Contos tradicionais e educação de valores

Os contos tradicionais: seus contributos na educação de valores

Autora: Olímpia Simão. Orientador: Ramiro marques

1 – DEFINIÇÃO DO PROBLEMA E DAS QUESTÕES DE INVESTIGAÇÃO

 

1.1 – Definição do problema

Seguramente, uma das tarefas mais importantes e difíceis na educação da criança, consiste em ajudá-la a encontrar um sentido para a sua vida. As diversas abordagens sobre os contos, para além de favorecerem a comunicação sobre gerações e culturas, fortalecem os laços afectivos e desenvolvem competências. Por outro lado, segundo Leite e Rodrigues (2001), apesar de toda a magia e prazer que os contos fantásticos proporcionam, estes não deixam também de transmitir valores extremamente importantes que influenciam a formação das crianças.

Portanto, contar e ler às crianças este tipo de histórias, pode conduzir para a formação integral das crianças, não só em relação à construção e enriquecimento da língua materna, como também pode contribuir para uma valorização das trocas culturais, para o sentido de cooperação, de inter-ajuda, na medida em que a criança ao ouvir identifica-se com diversas personagens que interagem em contextos diferentes e que têm personalidades e comportamentos também diferentes. Os propósitos finais da educação não se podem, nem devem confinar-se à instrução, defendemos que os educadores podem e devem estar convictos que têm importância no crescimento completo dos seus educandos, de forma a não dar privilégios, unicamente, à transmissão de conhecimentos, e atribuir uma relevância superior à dimensão das atitudes e valores, porque como expõe Simas (1996),

enquanto os conhecimentos podem ser obtidos por informações de outros meios (bibliotecas, museus, meios de comunicação social), a predisposição para procurar, observar, pensar, reflectir e criticar é criada por excelência na escola, formando-se quer os hábitos, quer as atitudes, utensílios indispensáveis ao processo educativo. (p. 3)

O estudo que pretendemos desenvolver será alicerçado nos contos tradicionais maravilhosos, contos de fantasia, considerando-os não apenas como um sustentáculo do nosso património cultural, visto que, conforme diz Patrício (1989), não é exequível “dissociar a educação da cultura, tal como não é possível dissociar a educação na Escola da educação na Comunidade” (p. 11), mas igualmente como detentores de mensagens e ideias indispensáveis para o crescimento proporcionado e equilibrado das crianças.

 

 

1.2 – Questões de investigação

Caleidoscópio da Educação para os Valores:

 

- Os contos tradicionais: seus contributos na educação de valores

 

Oval: Qual o contributo dos contos tradicionais para que o espaço social do Jardim de Infância seja promotor de desenvolvimento pessoal e social da criança? 

 

 

 

 

 


Objectivos

 

Resultado

 

 

·               Revisão da Literatura

 

·               Escolha da amostra

 

·               Metodologia

- Investigação qualitativa

 

·               Instrumento de Pesquisa.

- Entrevista semi-estruturada

 

 

 

Análise de Dados

 

Discussão dos Dados

Conclusões

 

1.2.1 - Pergunta de partida

Na assunção das nossas crenças e destes pressupostos desejamos delinear a seguinte pergunta de partida: Qual o contributo dos Contos Tradicionais para que o espaço social do Jardim de Infância seja promotor de desenvolvimento pessoal e social da criança?

 

1.2.2 - Objectivos da investigação

Os objectivos que nos propomos atingir são os seguintes:

v     Averiguar as funções e os benefícios dos contos tradicionais que contribuem na formação de valores das crianças;

v     Caracterizar como operacionalizam os Educadores de Infância o desenvolvimento dos valores sociais;

v     Saber se os Educadores de Infância estão conscientes dos valores que os contos tradicionais transmitem;

v     Elaborar uma proposta de projecto de formação para Educadores na área da educação para os valores.

O papel desempenhado pelo educador avoca, assim, uma nova relevância na dimensão sócio-educativo. Como salientou Delors (2000), “a contribuição dos professores é fulcral para levar os jovens não só a encarar o futuro com confiança mas a construí-lo por si mesmos de maneira determinada e responsável” (p. 131).

 

1.2.3 - Justificação da relevância do estudo

Temos vindo a constatar que na vida agitada em que vivemos, ao longo da nossa prática pedagógica, parece-nos de grande relevância a criação de um tempo e de um espaço onde, através dos contos tradicionais, com a sua inerente fantasia, se ajude a contribuir para a formação social e pessoal da criança. Neste sentido como defende Patrício (1993),

não há consciência axiológica, nem vida axiológica real e autêntica, sem consciência da sua identidade. Cada homem é um ser único, pessoal e intransmissivelmente confrontado com o problema e a realidade dos valores. Também cada cultura é uma individualidade única, possuidora de uma atitude axiológica pessoal e intransmissível, a qual tem de assumir, defender, desenvolver e promover. (p. 24)

Consideramos ser oportuno reaver a função dos contos tradicionais, como um meio relevante na área da educação para os valores.

Conforme diz Soto (1995), os valores universais são admitidos por todos “Y no se les puede negar su permanencia, nadie duda de la necesidad de: hacer el bien, practicar la justicia, respectar la dignidad de la persona, decir la verdad, defender el derecho a la vida” (p. 542).

Como certifica Traça (1998), o conto “ como a morada, a alimentação, a indumentária, é uma “constante”, é uma palavra (parábola) cujo fio não deve ser cortado ao passar de geração em geração, sob a pena de pôr em perigo a coesão social e a sobrevivência do grupo” (p. 28).

O “bem” e o “mal” são perceptíveis em todos estes contos, histórias, surgindo geralmente em forma de determinadas personagens e suas acções. Os acontecimentos são resumidos, os detalhes desprezados e as personagens delimitadas com nitidez; desta maneira, a criança consegue descobrir com facilidade o significado atribuído a cada uma das palavras que constituem as histórias. Ao “ler”, ao ouvir um conto, a criança começa um processo de reconhecimento com o herói, não porque ele é bom, mas porque estimula a sua predilecção, porque vive acontecimentos com que ela, enquanto criança, se identifica.

Segundo Bettelheim (1991), os contos auxiliam a criança a desvendar a sua identidade e a sua aptidão, aconselhando igualmente que experiências são imprescindíveis para melhor incrementar o seu carácter, “insinuam que uma vida boa, compensadora, está ao alcance de todos, apesar da adversidade, desde que não nos subtraiamos de enfrentar lutas árduas, sem as quais ninguém pode conseguir verdadeira identidade” (p. 34).

Assim, a criança aprende a organizar o seu mundo social e ético, aprendendo igualmente a colocar-se em conexão com os outros e a natureza. Não consiste em formar uma lista de diversos valores e transmiti-los às crianças, muito menos forçá-las a realizar uma sequência de normas, ambiciona-se que, por meio de uma reflexão intensa, a criança aprenda a meditar individualmente. Neste sentido, Praia (1991) aconselha acções/reflexões metodológicas, sintetiza, muito bem este pensamento quando diz que “não se trata de ensinar os alunos como devem comportar-se, mas sim proporcionar-lhes espaços onde possam reflectir sobre como comportar-se” (p. 53).

