedido?

    Identifica a ideia principal de um texto dado

    Identifica, num texto dado, razões subjacentes ao comportamento de diferentes personagens

    Face a resultados inesperados numa experiência química, identifica as respectivas causas

    Identifica a estrutura adoptada por um relatórios de actividades

    6.5. Síntese
    Exige que o aluno crie ou produza uma obra original
    Os comportamentos ao nível da síntese envolvem a organização de diferentes elementos num todo novo que representa uma criação original. Refere-se a operações de tipo criativo.
    Palavras comuns nas questões de síntese:
    Predizer
    Produzir
    Criar
    Sintetizar
    Construir

    Exemplos:

    Produza um ensaio com 3000 palavras sobre o conceito de luta de classes na teoria de Marx
    Redige uma composição subordinada ao tema A Pobreza em Portugal

    Pinta a aguarela uma paisagem

    Elabora um projecto de investigação no campo educacional

     
    7. Três problemas:
    7. 1. O professor só faz perguntas e exige tarefas do nível 1. Errado porque centra o ensino apenas em actividades de rotina.
    7.2. O professor faz muitas perguntas quase ao mesmo tempo. Provoca confusão e falta de atenção nos alunos.
    7.3. O professor não dá tempo ao aluno para responder.
     
    Em conclusão, é preciso dar tempo ao aluno para reflector e construir a resposta.
     
    Quando o aluno não percebe a pergunta, o professor deve reformulá-la. Em vez de ser o professor a dar a resposta, deve dirigir a pergunta a outros alunos
     
    Sugestões para os professores:
     
    Evitar repetir em demasia as respostas quer do professor quer dos alunos.
    Evitar reacções do género "sim...mas". A resposta do aluno ou está certa ou errada. Se está errada, o professor deve dirigir a pergunta a outro aluno até se encontrar a resposta certa. Se nenhum aluno conhece a resposta certa, tem de ser o professor a revelá-la.

    Exemplos de Grelhas de um plano

    Há diversos tipos de plano:
    De aula
    De unidade de ensino
    Anuais

    Correspondem a diferentes unidades temporais.

    Os planos anuais elaboram-se antes do ano lectivo começar. Pega-se numa agenda e no calendário escolar e distribui-se os conteúdos pelas aulas previstas. Os planos anuais têm de respeitar os objectivos gerais que constam dos programas de ensino.

    1. Objectivos gerais        2. Conteúdos/competências     3. Actividades        4. Recursos/materiais
     
    Para quê?                                   O quê?                                    Como                    Com que meios?
     Objectivos específicos

     Conteúdos Objectivos Estratégias Actividades Avaliação
         

     

    Objectivos comportamentais (Fonte: Planificação e Avaliação do Ensino e Aprendizagem (Universidade Aberta)

    Um objectivo específico pdoe ser ou não enunciado em termos comportamentais. Se não indica, claramente, um comportamento observável que o aluno deve revelar, poderá ser específico mas não é comportamental.

    Exemplo: Aprecia a 9ª Sinfonia de Beethoven

    É específico mas não comportamental

    Exemplo: Expõe o que mais aprecia na 9ª Sinfonia de Beethoven

    É específico e comportamental.

    Um objectivo comportamental, para além de indicar um comportamento observável e um conteúdo sobre que se exerce tal comportamento, pode, ainda, incluir outras informações que permitam mais facilmente avaliar a consecução do objectivo:
    Quem?
    O quê?
    Conteúdo
    Nível de proficiência - Em que medida?
    Tempo - Quando?
    Instrumento de avaliação - Como?

    Exemplo de formulação de objectivo:

    No final da unidade, os alunos do 6º ano identificarão 3 causas da expansão marítima, num teste de escolha-múltipla.

    Os objectivos de produto são os que se esperam no final de uma sequência de aprendizagem que conduziu até eles.

    Os objectivos de processo são so que se referem aos meios usados para atingir os objectivos de produto.

