Home‎ > ‎

Alimentos que Curam

 _________________________________________________

Tags: sementes  oleaginosas  abóbora  vermífugo 

sardinha, repolho, folha de beterraba, açaí, goiaba, cereja fresca,

chocolate meio-amargo, frutas oleaginosas, canela

 ________________________________________________________________

 

A semente de Abóbora

 

A abóbora é uma planta da família das Cucurbitáceas, de caule rasteiro ou trepador. Algumas variedades são oriundas do Oriente Médio e Américas, mas atualmente é cultivada no mundo inteiro. Planta própria de climas quentes, requer temperaturas entre 20 a 27ºC para seu cultivo e produtividade. É sensível ao frio abaixo de 10ºC e geadas.

 

Várias espécies do gênero Cucurbita são conhecidas como abóboras. A Cucurbita maxima (abóbora-moranga ou jerimum) é originária do Peru e chegou à Europa depois da conquista espanhola em 1532. A Moranga exportação (fruto com casca alaranjada e polpa amarela) e a Moranga Coroa IAC (fruto com casca cinzenta e polpa amarela) são variedades bastante comerciais.

 

Também conhecidas como abóboras são a Cucurbita moschata, que pode ter-se originado no México, mas presente há 5.000 anos nas Américas do Sul e Norte, e a Cucurbita pepo que é mexicana de origem, e cresce na América do Norte meridional há mais de 8.000 anos, chamada de abóbora-porqueira ou abobrinha verde. 

 

O uso de sementes de abóbora na medicina chinesa data do século XVII, com relatos no combate de parasitas intestinais. As sementes são retiradas dos frutos completamente maduros e postas para secar rapidamente ao sol. Contém de 44 a 50% de fração oleosa (rica em ácidos graxos mono e poliinsaturados), elevado teor de fibras (23-27%) em relação às demais sementes, albuminas (proteínas – 37-40%), a cucurbitacina (um glicosídeo resinoso), sais minerais, especialmente zinco, magnésio e potássio, vitaminas do complexo B, sais do ácido fólico (folatos) e outras substâncias ainda desconhecidas.

 

A riqueza em cucurbitacina, substância que lhe dá a classificação botânica, confere à semente de abóbora reconhecida propriedade antiinflamatória, principalmente nas doenças da próstata e do sistema urinário. Cozida em água é uma boa indicação para o tratamento da bronquite. Além de ser um ótimo vermífugo para adultos e crianças.

 

O psicólogo Jonny Bowden (Doutorado em nutrição pela Universidade Clayton/EUA pela Saúde Natural), que se dedica à pesquisa dos alimentos há duas décadas, fez em 2008 uma lista dos 10 alimentos para os quais damos pouca atenção, mas que deveriam fazer parte da alimentação diária (*). O oitavo da lista são as frutas oleaginosas e o décimo da lista, reforçando, é a semente de abóbora, por ser uma boa fonte de magnésio, que segundo estudos franceses, homens com altas taxas de magnésio no sangue têm 40% menos chances de sofrer uma morte prematura do que aqueles com baixos índices.

 

Com tais características, a abóbora e sua semente são alimentos de interesse nutricional para crianças, adolescentes, gestantes, pessoas em convalescença e todos que desejam melhor desempenho de memória e inteligência.

 

As sementes são mais terapêuticas se consumidas frescas e cruas, com ou sem casca. Melhor ainda se deixadas de molho durante a noite e batidas num suco ou vitamina pela manhã. A semente de abóbora torrada e salgada, como normalmente comercializada, não apresenta o mesmo valor terapêutico descrito a seguir.

 

Rica em ácidos graxos monoinsaturados, pesquisas têm comprovado que o óleo contido nas sementes de abóbora apresenta resultados benéficos no tratamento de problemas da vesícula (congestão e cálculos) e próstata (hiperplasia).

 

Coração

 

O óleo contido na semente da abóbora é comparável ao azeite de oliva, quanto ao seu elevado teor de ácidos graxos monoinsaturados, já reconhecidos como benéficos ao sistema cardiovascular. Estudos revelam que o seu consumo diário tem efeito redutor das taxas de colesterol e triglicérides. As vitaminas A, B1, B2, E, Niacina, Ácido fólico, e os minerais magnésio, zinco, ferro, cobre, potássio, manganês, cálcio e selênio complementam este pacote alquímico que promove saúde ao coração.