Nesta linha de pensamento, Moutinho (s.d.) diz que os contos tradicionais são:

histórias simples, cheias de encanto e frescura, onde o povo que somos fixou a sua filosofia de vida, as suas normas de valor, o sentido ético com que aprecia o mundo, os desejos e aspirações ocultos de que alimentou os seus desejos e por inteiro se retrata nos traços ingénuos das personagens a que deu vida. (p. 174)

 

 

2 - BREVE QUADRO TEÓRICO COM REVISÃO DA LITERATURA

 

1ª PARTE – ENQUADRAMENTO CONCEPTUAL

CAPÍTULO 1

VALORES, CAMINHOS DA EDUCAÇÃO, QUE PERSPECTIVAS

1 - NOÇÃO DE VALORES

2 - CARACTERÍSTICAS DOS VALORES

3 - A RELEVÂNCIA DOS VALORES NA FORMAÇÃO INTEGRAL DA PESSOA

4 - EDUCAÇÃO PARA OS VALORES E SEUS MODELOS

5 - NO EXERCÍCIO DA CIDADANIA E OS VALORES FUNDAMENTAIS

 

CAPÍTULO 2

OS CONTOS TRADICIONAIS E A EDUCAÇÃO PARA OS VALORES

1 - OS CONTOS TRADICIONAIS: ORIGEM, TRANSMISSÃO E PERCEPTUALIZAÇÃO

2 - O UNIVERSO MÁGICO DO CONTO TRADICIONAL E SUAS CARACTERÍSTICAS

3 - A RELEVÂNCIA DA FORMAÇÃO NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA

 

3 – A AMOSTRA

       Todos os educadores são do Agrupamento de Santa Iria - Tomar – 17.

        São todos do sexo feminino.

        A idade varia entre os 41 e 50 anos.

        A maioria tem como grau académico licenciatura.

       A maioria tem mais de 20 anos de experiência profissional.

        A situação profissional da maioria é Quadro de Agrupamento.

        Ninguém frequentou Acções de Formação sobre Valores Sociais/Competências Sociais.

 

3.1 - Principais resultados

Funções e Benefícios dos contos

Razões pelas quais os contos tradicionais despertam o interesse das crianças.

Pelo maravilhoso, o imaginário e o tipo de personagens.

Objectivos que os educadores pretendem atingir com a leitura/contar dos contos tradicionais.

Promover valores, o diálogo e enriquecer o vocabulário.

Importância da transmissão de valores.

A formação pessoal e social, a moral e o espírito crítico.

Relação existente entre os contos tradicionais e educar para a cidadania.

Transmissão de valores, estratégia e transportando a sua moral para os dias de hoje.

 

Os valores nos contos

Modo como contribui para a educação para os valores.

As vivências nas diversas actividades, a colaboração familiar e o modelo.

Importância dos Contos Tradicionais na vivência das crianças.

Ajudar a ultrapassar medos, anseios e desejos, os valores.

Assiduidade.

Todos os dias, semanalmente.

Importância da hora do conto.

A iniciação à leitura e à escrita, as crianças gostam, e as rotinas.

Actividades desenvolvidas a partir dos contos.

A dramatização, a representação gráfica e  modelagem.

Metodologias utilizadas pelos educadores para desenvolver um conteúdo.

Conto o conto, exploração do conto.

 

Consciencialização dos valores

Preferências dos Educadores.

Gostam de todos, sobressaindo “O Capuchinho Vermelho”.

Razões das preferências dos Educadores.

Pelas aprendizagens e pelo maravilhoso.

Preferências das crianças na opinião da Educadora.

Gostam especialmente do conto “O Capuchinho Vermelho” mas também gostam de todos.

Razões das preferências das crianças na opinião da Educadora.

O maravilhoso, o suspanse e as personagens.

Valores que os educadores pensam poder transmitir com os contos tradicionais.

Bondade, respeito e honestidade.

Transversalidade dos valores nas diversas culturas.

Para a maioria dos educadores sim.

Razões pelas quais os contos tradicionais são transversais.

A cultura e sua indispensabilidade à vida em sociedade.

Concordância dos valores com a sociedade actual.

A maioria não acredita nessa concordância.

Razões pelas quais os valores estão de acordo com a sociedade actual.

A maioria não está de acordo porque para eles houve uma troca de valores embora, os considerem fundamentais e devam ser preservados.

Importância da reflexão sobre os valores dos contos tradicionais.

O construir um projecto de vida, distinguir o bem do mal e a identificação com determinados valores.

 

 

4 – INSTRUMENTOS DE RECOLHA DE DADOS

 

Neste estudo, ponderando a natureza do seu objecto e os objectivos a alcançar, assume-se uma metodologia de natureza qualitativa que no nosso entender é a que melhor se adequa aos objectivos da nossa investigação. A pesquisa qualitativa possibilita analisar os ângulos subentendidos das práticas educativas de educação para os valores em contexto de supervisão, sendo assim, desejamos no estudo acolher dados que são principalmente de natureza descritiva procurando o entendimento do significado que os participantes imputam às suas experiências.

Para recolher dados socorremo-nos, da entrevista semi-estruturada, porque esta, sendo uma técnica que permite, na opinião de Estrela (1994), “a recolha de dados de opinião que permitem não só fornecer pistas para a caracterização do processo em estudo, como também conhecer sob alguns aspectos, os intervenientes do processo” (p. 342). No princípio do estudo, iremos proceder à análise do conteúdo das entrevistas, que darão origem a um resumo, no qual serão igualmente transcritos e analisados os resultados destes e dos documentos agrupados na pesquisa bibliográfica, com o objectivo de caracterizar e identificar o impacto/influência dos contos tradicionais nas práticas educativas dos Educadores de Infância. Pretende-se perceber de que modo os contos tradicionais são o veículo de transmissão de valores numa educação promotora do desenvolvimento pessoal e social da criança.

Desta forma, deseja-se com este estudo poder analisar nitidamente a informação obtida e poder assegurar que os contos tradicionais captam a atenção das crianças, contêm recados, mensagens essenciais e são um magnífico veículo de impulsionar uma educação para os valores.

No que diz respeito ao último objectivo deste estudo elaborar uma proposta de formação para os educadores nesta área.

Salientamos a importância da formação como contributo para o desempenho do educador enquanto profissional, tal como Ramos e Nunes (in Sousa e Fino, 2007), para quem ela “deve fazer-se em função das tarefas e do trabalho que tem de realizar e as suas competências profissionais devem ser vistas em função dos fins e objectivos do ensino” (p. 246).

 

CRONOGRAMA

 

PONTOS CRÍTICOS

 

 

 

 

 

 

ê

 

 

 

 

 

 

- Dificuldades em assumir possíveis mudanças metodológicas.

- Falta de informação sobre o papel dos contos tradicionais no desenvolvimento da criança em idade Pré-Escolar.

- Realização ocasional da hora do conto.

- Metodologia utilizada muito centrada no educador e no manual.

- Crianças passivas na sala de aula.