    Qual é a diferença entre objectivos e actividades?

    Um objectivo educacional corresponde sempre a uma aprendizagem que o aluno ainda não possui mas que se deseja que adquira. Entre o ponto de partida - ausência de aptidão - e o ponto de chegada - aquisição da aptidão - há um caminho a percorrer que corresponde a um processo de aprendizagem que se traduz em actividades dos alunos.

    O enunciado do objectivo diz sempre o que o aluno está apto a fazer.

    O enunciado da actividade diz o que está a fazer para ficar apto.

    Exemplo de actividade:
    Observa a preparação do microscópio

    Exemplo de objectivo:
    Identifica diferentes estruturas celulares

    Exercícios (Fonte: Planificação e Avaliação do Ensino e Aprendizagem ; Universidade Aberta)

    Assinale de entre os seguintes objectivos os que podem ser considerados no nível de conhecimento:

    1. Resume um texto dado

    2. Indica a capital da Dinamarca

    3. Define rectas paralelas

    4. Explica o que se entende por um conjunto de objectos

    5. Identifica os animais que estão nas gravuras

    Assinale de entre os seguintes objectivos os que podem ser considerados no nível de compreensão:

    1. Indica a distância entre 2 povoações, servindo-se de um mapa das estradas

    2. Indica os nomes das capitais dos distritos de Portugal

    3. Enuncia o Tratado de Tordesilhas

    4.Nomeia os órgãos de uma planta

    5. Explica o que significa a electricidade estática

    Assinale de entre os seguintes objectivos os que podem ser considerados no nível de aplicação:

    1. Demonstra um teorema dado

    2. Enuncia um teorema dado

    3. Lê gráficos de barras

    4. Resolve uma raiz quadrada

    5. Enumera os ossos da perna.

    Apontamentos sobre avaliação da aprendizagem

    Três modalidades de avaliação:

    Diagnóstica

    Formativa

    Sumativa

    Deveres dos professores para com os alunos e encarregados de educação de acordo com o estatuto da carreira docente

     

    Este instrumento de autoavaliação visa identificar a frequência com que o local de estágio facilita o cumprimento dos deveres profissionais para com os alunos e os encarregados de educação. Teve-se em conta o artigo 10º do estatuto da carreira docente (deveres profissionais).

     

    O meu local de estágio permite que eu respeite as diferenças culturais dos alunos:

     

    -Sempre

    -Muitas vezes

    -Alguma vezes

    -Raramente

    -Nunca

     

    O meu local de estágio permite que eu previna situações de discriminação e exclusão

     

    -Sempre

    -Muitas vezes

    -Alguma vezes

    -Raramente

    -Nunca

     

    O meu local de estágio permite que eu estimule a criatividade e autonomia dos alunos

     

    -Sempre

    -Muitas vezes

    -Alguma vezes

    -Raramente

    -Nunca

     

    O meu local de estágio permite que eu promova a diferenciação pedagógica

     

    -Sempre

    -Muitas vezes

    -Alguma vezes

    -Raramente

    -Nunca

     

    O meu local de estágio permite que eu mantenha a disciplina e faça respeitar a minha autoridade

     

    -Sempre

    -Muitas vezes

    -Alguma vezes

    -Raramente

    -Nunca

     

    O meu local de estágio permite que eu promova o bem-estar e segurança dos alunos

     

    -Sempre

    -Muitas vezes

    -Alguma vezes

    -Raramente

    -Nunca

     

    O meu local de estágio permite que eu previna situações de risco social

     

    -Sempre

    -Muitas vezes

    -Alguma vezes

    -Raramente

    -Nunca

     

    O meu local de estágio permite que eu mantenha a confidencialidade da informação sobre alunos e famílias.