 

Pressão sanguínea

 

Aposte na semente de abóbora para prevenir e tratar hipertensão arterial. Rica em potássio (919 miligramas), este mineral cumpre importante função no controle da pressão arterial. Homens e mulheres precisam consumir cerca de 2.000 miligramas de potássio/dia.

Prisão de Ventre

 

A concentração de fibras na semente de abóbora é bastante elevada, o que torna o consumo diário desta semente muito indicado na prevenção e tratamento da prisão de ventre. Mas não esqueça que:

 

1) a semente crua é muito mais benéfica que a torrada e,

2) o aumento do consumo de fibras deve ser acompanhado pelo adequado consumo de líquidos: água, sucos e alimentos crus.

 

Pele, cabelo e olhos

 

Rica em vitamina E (3,910 miligramas), uma vitamina de reconhecida ação antioxidante, o consumo diário desta semente pode ser um coadjuvante no combate ao envelhecimento precoce, não só da pele, como das células de todo o organismo. A dose recomendada para homens e mulheres é de 15 miligramas/dia.

Rica em vitamina A (6,2 microgramas), previne doenças como a degeneração macular. Vale um lembrete: mulheres precisam de 700 microgramas/dia, enquanto os homens precisam de 900 microgramas/dia.

O óleo extraído da semente de abóbora, usado tanto interna quanto externamente, auxilia no tratamento de queda de cabelo, quando combate o DHT (DiHidroTestosterona), que é o hormônio que penetra nos receptores dos folículos pilosos, iniciando um processo de enfraquecimento e perda dos cabelos.

 

Próstata

 

A semente de abóbora têm sido considerada um dos melhores tratamentos naturais na prevenção de problemas da próstata e trato urinário. Seus lipídios e alta concentração de zinco, melhoram a tonicidade dos músculos da bexiga, descongestionando a próstata. Ela pode ser ministrada como um coadjuvante na hipertrofia e inflamação da próstata, e também para prevenir quadros de inflamação da vesícula urinária.

 

Receita: cozinhe 150 gramas de sementes inteiras de abóbora (frescas e cruas, sem descascar) em 1 litro de água filtrada por 20 minutos em fogo lento. Deixe esfriar e transfira para uma garrafa ou recipiente de boca larga. Não é necessário coar, pois as sementes permanecerão no fundo, e poderão ser jogadas fora após o total resfriamento. Tome um copo desta água três vezes ao longo do dia.

 

Vermífugo

 

A abóbora está inscrita nas Farmacopéias Brasileiras I e II onde consta como parte usada a sua semente. Os autores, em geral, como Pessoa (1946:407), Youngken (1959:1105), Font Quer (1978:773), Claus & Tyler (1968:156), destacam a ação anti-helmíntica (vermífuga) das sementes de abóbora, particularmente no combate à tênia. O princípio ativo que lhe confere esta notável propriedade, são componentes ativos de caráter resinoso localizados no embrião e na membrana verde da semente: a cucurbitacina.

 

Alguns autores mencionam a semente crua e descascada outros a semente torrada. De qualquer forma, como é um tratamento de dose única, a indicação é de 100 a 150 gramas (crianças) e 200 a 250 gramas (adultos).

 

Receitas Vermífugo

 

A partir da semente crua: Quer (1978:773) recomenda 130 gramas de sementes de abóbora descascadas; transformadas em uma pasta e misturada com 50 gramas de açúcar mascavo até formar uma massa homogênea. Dividir em três porções iguais. Ministrar uma porção em jejum, outra na hora do almoço e a última na hora do jantar. Atenção: não ingerir outro alimento durante todo o dia. Passada uma hora, depois da ingestão da última porção, tomar 30 gramas (2 colheres de sopa) de óleo de rícino (ação purgativa).

 

A partir da semente torrada: as sementes descascadas de abóbora são torradas numa frigideira até ficarem douradas. São trituradas no liquidificador até formar uma paçoca. O tratamento costuma iniciar durante a fase da lua-nova, e a dose indicada é ingerida de uma só vez, em jejum, com leite de coco, não se alimentando durante o dia todo. À noite, toma-se um purgativo na dosagem de uma colher (sopa) de óleo de rícino. Outros preferem tomar esta dose do purgante parceladamente, durante o dia e a noite. Caso a solitária não seja eliminada, repete-se o  tratamento, geralmente depois de um mês, coincidindo com a mesma fase lunar.