- Dificuldades de aprendizagem.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PROCESSO EDUCACIONAL

 

 

ç

è

- Desenvolvimento de competências sociais.

 

 

 

 

 

 

INTERACÇÃO

è

JARDIM DE

INFÂNCIA

- Desenvolvimento da oralidade.

 

ê

 

 

 

 

 

OBJECTIVO GERAL

 DE INTERVENÇÃO

 

 

 

 

- Desenvolvimento da expressão dramática.

 

ê

 

 

 

 

 

 

 

Utilizar o potencial educativo e cultural adquirido pela criança no jardim de infância, fomentando a inserção da criança em diferentes grupos sociais, no respeito pela pluralidade das culturas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sistema de comunicação adequado

 

AS BRINCADEIRAS QUE CONTAM UM CONTO

 

 

 

 

Trocas

Experiências

Tradições

Valores

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

5 – PRINCIPAIS CONCLUSÕES

 

Visamos a educação para os valores num sentido amplo, tendo em conta essencialmente uma orientação moral e ética do indivíduo como contribuição para a cidadania activa e consciente. Ambicionamos que a criança de hoje e futuramente cidadão de direito consiga nortear-se por valores em alusão a si próprio e aos outros, tais como a responsabilidade, o respeito, a honestidade, o diálogo, e a solidariedade entre os outros.

Consideramos que os contos tradicionais podem edificar um valiosíssimo meio auxiliar na educação para os valores das crianças, já que nestas curtas e maravilhosas histórias sucedem-se figuras cujas actividades possibilitam vislumbrar valores universais, os quais permitem ser marcados pelas crianças através do método de reconhecimento que com elas fazem.

Permitimos, nesse caso, que as crianças se divirtam, riam, sonhem, viagem por lugares jamais observados ou imaginados, assistam a momentos de enorme comoção e tensão, enlacem duelos com monstros e feiticeiras e vençam, vencendo igualmente os que lhe facultaram a vivência destes triunfos, os que colaboraram para que o seu crescimento fosse equilibrado, os que de um modo elementar, contudo penetrante lhes desvendaram a indispensabilidade e o contentamento de nos orientarmos por certos valores, os quais engrandecem a nossa vida e a dos outros que connosco partilham tais vivências.

Os desafios da educação levam o educador a focalizar um caminho de permanente busca de aperfeiçoamento e informação/formação que lhe permita responder às questões prementes e específicas em educação, de modo a contribuir para uma escola que seja, ao mesmo tempo, eficaz e gratificante.

Os contos, as histórias são potencializadores de valores cívicos, e desenvolvem não só a imaginação da criança através da linguagem simbólica, como também transmitem valores morais nas suas mensagens, os valores contidos nos contos são revelados de um modo personificado pela simbologia mágica transmitida pelas palavras e pela descrição dos acontecimentos existentes nas histórias.

É cada vez mais importante que as crianças se consciencializem da igualdade para todos, realçando o ser mais enquanto pessoa, sendo mais solidário, o mais responsável, o mais justo, o mais verdadeiro para uma felicidade harmoniosa entre os homens.

O Jardim de Infância surge como um lugar, um espaço, destacado na formação da criança, pois é nesse espaço que as crianças passam a maior parte do seu tempo e onde existe uma grande diversidade cultural.

Concordamos com Carvalho (1989) quando diz que:

Se a educação é uma perspectiva na trajectória do futuro, e se a criança tem toda a sua receptividade dentro do presente, o que temos de fazer é enriquecer esse presente, para o qual ela está toda inteiramente voltada, a fim de que possamos abastecê-la de reservas morais, espirituais e intelectuais. (p. 302)

No entanto, é importante como refere a autora “formar o seu espírito, educando a sua sensibilidade e plasmando, ao mesmo tempo, o seu entendimento e o seu carácter” (p. 302).

Compete ao Jardim de Infância uma visão atenta e crítica da realidade social que desponta diariamente, com diferentes questões e potencialidades. É também incumbência sua reflectir os valores em que se alicerça como organização e gestão, os valores existentes no acção educativa e na forma como ambiciona que eles encontrem sentido na vida das crianças. É igualmente incumbência do Jardim de Infância zelar pelo ambiente humano e moral, propiciar a interacção com o meio e com as diferentes instâncias educativas e sociais.

Por tudo isto, partilhamos da ideia de Marques (2008), “o papel dos pais na educação do carácter dos filhos não pode ser negligenciado” (p. 80). Isto porque segundo o autor “Há muita coisa que podem fazer e há muita coisa que devem evitar” (p. 80). No entender deste o “que devem fazer é serem ouvintes atentos (…) dar a palavra aos filhos num processo de comunicação nos dois sentidos (…) ser uma fonte de inspiração para os filhos” (p. 80).

É relevante que o educador promova conjunturas que possibilitem à criança pensar e reflectir acerca do seu ideal de vida, bem como originar vivências significativas.

A educação para os valores, compreendida como um plano modelar de existência, expande, na criança, a competência para escolher, para determinar as opções, enaltecê-las reflexiva e criticamente, escolher a que se adapta mais ao seu intrínseco plano de vida.

Actualmente quer-se um Jardim de Infância aberto a novos contextos, aberto ao meio e ao mundo que o rodeia, um espaço para a partilha de vivências, para a comunicação, para um desenvolvimento que considere as competências destas crianças que despertam para a vida.

Em relação à pergunta de partida, podemos concluir que os contos tradicionais são um contributo para que o espaço social do Jardim de Infância promova o desenvolvimento pessoal e social da criança. Para tal, é essencial que se verifique uma articulação entre teoria/prática e que as crianças possuam um papel predominante na edificação do seu conhecimento. É no meio do grupo que estas crianças aprendem a respeitar regras, a respeitar os outros, aprendem a expressar a sua opinião, a aceitar as do outro e a saber reflectir, fazer escolhas, crescendo quer ao nível pessoal quer social. O educador deve encontrar-se atento ao género de actividades que sugere ao seu grupo de crianças, emergindo a leitura/contar e a exploração dos contos tradicionais como uma das estratégia a considerar, abrangendo assim não só os objectivos da linguagem-consciência fonológica, mas igualmente aqueles que possibilitam formar na totalidade as suas crianças.

Na sociedade democrática, educar para os valores representa descobrir lugares de meditação individual e de grupo, para que o indivíduo consiga arquitectar, de um modo ajuizado, os princípios de valor, princípios que lhe fornecerão uma sustentação para encarar a realidade. Educar para os valores baseia-se, contudo, em desenvolver conjunturas essenciais para que cada indivíduo desvende e produza a escolha livre entre aqueles modelos e aspirações que levam à felicidade. A educação para os valores é um caminho e uma aprendizagem. A educação para os valores compreende a formação de posturas, como a inclusão, a aplicação e a valoração crítica das normas.

 

Não há, não,

Duas folhas iguais em toda a criação

Ou nervura a menos, ou células a mais,

Não há, de certeza, duas folhas iguais.