     

    -Sempre

    -Muitas vezes

    -Alguma vezes

    -Raramente

    -Nunca

     

     

    O meu local de estágio permite que eu dialogue e coopere com os pais dos alunos

     

    -Sempre

    -Muitas vezes

    -Alguma vezes

    -Raramente

    -Nunca

     

    O meu local de estágio permite que eu promova a participação ativa dos pais

     

    -Sempre

    -Muitas vezes

    -Alguma vezes

    -Raramente

    -Nunca

     

    O meu local de estágio permite que eu informe os pais com regularidade sobre o progresso e dificuldades dos alunos

     

    -Sempre

    -Muitas vezes

    -Alguma vezes

    -Raramente

    -Nunca

     

    O meu local de estágio permite que eu coopere de forma eficaz com os outros docentes

     

    -Sempre

    -Muitas vezes

    -Alguma vezes

    -Raramente

    -Nunca

     

    O meu local de estágio permite que eu partilhe informação e recursos com outros docentes

     

    -Sempre

    -Muitas vezes

    -Alguma vezes

    -Raramente

    -Nunca

     

    O meu local de estágio permite que eu promova a segurança e o bem-estar dos outros docentes

     

    -Sempre

    -Muitas vezes

    -Alguma vezes

    -Raramente

    -Nunca

     

    Como elaborar os testes sumativos e formativos? 

    Em primeiro lugar, é preciso construir uma matriz do teste. Como?

    Uma grelha com 3 colunas:

    A primeira coluna é para os conteúdos. A segunda é para os objetivos. A terceira é para os itens/perguntas

     

    Conteúdos

    Objetivos

    Perguntas

     

     

     

     

    Há vários tipos de perguntas:

    Verdadeiro e falso:

    Coloque um F ou um V à frente do enunciado. F para falso: V para verdadeiro.

    O primeiro rei de Portugal foi Vasco da Gama.

    O neto é o filho da avó

    A baleia é um mamífero

    O macaco habita no mar

    O tubarão come peixe

    O leão é herbívoro

    A baleia vive no meio aquático

    A Revolução do 25 de abril deu-se em 1974.

    Escolha múltipla

    Perante várias opções, indicar qual ou quais estão corretas

    Quanto é 25 vezes 25: 425; 625; 825; 925.

    Qual a forma correta de escrever a palavra:

    Balão; balao, balãu

    Quais deste meses têm 31 dias:

    Março; Junho; Fevereiro; Maio

    Correr é um:

    Adjetivo; verbo, substantivo; pronome

    Associação ou combinação

    Associar palavras ou frases que formem uma resposta ou sentido:

    Carvalho--------------------------------------------------------Ave

    Pinheiro---------------------------------------------------------Árvore

    Flamingo-------------------------------------------------------Árvore

    Avestruz-------------------------------------------------------Ave

    Gelo-------------------------------------------------------quente e frio

    Deserto--------------------------------------------------quente e frio

    Fogo-------------------------------------------------------quente e frio

    Chuva-----------------------------------------------------quente e frio

    Resposta curta

    Quando foi a Revolução do 25 de abril?----------------------

    Quem foi o primeiro rei de Portugal?

    Quem era a mãe de D. Afonso Henriques?

    Quais são as quatro estações do ano?

    Completar resposta

    A descoberta do caminho marítimo para a Índia foi realizada no ano-----------------por uma armada comandada por--------------

    O Tejo é um-----

    A capital de Portugal é------

    Lisboa fica em----------------no Continente------------------

    Resposta aberta

    Descreve as tuas férias de Verão

    Descreve o jardim da tua terra

    Descreve o ciclo da água

    Descreve o que fazes nos tempos livres


     Como se elabora o Projeto Curricular de Turma?