 

Convém lembrar que um possível insucesso no uso das sementes de abóbora como vermífugo deve ser atribuído a um problema típico brasileiro: por ser um medicamento popular e natural, não é respeitada a dose nem a forma correta do tratamento.
 

Uma curiosidade sobre usos das Abóboras e Morangas

Polpa - rica em vitaminas e sais minerais de fácil digestão é usada no preparo de doces, sopas, refogados, suflês, nhoques, pão, bolos, purês, sorvetes; compõe, bem, cozidos, feijoadas, assados. Crua, ralada, constitui saladas leves e saborosas. Crua, junto com suas sementes, resulta em desintoxicantes benéficos na redução da glicemia. Isenta de agrotóxicos, pois sua dura casca é um bloqueio natural a pragas, trata-se de um substituto, com muitas vantagens, da batata-inglesa que no Brasil é extremamente contaminada com agrotóxicos.

Folhas - cambuquira: parte muito rica da aboboreira, pouco usada na culinária. Previamente refogadas ficam deliciosas em sopas e caldos.

Flores - podem ser servidas em sucos desintoxicantes, omeletes ou à milanesa.

Sementes e brotos – elevado teor de ferro podem ser consumidas, cruas e frescas, desidratadas ou germinadas, em sucos desintoxicantes e saladas.
 

Conceição Trucom é química, cientista, palestrante e escritora sobre temas voltados para a

alimentação natural, bem-estar e qualidade de vida.

 

Reprodução permitida desde que mantida a integridade das informações e citada a autora e fonte.

 
 
 ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
 

Os alimentos mais saudáveis do mundo

 

 

Depois de uma extensa pesquisa, o nutricionista americano Jonny Bowden selecionou os ingredientes com maior valor nutricional, que realmente deveriam fazer parte de nossa dieta diária. Alguns são itens que jogamos fora, como as folhas da beterraba, outros, alimentos aos quais não prestamos muita atenção, como a canela. Leia a entrevista completa aqui.

 

1- Sardinha: é rica em proteínas e possui minerais essenciais, como magnésio, ferro e selênio, que têm ação anticancerígena. Esse tipo de peixe também ajuda o organismo a liberar o mercúrio e tem altas concentrações de omega 3, um tipo de gordura “boa”, essencial para o funcionamento do cérebro, do coração e para a redução da pressão arterial. As sardinhas são chamadas de “comida saudável em lata” por Bowden, que aconselha que sejam compradas as preservadas no próprio óleo ou em azeite, quando não puderem ser consumidas frescas.

 

2- Repolho: as folhas do vegetal contêm grandes concentrações de substâncias antioxidantes e anticancerígenas chamadas de indoles e sulforafanos. Uma pesquisa da Universidade de Stanford, nos EUA, apontou que o sulforafano é a substância química encontrada em plantas que mais eleva o nível de enzimas anticancerígenas no organismo.

 

3- Folha de beterraba: geralmente jogada fora, é rica em vitaminas, minerais e antioxidantes. Contém carotenóides, pigmento natural dos vegetais que ajuda a proteger os olhos

contra o envelhecimento. Bowden também afirma que a beterraba em si também

é um dos alimentos mais ricos que existem.

As folhas podem ser comidas cruas na salada ou refogadas, como espinafre.

 

4- Açaí: em suco ou misturado à comida, como é feito no norte do país, o açaí é uma das frutas com maior concentração de antioxidantes. Também é rica em gorduras monoinsaturadas e poliinsaturadas, que são benéficas e auxiliam na redução do colesterol ruim e na prevenção de doenças cardíacas. Para Bowden, os brasileiros que não consomem a fruta freqüentemente desperdiçam a benção que a natureza lhes proporcionou.

 

5- Goiaba: rica em fibras, minerais e vitaminas. Também possui grandes quantidades de licopeno, o mais antioxidante entre todos os carotenóides. O licopeno auxilia na prevenção do câncer de próstata e reduz os riscos de surgimento de catarata e doenças cardiovasculares.

 

6- Cereja fresca: tem altas concentrações de antocianina, um antiinflamatório natural. Deve ser comida ao natural ou misturada com iogurte ou vitaminas.

 

7- Chocolate meio-amargo: rico em flavanóides, que diminuem a pressão sangüínea e promovem o bom funcionamento do sistema circulatório, tem altas concentrações de magnésio, um mineral importante para mais de 300 processos biológicos do organismo.