- António Gedeão

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

BIBLIOGRAFIA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A

 

Aguilar, L. (2001). Expressão e Educação Dramática. Guia pedagógica para o 1º ciclo do Ensino Básico. Lisboa: Ministério da Educação, I.S.B.N.

Alarcão, I. (1991). Supervisão e formação de professores, Aveiro. CIDInE 1

Alarcão, I. (1995). Princípios de formação dos educadores reflexivos. Cadernos de Educação de Infância 35, (pp. 12-15).

Alarcão, I. (Ed.). (1995). Supervisão de professores e inovação educacional. Aveiro: CIDInE.

Alarcão, I. (2000). Escola Reflexiva e Supervisão: Uma Escola em Desenvolvimento e Aprendizagem. In Alarcão, I (org.) Escola Reflexiva e Supervisão. Porto: Porto Editora.

Alarcão, I. e Roldão, M. C. (2008), Supervisão: um contexto de desenvolvimento profissional dos professores, Mangualde, Edições Pedago.

Alarcão, I. e Sá-Chaves, I. (1994). Supervisão de professores e desenvolvimento humano: uma perspectiva ecológica. In Sá-Chaves I. (Ed.), Formação, conhecimento e supervisão: contributos na áreas da formação de professores e de outros profissionais (pp. 143-159). Aveiro: Universidade de Aveiro.

Alarcão, I. & Tavares, J. (2003). Supervisão da Prática Pedagógica: Uma Perspectiva de Desenvolvimento e Aprendizagem. 2ª Edição. Coimbra: Almedina.

Albuquerque, F. (2000). A Hora do Conto – Reflexões Sobre a Arte de Contar Histórias na Escola. Lisboa: Editorial Teorema.

Almeida, J. & Pinto, J. (1990). A investigação nas Ciências sociais. Lisboa: Editora Presença.

Almodóvar, A. R. (2004) El texto infinito. Ensayos sobre el cuento popular, Madrid: Fundación Germán Sánchez Ruipérez.

Andrade, J. (1992). Os Valores na Formação Pessoal e Social. Lisboa: Texto Editora, (p. 46).

Araújo, M. (1987). Literatura Infantil e o Acto de Ler. Tese de Mestrado não Publicada. Braga: Universidade do Minho.

Araújo, A. F., Baptista, F. P. (2003). Variações sobre o Imaginário. Domínios, teorizações e práticas Hermenêuticas, Lisboa: Instituto Piaget.

Araújo, A. F., Wunenburger, J-J. (2003). Introdução ao Imaginário, in Variações sobre o Imaginário. Domínios, teorizações e práticas Hermenêuticas, Lisboa: Instituto Piaget.

 

B

 

Barbosa, M. (Ed.) (2001). Educação do Cidadão: recontextualização e redefinição. Braga: Edições APPACDM de Braga.

Barbosa, M. (2006). Educação e Cidadania: renovação da pedagogia. Amarante: Editora Labirinto

Bardin, L. (1995). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bastos, G. (1999). Literatura Infantil e Juvenil. Lisboa: Universidade Aberta.

Bell, J. (1997). Como realizar um projecto de investigação. Lisboa: Gradiva.

Beltrão & Nascimento (2000). O Desafio da Cidadania na Escola. Lisboa: Editorial Presença.

Bettelheim, B. (1991). Psicanálise dos Contos de Fadas. (4ª ed.). Lisboa, Bertrand Editora.

Bettelheim, B. (2003). Bons Pais. Lisboa: Bertrand Editora.

Blois, M. & Barros, M. (s.d.). Teatro de fantoches na Escola Dinâmica. Livro Técnico S:A..

Boff, L. (2003). Ética e moral. A busca dos fundamentos. Petrópolis: Vozes

Bogdan, R. & Biklen, S. (1994). Investigação qualitativa em educação. Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora.

Borralho, A. & Espadeiro, R. (2003). A Formação Matemática ao longo da Carreira Profissional do Professor, [on-line], Avaiable: http://www.spce.org.pt/sem/03Borralho.pdf

Braga. T. (1994). Contos Tradicionais do Povo Português. Vol. II. Lisboa: Publicações D. Quixote.

Braga, F. (2001). Formação de Professores e Identidade Profissional. Quarteto Edit, Coimbra.

Bruder, M. (2000). El cuento y los afectos: Buenos Aires: Galerna.

Bruner, J. (1998). O Processo da Educação. Lisboa: Edições 70.

 

 

C

 

Cabanas, J. M. Q. (1988). “Teoria de la Educación: concepción antinómica de la educación”. Madrid: Dykinson.

Cabanas, J. M. Q. (1998). Pedagogia Axiológica. La Educación Ante los Valores. Madrid: Dykinson.

Caeiro, A. (1997) O Guardador de rebanhos, Porto: Civilização.

Calvino, Í. (1999) Sobre o Conto de Fadas, Lisboa: Teorema.

Campos, B. P. (Org.). (1996). Investigação e inovação para a qualidade das escolas. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

Campos, B. P. (2001b). Participação dos Educadores e Professores na Formação Inicial dos Futuros Colegas. INAFOP. (Texto elaborado a partir de uma conferência proferida no IX Encontro da Associação de Profissionais de Educação de Infância. 11 de Abril de 2001. Texto policopiado).

Cardona, M. J. (2006). Educação de Infância Formação e Desenvolvimento Profissional. Porto: Porto Editora

Cardona, M. J. e Marques, R. (2008). Aprender e Ensinar no Jardim de Infância e na Escola. Santarém: Edições Cosmos

Carneiro, R. (2001). Fundamentos da Educação e da aprendizagem, 21 ensaios para o séc. XXI, Vila Nova de Gaia, Fundação Manuel Leão.

Carvalho, B. (1989). A literatura infantil – Visão histórica e crítica. (6ª ed.), São Paulo: Global Universitária.

Cavalcanti, J. (2004) Caminhos da literatura infantil e juvenil. Dinâmicas e vivências pedagógicas, São Paulo: Paulus.

Cerrillo, P., Larrañaga, E., Yubero, S. (2002). Libros, lectores y mediadores. La formación de los hábitos lectores como processo de aprendizaje. Cuenca: Ediciones de la Universidad de Castill-La Mancha.

Coelho, A. (1985). Contos populares portugueses. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

Coelho, N. (1975). O ensino da Literatura. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora.

Coimbra, J. (1990). Desenvolvimento interpessoal e moral in B. Campos (ed.). Psicologia do desenvolvimento e educação de jovens, vol. 2. Lisboa: Universidade Aberta.

Correia, J. (1984). O Estudo da Literatura Tradicional Popular Domínio da Futura Colaboração Luso-Brasileira. Instituto de Cultura Brasileira. Universidade de Lisboa.

Cortesão, L. (1991). Supervisão numa Perspectiva Crítica. In SPCE. Ciências da Educação em Portugal: Situação actual e Perspectivas. Porto: SPCE.

Cortesão, I. (1998). O papel e a formação dos professores, Lisboa. Gradiva.

Cortina, A. (1997). 10 Palavras Chaves em Ética. Coimbra: Editorial Verbo Divino.