    O Projecto Curricular de Turma não pode perder de vista o Projecto Educativo de Escola (PEE). Para cada turma da escola, deve haver um projeto curricular de turma e cada projeto curricular de turma deve estar articulado com o Projeto Educativo da Escola. Essa articulação permite adaptar o currículo nacional ao contexto da turma. É nesta perspectiva, que o PCT assume a forma particular como em cada turma, se apropria um currículo face a situações reais relativas aos alunos que a constituem, tornando possível a diferenciação pedagógica cujas linhas orientadoras são traçadas pelo Conselho de Turma. Com ele pretende-se definir uma linha de actuação comum que comprometa a equipa de professores da turma em tudo o que diga respeito à planificação e execução do ensino, à definição de critérios de actuação e aos modos e instrumentos de avaliação a privilegiar. O projecto curricular de turma deve envolver os contributos dos professores, alunos, encarregados de educação e outros parceiros solicitados pelo Conselho de Turma. É um documento que será objeto de reformulação ao longo do ano.

     

    Deixamos aqui uma proposta de índice do Projeto Curricular de Turma (Fonte: Projeto Curricular de Turma. Documento elaborado pela Escola Secundária Braancamp Freire não publicado).

     

     

    1. CONSTITUIÇÃO DA EQUIPA EDUCATIVA

                           2.  LISTA DE ALUNOS/HORÁRIO DA TURMA

    3.  LISTA DE ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO/CONTACTOS

    4.  CARACTERIZAÇÃO EDUCACIONAL DA TURMA

                                        4.1. ALUNO (Sexo e nível etário)

                                        4.2. AGREGADO FAMILIAR

                                              4.2.1. COABITAÇÃO

                                              4.2.2. HABILITAÇÕES LITERÁRIAS DOS PAIS

                                              4.2.3. SITUAÇÃO PROFISSIONAL DO ENCARREGADO DE EDUCAÇÃO

                                        4.3. SAÚDE

                                        4.4. DESLOCAÇÃO CASA/ESCOLA

                                        4.5. VIDA ESCOLAR (Retenções/Hábitos de estudo)

                                        4.6. MOTIVAÇÕES/INTERESSES/EXPECTATIVAS (Disciplinas preferidas/disciplinas com 

                                               mais dificuldades/percurso escolar/ocupação dos tempos livres)

                                        4.7. SITUAÇÕES/PROBLEMAS A DESTACAR (Alunos com necessidades educativas/alunos 

                                               estrangeiros/alunos que beneficiam da ASE/outros...)

                                        4.8. DIAGNÓSTICO DA TURMA

    ·       Assiduidade/Pontualidade

    ·       Comportamento

    ·       Valores e Atitudes

    ·       Planos de Acompanhamento/Recuperação/Desenvolvimento

    ·       Dificuldades de Aprendizagem

    ·       Aprendizagens não efectivadas

    ·       Dificuldades de integração (no País, na Escola, na Turma,...)

     

    5.     ACTIVIDADES A DESENVOLVER

                 5.1. PRIORIDADES E DE ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS

                 5.2. COMPETÊNCIAS GERAIS A DESENVOLVER NOS ALUNOS

                 5.3. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO A PRIVILEGIAR

                 5.4. ARTICULAÇÃO ENTRE DISCIPLINAS/ÁREAS CURRICULARES

                 5.5. DIVERSIFICAÇÃO EDUCATIVA

                        5.5.1. ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO/COMPLEMENTO EDUCATIVO

                        5.5.2. ACTIVIDADES DE APOIO/REMEDIAÇÃO

                        5.5.3. MEDIDAS EDUCATIVAS ESPECIAIS

     

    6.     AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

                 6.1.  1º PERÍODO

                 6.2. 2º PERÍODO

                 6.3. 3º PERÍODO 

     

    7.     ENVOLVIMENTO DOS PAIS / ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO

    8.     AVALIAÇÃO DO PROJECTO

    9.     REFLEXÃO FINAL

     

     

     

     

    Assim, compete ao Conselho de Turma:

    - Analisar a situação da turma e identificar características específicas dos alunos a ter em conta no processo de ensino-aprendizagem;

    - Planificar o desenvolvimento das actividades a realizar com os alunos em contexto de sala de aula;