8- Frutas oleaginosas: são as castanhas, as nozes e as amêndoas. Bowden afirma que todas trazem inúmeros benefícios, apesar do elevado teor calórico. Possuem muitos minerais, proteínas e altos níveis de Omega 3 e Omega 9.

 

9- Canela: ajuda a controlar o nível de açúcar e de colesterol no sangue, o que previne o risco de doenças cardíacas. Para usufruir dos benefícios da especiaria, basta polvilhar um pouco de canela em pó no café ou no cereal matinal.

 

10- Semente de abóbora: é uma grande fonte de magnésio. Esse mineral é tão importante, explica Bowden, que estudiosos franceses concluíram que homens com altas taxas de magnésio no sangue têm 40% menos chances de sofrer uma morte prematura do que aqueles com baixos índices. Para consumi-las, toste-as no forno e coma-as por inteiro, inclusive com a casca, que é rica em fibras.

 

 

Jonny Bowden, Ph.D., C.N.S. é um perito americano nacionalmente conhecido na perda de peso e nutrição, autor do best-seller  “Os 150 Alimentos mais saudáveis do planeta”, bem como o premiado “A Vida de Baixo Carboidrato: Escolhendo a dieta certa para você de Atkins para Zone”.

Ele tem um mestrado em psicologia e aconselhamento, um PhD em nutrição e é certificado

pelo American College of Nutrition. Seu novo livro, “As mais Eficazes Curas Naturais na Terra”

será publicado pela Editora Fair Winds, em janeiro de 2008.

Como o popular “Perca Peso Treinador” no www.iVillage.com por mais de 10 anos, os conselhos práticos terra-a-terra do Dr. Bowden na saúde, peso, nutrição e vida foram lidos  por milhões. Ele é um escritor de saúde apresentador do AOL e contribuiu para mais de 50 revistas e jornais como The New York Times, Men's Health, Time Magazine, Self, Shape, Fitness, Marie Claire, Diabetes Focus and Oxygen.. Ele apareceu como um especialista em nutrição na Fox News, CNN, MSNBC, CBS, NBC e ABC.

Animados, divertidos, teimosos escritos, em nutrição e perda de peso nas áreas da saúde, estilo de vida, relacionamentos, espiritualidade e tudo o que é preciso para viver uma competente, energizada, sexy, vida emocionante.

 

 
 //////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
 
 
 RETARDE O ENVELHECIMENTO COMENDO UMA CASTANHA POR DIA
 
 

 

1 castanha por dia...
...não mais do que isso, garante as doses de selênio de que seu corpo precisa para

preservar cada célula,botar para fora possíveis substâncias tóxicas e viver mais

 

por DIOGO SPONCHIATO

 

Cabe na palma da sua mão, e ainda sobra um espaço e tanto, a arma que vai superproteger

as unidades microscópicas do seu organismo.

Em segundos, ao mastigar uma única castanha-do-pará, você recarregará os níveis de um mineral extremamente importante para uma vida longa e saudável: o selênio.

A pequena oleaginosa repõe a quantidade do nutriente necessária para dar combate

ao envelhecimento celular, causado pela formação natural daquelas incansáveis moléculas

que danificam as células, os radicais livres.

 

Um estudo da Universidade de Otago, na Nova Zelândia, atesta que a ingestão diária de duas castanhas-do-pará recentemente rebatizadas castanhas-do-brasil eleva em 65% o teor de selênio no sangue. Mas provavelmente os neozelandeses não usaram o legítimo produto brasileiro. Ora, nós somos sortudos. É que ascastanhas produzidas no Norte e no Nordeste do país são tão ricas em selênio que bastaria uma unidade para tirar o mesmo proveito. A recomendação é de que um adulto consuma, no mínimo, 55 microgramas por dia, diz a nutricionista Bárbara Rita Cardoso, pesquisadora do Laboratório de Minerais da Universidade de São Paulo. E com uma unidade da nossa castanha já é possível encontrar bem mais do que isso: de 200 a 400 microgramas do bendito selênio. Aliás, o limite de consumo diário do mineral é de 400 microgramas, portanto, não vá com muita fome ao pote. No caso de uma criança, meia castanha seria suficiente, afirma Silvia Cozzolino, presidenta da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição.

 

E por que toda essa fama do selênio? Ele é essencial para acionar enzimas que combatem os radicais livres, responde Christine Thomson, a pesquisadora neozelandesa que investigou as propriedades da castanha. O selênio se liga a algumas proteínas já existentes em nosso corpo para formar essas enzimas antioxidantes, descreve, completando, Bárbara Cardoso. Na ausência dele, as tais enzimas fi cam sem atividade e, então, deixam de combater os radicais e ainda desguarnecem as defesas do organismo.