Costa, I. & Baganha, F. (1989). Lutar para dar um sentido à vida. Porto: Edições Asa.

Cros, F. (1998). L’innovation en question. Education Permanente, 134 (1) (pp. 7-34).

Cunha, P. (1993). Objectivos, conteúdos e métodos da disciplina de Desenvolvimento Pessoal e Social. Inovação, 6, (pp. 287-308).

Cunha, P. O. (1994). Formação Moral no Ensino. Brotéria, (pp. 59-80, 138).

Cunha, P. (1994b). “Identificação Cultural e Reflexão Crítica – Um Problema de Educação Moral”. Brotéria, (pp. 139, 239 – 251).

Cunha, P. (1996). Ética e Educação. Lisboa: Universidade Católica Portuguesa.

Cunha, T. (1997). Valor Cultura e Direitos Humanos. Communio, 1, (pp. 43 – 51).

 

 

D

 

Daly, P. C. (2007). Un reencuentro transformador: jóvenes universitários y literatura infantil e juvenil, in Actas del V Seminario Internacional de «Lectura y Patrimonio». Literatura infantil: nuevas lecturas, nuevos lectores. Cuenca: Universidad de Castilla- La Mancha.

Day, C. (2001). Desenvolvimento profissional de professores. Os desafios da aprendizagem permanente. Porto: Porto Editora.

Delors, J. (coord.) (1996). Educação um tesouro a descobrir – Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o séc. XXI. Porto, Asa, col. Perspectivas actuais – educação, 7ª edição.

Delors, J. et al. (2000). A educação um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o séc. XXI. (5ª ed.). Porto: Edições Asa.

Delors, J. (2003). Educação: um tesouro a descobrir, Porto: Edições Asa

Dine, M. & Fernandes, M. (1999). Para Uma Leitura Dos Contos Tradicionais Portugueses. Lisboa: Editorial Presença.

Dinis, M. (1993). As Fadas Não Moram na Escola. Porto: Asa.

Dohme, V. (2000). Técnicas de contar Histórias. Um guia para desenvolver as suas habilidades e obter sucesso na apresentação de uma história, São Paulo: Informal.

Duborgel, B. (1992). Imaginário e Pedagogia, Lisboa: Instituto Piaget.

Durand, G. (1989). Estruturas antropológicas do Imaginário, Lisboa: Presença.

Durkheim, E. (1961). Moral Education. London: The Frei Press.

 

E

 

Educação, Sociedade e cidadania (1999). Actas da Conferência Internacional. Lisboa: Gabinete de Assuntos Europeus e Relações Internacionais.

Egan, K. (1994). O Uso da Narrativa Como Técnica de Ensino. Lisboa: Publicações D. Quixote.

Einstein, A. (1954). Ideas and Opinious. New York: Bonanza Books, (p. 60).

Estrela, A. (1994), Teoria e prática da observação de classes. Uma estratégia de formação de professores. Porto: Porto Editora.

 

 

F

 

Fernandes, J. A. (1995b). Educar a Juventude Transformando a Escola. Communio, 6, (pp. 541 – 548).

Fernandes, J. A. (1999). A Escola de Sofia. Projecto Sofia Para Uma Escola Comunidade. Porto: Edições Salesianas.

Freinet, C. (1973). Para Uma Escola do Povo. Lisboa: Editorial Presença.

Ferreira, C (1991). Valores da Educação Justiça nos Tribunais Portugueses. O Professor, nº 15 (3ª série), (pp. 28-33).

Ferreira, P. (s.d.). Educar contando. Pequenas histórias comentadas. Porto: Edições Salesianas.

Ferreira, J. e Estevão, C. (2003). A Construção de uma Escola Cidadã. Braga: Externato Infante D. Henrique. (p. 10-11).

Figueiredo, I. (2001). Educar para a Cidadania. Porto: Edições ASA.

Fino, C. N. (2007). O Futuro da Escola do Passado. In Jesus Maria Sousa & Carlos Nogueira Fino (org.). A Escola Sob Suspeita. Porto: ASA.

Formosinho, J. (1996). Educação Pré-Escolar: a construção social da moralidade. Lisboa: Texto Editora.

Formosinho, J. O. (2002). A Supervisão na Formação de Professores I: da Sala à Escola. Porto: porto Editora.

Freire, P. (1988). Extensão ou comunicação? (9ª ed.). S. Paulo: Editora Paz e Terra.

Freire, P. (1973). Educational for Critical Consciousness. New York, The Continuum Publishing Company.

Freire, P. (1973). Pedagogy of The Oppressed. New York, Seabury Press.

Freire, P. (1997). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Editora Paz e Terra S.A.

Frondizi, R. (1968). Que Son Los Valores? México.

 

 

G

 

Guerra, M. (2003). Uma Seta no Alvo – A avaliação como aprendizagem, Porto: Edições ASA.

Galhoz, M. (1991). A literatura tradicional de expressão oral e o seu valor literário e axiológico. Ler Educação, nº 5. Escola Superior de Educação de Beja, (pp. 31 – 34).

Giolitto, P. (2000). Como Ensinar a Educação Cívica na Escola. Lisboa: Didáctica Editora.

Goês, L. (1991). Introdução à Literatura Infantil e Juvenil. São Paulo: Livraria Pioneira Editora.

Gómez, G. e tal. (1996). Metodología de la investigación cualitativa. Málaga: Ediciones Aljibe.

Gonçalves, J. A. (1996). Formar profesores para o século XXI. Reflectir. Revista da Escola Superior de Educação da Universidade do Algarve (pp. 31-35)

Gonçalves, J. A. & Gonçalves, R. M. (2002). Profissionalidade docente: um percurso realcionalmente construido. In O particular e o global no virar do milenio: cruzar saberes em educação. Actas do V Congresso da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação (p. 595-604).Lisboa: Edições Colibri.

Gonzales, R. R. (1987). Los valores interpersonales en los universitarios asturianos. Salamanca: Universidad Pontificia de Salamanca.

 

 

 

 

 

 

 

H

 

Hamido, G. (2005). Meta-análise do processo de (re)construção colectiva de um projecto curricular de formação de professores. Lisboa: Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Departamento de Educação [Dissertação de Doutoramento não publicada].

Hamido, G.; Luís, H.; Roldão, M. C.; Marques, R. (Org.) (2006) Transversalidade em educação e saúde, Porto: CIDINE/Porto Ed.

Hargreaves, A. (1998a). Os professores em tempo de mudança: O trabalho e a cultura dos professores na idade pós-moderna. Lisboa: Mc Graw-Hill.

Hernando, M. A. (2002). Estratégias para educar em valores. Madrid: CCS.

Hill, M. & Hill, A. (2002). Investigação por questionário. Lisboa: Edições Sílabo.

Homem, M. L. (2002). O jardim de infância e a família: As fronteiras da cooperação. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

Houaiss, A., Salles Villar, M. (2002) Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, Lisboa: Círculo de Leitores.

Huberman, A. M. (1973). Comment s’opèrent les changements en education: Contribution à létude de l’innovation. Paris: UNESCO/BIE.