    - Identificar diferentes ritmos de aprendizagem e necessidades educativas especiais dos alunos, promovendo a articulação com os respectivos serviços especializados de apoio educativo, em ordem à sua recuperação;

    - Assegurar a adequação do currículo às características específicas dos alunos, estabelecendo prioridades, níveis de aprofundamento e sequências adequadas;

    - Adoptar estratégias de diferenciação pedagógica que favoreçam as aprendizagens dos alunos;

    - Conceber e delinear actividades em complemento do currículo proposto;

    - Preparar informação adequada, a disponibilizar aos Encarregados de Educação, relativa ao processo de aprendizagem e avaliação dos alunos.

     

    Ao trabalharem em equipa, deverão os professores da turma centrar-se:

    -  no desenvolvimento das competências gerais;

    -  no estabelecimento de prioridades de actuação;

    -  na selecção de conteúdos e estratégias/ metodologias de aula a privilegiar;

    -  na análise da possível interdisciplinaridade das áreas curriculares disciplinares e não disciplinares;

    -  na articulação de competências ao nível da autonomia, responsabilização e realização de projectos.

     

     

    A avaliação e reformulação do PCT devem ocorrer ao longo do ano, sendo as alterações integradas no mesmo. O PCT pode ser reajustado sempre que considerado necessário mas deve ser objecto de reflexão/ síntese no final de cada período.

    No final do 1º e 2º períodos – proceder à avaliação do PCT visando a introdução de reajustamentos ou alterações à situação de cada aluno;

    No final do 3º período – proceder à avaliação final do PCT com a recolha e inclusão de dados da avaliação para a (re)construção do PCT do ano seguinte.

     

     

     

    Bibliografia básica

     

    Canário, R. (1991) (Org.). Inovação e projeto educativo de escola. Lisboa: Educa

     

    Pacheco, J. (1996). Currículo: Teoria e praxis. Porto: Porto Editora

     

    Leite, C. (2001). Projetos curriculares de escola e de turma. Porto: Edições Asa

     

    Leite, C. (2003). Para uma escola curricularmente inteligente. Porto: Eduções Asa

     

    Projeto Curricular de Turma. Documento elaborado pela Escola Secundária Braancamp Freire não publicado

     

    Roldão, M. C. (2005). Formação e práticas de gestão curricular: Crenças e equívocos. Porto: Edições Asa

     

    Proposta de atividades

    Quem participa na elaboração do Projeto Curricular de Turma?

    -Diga em que consiste o Projeto Curricular de Turma

    -Por que razão é necessário que o Projeto Curricular de Turma esteja articulado com o Projeto Educativo de Escola?

    -O Projeto Curricular de Turma deve ser objeto de reformulação ao longo do ano letivo. Porquê?

     

     Como elaborar testes sumativos?


    Tipos de pergunta (Fonte: Planificação e Avaliação do Ensino e Aprendizagem, Universidade Aberta)

    Resposta curta: É deixado um espaço para a resposta do aluno.

    Exemplo: Quem escreveu os Lusíadas? ...............................

    Vantagens: fácil elaboração; úteis para testar objectivos de nível 1; permitem a testagem de múltiplos objectivos no mesmo teste.

    Desvantagem: Não avaliam objectivos de nível 3, 4, 5 e 6.

    Regras para a construção de itens: uma pergunta directa; deve dar lugar a uma única resposta;  a pergunta deve conter os termos exactos em que a resposta deve ser dada. Em itens de resposta curta, a correcção da prova é facilitada se os espaços para a resposta forem alinhados numa coluna à direita das perguntas; cada item deve ser independente dos restantes.

    Exemplos de itens mal construídos:

    Fernando Pessoa foi um poeta...................

    Numa viagem com grandes................, o norueguês Amudsen conseguiu ............o inglês Scott e chegar primeiro ao Pólo Sul.