 

O mineral da castanha também teria um papel especial na proteção do cérebro. É que, com essa capacidade de acabar com a farra dos radicais livres, as células nervosas seriam preservadas, evitando o surgimento de doenças neurodegenerativas com a idade. Justamente por isso, a pesquisadora Bárbara Rita Cardoso começa a estudar os possíveis benefícios do selênio em portadores do mal de Alzheimer. A gente desconfia que nesses pacientes os radicais façam maiores estragos, diz ela.

 

A tireóide também funciona melhor na presença do selênio, acrescenta Christine Thomson. Isso porque, se não houver esse elemento, ela não consegue produzir direito seus célebres hormônios. O mineral também está intimamente associado à capacidade de o organismo se livrar de substâncias tóxicas, ajudando-o inclusive a expulsar possíveis metais pesados que se alojam nas células.

 

Apesar de tudo isso, o badalado selênio deve ser apreciado com moderação. Quando os especialistas recomendam uma castanha diária, é para segui-lo à risca. Acredite: o conselho não é nem um pouco mesquinho. Esse consumo ideal e comedido é que faz todas essas enzimas que dependem do nutriente trabalharem de forma adequada, diz Bárbara. Em excesso, o selênio não vai potencializar sua ação. E o pior: mais cedo ou mais tarde, o exagero rotineiro vai revelar o lado negro da substância. Sim, ele existe: a toxicidade. Ela acontece se a pessoa ingerir mais de 800 microgramas por dia, adverte Silvia Cozzolino. É que o selênio tem efeito cumulativo, emenda Christine Thomson.

 

Isso não significa que abusar das deliciosas castanhas em uma happy hour com amigos traga grandes ameaças. De vez em quando, dá até para superar a quantidade recomendada. O perigo é comer essas oleaginosas além da conta todo santo dia. Quem experimentar ataques sucessivos de gula poderá sentir dor de cabeça, fi car com as unhas fracas e ver seus cabelos caírem. Mas, em geral, quem come dez castanhas hoje não vai se empanturrar delas amanhã, usa a lógica a expert em nutrição Silvia Cozzolino. No máximo, o preço desse pecado será um mau hálito parecido com o bafo de alho acredite!

 

Não corre o mesmo risco quem comer, vez ou outra, algum prato que leve a castanha na receita até porque, seja doce ou salgado, dificilmente uma porção reunirá tantas unidades assim.

E saiba: nem o fogão nem a geladeira conseguem detonar as reservas de selênio.

No dia-a-dia, porém, nada melhor do que a praticidade de botar na mochila, no bolso

ou na bolsa a sua estrela solitária. É saúde na medida certa!

 

Para chegar à quantidade de selênio de uma castanha-do-pará (de 5 gramas), você teria

que consumir, em média, o equivalente a...

 

3 filés de frango (100 gramas cada um)
16 pães franceses (50 gramas cada um)
100 copos de leite (200 mililitros por copo)
10 ostras (33 gramas cada uma)
3 latas de sardinha em conserva (130 gramas cada uma)

 

 
 ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
 
 

Gelatina e as Varizes

 

 

As gelatinas “em pó” beneficiam cada vez mais a saúde humana.

Segundo o professor do Departamento de Alimentos e Nutrição da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Unicamp, Jaime Farfan, o uso da gelatina como ingrediente ou como sobremesa tem contribuído para fortalecer unhas, cabelos e hidratar a pele, dando-lhe maior resistência, mais espessura, crescimento e brilho.

 

“Sendo um produto extraído do colágeno, especialmente do colágeno bovino,

a gelatina contém uma série de fragmentos de proteínas que quando absorvidas pelo intestino são parcialmente digeridas e fornecem aminoácidos, fundamentais para a manutenção de ossos e a reconstituição ou regeneração de algumas articulações”, explica Farfan.

 

Um organismo saudável necessita de colágeno para a manutenção do tônus muscular

e de uma pele firme, com uma reposição diária de aproximadamente 1g por quilo de peso corporal. Pesquisas mostram que, por volta dos 25 anos, o organismo começa

a diminuir a produção de colágeno em contraposição à necessidade constante dessa importante molécula no processo de rejuvenescimento e reparação celular. 

 

Aos 50 anos, o corpo só produz em média 35% do colágeno necessário.