 

 

I

 

Ibañez & Martin, J. A. (1977). Hacia una Formación Humanistica. Objectivos de la Educación en la Sociedad Científico-Técnica. Barcelona: Herder.

 

 

J

 

Jaeger, W. (1979) PAIDEIA. A Formação do Homem Grego, Lisboa: Aster.

 

 

 

 

K

 

Killpatrick, W. (1992). Why Johnny Can’t Tell Right From Wrong. New York: Simon & Schuster.

 

 

L

 

Lalanda, M. & Abrantes, M. (1996). O conceito de reflexão em J. Dewey. In I. Alarcão (Org), Formação reflexiva de professores Estratégias de supervisão (pp. 41-61). Porto: Porto Editora.

Leite & Rodrigues (2001). Jogos e Contos Numa Educação Para a Cidadania. Lisboa: IIE

Lei nº 49/05, de 30 de Agosto (Lei de Bases do Sistema Educativo).

Lessar-Hébert, M., Goyette, G. & Boutin, G. (1996). Investigação qualitativa: Fundamentos e práticas. Lisboa: Instituto Piaget.

Lourenço, O. (1992). Psicologia do Desenvolvimento Moral – Teórica, Dados e Implicações. Coimbra: Livraria Almedina.

 

 

M

 

Madeira, H. (1998). A Escola Lugar de Aprendizagem Para a Vida – Uma Reflexão Para o Ensino Dos Valores. O professor, nº 59, III Série, Janeiro – Março, (pp. 3 – 6)

Magalhães & Gomes (1964). A criança e o teatro. Colecção Educativa série 0 nºs. Direcção Geral do Ensino Primário.

Magalhães, J. P. (1997). Um Contributo Para a História da Educação de Infância em Portugal. In Pinto, M. & Sarmento, M. J.. As Crianças com Textos e Identidades. Braga: Universidade do Minho.

Magalhães, Á. (2003). Para crianças e outros Poetas três livros da Assirinho. Malasartes – Cadernos de Literatura para a Infância e a Juventude, 14,18-20.

Marcelo-Garcia, C. (1999). Formação de Professores: Para uma mudança educativa Porto: Porto Editora.

Marmoz, L. (1979a). La «notion» d’innovation. Éducation Tribune Libre, 172, (pp. 31-44)

Marques, R. (1988). A Prática Pedagógica no Jardim de Infância. Lisboa: Biblioteca do Educador, Livros Horizonte.

Marques, R. (1990). Educação cívica e desenvolvimento pessoal e Social, objectivos, conteúdos e métodos. Lisboa: Texto Editora.

Marques, R. (1991a). A Educação Para os Valores Morais no Ensino Básico – O Currículo Implícito e Explícito. Tese de doutoramento não publicada. Aveiro: Universidade de Aveiro.

Marques, R. (1991b). Os Valores Nos Programas e Nos Manuais do 1º Ciclo do Ensino Básico. Acção Educativa, Análise Psico-Social. Leiria ESEL/Apport, (pp. 45 – 55).

Marques, R. (1992). A Educação Sócio-Moral - Uma Análise Curricular do Ensino Básico em Portugal, in J. Formosinho (ed.) Formação Pessoal e Social. Porto: Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação.

Marques, R. (1995). Educação cívica e desenvolvimento pessoal e social-objectivos, conteúdos e métodos. Lisboa: Texto Editora.

Marques, R. (1996). Ensinar a ler, aprender a ler – um guia, para pais e educadores. Lisboa: Texto Editora.

Marques, R. (1997). Educação Social na Escola Básica. Lisboa: Livraria Horizonte, (p. 14)

Marques, R. (1998a). Ensinar Valores: Teorias e Modelos. Porto: Porto Editora.

Marques, R. (1998b). A Arte de Ensinar. Dos Clássicos Modelos Pedagógicos Contemporâneos. Colecção Aula Prática, Lisboa: Plátano Edições Técnicas.

Marques, R. (2000). O Livro das Virtudes de Sempre – Ética Para Professores. Porto: Edições Asa.

Marques, R. (2000b). Breve história da ética ocidental. Plátano: Lisboa.

Marques, R. (2002). Valores Éticos e Cidadania na Escola. Editorial Presença.

Marques, R. (2008). A Cidadania na Escola. Lisboa: Livros Horizonte.

Martins, M. (1995). Ler Sophia – os valores, os modelos e as estratégias discursivas nos contos de Sophia de Mello Breyner Andresen. Porto: porto Editora.

Matos, J. (2004) Educar para a Cidadania Hoje? In Seminário Educação para a Cidadania, Lisboa: CIEFCUL. Recuparado em 2009, Dezembro 06, http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/jfmatos/.

Máximo-Esteves, L. (2008). Visão panorâmica da Investigação-Acção. Porto: porto Editora.

Mendez, J. (1995). “El conocimento axiológico”. Revista Augustina Sobre Los Valores, vol. XXXVI, nº 110, (pp. 361 – 388).

Mendonça, M. (1994). A Educadora de Infância. Traço de União entre a Teoria e a Prática (2ª Edição). Porto: ASA.

Mesquita, A. (2007). Para uma Poética da leitura infantil, in Fernando Azevedo, Joaquim Machado de Araújo, Cláudia Sousa Pereira e Alberto Filipe Araújo (Orgs.), Imaginário, Identidades e Margens. Estudos em torno da Literatura Infanto-Juvenil, Vila Nova de Gaia: Gailivro.

Mésseder, J. P. (2002) Breviário do Sol, Lisboa: Caminho.

Ministério da Educação, (1997). Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar. Lisboa: Editorial do Ministério da Educação – Departamento da Educação Básica.

Ministério da Educação, (1997a). Legislação. Lisboa: Ministério da Educação, Departamento de Educação Básica, Núcleo de Educação Pré-Escolar.

Moreira, M. A. (2004) O papel da Supervisão numa Pedagogia para a Autonomia, in Pedagogia para a autonomia: resistir e agir estrategicamente, (pp. 133-141), Braga, Universidade do Minho.

Morin, E. (1982). Ciência com consciência. Mem Martins: Publicações Europa América.

Morissete, D., Gingras, M. (1994) Como Ensinar Atitudes. Planificar, Intervir, Avaliar, Porto: Asa.

Moutinho, V. (s.d.). Contos populares portugueses. Lisboa: Publicações Europa América.

Musgrave, P. W. (1979). Sociologia da Educação 1º Vol.. Lisboa: Edições Gulbenkian.

 

 

N

 

Nascimento, M. (1992). Le petit poucet – uma leitura. Ler Educação, nº 7, (pp. 57-62).

Neto, A. (1998). Resolução de Problemas de física: conceitos, processos e novas abordagens. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

Niza, S. (1991). “O Diário da Turma e o Conselho”. In Revista Escola Moderna, nº 1 (3ª Série). Lisboa, (pp. 27 – 30).

Nóvoa, A. (1991b). Os professores: Quem são? Donde vêem? Para onde vão? In S. Stoer (Org.), Educação, Ciências Sociais e realidade portuguesa: Uma abordagem pluridisciplinar. Porto: Edições Afrontamento.