    Item verdadeiro ou falso: A pergunta assume a forma de uma frase afirmativa que o aluno vai classificar como verdadeira ou falsa.

    Exemplo: Em 1910, foi instaurada a República (Coloque um V ou um F à frente da pergunta)

    Vantagens:  perguntas de fácil elaboração; facilmente os alunos as compreendem.

    Desvantagens: Não avaliam objectivos de nível superior; prestam-se a que os alunos respondam à sorte.

    Regras para a construção de itens verdadeiro/falso:

    Cada item deve ter uma única afirmação.

    Evitar palavras ambíguas

    Evitar frases negativas

    As afirmações verdadeiras e falsas devem ter a mesma extensão

    O número de afirmações verdadeiras e falsas deve ser semelhante.

    Associação ou combinação: a pergunta apresenta um conjunto de elementos organizados em duas colunas paralelas, tendo os elementos de uma, relação com os elementos de outra.

    Os elementos da coluna da esquerda são as premissas. Os da coluna da direita são as respostas.

    Exemplos:

    Coluna A....................................................................................Coluna B

    .....O Primo Basílio........................................................................A Fialho de Almeida
    .....A Queda de um Anjo................................................................B Júlio Dinis
    .....As Farpas..............................................................................C Guerra Junqueiro
    .....Os Gatos...............................................................................D Camilo Castelo Branco
                                                                                                    E Oliveira Martins
                                                                                                    F Ramalho Ortigão
                                                                                                    G Eça de Queiroz

    Vantagens

    Fáceis de construir
    Os alunos não podem adivinhar as respostas

    Desvantagem

    Não avalia as categorias de Análise e Síntese

    Escolha Múltipla: Pergunta composta por um tronco e por uma lista de possíveis respostas.

    Exemplos:

    S. Tomé e Príncipe exporta diversos produtos. Qual dos  seguintes exporta em maior quantidade?
    A Café
    B Banana
    C cana de açúcar
    D Cacau

    Na seguinte lista de palavras, todas deviam ter um significado equivalente a resumo.
    Assinale a alternativa falsa.
    A Sumário
    B Somatório
    C Síntese
    D Súmula

    Vantagens
    Fáceis de corrigir

    Desvantagens
    Não avalia as categorias de análise e síntese
    Demora muito tempo a elaborar

    Resposta livre:  a pergunta apresenta uma questão aberta e o aluno é livre de  apresentar as suas ideias sobre o assunto.

    Exemplos:
    Por que razão existe uma relação entre desemprego e pobreza?

    Por que razão se fazem estudos de impacto ambiental antes de construir uma auto-estrada.

    Vantagem
    Fácil de elaborar
    Permite avaliar as categorias de análise e síntese

    Desvantagem
    Difícil de avaliar.
    Subjectividade na avaliação




                                                                                                     

    Algumas definições de curriculum:

    É toda a aprendizagem planificada e dirigida pela escola para atingir os objectivos educacionais. (Tyler)
    É uma sequência de experiências oferecidas nas escolas para crianças e jovens em grupo, a percorrer por caminhos do pensamento e da acção. (Tanner e Tanner)
    É um plano para a aprendizagem. (Taba)
    O currículo é uma série estruturada de resultados de aprendizagem que se têm em vista (Johnson)
    É uma sequência de unidades de conteúdo conducentes à mestria do aluno (Gagné).
    É um plano estruturado de ensino-aprendizagem, englobando a proposta de objectivos, conteúdos e processos (Carrilho Ribeiro).

    Definições de desenvolvimento curricular:

    É um plano de estruturação do meio ambiente para coordenar de maneira ordenada os elementos tempo, espaço, materiais, equipamento e pessoal (Feyereisen)
    Processo dinâmico e contínuo que engloba diferentes fases, desde a justificação do currículo à sua avaliação  e passando pelos momentos de concepção, elaboração e implementação (Carrilho Ribeiro)
    É uma prática, dinâmica e complexa, que se processa em diferentes momentos e fases, de modo a formar um conjunto estruturado  integrando diferentes componentes: justificação teórica, elaboração/planeamento, operacionalização e avaliação (Pacheco).

