Lista de exercícios de filosofia

Professor Paulo Machado – Filosofia.

 

Questão 1)  “Age de tal modo que a máxima de tua ação possa sempre valer como princípio universal de conduta” Imperativo categórico. (Immanuel Kant, filósofo alemão do século XVIII).

Esta frase de Kant traduz os princípios fundamentais da ética kantiana e significa que:

Assinale a(as) alternativa(s) CORRETA(s):

a) devemos agir sempre pensando em nós mesmos, sem nos importar com os outros.

b) devemos sempre agir pensando nos outros, sem nos importar com nós mesmos.

c) nossa ação deve sempre estar fundamentada em nossos desejos, exclusivamente.

d) nossa ação deve ser racionalmente decidida, de forma que possa valer para todos e não apenas para nós mesmos.

e) nossa ação deve ser decidida instintivamente, de forma tal que valha tanto para nós mesmos como também para todos os outros.

 

Questão 2) As experiências e erros do cientista consistem de hipóteses. Ele as formula em palavras, e muitas vezes por escrito. Pode então tentar encontrar brechas em qualquer uma dessas hipóteses, criticando-a experimentalmente, ajudado por seus colegas cientistas, que ficarão deleitados se puderem encontrar uma brecha nela. Se a hipótese não suportar essas críticas e esses testes pelo menos tão bem quanto suas concorrentes, será eliminada”. (POPPER, Karl. Conhecimento objetivo. Trad. de Milton Amado. São Paulo: Edusp & Itatiaia, 1975. p. 226.).

Com base no texto e nos conhecimento sobre ciência e método científico, é CORRETO afirmar:

a) o método cientifico implica a possibilidade constante de refutações teóricas por meio de experimentos cruciais.

b) a crítica no meio científico significa o fracasso do cientista que formulou hipóteses incorretas.

c) o conflito de hipóteses científicas deve ser resolvido por quem as formulou, sem ajuda de outros cientistas.

d) o método crítico consiste em impedir que as hipóteses científicas tenham brechas.

e) a atitude crítica é um empecilho para o progresso científico.

 

Questão 3) Considerando-se conhecimentos de lógica e de história da filosofia, analise os itens seguintes.

(i) Todos os médicos são mortais.

(ii) Platão, autor da República, é mortal.

(iii) Platão é um médico.

É CORRETO afirmar que o item (iii), no contexto acima, é:

a) uma proposição falsa.

b) um argumento silogístico.

c) um argumento válido.

d) uma proposição inválida.

e) um sofisma.

 

Questão 4)  Suponha que um jornalista econômico tenha escrito o seguinte comentário: “O ministro afirma que a economia vai bem, apesar da crise política. Mas ele não é um economista e, além do mais, tem interesse em apresentar uma imagem positiva do país aos investidores. Logo, não é verdade que a economia vai bem”.

Julgue os itens abaixo, relativos ao raciocínio apresentado pelo jornalista.

I É um exemplo de generalização apressada.

II É um argumento inválido.

III É uma falácia, não um argumento.

IV É um argumento ad hominem.

V É um exemplo de apelo à autoridade.

Estão CERTOS apenas os itens:

a) I e III.

b) II e IV.

c) II e V.

d) III e IV.

e) IV e V.

 

Questão 5)  Considere a seguinte frase: Se todo homem é mortal e Sócrates é homem, então Sócrates é mortal. Essa frase é:

I um argumento com premissas e conclusão verdadeiras.

II uma proposição com antecedente e consequente.

III um argumento condicional verdadeiro.

IV uma proposição condicional verdadeira.

V um argumento categórico verdadeiro.

Estão CERTOS apenas os itens:

a) I e III.

b) I e IV.

c) II e IV.

d) II e V.

e) III e V.


 

Questão 6)   O existencialista não tem pejo em declarar que o homem é angústia. Significa isso: o homem ligado por um compromisso e que se dá conta de que não é apenas aquele que escolhe ser, mas de que é também um legislador pronto a escolher, ao mesmo tempo que a si mesmo, a humanidade inteira, não poderia escapar do sentimento da sua total e profunda responsabilidade”. (Jean-Paul Sartre. O existencialismo é um humanismo. Coleção Os Pensadores.)

Tendo como referência esse texto, analise as asserções seguintes.

 

Para Sartre, dando-se conta de que suas escolhas repercutem além de si mesmo, envolvendo a humanidade inteira, o homem sente angústia,

porque

tem diante de si um compromisso que vai além de sua capacidade, pois nem mesmo suas escolhas individuais são livres, já que as contingências da vida determinam sua existência e sua essência.

 

Com base nas afirmativas acima, assinale a opção CORRETA.

a) As duas asserções são proposições verdadeiras, e a segunda é uma justificativa correta da primeira.

b) As duas asserções são proposições verdadeiras, mas a segunda não é uma justificativa correta da primeira.

c) A primeira asserção é uma proposição verdadeira, e a segunda é uma proposição falsa.

d) A primeira asserção é uma preposição falsa, e a segunda é uma proposição verdadeira.

e) Tanto a primeira como a segunda asserções são proposições falsas.

 

Questão 7)  Considere o seguinte argumento:

A esmeralda E1 é verde.