Nóvoa, A. (1992). Os professores e a sua formação. Lisboa: Don Quixote.

Nóvoa, A. (1992a). Formação de professores e profissão docente. In. A. Nóvoa (Ed.), Os professores e a sua formação (pp. 15-33). Lisboa: Publicações D. Quixote.

Nóvoa, A. (1995). As Organizações Escolares em Análise. Lisboa: Publicações D. Quixote, I.I.E.

 

 

O

 

Oliveira, E. (1985) in prefácio Coelho, A.. Contos populares portugueses. Lisboa: publicações Dom Quixote.

Oliveira, H. B. (1994). Psicologia da Educação Familiar. Coimbra: Livraria Almedina.

Oliveira-Formosinho, J. e Formosinho, J. (2000). O Apoio ao Desenvolvimento Profissional sustentado no Desenvolvimento Organizacional: a Intervenção da Associação Criança. Infância e Educação: Investigação e Práticas. Revista Gedei, nº 1.

Oliveira-Formosinho, J. (2000a). A profissionalidade especifica da educação de infância e os estilos de interacção adulto/criança. Infância e Educação, 1 (pp. 153-173)

Oliveira-Formosinho, J. (2002a). A supervisão pedagógica da formação inicial de professores no âmbito de uma comunidade prática. Infância e Educação: Investigação e Práticas - Revista do Gedei, nº4. Braga, Livraria Minho.

Oliveira-Formosinho, J. (2002b). Supervisão pedagógica da formação inicial de profesores no âmbito de uma comunidade de prática. Infância e Educação-Investigação e práticas. (pp. 4, 42-68).

Ortiz, C. S. (2007). Leer y cantar… La presencia de la poesia popular en libros escolares, in Actas del V Seminario Internacional de «Lectura y Patrimonio». Literatura Infantil: nuevas lecturas, nuevos lectores, Cuenca: Universidad Castilla-La Mancha.

 

 

P

 

Pacheco, J. (1995). O pensamento e a Acção do Professor. Porto: Porto Editora.

Pacheco, J. & Flores, M. (1999). Formação e Avaliação de Professores, Porto: Porto Editora.

Pascual, A. V. (1988). Clarificación de Valores y Dessarrollo Humano. Estratégias Para la Escuela. Madrid: Ediciones Madrid.

Parafita, A. (2002) Prefácio, in Armindo Mesquita (Coord.) Pedagogias do imaginário. Olhares sobre a literatura infantil, Porto: Asa.

Pardal, L & Martins, A. (2005). “Formação contínua de professores: concepções, processos e dinâmica profissional”, in Psicologia da Educação, nº 20 1º, São Paulo, pp. 103-117.

Patrício, M. (1988a). A inovação no centro da reforma educativa – I. Inovação, 1 (1), (pp. 5-12).

Patrício, M. (1989). “A Socialização e a educação para os valores democráticos e direitos do homem” (Número especial). Inovação, 7 – 12.

Patrício, M. F. (1991). Educação, Valores e Vocações. In Educação Pluridimensional e Escola Cultural. Évora: AEPEC.

Patrício, M. (1993). Lições de Axiologia Educacional. Lisboa: Universidade Aberta.

Patrício, M. F. (Ed) (1997). Formar Professores para a Escola Cultural no Horizonte dos Anos 2000. Colecção Mundo dos Saberes 20. Porto: Porto Editora.

Patrício, M. F. (1997). Lições de Filosofia da Educação. Lisboa: Universidade Aberta.

Pedro, A. (2001). Educação e Valores: Contributo da Filosofia in Actas do I Encontro Nacional de Filosofia da Educação. CEEP: Universidade do Minho.

Pedroso, C. (1985). Contos Populares Portugueses. Lisboa: Veja.

Perrenoud, P. (2002). A Prática Reflexiva no Ofício de Professor – Profissionalização e Razão Pedagógica. Brasil, Porto Alegre: Artmed Editora.

Perroti, I. (1996). O Texto Sedutor na Literatura Infantil. São Paulo, Ícone Editora.

Pinto, Manuel e Sarmento, Manuel (1997). As Crianças: contextos e identidades. Braga: Colecção Infans.

Pires, J., Santo, J. A. e Miguel, N. (1992). Influência dos Métodos Pedagógicos no Desenvolvimento Moral da Criança. Texto não publicado, caderno de Circulação Interna do Movimento da Escola Moderna Portuguesa. Lisboa.

Pires, M. A. G. (1997). Educação … Educadores e Seus Valores. In Patrício, M. F. A Escola Cultural e Seus Valores. Porto: Porto Editora.

Ponte, J. e outros. (2000). Por uma Formação Inicial de Professores de Qualidade, [on-line], Avaiable: http://correio.cc.fc.ul.pt/docentes/jponte/artigos_pt.htm.

Postic, M. (1979). Observação e formação de professores. Coimbra: Livraria Almedina.

Praia, M. (1991). Desenvolvimento pessoal e social. Porto: Edições Asa.

Propp, V. (2003) Morfologia do Conto, Lisboa: Vega.

 

 

Q

 

Quintas, H., Arco, J., Mestre, M. & Gonçalves, M. R. (1997). Identificação de níveis de reflexão em alunos em formação inicial. Actas do I Congresso Nacional de Supervisão, (pp. 124-131).

 

 

R

 

Reboul, O. (2000). Filosofia da Educação. Lisboa: Edições 70.

Reimão, C. (1994). Cultura e Formação Educativa. Brotéria, Nº 4, Vol. (pp. 138, 393 – 406).

Reimão, C. (1994a). Cultura e Formação Educativa. Brotéria, (pp. 138, 396 – 406).

Reimão, C. (1994b). Escola e Família – uma Relação a Desenvolver. Brotéria, (pp. 139, 445 – 459).

Reimão, C. (1995). Identidade, Tradição e Memória: Actas do 1º Colóquio Interdisciplinar da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. Lisboa: Edições Colibri. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, (pp. 308 – 321).

Reimão, C. (1996). A Cultura Enquanto Suporte de Identidade, de Tradição e de Memória. Lisboa: Edições Colibri: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Nº 9, (pp. 309 – 321).

Reimão, C. (1998). Ética e Acção Educativa. Brotéria, Vol. 147, 405 – 416.

Reis, A. & Pissarra, M. (1993). Rumos da Filosofia. Lisboa: Edições Rumo.

Renaud, M. (1994). Os Valores Num Mundo em Mutação. Brotéria, (pp. 139, 229 – 322).

Rocher, G. (1997). Sociologia Geral (1º vol.). Editorial Presença.

Rodari, G (2004). Gramática da Fantasia. Lisboa: Caminho.

Rodríguez, J. A. (2002c). Valores, Modelo Educativo Y Educación Integral en la Formación del Profesorado. Granada: Método.

Roldão, M. (s/d). “Professores para quê? Para uma reconceptualização da formação de profissionais de ensino”.