    Questões fundamentais da Didática?

    Helmar Frank (1967): O quê? Porquê? A quem? Como? Com quem? Entre quem? Com o quê?

    Gaston Mialaret (1976): Quê? Porquê? A quem? Como? Com que resultados?

    César Coll (1986): Quê? Com? Quando? Como avaliar?

    José Oliva (1996): Quê? Porquê? Como? A partir de que condições? Para quê?

    Juan Escudero (1997): Quê? Porquê? Para quê?

    Tipos de estratégias de ensino

    Transmissivas: exposição; conferência; lição magistral; projeções audiovisuais

    Interativas: Diálogo; Debate; Projetos; Centros de Interesse; Estudo de caso; Resolução de Problemas; Jogo de papéis; Simulação.

    Estratégias individuais indutivas: Aprendizagem pela Descoberta; Metodologia Heurística; Ensino Programado; Contrato Didático.

    Ensino centrado nos conteúdos: enfatiza o quê; trabalho individual; em grandes grupos; hierarquia; comunicação vertical; do mais simples para o mais complexo; objetivos de ensino definidos e impostos pelo professor; avaliação centrada em exames e outras provas escritas; ênfase no conhecimento disciplinar; exposições, lições magistrais e prática supervisionada.

    Ensino centrado no aluno: Ênfase no processo; enfatiza o saber como e o saber ser; trabalho de grupo; comunicação horizontal; objetivos de ensino negociados; avaliação com uso de várias técnicas; importância da avaliação formativa; o professor é um mediador e facilitador.
























    Č
    ą
    001.jpg
    (500k)
    Portugal UP Portugal BEST,
    14/12/2009, 03:27
    ą
    002.jpg
    (796k)
    Portugal UP Portugal BEST,
    14/12/2009, 03:27
    ą
    003.jpg
    (612k)
    Portugal UP Portugal BEST,
    14/12/2009, 03:27
    ą
    004.jpg
    (679k)
    Portugal UP Portugal BEST,
    14/12/2009, 03:28
    ą
    005.jpg
    (679k)
    Portugal UP Portugal BEST,
    14/12/2009, 03:28
    Ċ
    Portugal UP Portugal BEST,
    11/12/2009, 06:13
    Ċ
    Portugal UP Portugal BEST,
    11/12/2009, 07:18
    ą
    Portugal UP Portugal BEST,
    04/09/2010, 03:58
    ą
    Portugal UP Portugal BEST,
    04/09/2010, 03:58
    ą
    Portugal UP Portugal BEST,
    04/09/2010, 03:58
    ĉ
    Portugal UP Portugal BEST,
    08/10/2012, 12:16
    ĉ
    Portugal UP Portugal BEST,
    08/10/2012, 12:17
    ĉ
    Portugal UP Portugal BEST,
    12/10/2012, 04:44
    ĉ
    Portugal UP Portugal BEST,
    08/10/2012, 12:16
    ĉ
    Portugal UP Portugal BEST,
    08/10/2012, 12:17
    ĉ
    Portugal UP Portugal BEST,
    10/10/2011, 13:42
    ĉ
    Portugal UP Portugal BEST,
    10/10/2011, 13:20
    ĉ
    Portugal UP Portugal BEST,
    27/01/2010, 04:25
    ĉ
    Portugal UP Portugal BEST,
    27/01/2010, 04:25
    ą
    Portugal UP Portugal BEST,
    11/12/2009, 06:10
    ĉ
    Portugal UP Portugal BEST,
    27/10/2013, 02:39
    ĉ
    Portugal UP Portugal BEST,
    08/10/2012, 23:59
    Ċ
    Portugal UP Portugal BEST,
    11/12/2009, 07:05
    Comments