A esmeralda E2 é verde.

                .

                .

                .

A esmeralda En é verde.

Logo, a esmeralda En+1 é verde.

 

Esse argumento é:

I uma dedução, cujas premissas têm como conseqüência uma conclusão verdadeira.

II uma abdução, cuja conclusão explica aquilo que está enunciado nas premissas.

III uma indução, cujas premissas podem ser verdadeiras e a conclusão pode ser falsa.

IV um argumento cuja conclusão sempre preserva a suposta verdade das premissas.

V um argumento cuja conclusão não preserva a suposta verdade das premissas.

 

Estão CERTOS apenas os itens

a) I e III.

b) I e IV.

c) II e V.

d) II e IV.

e) III e V.

 

Questão 8)  Pois, para que eu seja livre, não é necessário que eu seja indiferente na escolha de um ou de outro dos dois contrários; mas, antes, quanto mais eu pender para um, seja porque eu conheça evidentemente que o bom e o verdadeiro aí se encontrem, seja porque Deus disponha assim o interior do meu pensamento, tanto mais livremente o escolherei e o abraçarei, [...] pois, se eu conhecesse sempre claramente o que é verdadeiro e o que é bom,

nunca estaria em dificuldade para deliberar que juízo ou que escolha deveria fazer; e assim seria inteiramente livre sem

nunca ser indiferente. (Descartes. Meditações. Coleção Os Pensadores.)

A partir desse texto, analise as asserções a seguir.

 

A criatura humana pode errar ao fazer determinadas escolhas

porque

sua vontade livre se estende às coisas que não entende.

 

Acerca das asserções acima, assinale a opção CORRETA.

a) As duas asserções são proposições verdadeiras, e a segunda é uma justificativa correta da primeira.

b) As duas asserções são proposições verdadeiras, mas a segunda não é uma justificativa correta da primeira.

c) A primeira asserção é uma proposição verdadeira, e a segunda é uma proposição falsa.

d) A primeira asserção é uma proposição falsa, e a segunda é verdadeira.

e) As duas asserções são proposições falsas.

 

 

 

Questão 09)  Leia o seguinte trecho de um diálogo: (...)

Kobir: Porque, embora haja poucos motivos, se é que há algum, para supor que Deus existe, há algumas boas provas de que deve haver formas de vida extraterrestres.

Bob: Que provas? Não descobrimos vida em outros planetas.

Kobir: É verdade. Mas sabemos que a vida evoluiu aqui neste planeta, não sabemos? E também sabemos que há milhões de outros planetas no universo, muitos dos quais são bem semelhantes ao nosso. Nesse caso, não parece improvável que a vida deva ter evoluído pelo menos em um desses outros planetas também. Existem, portanto, boas provas para a existência de vida por lá. Só não temos provas conclusivas. Por outro lado, parece-me que há poucas provas, se é que há alguma, que sugiram que Deus existe (Arquivos filosóficos, de Stephen Law).

Assinale a alternativa INCORRETA.

a) Kobir propõe um argumento de tipo indutivo para a existência de vida em outros planetas no universo.

b) O argumento de Kobir pode admitir contra-exemplo.

c) Kobir refuta a afirmação da existência de Deus.

d) Kobir admite que uma boa prova não precisa ser dedutivamente válida.

e) Kobir não afirma que, se não existem provas para a existência de Deus, então Deus não existe.

 

 

Questão 10)  O helenismo é um período da história da filosofia que se caracteriza pela:

 
a) exclusividade que dá à dimensão prática da filosofia, em contraposição à dimensão investigativa das filosofias platônica e aristotélica.
b) importância que confere à lógica, à ética e à estética, como investigações necessárias para se alcançar a satisfação individual ou felicidade.

c) centralidade que atribui à ética, em meio a significativas teorizações sobre a natureza, em um momento de crescente desagregação da pólis grega.

d) valorização do indivíduo e sua ação, em detrimento da investigação lógica, fundamental em uma perspectiva como a de Aristóteles.
e) predominância de sistemas metafísicos voltados para a busca do bem comum, em oposição às perspectivas epistemológicas de Platão e Aristóteles.

 


Questão 11)  Na literatura sobre ensino de filosofia, a idéia de "pensamento crítico" envolve, necessária e recorrentemente:


a) a denúncia da semiformação promovida pela sociedade do espetáculo.

b) a  discussão sobre a própria presença da disciplina na escola.

c) amplo conhecimento da história da filosofia e dos problemas filosóficos.

d) relação com as experiências, demandas e interesses dos estudantes.

e) elaboração conceitual, procedimentos argumentativos e problematização.

 

 

Questão 12)  

Para Kant, a proposição de que toda mudança tem que ter uma causa é:
a) um juízo sintético e a priori.
b) um juízo analítico, puro e a priori.
c) uma regra e não propriamente um juízo.
d) uma proposição analítica, mas a posteriori.
e) uma antinomia da razão pura.

Gabarito:

01 D

02 A

03 A

04 B

05 C

06 C

07 E

08 A

09 C

10 C

11 E

12 A

ć
Paulo Machado,
16 de mar de 2010 13:50
Comments