Roldão, M. (2002a). A universitarização da formação de educadores de infancia e profesores do 1º Ciclo: uma leitura de significados. Infância e edcuação, 4. (pp. 36-41)

Rosa, J. C. (1993). Será Possível Uma Educação Neutra? In Communio, Nº 1, X Série, (pp. 1 – 11).

Ruiz, P. & Vallejos, R. (2001). Los Valores en la Educción. Barcelona: Ariel Educación.

 

 

S

 

Sacristán, J. (1991). “Consciência e Acção sobre a Prática como libertação profissional dos professores”, In Nóvoa, A. (org.), Profissão professor, 2ª edição, Porto: Porto Editora.

Santos, F. (1982). Entrevistar: A teoria e a prática. Lisboa: Plátano Editora.

Santos, M. (1986). “Como as Crianças Contam as Histórias Que Lhes Contamos”. Alter Ego, (pp. 1, 77 – 91).

Santos, M. J. (2002). Todas as Imagens. Coimbra: Quarteto.

Santos, B. (2003). Um discurso sobre as ciências. Porto: Edições Afrontamento.

Santos, M. E. (2005) Que cidadania? Tomo I e II, (1ª ed.). Lisboa: Edição Santos-Edu.

Sarmento, M. J., Pinto, M. (1997). As crianças: contexto e Identidades, Braga: Universidade do Minho – Instituto de Estudos da Criança.

Sarmento, M. J. (2003c). Imaginário e Culturas da Infância. Cadernos de Educação (Revista da Faculdade de Educação da Universidade de Pelota, RS, Brasil) ano 12, nº 21: 51-69.

Sarmento, M. J. (2004). “As Culturas da infância nas encruzilhadas da 2ª modernidade, in M. J. Sarmento, e A. B. Cerisara, (Coord.), Crianças e Miúdos. Perspectivas sociopedagógicas sobre infância e educação. Porto: Asa (9-34).

Savater, F. (2004). A coragem de escolher. Lisboa: D. Quixote.

Sequeira, J. (1997). Desenvolvimento pessoal. Lisboa: Monitor.

Sérgio, A., “Educação Cívica”, in Patrício, M. F., (1997) Lições de Filosofia da Educação. Lisboa: Universidade Aberta.

Serrano, G. P. (1997). Educação em valores: como educar para a democracia. São Paulo: Artmed Editores.

Silva, A. (2002). Textos pedagógicos I. Camarate: Círculo de Leitores.

Silva, D. (1995). Um contributo da Língua Portuguesa para a formação pessoal e social. Tese de Mestrado não publicada. Lisboa: Universidade Católica Portuguesa, Departamento de Ciências Humanas.

Simas, A. (1996). Formação para a cidadania no ensino da história – Concepções e práticas de professores História do 3º ciclo do ensino básico. Tese de Mestrado não publicada. Universidade Católica Portuguesa, Departamento de Ciências Humanas, Lisboa.

Sisto, C. (2005). Textos e pretextos sobre a arte de contar histórias. Curitiba: Positivo.

Soto, M. (1995). “Influenciade los valoeres femininos en la sociedad y en la iglesia”. Revista Augustita sobre los valores, Vol. XXXVI, nº 110.

Sousa, A. (2001). Educação em Valores na Pré-escolaridade e no 1º Ciclo do Ensino Básico. Lisboa, ESE João de Deus

Sousa, A. (2001). Educação Moral Através da Expressão Dramática. Na Pré-escolaridade e no 1º Ciclo do Ensino Básico. Lisboa, ESE João de Deus, (p. 39).

Sousa, A. (2005). Investigação em educação. Lisboa: Livros Horizonte.

Sousa, J. M. (2000). “O Professor como Pessoa” Porto: Asa Editores.

Sousa, J. M. (2007). Que currículo para a pós-modernidade? In Actas do VIII Congresso da SPCE, “Cenários da educação/formação: Novos espaços, culturas e saberes". Castelo Branco: SPCE.

Sousa, J. M. (2007). A inadequação da escola num cenário de transição paradigmática. In J. M. Sousa & C. N. Fino (Org.). A escola sob suspeita. (pp. 15-29). Porto: Edições ASA.

Sousa, J. M. (2008).Que espaço para o professor na definição de políticas educativas e curriculares? In J. M. Sousa (Org.). Educação para o sucesso: Políticas e actores. (pp. 220-227). Porto: LivPsic.

Sousa, J. M. & Fino, C. N. (Orgs.). (2007). A escola sob suspeita. Porto: ASA Editores.

Sousa, J. M. & Fino, C. N. (2007). "Inovação e incorporação de novos saberes: o desenho curricular de um mestrado em Inovação Pedagógica", in Actas do VIII Congresso da SPCE, “Cenários da educação/formação: Novos espaços, culturas e saberes".

Sousa, J. M. & Fino, C. N. (2007). Education System in Portugal. In Wolfgang Hörner (Ed.) School Systems in Europe. Dordrecht: Mitter, Doebert, Hoerner and von Kopp, pp 607-625.

Sousa, M. E. (2000). Quantos Contos Conto Eu? Malasartes – Cadernos de Leitura para a infância e a Juventude, (p. 3, 21-22).

 

 

T

 

Tavares J. (1999). Conhecimento científico, pedagógico e gestao curricular: Pressupostos para uma verdadeira ciência educacional. In R. Marques e M. C. Roldão (Org.), Reorganização e gestão curricular no ensino básico. Reflexão participada. Porto: Porto editora.

Traça, M. E. (1998). O Fio da Memória – Do Conto Popular ao Conto para Crianças. (2ª ed.). Porto: Porto Editora.

Torrance, E. P. (1988). The nature of creativity as manifest in its testing. In R. J.Sternberg (Ed.), The nature of creativity. Cambridge: University Press.

 

 

V

 

Vandenplas-Holper, C (1983). Educação e desenvolvimento social da criança. Coimbra: Livraria Almedina.

Vasconcelos T. (1997). Ao redor da mesa grande. A prática educativa de Ana. Porto : Porto Edditora.

Vasconcelos, T. (2000). Das Orientações Curriculares á Prática Pessoal: O educador como gestor do currículo. Cadernaos de Educação de Infância, (pp. 55, 37 – 45).

Vasconcelos, T. (2000). Educação de infância em Portugal. Perspectivas de desenvolvimento num quadro de posmodernidade. Revista Ibero-Americana de Educação (p. 22). Retirado em Janeiro 25, 2009 de http://www.campus/oei.org/revista/rie22a05.htm.

Velosos, R. M. (2002). “Curtir” Literatura no Jardim de Infância. In F. L. Viana, M. Martins, M. & E. Coquet (Coord.). Leitura, Literatura Infantil e Ilustração Investigação e Prática Docente. Centro de Estudos da Criança – Universidade do Minho. Braga: Bezerra Editora.

Venegas J. (1995). “Filosofia de Los Valores su Sentir”. Revista Augustita Sobre Los Valores, Vol. XXXVI, nº 110, (pp. 445 – 482).

 

Z

 

Zeichner, K. (1993). A formação reflexiva de profesores: Ideias e práticas
ĉ
Portugal UP Portugal BEST,
07/02/2011, 14:14
Comments