Supõe-se que esta seja uma das principais causas do envelhecimento.

Com a diminuição do colágeno, os músculos ficam flácidos, diminui a densidade dos ossos,

as articulações e ligamentos perdem a elasticidade e a força, a cartilagem que envolve as articulações fica frágil e porosa, com aspecto de almofada. Os cabelos perdem o viço, pois diminui a espessura do fio capilar. Alguns órgãos podem sofrer deslocamento e apresentar mau funcionamento. A pele fica mais fraca, desidratada e sem elasticidade, culminando

em flacidez e no aparecimento de estrias; o ganho de reserva lipídica é mais acentuado. 

 

Para Farfan, uma boa alimentação é uma das melhores formas de prevenir doenças,

o que decorreria de situações não extremas, ou seja, tudo o que deixa um individuo melhor,

que dá resistência ao organismo. “Repomos o colágeno em nosso organismo por meio da alimentação. Os alimentos de origem animal, tais como carnes,

são boas fontes de colágeno, principalmente se tratando das carnes vermelhas.

Entretanto, para adquirirmos a quantidade ideal que nosso organismo necessita,

por meio da alimentação convencional seria impossível”, afirma.

A indústria alimentícia vem desenvolvendo produtos como colágeno em pó

ou colágeno liofilizado. Por meio da ingestão de suplementos alimentares desta natureza o nosso organismo obtém de maneira significativa e eficaz os benefícios do colágeno. 

O colágeno em pó permite que o nosso organismo mantenha uma quantidade

de massa muscular adequada, ajudando o organismo a utilizar eficientemente

suas reservas lipídicas e de açúcar. Além disso, o colágeno em pó é um

eficiente aliado contra processos de flacidez tecidual e quando aliado

a atividade física torna-se uma excelente fonte protéica capaz

que sintetizar massa magra , mantendo assim o aspecto jovial do nosso corpo. 

 

“A absorção e ação do colágeno em pó ocorre nos primeiros momentos da ingestão, pois o produto é facilmente absorvido, por ser pré-digerido, caindo diretamente na corrente sangüínea assim que ingerido, beneficiando todo o organismo, funcionando ainda como reserva orgânica no processo de regeneração e revitalização” observa Farfan.

A ciência moderna define a gelatina como uma proteína purificada, de origem animal,

isolada através de hidrólise parcial das proteínas do colágeno, encontradas naturalmente.

O colágeno é uma proteína estrutural básica e representa cerca de 33% do total

de proteínas dos mamíferos. É um componente essencial dos tecidos e sistema esquelético.

 

A gelatina contém 18 aminoácidos. O organismo humano necessita de

10 dos chamados aminoácidos essenciais, que são consumidos através dos alimentos. Gelatina contém 9 destes aminoácidos essenciais em uma proteína alimentícia

de fácil digestão e utilização. O aminoácido triptofano não está presente na gelatina;

entretanto, isto não é muito significativo, uma vez que este aminoácido é encontrado em quantidades adequadas em outros alimentos da dieta.

 

De acordo com Farfan, a gelatina é um alimento puro e é composta por cerca de

84% de proteínas, 2% de sais minerais e água.

É livre de carboidratos e gorduras, assim como de colesterol ou purinas.

Também não contém qualquer tipo de aditivo em sua constituição.

“A mais importante propriedade da gelatina é sua capacidade de formar

um gel termo-reversível, a partir de soluções com amplos limites

de concentração, isto é, podemos converter uma solução para a forma

sólida e reconvertê-la para a forma líquida, por meio de aquecimento.

Por esta razão, é um agente de ligação ideal e encontra usos nas mais

variadas aplicações, como: sobremesas de gelatinas, gomas de gelatinas,

“marshmallows”, caramelos, doces, iogurtes, mousses, queijos cremosos,

“aspics” e muitos mais. Gelatina é também importante em aplicações

farmacêuticas e fotográficas”, acrescenta o professor.

Segundo o professor, como a gelatina é uma fonte de nutrientes que são úteis para a manutenção da boa saúde e de ossos, cartilagens, tendões e inclusive da própria pele, é recomendado que nos mantenhamos uma ingestão constante dessas proteínas ‘colagenosas’. “Esse processo de reposição celular da pele pela ingestão de colágeno é bastante complicado e, agora que está começando a entender o que ocorre nas articulações da pele”, conclui.

Fonte: Camila Cotta/Agência Brasil - ABr.

 

Comments